JurisWay - Sistema Educacional Online
 
Kit com 30 mil modelos de petições
 
Cursos
Certificados
Concursos
OAB
ENEM
Vídeos
Modelos
Perguntas
Eventos
Artigos
Fale Conosco
Mais...
 
Email
Senha
powered by
Google  
 

ASPECTOS GERAIS SOBRE NULIDADES, ANULABILIDADE E IRREGULARIDADES NO PROCESSO PENAL


Autoria:

Salomão Loureiro De Barros Lima


Advogado. Especialista em direito tributário.

envie um e-mail para este autor

Outros artigos da mesma área

O relevante papel da Polícia Civil em face da Nova Lei do Crime Organizado.

Prisão Preventiva: decretação sem interferência da gravidade do crime.

LEI 12850/2013 DEFINE ORGANIZAÇÃO CRIMINOSA E DA NOVA REDAÇÃO AO CRIME DE FORMAÇÃO DE QUADRILHA

A Constitucionalidade da Lei 11.900/2009 (VIDEO-CONFERENCIA)

DESCABIMENTO DA PRISÃO EM FLAGRANTE NO CRIME DE FALSO TESTEMUNHO

DIREITO PENAL DO INIMIGO: Possibilidade de aplicação no Estado Democrático de Direito Brasileiro, análise à luz da obra Na Colônia Penal de Franz Kafka

A Realidade do Sistema Prisional Brasileiro

Produção Antecipada de Provas/Valoração

"Delação premiada" e sua colaboração para a operação lava jato

Da constitucionalidade do PLC 7/2016 que altera a Lei Maria da Penha

Mais artigos da área...

Texto enviado ao JurisWay em 21/10/2013.



Indique este texto a seus amigos indique esta página a um amigo



Quer disponibilizar seu artigo no JurisWay?

 

 

Generalidades.

            A nulidade no Processo Penal pode ser definida como um defeito jurídico que torna inválido ou destituído de valor jurídico um ato ou o processo. Tal sanção pode ter caráter total ou parcial. Pode-se dizer que são defeito ou vícios que ocorrem no decorrer do processo penal ou no inquérito policial. Note-se que, quando o Ordenamento Jurídico considera determinado ato inválido, está-se garantindo às partes e ao juiz uma relação penal válida, isto é, pautada no princípio do devido processo legal. Em outras palavras é uma sanção decretada pelo órgão jurisdicional em relação ao ato processual praticado com inobservância aos parâmetros normativos, desde que fique caracterizado o prejuízo no contexto procedimental. Note-se, que a nulidade só se concretiza no momento em que é decretada judicialmente, tendo em vista que a mesma é vício que contamina determinado ato processual praticado sem observância da forma prevista em lei.

            Pois bem, além das nulidades absolutas e relativas, existem situações em que o vício é tão grande que gera a inexistência do ato, como sentença prolatada por quem não é juiz. Por outro lado, o desatendimento da formalidade pode ser incapaz de gerar qualquer prejuízo ou anular o ato, tornando-se, pois, de mera irregularidade ritualística.

O fenômeno das nulidades, que tem como nascedouro o princípio constitucional do devido processo legal (art. 5º, LIV, da Constituição), vem expresso no Código de Processo Penal (arts. 563 / 573) e pode-se ser compreendido: irregularidades, nulidades relativas, nulidades absolutas e atos inexistentes.

Irregularidades

            Conforme a interpretação do art. 564, IV, CPP, é irregular aquele ato que desatende as formalidades legais irrelevantes, ou seja, o defeito do ato é de mínima relevância e não afeta de sobremaneira o curso natural do devido processo penal. Desta forma , o ato processual irregular, por apresentar mínima relevância, gerará efeitos e não irá macular o processo penal como um todo, pois não há, nesses casos, violação de preceitos constitucionais que balizam o devido processo (penal), não se questionando, portanto,a sua validade. Note-se, então, que o ato meramente irregular, consistente em um simples ato defeituoso, e por ser de mínima relevância para o processo, não irá dar margem a sua invalidade. Como características do ato irregular, podemos destacar é uma afronta a uma formalidade estabelecida em norma infraconstitucional, o ato não visa a garantir interesse de nenhuma das partes, a formalidade do ato tem fim em si mesma, além de que a violação da formalidade é incapaz de gerar prejuízo.

