JurisWay - Sistema Educacional Online
 
Kit com 30 mil modelos de petições
 
Cursos
Certificados
Concursos
OAB
ENEM
Vídeos
Modelos
Perguntas
Eventos
Artigos
Fale Conosco
Mais...
 
Email
Senha
powered by
Google  
 

A VERDADE MATERIAL NO PROCESSO ADMINISTRATIVO TRIBUTÁRIO


Autoria:

Salomão Loureiro De Barros Lima


Advogado. Especialista em direito tributário.

envie um e-mail para este autor

Outros artigos da mesma área

LEI DA PRESCRIÇÃO INTERCORRENTE NÃO CONSEGUIU REDUZIR AS EXECUÇÕES FISCAIS

COFINS E PIS E COMO RECUPERAR CRÉDITOS NO REGIME NÃO CUMULATIVO DE COMBUSTÍVEIS DAS EMPRESAS QUE PAGARAM A MAIOR NOS ÚLTIMOS CINCO ANOS

A EXTRAFISCALIDADE TRIBUTÁRIA COMO INSTRUMENTO DE PROTEÇÃO AMBIENTAL

Sociedade Empresarial sem registro: é valida?

PRINCÍPIOS PROCESSUAIS APLICADOS AO PROCESSO ADMINISTRATIVO

CONSIDERAÇÕES SOBRE A POSSIBILIDADE DE RELEVAÇÃO E/OU REDUÇÃO DE MULTAS, EM SEDE DE JULGAMENTO ADMINISTRATIVO NO TRIBUNAL DE IMPOSTOS E TAXAS DE SÃO PAULO

PORQUE A OAB IRÁ AO STF PELA CORREÇÃO DA TABELA DO IMPOSTO DE RENDA

COFINS E PIS E COMO RECUPERAR CRÉDITOS NO REGIME NÃO CUMULATIVO DAS EMPRESAS DO SETOR SERVIÇOS

Tudo pela Copa. Nada pelas empresas

Resumo de Direito Tributário

Mais artigos da área...

Texto enviado ao JurisWay em 21/10/2013.



Indique este texto a seus amigos indique esta página a um amigo



Quer disponibilizar seu artigo no JurisWay?

 

1. INTRODUÇÃO

 

O processo tributário brasileiro possui uma vertente administrativa e uma judicial, sendo a primeira um instrumento de revisão do lançamento, de modo a possuir uma estrutura diferente da segunda. Tal diferença, como se verá adiante, reflete essencialmente o do princípio da verdade material e da informalidade, sob o paradigma de que as provas sejam analisadas à luz da verdade material.

 

2. DESENVOLVIMENTO

 

            No Brasil, o processo tributário se desenvolve em duas searas: diante dos órgãos da administração pública e perante o Poder Judiciário[1]. Como o foco do presente trabalho versa sobre os aspectos da verdade material no processo administrativo tributário, não abordaremos o processo tributário no Poder Judiciário, o que não significa que o mesmo seja irrelevante.

             Tem-se que o processo administrativo tributário se faz existir através da atividade de autotutela da legalidade exercida pela própria Administração, ou seja, tem o fito de controlar a legalidade e a legitimidade do lançamento desempenhado pelas autoridades administrativas[2]. No mesmo sentido, o professor Igor Tenório ensina que existe um consenso na doutrina em considerar que o processo administrativo constitui um instrumento adequado de revisão, nas hipóteses em que o “lançamento se inicia com a impugnação do sujeito passivo da obrigação tributária, ao lançamento feito pela autoridade administrativa[3]”. Ademais, além da “objeção ao lançamento, cabe, na área do processo administrativo, o pedido de restituição e a consulta. [4]

De acordo com a exegese o texto constitucional todos que se encontrarem numa posição de litigantes administrativos fazem jus de ter os seus argumentos e provas apreciados pelo julgador administrativo, bem como contestar as manifestações processuais provenientes da Administração Pública[5]. É neste paradigma que Salomão afirma que “todo processo administrativo no Brasil deverá respeitar os princípios do devido processo legal, em especial os do contraditório e ampla defesa[6]”.

Neste prisma surge a figura da prova como um meio de formar o convencimento daquele que decide acerca da existência ou inexistência de fatos relevantes ao processo[7]. Tendo em vista a influencia constitucional no processo administrativo tributário, infere-se que a ampla possibilidade de produção de provas no curso do processo consolida a legitimação dos princípios da ampla defesa, do devido processo legal e da verdade material[8].

            Uma peculiaridade do processo administrativo tributário diz respeito ao fato de que, sempre se busca a descoberta da verdade material no tocante aos fatos tributários[9]. Tal idéia se origina do fato de que “o princípio da verdade material decorre do princípio da legalidade e, também, do princípio da igualdade. Busca, incessantemente, o convencimento da verdade que, hipoteticamente, esteja mais aproxima da realidade dos fatos.[10]

            Corroborando o argumento de que no processo administrativo o que se busca é a verdade dos fatos, Salomão leciona que o “processo administrativo tem como meta julgar os casos levando em conta todas as provas possíveis para se chegar o mais perto da realidade empírica que gerou o litígio[11]”. Neste passo, o autor em questão vai mais além, ao afirmar que a busca da verdade material no processo administrativo significa  que “a busca da verdade jurídica pode se dar com uma certa margem de liberdade em termos de produção de provas[12]”. 

