JurisWay - Sistema Educacional Online
 
É online e gratuito, não perca tempo!
 
Cursos
Certificados
Concursos
OAB
ENEM
Vídeos
Modelos
Perguntas
Eventos
Artigos
Fale Conosco
Mais...
 
Email
Senha
powered by
Google  
 

VEM AÍ UMA NOVA POPULAÇÃO DE RUA


Autoria:

Carlos Eduardo Rios Do Amaral


MEMBRO DA DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO

envie um e-mail para este autor

Resumo:

VEM AÍ UMA NOVA POPULAÇÃO DE RUA

Texto enviado ao JurisWay em 18/04/2013.



Indique este texto a seus amigos indique esta página a um amigo



Quer disponibilizar seu artigo no JurisWay?

VEM AÍ UMA NOVA POPULAÇÃO DE RUA

 

Por Carlos Eduardo Rios do Amaral

 

O dia-a-dia nos Juizados de Violência Doméstica, criados pela Lei Maria da Penha, nos revela um funesto prognóstico do que há de se suceder nas ruas de nossas Cidades.

 

Dentro dos lares, famílias estão sendo derrotadas – e mutiladas – pela droga e pelo uso imoderado do álcool. O crack, certamente, se sobressai, capitaneando a destruição de moradias.

 

Avós, pais, mães, irmãos, entre outros familiares e parentes próximos, têm feito de tudo para promoção da internação e desintoxicação do viciado. Mas, muitas vezes a âncora da droga – lícita ou ilícita – é mais forte. Aquele que tiver um membro da família livre, definitivamente, da maldita droga, pode se sentir como um contemplado na loteria. A loteria da vida. Muitos perecerão na droga ou pela droga, por mais uma pedra ou por mais um copo...

 

Quando nada mais é possível se fazer para ajudar o viciado, outra alternativa não resta à família, senão poupar a própria vida de seus outros membros. A permanência do viciado dentro do lar, com suas ameaças, escândalos e violência física, o transforma no carrasco da família, verdadeiro flagelo doméstico para todos. Quem ousar enfrentá-lo ou se negar a dar-lhe alguns trocados para quitação da boca-de-fumo será o seu próximo alvo, talvez fatal.

 

A profilaxia da Lei Maria da Penha para estes casos é o afastamento desse viciado agressor do lar. É uma medida extrema, para muitos, pior que o cárcere estatal. Aliás, muitas mães preferem ver seus filhos “guardados” na prisão, do que lançados à rua, à própria sorte, junto de outros usuários e traficantes de drogas, cometendo de pequenos furtos até latrocínios para manter o vício.

 

Pouca gente sabe. Mas em tema de violência doméstica o óbito de homens agressores é estratosfericamente superior ao de mulheres. Acontece que a morte do agressor não é ligada à violência doméstica ou familiar, ele morre fora do lar, pelas mãos de outras pessoas.

 

E o número de medidas protetivas de urgência que concedem o afastamento do agressor do lar, por dia, vem assombrando até mesmo aqueles mais tarimbados com a Lei Maria da Penha. Podendo-se até mesmo falar-se em uma nova população de rua, que virá por aí, estéril e violenta.

 

A grande maioria de morados de rua, até hoje, é formada por aqueles que voluntariamente abandonaram o lar ou nunca tiveram um. A partir de agora, teremos uma nova parcela neste contingente, os que foram judicialmente afastados do lar, por conta de medidas protetivas. E o que é pior, ávidos para uso da droga, praticando pequenos delitos ou grandes tragédias para manter o vício. Nas ruas, praças e praias, eles estarão em todo o lugar.

 

Com a palavra, as Secretarias de Assistência Social e Segurança Pública de Estados e Municípios...

 

_________________  

 

Carlos Eduardo Rios do Amaral, Defensor Público do Estado do Espírito Santo, é titular do Núcleo Especializado de Promoção e Defesa dos Direitos Individuais e Coletivos da Mulher da Capital

 

 

Importante:
1 - Conforme lei 9.610/98, que dispõe sobre direitos autorais, a reprodução parcial ou integral desta obra sem autorização prévia e expressa do autor constitui ofensa aos seus direitos autorais (art. 29). Em caso de interesse, use o link localizado na parte superior direita da página para entrar em contato com o autor do texto.
2 - Entretanto, de acordo com a lei 9.610/98, art. 46, não constitui ofensa aos direitos autorais a citação de passagens da obra para fins de estudo, crítica ou polêmica, na medida justificada para o fim a atingir, indicando-se o nome do autor (Carlos Eduardo Rios Do Amaral) e a fonte www.jurisway.org.br.
3 - O JurisWay não interfere nas obras disponibilizadas pelos doutrinadores, razão pela qual refletem exclusivamente as opiniões, ideias e conceitos de seus autores.

Nenhum comentário cadastrado.



Somente usuários cadastrados podem avaliar o conteúdo do JurisWay.

Para comentar este artigo, entre com seu e-mail e senha abaixo ou faço o cadastro no site.

Já sou cadastrado no JurisWay





Esqueceu login/senha?
Lembrete por e-mail

Não sou cadastrado no JurisWay




 
Copyright (c) 2006-2020. JurisWay - Todos os direitos reservados