JurisWay - Sistema Educacional Online
 
Kit com 30 mil modelos de petições
 
Cursos
Certificados
Concursos
OAB
ENEM
Vídeos
Modelos
Perguntas
Eventos
Artigos
Fale Conosco
Mais...
 
Email
Senha
powered by
Google  
 

PAPEL ESTEREOTIPADO DA MULHER NA MÍDIA


Autoria:

Carlos Eduardo Rios Do Amaral


MEMBRO DA DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO

envie um e-mail para este autor

Resumo:

PAPEL ESTEREOTIPADO DA MULHER NA MÍDIA

Texto enviado ao JurisWay em 23/12/2010.



Indique este texto a seus amigos indique esta página a um amigo



Quer disponibilizar seu artigo no JurisWay?

PAPEL ESTEREOTIPADO DA MULHER NA MÍDIA

 

Por Carlos Eduardo Rios do Amaral

 

 

O embrião normativo do respeito à mulher nos meios de comunicação social, com o fito de erradicação da violência contra a mulher, principalmente no seio familiar, é a Convenção Sobre a Eliminação de Todas as Formas de Discriminação Contra a Mulher, adotada pela Resolução n. 34/180, da Assembléia Geral da Organização das Nações Unidas, de 18 de Dezembro de 1979, promulgada e inserida em nosso ordenamento positivo pelo Decreto nº 4.377, de 13 de Setembro de 2002.

 

Reconhecendo que para se alcançar a plena igualdade entre o homem e a mulher faz-se necessário modificar o papel tradicional tanto do homem como da mulher na sociedade e na família, o Art. 5º desta Convenção das Nações Unidas estabelece que os Estados-Partes tomarão todas as medidas apropriadas para modificar os padrões sócio-culturais de conduta de homens e mulheres, com vistas a alcançar a eliminação dos preconceitos e práticas consuetudinárias e de qualquer outra índole que estejam baseados na idéia da inferioridade ou superioridade de qualquer dos sexos ou em funções estereotipadas de homens e mulheres.

 

Mais tarde, em 09 de Julho de 1994, é adotada a Convenção Interamericana para Prevenir, Punir e Erradicar a Violência Contra a Mulher, a chamada "Convenção de Belém do Pará", da Organização dos Estados Americanos, promulgada no Brasil pelo Decreto n. 1.973, 01º de Agosto de 1996.

 

O Art.6º desse pontual Diploma Interamericano proclama que o direito de toda mulher a uma vida livre de violência inclui o direito da mulher de ser valorizada e educada livre de padrões estereotipados de comportamentos e práticas sociais e culturais baseados em conceitos de inferioridade e subordinação. Seu Art. 8º adverte que os Estados-Partes deverão adotar, em forma progressiva, medidas específicas, inclusive programas para modificar os padrões sócio-culturais de conduta de homens e mulheres, incluindo a construção de programas de educação formais e não-formais apropriados a todo nível do processo educativo, para contrabalançar preconceitos e costumes e todo outro tipo de práticas que se baseiem na premissa da inferioridade ou superioridade de qualquer dos gêneros ou nos papéis estereotipados para o homem e a mulher ou legitimem ou exarcebem a violência contra a mulher. Ao arremate dizendo que os Países-Signatários deverão estimular os meios de comunicação e elaborar diretrizes adequadas de difusão que contribuam para a erradicação da violência contra a mulher em todas suas formas e a realçar o respeito à dignidade da mulher.

 

O Art. 221 de nossa Constituição Federal de 1988, atendendo ao seu princípio-fundamento da dignidade da pessoa humana e ao seu objetivo fundamental expresso da promoção do bem de todos sem preconceito de sexo, assegura que a produção e a programação das emissoras de rádio e televisão atenderão ao princípio do respeito aos valores éticos e sociais da pessoa e da família.

 

Dando vazão a todo esse comprometimento do Brasil na ordem internacional, o Senhor Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva, aos 07 de Agosto de 2006, sancionou a Lei n. 11.340, a conhecida Lei Maria da Penha, que cria um micro-sistema de assistência à mulher em situação de violência doméstica e familiar.

 

Dentre as suas diversas medidas integradas de prevenção à violência contra a mulher, determina a Lei Maria da Penha que a União, os Estados e os Municípios, por meio de um conjunto articulado de ações, criem uma política pública tendo por diretriz o respeito, nos meios de comunicação social, dos valores éticos e sociais da pessoa e da família, de forma a coibir os papéis estereotipados que legitimem ou exacerbem a violência doméstica e familiar, de acordo com o estabelecido nas legislações citadas.

 

Destarte, as concessionárias e permissionárias de serviços de telecomunicações ou mesmo a União quando explore diretamente esses serviços, além da observância à legislação própria de regência que disponha sobre a organização desses serviços e à normatização de seu órgão executivo regulamentador, não poderão perder de vista que devem ser abolidos, definitivamente, os papéis estereotipados que legitimem ou exacerbem a violência doméstica e familiar contra a mulher no País.

 

A violação dessas determinações, em desprezo ou indiferença à política de prevenção e erradicação da violência contra a mulher e à legislação especial protetiva vigente, deverá deflagrar o papel regulador do Estado no sentido de ser decretada a intervenção na concessionária, por ato da agência reguladora, por prática de infração grave, e, até mesmo, a anulação da concessão caso a irregularidade se mostre insanável. E, em caso de omissão estatal, as Instituições sentinelas de promoção e defesa dos direitos da mulher, como a Defensoria Pública e o Ministério Público, deverão promover as Ações Civis Públicas que se fizerem necessárias ao resgate da dignidade da mulher e da família.

 

_______   

 

Carlos Eduardo Rios do Amaral é Defensor Público do Estado do Espírito Santo

 

 

 

 

Importante:
1 - Conforme lei 9.610/98, que dispõe sobre direitos autorais, a reprodução parcial ou integral desta obra sem autorização prévia e expressa do autor constitui ofensa aos seus direitos autorais (art. 29). Em caso de interesse, use o link localizado na parte superior direita da página para entrar em contato com o autor do texto.
2 - Entretanto, de acordo com a lei 9.610/98, art. 46, não constitui ofensa aos direitos autorais a citação de passagens da obra para fins de estudo, crítica ou polêmica, na medida justificada para o fim a atingir, indicando-se o nome do autor (Carlos Eduardo Rios Do Amaral) e a fonte www.jurisway.org.br.
3 - O JurisWay não interfere nas obras disponibilizadas pelos doutrinadores, razão pela qual refletem exclusivamente as opiniões, ideias e conceitos de seus autores.

Nenhum comentário cadastrado.



Somente usuários cadastrados podem avaliar o conteúdo do JurisWay.

Para comentar este artigo, entre com seu e-mail e senha abaixo ou faço o cadastro no site.

Já sou cadastrado no JurisWay





Esqueceu login/senha?
Lembrete por e-mail

Não sou cadastrado no JurisWay




 
Copyright (c) 2006-2021. JurisWay - Todos os direitos reservados