JurisWay - Sistema Educacional Online
 
Será o fim do JurisWay?
 
Cursos
Certificados
Concursos
OAB
ENEM
Vídeos
Modelos
Perguntas
Notícias
Artigos
Fale Conosco
Mais...
 
Email
Senha
powered by
Google  
 

Agressor que descumpre medida protetiva de urgência perde metade da fiança


Autoria:

Carlos Eduardo Rios Do Amaral


MEMBRO DA DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO

envie um e-mail para este autor

Resumo:

Agressor que descumpre medida protetiva de urgência perde metade da fiança

Texto enviado ao JurisWay em 18/04/2015.



Indique este texto a seus amigos indique esta página a um amigo



Quer disponibilizar seu artigo no JurisWay?

Agressor que descumpre medida protetiva de urgência perde metade da fiança

 

Por Carlos Eduardo Rios do Amaral

 

Até a reforma processual do ano de 2011, o Agressor doméstico que descumpria as medidas protetivas de urgência, concedidas com base na Lei Maria da Penha, estava sujeito apenas à decretação (ou não) de sua prisão preventiva (Art. 42 da LMP), a critério do juiz.

 

A partir da Lei nº 12.403/2011, que alterou o Art. 341 do Código de Processo Penal, que cuida das hipóteses de quebramento da fiança, todo e qualquer descumprimento de medidas protetivas de urgência pelo Agressor importará sempre no quebramento da fiança prestada, na razão de metade do seu valor.

 

Isso porque antes da Lei nº 12.403/2011 o instituto da fiança era serviente unicamente à garantia do comparecimento do Agressor a todos os atos e termos do procedimento criminal em sentido estrito (Art. 327, do CPP). Ou seja, constituía-se exclusivamente em garantia pecuniária para aplicação da lei penal. E mais nada!

 

Com a reforma processual de 2011, a fiança e suas hipóteses de quebramento passaram a ter correlação legal expressa também com o processo cautelar das medidas protetivas de urgência e, melhor ainda, com a autoridade das decisões judiciais de um modo geral. É o que preceitua o novo Art. 341, III e IV, do CPP.

 

A alteração advinda da Lei nº 12.403/2011 é bem-vinda e oportuna, uma vez que, como se sabe, o dinheiro ou objetos dados como fiança servirão ao pagamento das custas, da indenização do dano, da prestação pecuniária e da multa, se o Agressor for condenado. Nada mais justo do que a recalcitrância no cumprimento das medidas protetivas de urgência pelo Agressor importe no início da recomposição mínima dos danos civis à Vítima, ocasionados pela violência ocorrida no âmbito familiar.

 

A par da perda de metade do valor da fiança prestada, caberá ainda ao juiz do Juizado de Violência Doméstica e Familiar decidir sobre a imposição de outras medidas acautelatórias ou, se for o caso, decretar a prisão preventiva do Agressor, para proteção da vítima. Sendo o próprio descumprimento da medida protetiva de urgência, em si mesmo, razão suficiente para acreditar que em liberdade o Agressor investirá novamente contra sua Vítima.

 

Oportuno dizer que a decretação da perda de metade da fiança prestada pelo Agressor não é uma faculdade do juiz. Sempre que estiver diante do descumprimento injustificado de medidas protetivas de urgência, o juiz deverá decretá-la, observando o disposto no Art. 341, III, c/c Art. 343, do CPP.

 

O Egrégio Tribunal de Justiça do Estado do Paraná, em Acórdão da Relatoria do Eminente Desembargador Jesus Sarrão (HC nº 879.030-1), v.u., já teve oportunidade de se manifestar sobre o tema, in litteris:

 

“(...) Ocorre que, ao contrário do decidido por este Juízo, o representado não se absteve de manter contato com a ofendida, encaminhando-lhe mensagens de texto no celular (SMS), ameaçando-a, acaso não retomasse o relacionamento afetivo que anteriormente mantinha consigo.

 

Assim agindo, o representado descumpriu a medida cautelar que lhe houvera sido imposta, o que, nos moldes do artigo 341, inciso III, do Código de Processo Penal, acarreta na QUEBRA DA FIANÇA e, dadas as peculiaridades do caso, que envolve o emprego efetivo de violência contra mulher no âmbito do convívio doméstico e descumprimento de medidas impostas para salvaguarda da integridade física da ofendida, na DECRETAÇAO DA PRISÃO PREVENTIVA, conforme o teor dos artigos 313, inciso III, e 343 do Código de Processo Penal.

 

Friso que a imposição de qualquer outra medida cautelar em substituição à prisão preventiva não se mostra suficiente ao resguardo da Ordem Pública e integridade física e emocional da ofendida, haja vista que o representado já demonstrou seu desinteresse na observância das determinações deste Juízo exaradas no intuito de evitar a sua segregação processual”.

 

É preciso ter em mente que embora muitos avanços tenham sido alcançados com a Lei Maria da Penha, ainda assim, hoje, contabilizamos 4,4 assassinatos a cada 100 mil mulheres, número que coloca o Brasil no 7º lugar no ranking de países nesse tipo de crime.

 

Todo esforço legislativo no sentido de combater e prevenir a violência doméstica deve se constituir em ferramenta jurídica imprescindível e indispensável para o juiz. Doa a quem doer. Afinal, quem bate na mulher machuca a família inteira.

 

______________ 

 

Carlos Eduardo Rios do Amaral é Defensor Público do Estado do Espírito Santo

 

 

 

 

Importante:
1 - Conforme lei 9.610/98, que dispõe sobre direitos autorais, a reprodução parcial ou integral desta obra sem autorização prévia e expressa do autor constitui ofensa aos seus direitos autorais (art. 29). Em caso de interesse, use o link localizado na parte superior direita da página para entrar em contato com o autor do texto.
2 - Entretanto, de acordo com a lei 9.610/98, art. 46, não constitui ofensa aos direitos autorais a citação de passagens da obra para fins de estudo, crítica ou polêmica, na medida justificada para o fim a atingir, indicando-se o nome do autor (Carlos Eduardo Rios Do Amaral) e a fonte www.jurisway.org.br.
3 - O JurisWay não interfere nas obras disponibilizadas pelos doutrinadores, razão pela qual refletem exclusivamente as opiniões, ideias e conceitos de seus autores.

Nenhum comentário cadastrado.



Somente usuários cadastrados podem avaliar o conteúdo do JurisWay.

Para comentar este artigo, entre com seu e-mail e senha abaixo ou faço o cadastro no site.

Já sou cadastrado no JurisWay





Esqueceu login/senha?
Lembrete por e-mail

Não sou cadastrado no JurisWay




 
Copyright (c) 2006-2019. JurisWay - Todos os direitos reservados