            Como exemplo, podemos destacar o fato de o Promotor de Justiça deixar de assinar o termo da audiência, que longe de configurar qualquer hipótese de nulidade, caracteriza mera irregularidade processual, que não dá ensejo à invalidação formal do procedimento penal persecutório.

 

            Nulidades Absolutas

Como já foi dito anteriormente, as nulidades absolutas são aquelas que apresentam um grave defeito e maculam indelevelmente algum dos princípios constitucionais que norteiam o devido processo penal. São, portanto, aqueles vícios que decorrem da violação de uma determinada forma do ato, que visava à proteção de interesse processual de ordem pública. Note-se que, no processo penal há nulidade absoluta toda a vez que for violada uma regra constitucional sobre o processo.

Neste sentido, é possível afirmar que tais nulidades violam normas que tutelam verdadeiro interesse público, ou ainda, afrontam determinado princípio constitucional. Desta forma por apresentar relevante interesse público e ser tida como insanável (pois não se convalida, e muito menos é convalidada pela preclusão), as nulidades podem ser declaradas de ofício pela autoridade judicial e em qualquer grau de jurisdição (ou ainda, é claro, por meio de provocação da parte interessada), não sendo necessário demonstrar-se qualquer prejuízo, pois se trata de prejuízo presumido.

Como exemplo podemos citar, o caso de um paciente de prefeito municipal, que goza de foro por prerrogativa de função, e encaminhado o processo ao tribunal a quo após o deferimento de exceção de incompetência, impunha-se a renovação ou ratificação dos atos decisórios, sob pena de nulidade. No caso, diante da inobservância do rito previsto na Lei 8.038/90, é de se reconhecer a nulidade absoluta do processo desde o início.

 

Nulidade relativa

            São aquelas mais graves que os atos meramente irregulares, mas que, no entanto, não chegam a macular matéria de ordem pública, sendo, portanto, menos graves que as nulidades absolutas. Em outras palavras, é aquela sanção que decorre da violação de uma determinada forma do ato que visa à proteção de um interesse privado, ou seja, de uma das partes ou de ambas.

            Pois bem, tem-se que as nulidades relativas, ao contrário das nulidades absolutas, são aquelas que violam normas que tutelam o interesse eminentemente privado das partes e que não podem e não devem ser declaradas de ofício, sendo fundamental a provocação da parte interessada, sob pena de ocorrer sua convalidação do ato. Além do mais, diz-se, com freqüência, que é preciso que a parte suscitante demonstre o prejuízo sofrido, conforme art. 563 do Código de Processo Penal.

            Faz-se necessário trazer à baixa a expressão do CPP, se a parte interessada não argúi a irregularidade ou com esta implicitamente se conforma, aceitando-lhe os efeitos, nada mais natural que se entenda haver renunciado ao direito de argüi-la.

 

            Princípios norteadores

Princípio do prejuízo

Não há nulidade se não houver prejuízo a parte (art 563 CPP).Note-se que tal princípio vale apenas para nulidade relativa, em que a parte suscitante necessita demonstrar o prejuízo para si. Desta forma, não se declara a nulidade de um ato se da sua atipicidade não resultar prejuízo, devendo-se haver relação de causalidade entre o ato imperfeito e o prejuízo alegado.

