JurisWay - Sistema Educacional Online
 
Kit com 30 mil modelos de petições
 
Cursos
Certificados
Concursos
OAB
ENEM
Vídeos
Modelos
Perguntas
Eventos
Artigos
Fale Conosco
Mais...
 
Email
Senha
powered by
Google  
 

Do preço e da dor


Autoria:

Maria Aracy Menezes Da Costa


Doutora em Direito - UFRGS Mestre em Direito - PUCRS Bacharel em Direito - PUCRS Especialista em Planejamento Educacional - Pós-Graduação em Educação UFRGS Licenciada em Letras - UFRGS Juíza de direito aposentada Advogada Professora de Direito de Família e Sucessões na Faculdade de Direito da PUCRS até jan/2011 Professora de Direito de Família e Sucessões na Faculdade de Direito Ritter dos Reis até maio/2002 Professora de Direito de Família e Sucessões na Escola da AJURIS Professora convidada nos cursos de Pós-Graduação da ESADE, UFRGS e IDC Membro da ABMCJ - Associação Brasileira das Mulheres da Carreira Jurídica Membro do IBDFAM - Instituto Brasileiro de Direito de Família Membro do IARGS - Instituto dos Advogados do RS Consultora Editorial da Revista da AJURIS Consultora Editorial Internacional Da Revista de Derecho de Família de Costa Rica

envie um e-mail para este autor

Resumo:

Mãe advogada faz uma advertência sobre o bullyng em ambiente escolar

Texto enviado ao JurisWay em 28/12/2012.

Última edição/atualização em 31/12/2012.



Indique este texto a seus amigos indique esta página a um amigo



Quer disponibilizar seu artigo no JurisWay?

Tenho dois filhos lindos, maravilhosos, inteligentes e, como humanos, imperfeitos como eu. Ambos têm sonhos, vontades, birras, talentos, teimosias e qualidades. São mais filhos de seu tempo do que de mim mesma, ainda que eu incorpore essencialmente uma mistura de mãe judia e italiana com minha profissão de advogada.

Pago diariamente o preço do stress para criá-los, torná-los seres humanos íntegros e capazes de construírem um futuro para si. Alego artigos do Código Civil para fazê-los cooperar, do Código Penal para alertá-los sobre condutas. Mas há duas coisas que meus braços não alcançam: o fortuito e o mundo de criança/adolescente em que convivem. Sobre o fortuito não cabe palavra, apenas fé. Mas sobre o mundo infantil, escandaliza-me o que vem acontecendo cotidianamente.

Todos os dias me são reportados casos de bullyng, de maus tratos perpetrados por uma ou mais criança contra outra. De maldade e perversão que encabularia muito de nós, passados dos 35 anos. De uma violência cujo nível extrapola tudo o que se entende por civilização e evolução.

A observação desses fatos permitiu-me algumas conclusões. Na maioria dos casos, as crianças/jovens agressoras são desesperadamente órfãs de pais vivos, administradas por colaboradores domésticos, jogadas entre as casas de casais desfeitos ou de parentes. Com poder aquisitivo médio e alto, acostumadas a ser indenizadas materialmente pela desatenção dos pais, medem os outros pelo que têm de parafernália eletrônica.

Crianças ciumentas do passear de mãos dadas do colega de aula com a mãe ou com o pai, magoadas pela invisibilidade a qual são condenadas por quem lhes deveria dedicar amor. Esquecem, esses pais ausentes, que a dor que causam aos seus filhos tem, como consequência, a violência gerada por seus pimpolhos aos outros e que pode ser quantificada por meio de reparação moral. Pais distantes sempre se dizem surpresos quando condenados a indenizar o dano causado por seu rebento em razão de ofensas aos colegas. Acabam resolvendo monetariamente o problema.

Defendo, como profissional e mãe, que haja uma rigorosa alteração no texto legal, que vincule, obrigatoriamente, à indenização monetária o tratamento psicológico das crianças praticantes de bullyng, e de seus pais. Isso porque o "preço" que os pais pagam é incomparável à dor que seus filhinhos geram.

Isabel Cochlar, Advogada.

isabel@cochlar.com.br

www.cochlar.com.br/

 

Importante:
1 - Conforme lei 9.610/98, que dispõe sobre direitos autorais, a reprodução parcial ou integral desta obra sem autorização prévia e expressa do autor constitui ofensa aos seus direitos autorais (art. 29). Em caso de interesse, use o link localizado na parte superior direita da página para entrar em contato com o autor do texto.
2 - Entretanto, de acordo com a lei 9.610/98, art. 46, não constitui ofensa aos direitos autorais a citação de passagens da obra para fins de estudo, crítica ou polêmica, na medida justificada para o fim a atingir, indicando-se o nome do autor (Maria Aracy Menezes Da Costa) e a fonte www.jurisway.org.br.
3 - O JurisWay não interfere nas obras disponibilizadas pelos doutrinadores, razão pela qual refletem exclusivamente as opiniões, ideias e conceitos de seus autores.
 
Copyright (c) 2006-2021. JurisWay - Todos os direitos reservados