JurisWay - Sistema Educacional Online
 
É online e gratuito, não perca tempo!
 
Cursos
Certificados
Concursos
OAB
ENEM
Vídeos
Modelos
Perguntas
Eventos
Artigos
Fale Conosco
Mais...
 
Email
Senha
powered by
Google  
 

As Constituições Brasileiras


Autoria:

Gustavo Rodrigo Picolin


Advogado, graduado pela UNIRP (Centro Universitário de Rio Preto), Pós Graduado em Direito Tributário Pela Unisul - SC

envie um e-mail para este autor

Outros artigos do mesmo autor

DENUNCIAÇÃO E EVICÇÃO
Direito Processual Civil

Apurações no Inquérito Policial
Direito Penal

DENUNCIAÇÃO DA LIDE
Direito Processual Civil

ASSISTÊNCIA
Direito Processual Civil

Princípio no Direito Tributário
Direito Tributário

Mais artigos...

Outros artigos da mesma área

A CONSTITUCIONALIDADE DO CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA (EMENDA CONSTITUCIONAL Nº 45/2004):

O que é Política de Ação Afirmativa?

Cabe habeas corpus contra decisão que determina abrigamento de menor

AUTONOMIA DOS MUNICÍPIOS

DA EDUCAÇÃO: UM DIREITO CONSTITUCIONAL

A INCORPORAÇÃO DOS TRATADOS E CONVENÇÕES INTERNACIONAIS DE DIREITOS HUMANOS AO ORDENAMENTO JURÍDICO BRASILEIRO

BREVES CONSIDERAÇÕES ACERCA DO CONSTITUCIONALISMO NO BRASIL: A EVOLUÇÃO DOS DIREITOS FUNDAMENTAIS NAS CONSTITUIÇÕES

Projeto de Lei nº 213/2015 - O Ingresso das Mulheres no Serviço Militar

A NOVA LEI DO MANDADO DE SEGURANÇA E SUAS PRINCIPAIS ALTERAÇÕES E UM POSSIVEL DESACORDO COM A LEI CONSTITUCIONAL

Uma análise jurídica quanto a transfusão de sangue em testemunha de jeová

Mais artigos da área...

Texto enviado ao JurisWay em 02/01/2013.



Indique este texto a seus amigos indique esta página a um amigo



Quer disponibilizar seu artigo no JurisWay?

 

AS CONSTITUIÇÕES BRASILEIRAS

 

1.1 – A CARTA POLÍTICA DO IMPÉRIO DO BRASIL DE 1824.

 

            O contexto da primeira constituição brasileira se repousa no ideal do liberalismo da época. Rompendo com os parâmetros anteriores, as influências das revoluções inglesa, francesa e americana também no Brasil surtiram efeitos. Passou-se a conceber o homem como ponto central do alicerce de todo o sistema social[1].

 

            Suas idéias confrontavam com a monarquia absolutista que predominava na época, donde extraía a sua fonte de legitimidade do poder divino dos reis, e não do povo, como o é na República. Assim, ainda com Celso Bastos[2], a “transladação do poder pelo povo significava pôr em xeque, de maneira frontal, as monarquias existentes.” Mas o Brasil, frisa-se, ainda era uma monarquia.

 

            Visava-se uma constituição liberal, fundada nos pressupostos liberais da época, um sistema político que houvesse separação de poderes e também a asseguração dos direitos individuais.

 

            O Brasil declarou sua independência em 1822 e a primeira constituição brasileira foi uma Carta[3], outorgada em 25 de março de 1824, tendo como traços marcantes a forte centralização política administrativa, o Poder Moderador, unitarismo e absolutismo. Influenciada pela doutrina de Benjamin Constant, a Carta de 1824 trouxe além dos três poderes dos Estados constitucionais de então, o quarto poder mencionado, chamado Moderador. Para Pedro Lenza[4] foi “sem dúvida foi o mecanismo que serviu para assegurar a estabilidade do trono do imperador durante o reinado no Brasil”.

            O Poder Moderador era chamado para Benjamin Constant de “poder real”, e no artigo 98 da Carta em estudo, era assim definido conforme de extrai da obra de Franco[5]:

 

O Poder Moderador é a chave de toda a organização Política, e é delegado privativamente ao Imperador, como Chefe Supremo da Nação e seu Primeiro Representante, para que incessantemente vele sobre a manutenção da Independência, equilíbrio e harmonia dos demais Poderes Políticos.

