JurisWay - Sistema Educacional Online
 
JurisWay - Servidor Público na Lei 8.112 com Certificado
 
Cursos
Certificados
Concursos
OAB
ENEM
Vídeos
Modelos
Perguntas
Notícias
Artigos
Fale Conosco
Mais...
 
Email
Senha
powered by
Google  
 

Autonomia da Defensoria Pública da União é Constitucional (Emenda Constitucional 74/2013)


Autoria:

Carlos Eduardo Rios Do Amaral


MEMBRO DA DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO

envie um e-mail para este autor

Resumo:

Autonomia da Defensoria Pública da União é Constitucional (Emenda Constitucional 74/2013)

Texto enviado ao JurisWay em 13/04/2015.



Indique este texto a seus amigos indique esta página a um amigo



Quer disponibilizar seu artigo no JurisWay?

Autonomia da Defensoria Pública da União é Constitucional (Emenda Constitucional 74/2013)

 

Por Carlos Eduardo Rios do Amaral

 

A Senhora Presidente da República ajuizou neste último dia 10/04 Ação Direta de Inconstitucionalidade contra a Emenda Constitucional nº 74/2013, que deu autonomia administrativa e financeira às Defensorias Públicas da União e do Distrito Federal. Argumentando que referida Emenda padeceria de vício de iniciativa, pois somente o Presidente da República teria competência privativa para a proposição de leis que disponham sobre regime jurídico de servidores públicos da União.

 

Mas o §1º, do Art. 61, da Constituição Federal (Subseção III – Das Leis), que cuida da iniciativa das Leis Complementares e Ordinárias, poderia ser extraído de sua disposição certa e precisa para ser tomado por empréstimo dentro da Subseção II, que regulamenta a criação e edição das Emendas Constitucionais? Nossa Constituição gozaria desta sugerida plasticidade ou mixagem interpretativa?

 

Certamente que não. A criação e edição das Emendas Constitucionais encontra todos os seus contornos e limitações em sede própria, qual seja, no Art. 60 e §§, da Constituição. A questão da legitimação, de seu processamento, quórum e das vedações ao poder constituinte reformador encontra toda a sua regulamentação nesta Subseção própria.

 

Assim, a Constituição Federal poderá ser emendada mediante proposta de um terço, no mínimo, dos Membros da Câmara dos Deputados ou do Senado Federal. Devendo a proposta, a seguir, ser discutida e votada em cada Casa do Congresso Nacional, em dois turnos, considerando-se aprovada se obtiver, em ambos, três quintos dos votos dos respectivos Membros. Claro, desde que não seja tendente a abolir (a) a forma federativa de Estado, (b) o voto direto, secreto, universal e periódico, (c) a separação dos Poderes e (d) os direitos e garantias individuais.

 

E a razão de ser da maior autonomia e licença conferida expressamente pela própria Constituição Federal ao Parlamento para criação de Emendas Constitucionais sobre qualquer matéria, do que com relação às Leis Complementares e Ordinárias, reside fundamentalmente na complexidade da iniciativa da apresentação de sua proposta. Enquanto a iniciativa das Leis Complementares e Ordinárias cabe a qualquer Membro isolado da Câmara dos Deputados ou do Senado Federal, a proposta de emenda à Constituição deve se originar da vontade de pelo menos um terço dos Membros da Câmara dos Deputados ou do Senado Federal.

 

Observe que as propostas de emenda à Constituição aprovadas no Congresso Nacional não se sujeitam à sanção ou veto presidencial. Para passar a valer, a emenda à Constituição é promulgada pelas Mesas da Câmara dos Deputados e do Senado Federal. O que consagra a absoluta independência e representatividade popular do Poder Legislativo, desejada pela Constituição. Aqui, nem de longe se cogita tomar por empréstimo o Art. 66 e §§, da Constituição, que cuida da sanção e vetos aos Projetos de Leis Complementares e Ordinárias.  

 

Foi exatamente o que aconteceu com a PEC nº 96/1992, de Autoria do Deputado Federal Hélio Bicudo, que introduziu profundas modificações na estrutura do Poder Judiciário brasileiro, culminando na criação e organização do Conselho Nacional de Justiça – CNJ. A proposta contou com a assinatura de 169 Deputados Federais. No Senado Federal a proposta, relatada pelo Senador José Jorge, foi renumerada para PEC nº 29/2000.

 

A Emenda Constitucional nº 45, de 30 de Dezembro de 2004, que reformulou toda a estrutura do Poder Judiciário, inclusive criando o CNJ, originária de proposta da Câmara dos Deputados, foi declarada constitucional pelo Supremo Tribunal Federal quando do julgamento da Ação Direta de Inconstitucionalidade nº 3367, Relator o Eminente Ministro Cezar Peluso.

