JurisWay - Sistema Educacional Online
 
 
Cursos
Certificados
Concursos
OAB
ENEM
Vídeos
Modelos
Perguntas
Notícias
Artigos
Fale Conosco
Mais...
 
Email
Senha
powered by
Google  
 

IMPUGNAÇÃO AO CUMPRIMENTO DE SENTENÇA - A PENHORA COMO SEU PRESSUPOSTO PROCESSUAL OBJETIVO


Autoria:

Fabio De Almeida Moreira


Advogado. Formado pela Pontifícia Universidade Católica. Pos Graduando em Direito e Processo do Trabalho. Pos Graduando em Processo Civil pela PUC/SP

Endereço: Rua Nove de Julho , 1491
Bairro: Vila Georgina

Indaiatuba - SP
13333-070


envie um e-mail para este autor

Outros artigos da mesma área

Sentenças nulas e inexistentes: conceituação, análise, abrangência e repercussões no direito processual civil moderno

Supressão de Instância - Breves comentários

PROCESSOS CAUTELARES

APLICAÇÃO DOS PRINCÍPIOS DA RAZOABILIDADE E DA PROPORCIONALIDADE NA APRECIAÇÃO DO PEDIDO DE ASSISTÊNCIA JUDICIÁRIA GRATUITA: UMA ABORDAGEM JURÍDICO-CRÍTICA

Antecipação de Tutela como Instrumento de Efetividade Processual

CORREIÇÃO PARCIAL

Por um novo conceito de jurisdição.

DA CONVERSÃO DA AÇÃO INDIVIDUAL EM AÇÃO COLETIVA NO NOVO CPC

COMO OBTER EXTRATO DOS EXPURGOS INFLACIONÁRIOS NO BANCO DO BRASIL (PLANOS ECONÔMICOS)

Modelo de Petição Inicial para liquidação de expurgos inflacionários da caderneta de poupança nos planos econômicos

Mais artigos da área...

Resumo:

O presente trabalho visa analisar a penhora/garantia da execução como pressuposto processual objetivo da impugnação ao cumprimento de sentença.

Texto enviado ao JurisWay em 23/07/2010.



Indique este texto a seus amigos indique esta página a um amigo



Quer disponibilizar seu artigo no JurisWay?

 

 

1. INTRODUÇÃO

 

As recentes reformas realizadas no Código de Processo Civil alteraram diversos aspectos, sobretudo no processo de execução.

A Lei nº 11.232/2005 alterou significativamente o sistema executório da sentença condenatória envolvendo quantia certa contra devedor solvente.

Anteriormente à reforma, havia a dicotomia entre processo de conhecimento e de execução, também, chamada de dualidade entre o processo de execução e de conhecimento.

Com a reforma introduzida pela lei supramencionada, aboliu-se a actio judicati, introduzindo uma nova “fase” processual, incidental ao processo de conhecimento, recebendo o nome de cumprimento de sentença, em atenção ao princípio da efetividade da prestação da tutela jurisdicional.

Desse modo, passou o processo a ser sincrético, sem a necessidade de instauração de um novo processo de execução, isso relação ao cumprimento de sentença, restando a necessidade de ajuizamento de execução autônoma nas execuções amparadas por títulos executivos extrajudiciais e algumas situações excepcionais de títulos judiciais.

Alterações, também, foram introduzidas na forma de defesa do executado no cumprimento de sentença, eliminando os embargos de execução, introduzindo a impugnação, nos moldes do art. 475 e SS.

As reformas, com as inovações, igualmente originou dúvidas e divergências em diversos aspectos, tais como a necessidade de intimação para cumprimento e de garantia da execução como requisito da impugnação, entre outras.

Sendo que o presente trabalho tem por objetivo a discussão sobre a necessidade de garantia de execução para apresentação de impugnação ao cumprimento de sentença.

 

2. DO PONTO ANALISADO

 

O ponto principal tratado é a necessidade de penhora/garantia da execução para oferecimento de impugnação ao cumprimento de sentença.

3. DA IMPUGNAÇÃO

 

Os embargos à execução, outrora, considerado como o meio adequado para o executado questionar a correção dos atos executivos, foi substituído pela impugnação, após a edição da Lei 11.232/2005, nos casos das execuções fundadas em sentença.