 

 

            Considerado uma verdadeira anomalia em face do modelo tripartite concebido por Montesquieu, segue interessante análise de Pimenta Bueno mencionado por Gilmar Mendes[6]:

 

Incontestavelmente existe da nação, pois que não é possível nem por um momento supor que ela não tenha o direito de examinar e reconhecer como funcionam os poderes que ela instituiu para o seu serviço, ou que não tenha o direito de providenciar, de retificar sua direção, de neutralizar seus abusos; de um poder neutro, que é sinônimo de poder real, poder imperial ou poder conservador; de um poder que existe e que é distinto não só do Poder Executivo, como de todos os demais poderes, os quais sobreleva e inspeciona já sobre seu exercício próprio, já sobres suas relações recíprocas; de um poder que, muito embora inerente à nação, esta não pode exercer diretamente ou por si mesma;, de um poder, enfim, que pelo seu objeto – prerrogativas, atos próprios e diretos da coroa - , não pode ser investido senão na pessoa do monarca constitucional, daquele que, pela singularidade da sua posição, paira acima das disputas políticas e deve estar cercado de todos os respeitos, tradições e esplendor, da força da opinião e do prestígio.

 

 

            Conforme se verá oportunamente, a presença do poder moderador inviabilizou qualquer espécie de controle de constitucionalidade, já que em decorrência desse instituto, o Imperador poderia intervir em todos os outros poderes e assuntos do Estado.

 

            Em relação à classificação da Carta de 1824 quanto ao critério da alterabilidade, definir-se-á com sendo semi-rígida, ou seja, aquela marcada pela presença de dispositivos rígidos e outros flexíveis. Em regra toda constituição é feita para durar, adquirindo assim estabilidade. Desse modo, a constituição flexível pode ser alterada pelo procedimento comum, ordinário de alteração de leis, isto é, não há no caso hierarquia entre constituição e lei. Altera-se a lei do mesmo modo como se altera a constituição. A constituição rígida por sua vez, possui um procedimento mais árduo, dificultoso de alteração das leis, o que presume uma hierarquia entre as normas.[7]

 

            Tal classificação nos remonta ao estudo da distinção existente entre constituição formal e constituição material, que será objeto de breve análise no capítulo 3 deste trabalho.

 

 AS CONSTITUIÇÕES DE 1981 E DE 1934

 

            Historicamente muitos foram os fatores determinantes responsáveis pela abolição da monarquia, proclamação da república e a necessidade de um novo texto constitucional, o primeiro republicano, a Constituição de 1981[8]. Um golpe militar em 15 de novembro de 1889 pôs fim à Monarquia, com a edição do Decreto nº 1, e como se expressa de modo bem objetivo Oliveira Vianna[9] “menos por crença nas suas virtudes e mais por descrença nas instituições monárquicas”.

 

            Coube à Comissão dos cinco a responsabilidade de elaborar o projeto, tudo sob a supervisão e revisão de Rui Barbosa, “um republicano de última hora que, forte no constitucionalismo norte-americano, escrevia para o Brasil traduzindo do inglês”, em comentário feito por Afonso Arinos de Melo Franco [10].

 

            A influência norte-americana foi tamanha, que o Brasil passou a chamar República dos Estados Unidos do Brasil. Isso porque era fato que a Constituição de 1891 deveria ter sofrido uma “redução sociológica” [11], ou seja, estava muito longe da realidade social brasileira da época.

 

            Com a primeira constituição republicana, o Brasil implantou de modo definitivo a Federação e a República. Poderes foram outorgados às Províncias, que passaram a governar os seus assuntos com autonomia e finanças próprias.[12] A nova estrutura não deixou espaço para o poder moderador, já que foi adotada a clássica teoria da separação dos poderes de Montesquieu.

 

            A declaração de direitos foi melhorada, merecendo destaque. Penas criminais foram abrandadas, abolindo-se a pena de galés, de banimento e morte. Em relação ao processo de alteração da constituição, de acordo com Pedro Lenza[13]:

 

 nos termos do art. 90 estabeleceu-se um processo de alteração da Constituição mais árduo e mais solene do que o processo de alteração das demais espécies normativas. Assim, perde sentido a anterior distinção que era feita no texto de 1824 entre norma material e formalmente constitucional. Estabeleceu-se, como cláusula pétrea, a forma republicano-federativa e a igualdade da representação dos Estados no Senado. (grifo do original)

 

 

            Era o fim da distinção que havia entre constituição formal e material, que predominou na Constituição Federal do Império, e como já mencionado, veio regulamentar um período de muita turbulência social. Não guardava correspondência com a realidade do Brasil no período, tanto é que acontecimentos históricos posteriores foram os responsáveis pela sua abolição.

 

            A este propósito, Oliveira Vianna [14] chegou a dizer que o seu fracasso, como o da Carta Imperial de 1824, deveu-se ao fato de que lhe faltou “base argamassada com a argila da realidade nacional”.

