JurisWay - Sistema Educacional Online
 
 
Cursos
Certificados
Concursos
OAB
Vídeos
Modelos
Perguntas
Notícias
Fale Conosco
Mais...
 
Email
Senha
powered by
Google  
 
 Sala dos Doutrinadores - Artigos Jurídicos
Autoria:

Fabio De Almeida Moreira


Advogado. Formado pela Pontifícia Universidade Católica. Pos Graduando em Direito e Processo do Trabalho. Pos Graduando em Processo Civil pela PUC/SP

Endereço: Rua Nove de Julho , 1491
Bairro: Vila Georgina

Indaiatuba - SP
13333-070


envie um e-mail para este autor

Outros artigos da mesma área

Saiba diferenciar a execução por quantia certa fundada em sentença e em título extrajudicial

Processo e Tutela Específica do Direito à Saúde

POSSIBILIDADE DE IRREVERSIBILIDADE DAS MEDIDAS DE URGÊNCIA E EXECUÇÃO DAS ASTREINTES.

TUTELA ANTECIPADA EX OFFICIO: É POSSÍVEL?

Possibilidade da Concessão da Tutela Antecipada ex oficcio para o ordenamento jurídico brasileiro.

O PRINCÍPIO DA SEGURANÇA JURÍDICA, A PRECLUSÃO "PRO JUDICATO" E A COISA JULGADA FRENTE AO ARTIGO 475-B, § 3ª DO CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL.

A RATIFICAÇÃO DO RECURSO DE APELAÇÃO APÓS JULGAMENTO DOS EMBARGOS DE DECLARAÇÃO COMO REQUISITO DE ADMISSIBILIDADE

PROCESSO DE DESAPROPRIAÇÃO

O DOCUMENTO ELETRÔNICO NO PROCESSO JUDICIAL ELETRÔNICO

A Nova Dogmática Hermenêutica do Processo Civil Brasileiro Face ao Neoconstitucionalismo

Mais artigos da área...

Artigos Jurídicos Direito Processual Civil Processo

DA APLICAÇÃO DO PRINCÍPIO DA FUNGIBILIDADE

O presente texto visa trazer à discussão, de forma bem resumida, o requisito para aplicação do princípio da fungibilidade.

Texto enviado ao JurisWay em 16/10/2009.

indique está página a um amigo Indique aos amigos

Quer disponibilizar seu artigo no JurisWay?

                                   DA APLICAÇÃO DO PRINCÍPIO DA FUNGIBILIDADE

 

Hodiernamente, o grande objetivo do processo para que se evite lesão ou ameaça do direito não é apenas o resultado jurídico, mas principalmente o resultado fático na vida dos litigantes.

Desse modo, o apego extremo a forma não pode ser capaz de obstacularizar ou dificultar o acesso a justiça e a ampla defesa, criando assim a ineficiência da prestação jurisdicional.

Sobre o atual objetivo do processo Eduardo de Avelar Lamy[1], em obra especifica sobre a Fungibilidade no Processo Civil doutrina:

 

O grande objetivo do processo clássico era o atingimento do status jurídico formado pela coisa julgada material acerca da declaração a respeito de qual das partes possuía razão no mérito, pois supunha-se que através daquela compor-se-iam as lides. Hoje, entretanto, tem se aceitado possuírem, os meios processuais, o objetivo de proporcionarem o fim constituído pelo respeito ao ordenamento jurídico através de uma prestação  da justiça tempestiva e necessariamente adequada ao direito material, sem a qual não há que se falar em tutela jurisdicional, pois tão ou mais importante que a declaração dos direitos é a sua satisfação, sua efetividade.

 

Nosso Código de Processo Civil, em seu art. 244, adotou o princípio da instrumentalidade das formas e dos atos processuais, dispondo que o ato somente se tornará nulo e sem efeito se, além da inobservância da forma legal, não tiver alcançado a sua finalidade, ou seja, o que se busca é a produção do resultado e não simplesmente a formalidade do ato.

O princípio da fungibilidade visa o arrefecimento do formalismo processual, sendo umbilicalmente ligado ao princípio da instrumentalidade das formas e ao princípio da economia processual.

De tal modo, o núcleo da questão da fungibilidade esta em possibilitar o resultado prático, ainda que o meio processual adotado não seja o mais adequado, sendo aplicado não só na esfera recursal, mas em todo o sistema de meios processuais.

Contudo, para a aplicação do princípio da fungibilidade, Eduardo de Avelar Lamy[2], enumera como único requisito a dúvida objetiva, a qual já englobaria a inexistência de erro grosseiro e a boa-fé da parte.

 

A dúvida objetiva deve ser vista como requisito único que substituiu os requisitos da ausência de má-fé e de erro grosseiro, pois a sua aplicação passa naturalmente pela análise dos elementos que constavam do art. 810 do CPC de 1939, já que tal dúvida elimina a possibilidade de erro grosseiro ao mesmo tempo em que demonstra, na realidade, a boa-fé do recorrente.   

 

A dúvida objetiva pode ser conceituada como “aquela que se estabelece quando doutrina e/ou jurisprudência divergem”[3],  ou quando da ausência de elementos a respeito de qual instrumento processual utilizar.

Conclui-se, portato, que  para a aplicação do princípio da fungibilidade, necessáriamente deverá haver uma dúvida objetiva, a qual já engloba a inexistência de erro grosseiro e a boa-fé da parte.

 



[1] LAMY, EDUARDO DE AVELAR. Princípio da Fungibilidade no Processo Civil, São Paulo: Dialética, 2007. Pag.35.

[2] LAMY, EDUARDO DE AVELAR. Princípio da Fungibilidade no Processo Civil, São Paulo: Dialética, 2007. Pag.108

[3] LAMY, EDUARDO DE AVELAR. Ibid. pag.107.

Importante:
1 - Conforme lei 9.610/98, que dispõe sobre direitos autorais, a reprodução parcial ou integral desta obra sem autorização prévia e expressa do autor constitui ofensa aos seus direitos autorais (art. 29). Em caso de interesse, use o link localizado na parte superior direita da página para entrar em contato com o autor do texto.
2 - Entretanto, de acordo com a lei 9.610/98, art. 46, não constitui ofensa aos direitos autorais a citação de passagens da obra para fins de estudo, crítica ou polêmica, na medida justificada para o fim a atingir, indicando-se o nome do autor (Fabio De Almeida Moreira) e a fonte www.jurisway.org.br.
3 - O JurisWay não interfere nas obras disponibilizadas pelos doutrinadores, razão pela qual refletem exclusivamente as opiniões, ideias e conceitos de seus autores.

Comentários e Opiniões

1) Jose (23/07/2010 às 08:40:20) IP: 187.41.129.13
Excelente os artgos postados.


Somente usuários cadastrados podem avaliar o conteúdo do JurisWay.

Para comentar este artigo, entre com seu e-mail e senha abaixo ou faço o cadastro no site.

Já sou cadastrado no JurisWay





Esqueceu login/senha?
Lembrete por e-mail

Não sou cadastrado no JurisWay




 
Copyright (c) 2006-2014. JurisWay - Todos os direitos reservados