 

3.1. Da Natureza Jurídica

 

Em relação à natureza jurídica, por não ser o foco do presente estudo, cumpre apenas informar que existe divergência doutrinaria acerca de sua natureza jurídica.

Para alguns, a impugnação ao cumprimento de sentença tem natureza de ação, assim como os embargos à execução.

Todavia,  a doutrina majoritária trata a impugnação como incidente defensivo ao procedimento executório.

Fredie Didier Júnior[1]  pontifica que "a impugnação serve à concretização do direito de defesa, através da qual o executado não age, ele resiste."

 

3.2. Das Matérias Passíveis de Alegação

 

O art. 475-L, semelhante ao art. 741 e 745 do CPC, limita a matéria da impugnação às causas ali arroladas, sendo, portanto, de cognição sumária

Nos termos do voto do Relator Gil Coelho, estampado no Agravo de Instrumento n° 7.399.473-9: “[...] na impugnação ao cumprimento de sentença, há limitação legal da matéria a ser discutida, nos termos do art. 475-L, do CPC”.

Estipula o referido art. os seguintes casos de impugnação: falta ou nulidade de citação; inexequibilidade do título; penhora incorreta ou avaliação errônea; ilegitimidade das partes; excesso de execução; exceções impeditivas, modificativas ou extintivas da obrigação e inconstitucionalidade da lei ou ato normativo.

Como se nota, as nulidades da execução não estão inseridas no rol, porquanto, podem ser alegadas por simples petição.

Araken de Assis[2] , traz em sua obra que:

 

 Na hipótese de alegar matéria estranha ao catálogo legal, a exemplo da prescrição anterior a sentença, o juiz rejeitará a impugnação, socorrendo-se do art. 739, III, aplicável subsidiariamente, nos termos do art. 475-R.

 

Assim, a matéria que pode ser vinculada em impugnação não sofreu alterações significativas, à prevista nos embargos à execução.

Portanto, as matérias que podem ser argüidas em impugnação, são aquelas elencadas no art. 475-L do CPC, alem das nulidades que podem ser argüidas por simples petição.

 

3.3. Da Garantia da Execução como Requisito para Apresentação da Impugnação

 

O §1 do art. 475-J do Código de Processo Civil, estabelece que do auto de penhora e de avaliação, o executado será intimado, na pessoa do seu advogado, ou pessoalmente, caso não tenha advogado, para oferecer impugnação no prazo de 15 (quinze) dias.

Da redação supracitada, surgiram divergências doutrinárias e jurisprudências, em relação à obrigatoriedade de garantia de execução para oferecimento da impugnação.

Uma primeira corrente defende a impugnação pressupõe a existência de prévia garantia da execução, a teor do art. 475-j, §1 do Código de Processo Civil. Portanto, a fluência do prazo de quinze dias depende da penhora e avaliação dos bens penhorados.

A Respeito do assunto, Cássio Scarpinella Bueno[3] afirma:

 

A  impugnação pressupõe prévia garantia de juízo, é ler o §1 do art. 475-J. A fluência dos quinze dias para sua apresentação depende da prévia penhora e avaliação dos bens penhorados, da qual seja devidamente intimado o advogado do executado ou, nos casos em que não houver advogado seu constituído nos autos, de sua intimação pessoal. Por se regra específica, não há como aplicar a regra dos embargos à execução, que se lê no caput do art. 736.

 

Também opta por este posicionamento, defendendo que a prévia realização da penhora é pressuposto objetivo da impugnação, o Ilustre Doutrinador Araken de Assis[4], que traz a seguinte lição:

 

Implicitamente que seja, a prévia realização da penhora, ou a segurança do juízo, constitui pressuposto processual objetivo da impugnação. O art. 475-J, §1, somente cogita a intimação do executado após a penhora. É flagrante a subsistência da ratio dessa peculiar exigência imposta a impugnação.

 

Valioso o comentário de Nelson Nery Junior e Rosa Maria Nery[5]:

 

Impugnação e segurança do juízo. Na execução de sentença, que se faz pelo instituto do cumprimento de sentença, a segurança do juízo se dá pela penhora, de modo que o devedor só poderá valer-se da impugnação depois de realizada a penhora, pois o prazo para impugnação só  começa a correr, depois de o devedor haver sido intimado da penhora. Como diz a norma comentada, o executado será intimado para oferecer impugnação, depois de haver sido realizada a penhora e a avaliação.