Princípio da instrumentalidade das formas ou sistema teológico

Não se declarará a nulidade de ato que não influiu na apuração da verdade e na decisão da causa (art. 566 CPP) e também de ato que, mesmo praticado de forma diversa da qual prevista, atingiu sua finalidade (art. 572, II). Neste prisma, pode-se dizer que há  prevalência do fundo sobre a forma, no sentido de que o ato processual é válido se atingiu seu objetivo, ainda que realizado sem a forma legal. Em outras palavras a forma não pode ser considerada como fim em si mesma, uma vez que consoante a teoria geral do processo, o  processo não é fim, mas sim um  instrumento para realização do direito. No entanto, é imperioso ressaltar que tal princípio aplica-se somente às nulidades relativas e aos casos de irregularidade processual.

Princípio da causalidade ou conseqüencialidade

O artigo 573, § 1° e 2°, do CPP preceitua que, a nulidade de um ato uma vez declarada, causará a nulidade dos atos que dele diretamente dependam. Logo, se um ato é nulo, os demais que dele dependam existência também serão nulos. Tal princípio é aplicável aos casos de nulidade absoluta e relativa, e necessita da declaração judicial.

Princípio da convalidação ou sanabilidade

As nulidades relativas permitem a convalidação, ou seja, poderá o ato atípico ser aproveitado ou superado.O modo sanável mais comum é a preclusão, ou seja, a ausência da argüição no tempo oportuno.

No entanto existem outras formas de convalidação, tais como: Ratificação (é o modo de se revalidar a nulidade em razão da ilegitimidade de parte); Suprimento (é o jeito de se convalidar as omissões constantes na denúncia ou na queixa); Substituição (revalidam-se nulidades da citação, intimação ou notificação, como no caso do réu processado e é citado em apenas um de seus endereços constantes, mas não é encontrado.Realizada a citação por edital, o réu comparece para argüir a nulidade da citação).

 

 

Atos inexistentes

O ato não reúne elementos necessários para existir como ato jurídico, por falta de preenchimento dos requisitos legais de existência. Desta forma, é a falta de elemento essencial para o ato, que sequer permite que ele ingresse no mundo jurídico. Em outras palavras, o suporte fático é insuficiente para que ele ingresse no mundo jurídico. Como exemplo, podemos citar a sentença sem assinatura do juiz, ou ainda, sentença de extinção de punibilidade baseada em certidão de óbito falsa. Neste sentido o STF, orienta-se no sentido de que não se conhece de recurso sem a assinatura do advogado, por se tratar de ato juridicamente inexistente.

 

BIBLIOGRAFIA

 

CAPEZ, Fernando. Curso de Processo Penal – 3ªed, São Paulo: Saraiva, 1999.

NUCCI, Guilherme de Souza. Código de Processo Penal Comentado - 5ªed, São Paulo: Editora Revista dos Tribunais, 2006.

Oliveira, Eugênio Pacellide. Curso de Processo Penal – 7ªed, Belo Horizonte: Del Rey, 2007.

 

 

 

 

Importante:
1 - Conforme lei 9.610/98, que dispõe sobre direitos autorais, a reprodução parcial ou integral desta obra sem autorização prévia e expressa do autor constitui ofensa aos seus direitos autorais (art. 29). Em caso de interesse, use o link localizado na parte superior direita da página para entrar em contato com o autor do texto.
2 - Entretanto, de acordo com a lei 9.610/98, art. 46, não constitui ofensa aos direitos autorais a citação de passagens da obra para fins de estudo, crítica ou polêmica, na medida justificada para o fim a atingir, indicando-se o nome do autor (Salomão Loureiro De Barros Lima) e a fonte www.jurisway.org.br.
3 - O JurisWay não interfere nas obras disponibilizadas pelos doutrinadores, razão pela qual refletem exclusivamente as opiniões, ideias e conceitos de seus autores.

Nenhum comentário cadastrado.



Somente usuários cadastrados podem avaliar o conteúdo do JurisWay.

Para comentar este artigo, entre com seu e-mail e senha abaixo ou faço o cadastro no site.

Já sou cadastrado no JurisWay





Esqueceu login/senha?
Lembrete por e-mail

Não sou cadastrado no JurisWay




 
Copyright (c) 2006-2021. JurisWay - Todos os direitos reservados