JurisWay - Sistema Educacional Online
 
É online e gratuito, não perca tempo!
 
Cursos
Certificados
Concursos
OAB
ENEM
Vídeos
Modelos
Perguntas
Eventos
Artigos
Fale Conosco
Mais...
 
Email
Senha
powered by
Google  
 

A CLANDESTINIDADE DA DROGA TAMBÉM MATA


Autoria:

Carlos Eduardo Rios Do Amaral


MEMBRO DA DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO

envie um e-mail para este autor

Resumo:

A CLANDESTINIDADE DA DROGA TAMBÉM MATA

Texto enviado ao JurisWay em 03/11/2014.



Indique este texto a seus amigos indique esta página a um amigo



Quer disponibilizar seu artigo no JurisWay?

A CLANDESTINIDADE DA DROGA TAMBÉM MATA

 

Por Carlos Eduardo Rios do Amaral

 

O mais entusiasta do combate e enfrentamento às drogas ilícitas em geral, infelizmente, há de convir à seguinte realidade: a clandestinidade da droga mata. E mata muito!

 

Qualquer expert no assunto, principalmente aquele que sofre com o mal que acomete o viciado dentro de casa, tem certeza que o Direito Penal, em termos de saúde mental, pouco ou nada contribui para aplacar ou mitigar a dor pessoal do ente querido e da família.

 

É muito difícil para a família brasileira lidar com um doente que a legislação federal de antemão prefere rotulá-lo de criminoso, de réu. Saldar a dívida desse verdadeiro paciente sem leito, nas bocas-de-fumo talvez seja pesadelo ainda pior e dificultoso para os seus parentes.

 

A droga é depositada e vendida nas comunidades carentes. Leia-se, é lá na periferia que vai tiro para tudo quanto é lado, ora fuzilando-se os envolvidos com o tráfico, ora atingindo-se inocentes gratuitamente. O filhinho de papai não encontra postos de venda de maconha e cocaína no seu Bairro elitizado, mesmo quando solicita o moto-tráfico.

 

O consumo de drogas ilícitas em geral está presente em todas as classes sociais, mas quem paga a conta mais cara de sua clandestinidade é o pobre. O rico interna o filho em afamada e sofisticada clínica médico-psiquiátrica, o pobre passa longos anos visitando o filho na penitenciária. Mas a recaída também é democrática...

 

No mundo do tráfico, não existe ação de cobrança, juros de mora, execução cível ou penhora. É pagar o que foi arbitrado ou morrer de tiro na cabeça. E se o traficante não pode se valer da Justiça para resgatar seus créditos, assim como o agiota, deve se armar muito bem, para aniquilar seus maus pagadores ou extorquir até o último centavo do viciado e de sua família.

 

Enquanto a sociedade civil e o Congresso Nacional debatem a política de drogas e o tratamento do dependente químico, a periferia arde em sangue e troca-de-tiros.

 

____________________________________    

 

Carlos Eduardo Rios do Amaral é Defensor Público do Estado do Espírito Santo

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Importante:
1 - Conforme lei 9.610/98, que dispõe sobre direitos autorais, a reprodução parcial ou integral desta obra sem autorização prévia e expressa do autor constitui ofensa aos seus direitos autorais (art. 29). Em caso de interesse, use o link localizado na parte superior direita da página para entrar em contato com o autor do texto.
2 - Entretanto, de acordo com a lei 9.610/98, art. 46, não constitui ofensa aos direitos autorais a citação de passagens da obra para fins de estudo, crítica ou polêmica, na medida justificada para o fim a atingir, indicando-se o nome do autor (Carlos Eduardo Rios Do Amaral) e a fonte www.jurisway.org.br.
3 - O JurisWay não interfere nas obras disponibilizadas pelos doutrinadores, razão pela qual refletem exclusivamente as opiniões, ideias e conceitos de seus autores.

Nenhum comentário cadastrado.



Somente usuários cadastrados podem avaliar o conteúdo do JurisWay.

Para comentar este artigo, entre com seu e-mail e senha abaixo ou faço o cadastro no site.

Já sou cadastrado no JurisWay





Esqueceu login/senha?
Lembrete por e-mail

Não sou cadastrado no JurisWay




 
Copyright (c) 2006-2021. JurisWay - Todos os direitos reservados