 

Não é outro o entendimento do C. Tribunal de Justiça de São Paulo que já decidiu:

 

Impugnação ao cumprimento de sentença - Alegação de compensação - Ausência de atos de penhora e avaliação e de segurança do juízo- Pressuposto processual objetivo contido no art. 475, J, §1° do Código de Processo Civil - Agravo não provido. (AGRAVO DE INSTRUMENTO N° 990.09.364370-7)

 

Da mesma forma já decidiu o Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul:

 

CUMPRIMENTO DE SENTENÇA. IMPUGNAÇÃO. GARANTIA DO JUÍZO. NECESSIDADE. Cumprimento de sentença. Execução de título judicial. Liquidação do julgado por mero cálculo aritmético. Impugnação cuja oposição pressupõe a garantia do juízo. Art. 475, § 1º, CPC. Precedentes. Negaram provimento. (Agravo de Instrumento Nº 70023457385, Décima Nona Câmara Cível, Tribunal de Justiça do RS, Relator: Carlos Rafael dos Santos Júnior, Julgado em 20/05/2008)

 

Cita-se ainda julgado do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro:

 

Agravo de Instrumento - Impugnação à Execução - Garantia do Juízo e Custas da Impugnação - Não Recolhimento - Correta a decisão que rejeita a impugnação à execução, em razão da falta de garantia do Juízo. Decisão confirmada. (TJRJ 2009.002.18681 - AGRAVO DE INSTRUMENTO - 1ª Ementa DES. JAIR PONTES DE ALMEIDA - Julgamento: 18/08/2009 - QUARTA CAMARA CIVEL

 

Interessante notar que o Professor Cássio Scarpinella Bueno[6], não obstante afirme que a impugnação pressupõe prévia garantia da execução,  traz uma posição mitigada, defendendo nos casos em que o executado não possua patrimônio a ser penhorado, independentemente de prévia garantia, poderá apresentar sua impugnação. Vale transcrever:

 

À luz do “modelo constitucional do direito processual civil”, contudo, é possível (e desejável) mitigar a regra: sempre que não houver bens penhoráveis do executado, ele, demonstando esta circunstância, na medida do possível (nem poderia ser diferente), poderá exercer o seu direito de defesa independentemente de qualquer constrição ao seu patrimônio que, de resto, é medida inócua, dada as peculiaridades concretas.

 

No mesmo sentido de mitigar a necessidade de prévia penhora no caso de inexistência de bens penhoráveis, Luis Rodrigues Wambier, Eduardo Talamini e Flávio Corrêa[7]:

 

Em único caso pode-se ocasionalmente a admitir a oposição de impugnação sem a prévia garantia do juízo: quando o devedor não dispõem de bens para penhora, sob pena de desrespeito a constituição federal, no que tange à indevida limitação do direito de defesa.

 

Vale citar ainda o entendimento de que embora considere a garantia da execução imprescindível, a apresentação da impugnação anterior a penhora não é causa para seu indeferimento, mas posterga o seu recebimento após a penhora. 

O Desembargado–Relator do C.Tribunal de Justiça de Minas Gerais,  Eduardo Mariné da Cunha, em seu voto no AI 1.0701.98.014583-6/001, assevera:

 

A falta de penhora não é causa de imediato indeferimento da impugnação. Este fato posterga o juízo de admissibilidade da impugnação à oportuna e ulterior efetivação da penhora, oportunidade em que o juiz outorgará ou não efeito suspensivo à oposição (art. 475-M). Neste sentido, já decidiu a 3ª Turma do STJ que, apresentados antes da penhora, "se adia o processamento dos embargos, que devem aguardar esteja seguro o juízo". Por identidade de motivos, a orientação se aplica à impugnação”.

 

Todavia, existe corrente contrária, posicionando-se pela desnecessidade de prévia penhora e garantia da execução para a apresentação da impugnação ao cumprimento de sentença.

Aventado posicionamento fundamenta-se no fato de que a impugnação não possui efeito suspensivo, sendo que a garantia da execução seria necessária apenas se fosse atribuído o efeito suspensivo à impugnação.

Outrossim, como fundamento, citada corrente afirma que a lei não faz tal exigência expressamente, sendo que para aqueles que acastelam que a impugnação é defesa, a segurança da execução afrontariam o direito de ampla defesa.

