JurisWay - Sistema Educacional Online
 
Kit com 30 mil modelos de petições
 
Cursos
Certificados
Concursos
OAB
ENEM
Vídeos
Modelos
Perguntas
Eventos
Artigos
Fale Conosco
Mais...
 
Email
Senha
powered by
Google  
 

Breve análise da função social do contrato


Autoria:

Michele Cristina Souza Colla De Oliveira


Mestranda na Universidade Metodista de Piracicaba (UNIMEP). Pós-graduanda em direito empresarial com ênfase em processo civil no Centro Universitário Salesiano de São Paulo (Unisal). Parecerista da Revista da Faculdade de Direito da UERJ. Advogada.

envie um e-mail para este autor

Resumo:

O presente trabalho tem por escopo discutir brevemente a moderna função social do contrato. Em consonância com os ditames legais e com a análise da moderna doutrina, e ainda, buscando a interpretação jurisprudencial de tal princípio.

Texto enviado ao JurisWay em 28/07/2009.

Última edição/atualização em 26/09/2011.



Indique este texto a seus amigos indique esta página a um amigo



Quer disponibilizar seu artigo no JurisWay?

1 EVOLUÇÃO HISTÓRICA: FUNÇÃO SOCIAL DO CONTRATO E A FUNÇÃO SOCIAL DA PROPRIEDADE

 

 Com a evolução histórica e conseqüente alteração do panorama das sociedades, o Estado passou a adotar uma postura cabalmente intervencionista, principalmente na seara das relações econômicas. Por conta de tal fenômeno, a função social do contrato moldou-se com contornos mais específicos, haja vista integrar uma doutrina maior, intitulada doutrina da função social, a qual também tem em seu bojo a função social da propriedade.

Confluindo para tal entendimento da função social do contrato alicerçada na função social da propriedade, a doutrina de Gagliano e Pamplona Filho, assim dispõe: "o contrato é figura que acompanha as mudanças de matizes da propriedade, experimentando inegável interferência deste direito". Deste modo, com a socialização da noção de propriedade, analisada em consonância com o seu papel social, pois foi erigida na Constituição Cidadã em seu art. 5º, inc. XXII, como um direito fundamental, tem-se em relação aos contratos uma nova abordagem tanto em sua elaboração, quanto em suas conseqüências fáticas para os contratantes, e principalmente, em sua repercussão na coletividade.

 E desde então, imperioso observar quanto aos particulares na relação obrigacional, que tais alterações tiveram efeitos diretos nos alicerces das relações contratuais contemporâneas, haja vista a busca por uma relação contratual equilibrada, e apartada de cláusulas abusivas, que onerem excessivamente uma das partes.

 

2 DELIMITAÇÃO CONCEITUAL

A função social do contrato, uma abordagem inovadora do Código Civil de 2002, coexiste no art. 421 com a liberdade de contratar, ou seja, com a autonomia privada. Esta por sua vez, tem como corolário o princípio constitucional da dignidade da pessoa humana, e também, como o dos valores da solidariedade e da construção de uma sociedade mais justa e igualitária. Os princípios constitucionais que salvaguardam a função social do contrato ressaltam a necessidade da concepção do contrato não só da ótica econômica, mas também, prezam pela análise de suas conseqüências para a coletividade.

Portanto, a autonomia da vontade ou consensualismo baseia-se na liberdade das partes em contratarem, limitando-se, no entanto, por disposições de ordem pública e pela função social do contrato, as quais visam à proteção dos interesses coletivos, ou seja, a uma finalidade social. A realização de negócios jurídicos bilaterais no ordenamento jurídico brasileiro é a expressão e efetiva realização da liberdade de contratar - pactuar -, trazendo benefícios às partes que o compõem, e ainda, respeitando o interesse público, ou seja, os interesses dos particulares versus os interesses da coletividade.

 Nos dizeres de Maria Helena Diniz, a liberdade de contratual é reconhecida, mas seu exercício está condicionado à função social do contrato e implica em valores como a boa fé e a probidade, dispostos no art. 422 do CC. Deste modo, a função social do contrato é um instrumento jurídico apto a proteção dos interesses da coletividade, diante de particulares que decidam contratar, e também, a ordem pública e os bons costumes são os limites impostos pelo legislador a liberdade de contratar.

 Na mesma linha de pensamento, Gagliano e Pamplona Filho apud EDUARDO SENS SANTOS: "o contrato não pode ser entendido como mera relação individual. É preciso atentar para os seus efeitos sociais, econômicos, ambientais e até mesmo culturais. Em outras palavras, tutelar o contrato unicamente para garantir a equidade das relações negociais em nada se aproxima da idéia de função social [...]".