 

Ora, a EC nº 45/2004, ao criar o CNJ e alterar os dispositivos dos Arts. 5º, 36, 52, 92, 93, 95, 98, 99, 102, 103, 104, 105, 107, 109, 111, 112, 114, 115, 125, 126, 127, 128, 129, 134 e 168 da Constituição Federal e acrescentando os Arts. 103-A, 103-B, 111-A e 130-A ao seu texto, promoveu a maior revolução de nosso sistema judiciário de todos os tempos. Criando cargos e funções remuneradas, reorganizando administrativamente o Poder Judiciário e estabelecendo normas gerais para os seus Órgãos de Cúpula, a EC nº 45/2004 teria afrontado a iniciativa do Presidente da República, acaso o §1º, do Art. 61 da Constituição fosse também aplicado aos casos de Emendas à Constituição. O que não é o caso.

 

Como se vê, a ADI nº 5.296 que pede o fim da autonomia da Defensoria Pública da União confunde o inconfundível. A autonomia desta Instituição não é fruto de legislação complementar ou ordinária. Assim como aconteceu com a criação do CNJ, a autonomia da DPU observou as mesmas regras dispostas no Art. 60 e §§, da Constituição Federal. É resultante da independência constitucional do Parlamento brasileiro, de nossa história republicana.

 

A EC nº 74/2013, que promove o fortalecimento da DPU, colabora francamente para a construção de uma sociedade livre, justa e solidária. Ainda, envereda-se à erradicação da pobreza, da marginalização e da redução das desigualdades sociais.

 

E foi esta razão que quando de sua tramitação na Câmara dos Deputados (PEC 207/2012), na Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania, seu Relator Deputado Luiz Couto (Partido dos Trabalhadores – PT/PB), da base direta do Governo, com muita propriedade e juridicidade consignou em seu Parecer final:

 

“Em primeiro lugar, verifica-se que a iniciativa é legítima, uma vez que a matéria iniciou sua tramitação na Câmara Alta, tendo sido apresentada por mais de um terço de Senadores, conforme exigência do Art. 60, I, da Constituição”.

 

Em última análise a Senhora Presidente da República quando ajuíza Ação Direta de Inconstitucionalidade contra a autonomia administrativa e financeira da Defensoria Pública da União entra em rota de colisão com a independência do Poder Legislativo assentada no Art. 2º e Art. 60, I, da Constituição.

 

O povo está nas ruas. Também clama por acesso à Justiça e efetiva entrega da prestação jurisdicional. A manutenção da autonomia da Defensoria Pública da União e o respeito à independência do Parlamento não podem ser pautas esquecidas pelos manifestantes e todos aqueles que lutam por um Brasil melhor. A elitização da Justiça e o enfraquecimento do Congresso Nacional corrompem e destroem o sonho republicano de um País mais justo e igualitário.

 

Oportuno trazer as palavras finais do discurso de Ulysses Guimarães quando da promulgação da Constituição de 1988:

 

“A Nação quer mudar. A Nação deve mudar. A Nação vai mudar. A Constituição pretende ser a voz, a letra, a vontade política da sociedade rumo à mudança. Que a promulgação seja nosso grito: Mudar para vencer!”.

 

_______________________  

 

Carlos Eduardo Rios do Amaral é Defensor Público do Estado do Espírito Santo

 

 

 

 

Importante:
1 - Conforme lei 9.610/98, que dispõe sobre direitos autorais, a reprodução parcial ou integral desta obra sem autorização prévia e expressa do autor constitui ofensa aos seus direitos autorais (art. 29). Em caso de interesse, use o link localizado na parte superior direita da página para entrar em contato com o autor do texto.
2 - Entretanto, de acordo com a lei 9.610/98, art. 46, não constitui ofensa aos direitos autorais a citação de passagens da obra para fins de estudo, crítica ou polêmica, na medida justificada para o fim a atingir, indicando-se o nome do autor (Carlos Eduardo Rios Do Amaral) e a fonte www.jurisway.org.br.
3 - O JurisWay não interfere nas obras disponibilizadas pelos doutrinadores, razão pela qual refletem exclusivamente as opiniões, ideias e conceitos de seus autores.

Nenhum comentário cadastrado.



Somente usuários cadastrados podem avaliar o conteúdo do JurisWay.

Para comentar este artigo, entre com seu e-mail e senha abaixo ou faço o cadastro no site.

Já sou cadastrado no JurisWay





Esqueceu login/senha?
Lembrete por e-mail

Não sou cadastrado no JurisWay




 
Copyright (c) 2006-2018. JurisWay - Todos os direitos reservados