Sobre o posicionamento Luiz Guilherme Marinoni[8], in verbis:

 

Para a apresentação de impugnação não se requer a prévia segurança do juízo. Não há regra específica sobre a questão e o art. 475-J, §1º, poderia insinuar outra resposta, já que diz que a intimação para o executado impugnar se dá depois de realizada a penhora. O art. 736 expressamente permite o oferecimento de embargos à execução de título extrajudicial, independentemente da prévia garantia de juízo. Observando-se o sistema exeutivo, nota-se que, diante da regra de não-suspensividade (art. 475-M) e dos embargos de execução de título extrajudicial (art. 739-A), a prévia realização de penhora não é imprescindível para tornar o juízo seguro enquanto são processados a impugnação e os embargos. Antigamente, como os embargos tinham efeito suspensivo – podendo paralisar por anos a execução -, era preciso deixar o exequente seguro de que seu direito seria satisfeito no caso de improcedência dos embargos. Hoje, como a penhora pode ser feita no curso da impugnação e seu eventual efeito suspensivo, obviamente, não pode impedir a sua realização, já que a penhora, além de necessária para segurar o juízo, não pode causar grave dano de difícil reparação, a prévia segurança de juízo não constitui requisito de admissibilidade de impugnação.

 

No mesmo trilhar Daniel Amorim Assumpção Neves[9], afirma  a penhora não constitui requisito necessário e suficiente ao ajuizamento da impugnação; esta pode, então, ser oferecida antes mesmo da penhora."

 

Igualmente, Rodrigo Barioni[10]:

 

O prazo para impugnação começa a fluir da intimação da penhora; nada impede,porém, que o executado se antecipe ao momento da penhora e oferece desde logo a impugnação, uma vez que não há norma legal que condicione a impugnação á prévia segurança do juízo.

 

Destacam-se os seguintes julgados:

 

Cumprimento de Sentença. Intimação para cumprimento voluntário. Penhora de quantia inferior ao débito exequendo. Possibilidade de levantamento. Na nova disciplina processual, o oferecimento de impugnação não depende da prévia garantia do juízo, nem tem efeito suspensivo ope legis. Recurso a que se dá provimento. (Agravo de Instrumento nº 2008.002.36494 Agravante: Associação Congregação de Santa Catarina Agravada: Rose Beatriz Barcelos Schlanger Relatora; JDS. Des. Cristina Serra Feijó Processual Civil).

E ainda:

 

EXECUÇÃO DE TÍTULO EXECUTIVO JUDICIAL. IMPUGNAÇÃO DO EXECUTADO. DESNECESSIDADE DE GARANTIA DO JUÍZO. 1- A  REGRA ATUAL É A DE QUE IMPUGNAÇÃO NÃO SUSPENDE A EXECUÇÃO, POSSIBILITANDO O PROSSEGUIMENTO DOS ATOS EXECUTÓRIOS. 2- A PENHORA PODE SER REALIZADA NO CURSO DA IMPUGNAÇÃO. 3- MESMO QUE A ESTA TENHA SIDO ATRIBUÍDO EFEITO SUSPENSIVO, É LÍCITO AO CREDOR PROSSEGUIR NA EXECUÇÃO. INTELIGÊNCIA DO ART. 475-M, CPC. PROVIMENTO DO RECURSO. ( TJRJ – AI 2008.002.02871,  DES. ANTONIO SALDANHA PALHEIRO - Julgamento: 01/04/2008 - QUINTA CAMARA CIVEL)  

 

Valendo lembrar que em todos os tribunais existem posicionamentos adotando ambas correntes.

 

3. CONCLUSÃO

 

Respeitado entendimento distinto, o posicionamento mais apropriado parece ser aquele que tem a garantia da execução como requisito essencial à apresentação da impugnação ao cumprimento de sentença, isso porque o art. 475-J, §1, afirma que o executado será intimado após a penhora, ou seja, exigindo a garantia de juízo como requisito objetivo da impugnação.

Além do mais, interpretando-se o citado artigo com base nos princípios da efetividade, celeridade e economia processual, não parece correto abrir discussão sobre a execução antes de garantido o juízo, ainda que em regra não exista efeito suspensivo.

Como defendido por Cassio Scarpinella Bueno, a única hipótese em que a impugnação pode ser aceita sem garantia da execução, seria a inexistência de bens penhoráveis.