 

3 FUNÇÃO SOCIAL DO CONTRATO NO CÓDIGO CIVIL DE 1916

Cabe analisar que o Código Civil de 1916, por razões históricas e até mesmo sociais, já que a sociedade brasileira na época da elaboração do CC/1916 se dirigia no sentido oposto a socialização da propriedade - vivia-se em uma sociedade de economia rudimentar, pós-escravocrata -, diante de tal panorama, omitiu-se a lei sobre a função social da propriedade e do contrato. Valorizou-se sim, o crédito e a propriedade, e também, mantendo-se a qualquer custo a sociedade matrimonial, abstendo-se de tratar ou atribuindo pouco valor aos princípios sociais, ou seja, o respeito aos interesses, direitos e anseios da coletividade brasileira.

 

4 FUNÇÃO SOCIAL DO CONTRATO NO CÓDIGO CIVIL DE 2002 E A AUTONOMIA DA VONTADE

 

Tratando da função social do contrato com enfoque especial na autonomia da vontade, com interessante abordagem Arnaldo Rizzardo discute a amplitude da autonomia da vontade, a qual gerou e gera situações sociais conflitantes. Afirma tal doutrinador que por conta da imperiosa segurança jurídica, é inderrogável a liberdade contratual, mesmo diante da função social do contrato. Assegurando as partes o necessário arcabouço jurídico para estipularem cláusulas pertinentes ao negócio a ser pactuado, e ainda, que lhes garanta o adimplemento contratual.

 Ressalta que o direito pátrio vem sofrendo importantes alterações no princípio da autonomia da vontade, como p. ex., com o advento das leis 8078/90 - a qual dispõe sobre a proteção do consumidor - e da lei 10406/02 que institui o Código Civil; passando o contrato a subordinar-se a uma função social, impondo-se o interesse público sobre o interesse privado.

 

4.1 Exegese do art. 421 do Código Civil de 2002

O art. 421 do CC trata expressamente da liberdade de contratar, ressaltando a função social do contrato, e assim, dispõe: "Art. 421. A liberdade de contratar será exercida em razão e nos limites da função social do contrato." A norma em comento é caracterizada como um comando de ordem pública e de interesse social, constituindo como uma cláusula fronteiriça da autonomia privada quando da realização de contratos.

Por sua natureza cogente, o juiz deverá aplicá-la de ofício a qualquer tempo ou instância, já que não está sujeita aos efeitos da preclusão. Corroborando a análise do citado dispositivo da lei civil, é importante frisar por conta de sua aceitação e recorrência doutrinária a Jornada I do STJ n. 23, cuja síntese: "A função social do contrato, prevista no art. 421 do novo Código Civil, não elimina o princípio da autonomia contratual, mas atenua ou reduz o alcance desse princípio, quando presentes interesses metaindividuais ou interesse individual relativo à dignidade da pessoa humana".

A função social ao ser expressamente disposta no artigo, o constitui como uma cláusula geral, cabendo ao juiz preencher as propositais lacunas, analisando o caso concreto com base nos valores jurídicos, sociais, econômicos, éticos e morais, norteadores da sociedade.

 

5 ENFOQUE JURISPRUDENCIAL

Recorrentes em nossa jurisprudência são os julgados que versam sobre revisão judicial do contrato, por conta do desajuste do contrato com sua função social e também com o princípio da boa fé objetiva. Por ser o art. 421 do CC uma cláusula geral, o juiz pode revisar e modificar cláusulas contratuais que coloquem as partes em veemente desequilíbrio, conforme ementas:

APELAÇÃO CÍVEL. SEGURO DE VIDA COLETIVO. NÃO-RENOVAÇÃO PELA SEGURADORA APÓS LONGO PERÍODO DE CONTRATAÇÃO. CONFIGURADO CONTRATO CATIVO. ABUSIVIDADE DA CLÁUSULA QUE PREVÊ A POSSIBILIDADE DE NÃO-RENOVAÇÃO. UNILATERALIDADE. APLICAÇÃO DOS PRINCÍPIOS DA FUNÇÃO SOCIAL DO CONTRATO E DA BOA-FÉ. SEGURADO IDOSO. MANUTENÇÃO DO CONTRATO. A não-renovação do contrato da autora, que se afigura contrato cativo, é abusiva, nos termos do art. 51, IV e XI, do CDC, uma vez que desprovida de qualquer justificativa plausível, quebrando a expectativa legítima da segurada de dar continuidade a uma relação da qual se espera um mínimo de segurança. Aplicabilidade do CDC à espécie sub judice. Apelação desprovida. (Apelação Cível Nº 70022564363, Sexta Câmara Cível, Tribunal de Justiça do RS, Relator: Artur Arnildo Ludwig, Julgado em 09/04/2009). (grifo nosso)