            Em termos objetivos, a “verdade material é fundamentada no interesse público, logo, precisa respeitar a harmonia dos demais princípios do direito positivo. É possíveis, também, a busca e análise da verdade material, para melhorar a decisão sancionatória em fase revisional[13]”.

3. CONCLUSÃO

A apresentação de provas e a verificação dos preceitos do princípio da verdade material estão diretamente relacionados no processo administrativo, no sentido de que a verdade material apresentará a versão legítima dos fatos tais como ocorridos, independente da impressão das partes. Logo, o julgador deverá levar em consideração que a prova há de ser considerada em toda a sua extensão, de modo a assegurar todas as garantias e prerrogativas constitucionais possíveis do contribuinte, respeitando os termos especificados pela lei tributária.

 

4. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

TORRES, Ricardo Lobo. Curso de direito Financeiro e Tributário. 15ª ed. Rio de Janeiro: Renovar, 2008.

 

SALOMÃO, Marcelo Viana. Artigo publicado na coletânea PROCESSO ADMINISTRATIVO TRIBUTÁRIO. Coordenador Marcelo Viana Salomão e Aldo de Paula Junior. MP Editora. São Paulo. 2005.

 

DOMINGUES, Ingrid Souza. A prova e o princípio da verdade material no processo administrativo tributário.  Disponível em: < http://www.egov.ufsc.br/portal/conteudo/prova-e-o-princ%C3%ADpio-da-verdade-material-no-processo-administrativo-tribut%C3%A1rio> Acesso em: 13 de out. 2012.

 

LOPES, Wendel Ferreira. A PROVA NO PROCESO ADMINISTRATIVO TRIBUTÁRIO. Disponível em: <http://www.ferreiraeviola.com.br/artigos13.pdf> Acesso em: 13 de out. 2012.

 

 



[1] TORRES, Ricardo Lobo. Curso de direito Financeiro e Tributário. 15ª ed. Rio de Janeiro: Renovar, 2008. p. 339.

[2] Idem.

[3] TENÓRIO, Igor. Dicionário de Direito Tributário. 4ed. São Paulo: IOB Thomson, 2004. p. 726.

[4] Indem.

[5] SALOMÃO, Marcelo Viana. Artigo publicado na coletânea PROCESSO ADMINISTRATIVO TRIBUTÁRIO. Coordenador Marcelo Viana Salomão e Aldo de Paula Junior. MP Editora. São Paulo. 2005. Material da 1ª aula da Disciplina Direito Processual Tributário, ministrada no Curso de Especialização Telepresencial e Virtual de Direito Tributário – REDE LFG.

[6] Idem.

[7] LOPES, Wendel Ferreira. A PROVA NO PROCESO ADMINISTRATIVO TRIBUTÁRIO. Disponível em: <http://www.ferreiraeviola.com.br/artigos13.pdf> Acesso em: 13 de out. 2012.

[8]DOMINGUES, Ingrid Souza. A prova e o princípio da verdade material no processo administrativo tributário.  Disponível em: < http://www.egov.ufsc.br/portal/conteudo/prova-e-o-princ%C3%ADpio-da-verdade-material-no-processo-administrativo-tribut%C3%A1rio> Acesso em: 13 de out. 2012.

[9] Idem.

[10] Idem.

[11] SALOMÃO, Marcelo Viana. Artigo publicado na coletânea PROCESSO ADMINISTRATIVO TRIBUTÁRIO. Coordenador Marcelo Viana Salomão e Aldo de Paula Junior. MP Editora. São Paulo. 2005. Material da 1ª aula da Disciplina Direito Processual Tributário, ministrada no Curso de Especialização Telepresencial e Virtual de Direito Tributário – REDE LFG.

[12] Idem.

[13] DOMINGUES, Ingrid Souza. A prova e o princípio da verdade material no processo administrativo tributário.  Disponível em: < http://www.egov.ufsc.br/portal/conteudo/prova-e-o-princ%C3%ADpio-da-verdade-material-no-processo-administrativo-tribut%C3%A1rio> Acesso em: 13 de out. 2012.

Importante:
1 - Conforme lei 9.610/98, que dispõe sobre direitos autorais, a reprodução parcial ou integral desta obra sem autorização prévia e expressa do autor constitui ofensa aos seus direitos autorais (art. 29). Em caso de interesse, use o link localizado na parte superior direita da página para entrar em contato com o autor do texto.
2 - Entretanto, de acordo com a lei 9.610/98, art. 46, não constitui ofensa aos direitos autorais a citação de passagens da obra para fins de estudo, crítica ou polêmica, na medida justificada para o fim a atingir, indicando-se o nome do autor (Salomão Loureiro De Barros Lima) e a fonte www.jurisway.org.br.
3 - O JurisWay não interfere nas obras disponibilizadas pelos doutrinadores, razão pela qual refletem exclusivamente as opiniões, ideias e conceitos de seus autores.

Nenhum comentário cadastrado.



Somente usuários cadastrados podem avaliar o conteúdo do JurisWay.

Para comentar este artigo, entre com seu e-mail e senha abaixo ou faço o cadastro no site.

Já sou cadastrado no JurisWay





Esqueceu login/senha?
Lembrete por e-mail

Não sou cadastrado no JurisWay




 
Copyright (c) 2006-2021. JurisWay - Todos os direitos reservados