 

 

 

 

 

BIBLIOGRAFIA:

 

ASSIS, Araken. Manual da Execução – 11 ed. São Paulo: Editora Revista dos Tribunais, 2008.

 

BUENO, Cassio Scarpinella. Curso Sistematizado de Direito Processual Civil. Tutela Jurisdicional Executiva, 3ª Ed. atual. e ampl., São Paulo: Saraiva, 2010.

 

DIDIER Junior, Fredie: Impugnação do Executado (Lei Federal 11.232/05), disponível no sítio www.panóptica.org/5nov06.htm.

 

MARINONI, Luiz Guilherme. Curso de Processo Civil, Vol. 3: execução. São Paulo: Revistas dos Tribunais, 2007.

 

NEGRÃO, Theotonio. Código de Processo Civil e Legislação Processual em Vigor,  41ª ed., São Paulo: Saraiva, 2009.

 

NERY Junior, Nelson Nery e  NERY, Rosa Maria de Andrade. Código de Processo Civil Comentado e Legislação Extravagante. 10ª Ed. São Paulo: Editora Revista dos Tribunais, 2007.

 

NEVES, Daniel Amorim Assumpção. A Desnecessidade de Penhora Para o Oferecimento de Impugnação: São Paulo.  Editora Método, 2007.

 

WAMBIER, Luiz Rodriges. Curso Avançado de Processo Civil. São Paulo. Editora Revistas dos Tribunais, 2007.

  



[1] DIDIER Junior, Fredie: Impugnação do Executado (Lei Federal 11.232/05), disponível no sítio www.panóptica.org/5nov06.htm.

[2] ASSIS, Araken. Manual da Execução – 11 ed. São Paulo: Editora Revista dos Tribunais, 2008, pag.1178.

[3] BUENO, Cassio Scarpinella. Curso Sistematizado de Direito Processual Civil: tutela jurisdicional executiva. 3º Ed. São Paulo. Editora Saraiva, 2009, pag. 539.

[4] ASSIS, Araken. Op.cit. Pag.1194.

[5] NERY Junior, Nelson Nery e  NERY, Rosa Maria de Andrade. Código de Processo Civil Comentado e Legislação Extravagante. 10ª Ed. São Paulo: Editora Revista dos Tribunais, 2007, pag. 734.

[6] BUENO, Cassio Scarpinella. Op cit. Pag. 540.

[7] WAMBIER, Luiz Rodriges. Curso Avançado de Processo Civil. São Paulo. Editora Revistas dos Tribunais, 2007, pag. 406.

[8] MARINONI, Luiz Guilherme. Curso de Processo Civil, Vol. 3: execução. São Paulo: Revistas dos TribunaisT, 2007, p.290-291.0

[9] NEVES, Daniel Amorim Assumpção. A Desnecessidade de Penhora Para o Oferecimento de Impugnação: São Paulo.  Editora Método, 2007.

[10] NEVES, Daniel Amorim Assumpção, op. Cit.

Importante:
1 - Conforme lei 9.610/98, que dispõe sobre direitos autorais, a reprodução parcial ou integral desta obra sem autorização prévia e expressa do autor constitui ofensa aos seus direitos autorais (art. 29). Em caso de interesse, use o link localizado na parte superior direita da página para entrar em contato com o autor do texto.
2 - Entretanto, de acordo com a lei 9.610/98, art. 46, não constitui ofensa aos direitos autorais a citação de passagens da obra para fins de estudo, crítica ou polêmica, na medida justificada para o fim a atingir, indicando-se o nome do autor (Fabio De Almeida Moreira) e a fonte www.jurisway.org.br.
3 - O JurisWay não interfere nas obras disponibilizadas pelos doutrinadores, razão pela qual refletem exclusivamente as opiniões, ideias e conceitos de seus autores.

Comentários e Opiniões

1) Etheny (30/09/2014 às 12:12:20) IP: 177.135.180.26
ótimo


Somente usuários cadastrados podem avaliar o conteúdo do JurisWay.

Para comentar este artigo, entre com seu e-mail e senha abaixo ou faço o cadastro no site.

Já sou cadastrado no JurisWay





Esqueceu login/senha?
Lembrete por e-mail

Não sou cadastrado no JurisWay




 
Copyright (c) 2006-2014. JurisWay - Todos os direitos reservados