 REINTEGRAÇÃO DE POSSE - ARRENDAMENTO MERCANTIL - VALOR RESIDUAL GARANTIDO - COBRANÇA ANTECIPADA, CONCOMITANTE ÀS PRESTAÇÕES LOCATÍCIAS - DESCARACTERIZAÇÃO DO CONTRATO PARA COMPRA E VENDA A PRAZO - RECONHECIMENTO DE OFÍCIO - PUBLICIZAÇÃO DO CONTRATO - DESCABIMENTO DO INTERDITO POSSESSÓRIO - CARÊNCIA DE AÇÃO - AUSÊNCIA DO INTERESSE DE AGIR NA MODALIDADE ADEQUAÇÃO - EXTINÇÃO DO PROCESSO - A cobrança antecipada do VRG desfigura o contratode leasing, transmudando-o em uma compra e venda a prazo, uma vez que, ao arrendatário, não resta alternativa ao final do contrato senão a aquisição do bem. A descaracterização do contrato de arrendamento mercantil pode ser feita de ofício pelo órgão julgador, consoante a teoria da função social do contrato, proclamada pela doutrina e jurisprudência modernas, permitindo ao Estado a intervenção naquele para assegurar a ordem pública através da igualdade entre os contratantes. Uma vez reconhecido o desvirtuamento do contrato de leasing para uma compra e venda a prazo, inadequado é o ajuizamento da ação de reintegração de posse pelo arrendante para reaver o bem. Faltando-lhe a posse da coisa, ausente está um dos requisitos para o manejo do interdito, impondo-se a extinção do feito sem julgamento do mérito, com fulcro no art. 267, VI, do CPC, por falta de interesse de agir na modalidade adequação. (TJSC - AC 96.007266-7 - 4ª C.Cív. - Rel. Des. Alcides Aguiar - J. 08.02.2001). APELAÇÃO CÍVEL. AÇÃO ORDINÁRIA. CLÁUSULA DE EXCLUSIVIDADE PÓS-CONTRATO. INVALIDADE. EFEITOS DO CONTRATO. ABUSIVIDADE. DESRESPEITO A PRINCÍPIOS CONTRATUAIS. MULTA POR DESCUMPRIMENTO. AFASTAMENTO.

 

A cláusula que prevê que uma das partes está proibida, por seis meses após a extinção do contrato, a contratar com qualquer empresa concorrente é inválida, tendo em vista que os efeitos do contrato só perduram durante sua vigência e não após sua cessação. Tal cláusula, também, é abusiva, haja vista afrontar os princípios da manutenção do equilíbrio econômico do contrato, da boa-fé objetiva e da função social do contrato, na medida em que estabelece obrigações desproporcionais, privilegiando uma das partes em detrimento da outra. Assim, sendo inválida e abusiva a cláusula em que se baseia o pedido inicial de aplicação de multa, por seu descumprimento, resta afastada tal pretensão pecuniária. (TJMG - Apel. Cível 1.0024.06.124055-2/001 - Rel. Des. Luciano Pinto - J.10.04.08).

 

CONCLUSÃO

 

Embora com uma breve abordagem acerca da temática da função social do contrato, é possível concluir a importância de tal disposição legislativa, ressaltando-se a aplicabilidade a inúmeros casos concretos, principalmente nas relações de consumo, também regidas pelo Código de Defesa do Consumidor. Hodiernamente, o primado do Direito é a busca da tutela dos interesses sociais coletivos, portanto, não seria cabível a omissão diante das relações contratuais realizadas por particulares, as quais refletem direta ou indiretamente na esfera dos interesses gerais. Buscando uma socialização do contrato, e ainda, salvaguardar os interesses sociais, colocam-se como limites a ordem pública e a função social do contrato, as quais são princípios gerais que contribuem para regular as relações entre contratantes e entre esses e terceiros.

Importante:
1 - Conforme lei 9.610/98, que dispõe sobre direitos autorais, a reprodução parcial ou integral desta obra sem autorização prévia e expressa do autor constitui ofensa aos seus direitos autorais (art. 29). Em caso de interesse, use o link localizado na parte superior direita da página para entrar em contato com o autor do texto.
2 - Entretanto, de acordo com a lei 9.610/98, art. 46, não constitui ofensa aos direitos autorais a citação de passagens da obra para fins de estudo, crítica ou polêmica, na medida justificada para o fim a atingir, indicando-se o nome do autor (Michele Cristina Souza Colla De Oliveira) e a fonte www.jurisway.org.br.
3 - O JurisWay não interfere nas obras disponibilizadas pelos doutrinadores, razão pela qual refletem exclusivamente as opiniões, ideias e conceitos de seus autores.

Nenhum comentário cadastrado.



Somente usuários cadastrados podem avaliar o conteúdo do JurisWay.

Para comentar este artigo, entre com seu e-mail e senha abaixo ou faço o cadastro no site.

Já sou cadastrado no JurisWay





Esqueceu login/senha?
Lembrete por e-mail

Não sou cadastrado no JurisWay




 
Copyright (c) 2006-2022. JurisWay - Todos os direitos reservados