            Importante lembrar que sofreu ainda uma reforma de seu texto em 1926 na parte relativa à organização do Estado e na parte que dispunha sobre os direitos e garantias individuais.

 

            Diante desse contexto, foi abolida pela Revolução de 1930. O governo foi entregue transitoriamente a uma Junta Militar, até assumir definitivamente o então Governador do Rio Grande do Sul, Getúlio Vargas.

 

            Em matéria de controle de constitucionalidade, o Texto constitucional de 1891 tratou do controle repressivo difuso, onde qualquer juízo ou tribunal no caso concreto poderia reconhecer a inconstitucionalidade. Tendo em vista a sequência de fatos históricos, tratar-se-á da Constituição de 1934 neste mesmo capítulo.

 

            A Constituição de 1934 foi promulgada em 16 de julho, e não passou ao ver de Oliveira Lima, de uma constituição “supostamente revolucionária” [15]. Deixou a desejar já que o ambiente era o de uma autêntica revolução e na lição de Paulo Bonavides e Paes de Andrade[16] “não passou de uma insurreição a mais, na conturbada história da Primeira República, com um saldo de reformas muito aquém das esperanças depositadas em sua ação renovadora”.

 

            A crise econômica de 1929, bem como os diversos movimentos sociais por melhores condições de trabalho, influenciaram a promulgação do texto de 1934[17]. Sofreu forte influência também da Constituição de Weimar da Alemanha de 1919, em que foi evidenciado os direitos humanos de 2º geração, qual seja, o Estado atuante e interventor na garantia dos direitos sociais, estudo que nos remonta ao Estado Social de Direito.

 

            Celso Bastos[18] quando analisa a Carta em estudo, verifica dois pontos principais que para ele chamam a atenção, sendo eles o extremo caráter compromissório assumido pelo texto, e a curtíssima duração de sua vigência, visto que, promulgada em 1934, estava condenada a ser abolida já em 1937, pela implantação do Estado Novo.

 

            Inovações foram incorporadas ao nosso direito constitucional, traduzindo-se em autênticos avanços, como por exemplo, as alterações na legislação eleitoral, a sindicalização, as normas de Previdência Social, o mandado de segurança e a ação popular[19]. Conclui Celso Bastos[20]:

 

o que se vê é que a Constituição de 1934 espelhava, de forma praticamente fidedigna, as forças expressivas do contexto político-social de então. O que não deixa de revelar, inclusive, um mérito da recente legislação eleitoral que havia sido posta em vigor, a qual levou à formação de uma Constituinte composta por líderes extremamente talentosos e expressivos das mais diversas correntes do pensamento político.

 

 

            No que diz respeito ao controle de constitucionalidade no texto de 1934, foi mantido o sistema difuso de controle, criou-se a ação direta de inconstitucionalidade interventiva. Conferiu-se ao Senado a atribuição de suspender os atos normativos reconhecidos como inconstitucionais e previu a disposição acerca da Reserva de Plenário, que estabelecia a necessidade de quórum de maioria absoluta do tribunal para reconhecer a inconstitucionalidade[21].

 

            Por fim, esclarece-se por derradeiro, que a curta duração da constituição em estudo não se deveu aos seus defeitos, mas sim ao momento de mal estar social que caracterizou o período histórico.

 

A CARTA POLÍTICA DE 1937

 

            O clima era de instabilidade. O antagonismo entre a direita fascista – que defendia um Estado autoritário – e o movimento de esquerda se acirrava cada vez mais fortemente. Conforme ensina Pedro Lenza[22], a Intentona Comunista tinha o objetivo de derrubar Getúlio Vargas e instalar o socialismo no Brasil, momento em que foi decretado o Estado de Sítio e se deflagrou um forte movimento de repressão ao comunismo.

 

            No raciocínio de Bastos[23] “este descompasso entre o previsto na Constituição e a realidade por que passava o País que levou a uma vulnerabilidade muito grande, tornando possível a deflagração vitoriosa do golpe...”. Getúlio Vargas centralizando o poder impõe o golpe ditatorial fechando o Congresso. Foi um documento que se destinou exclusivamente a institucionalizar um regime autoritário. Os três poderes continuaram a existir, porém com suas atuações bem limitadas e restritas.

 

            A Carta de 1937, inspirada tanto pela Constituição da Polônia quanto pelas idéias nazi-fascistas de Hitler e Mussolini, teve o propósito de tornar efetiva a Revolução de 1930. Com muita propriedade se vislumbra na obra de Mendes[24], que:

 

a Carta de 1937 apresentou, pelo menos, duas singularidades importantes, uma relativa ao processo legislativo, outra referente ao controle de constitucionalidade das leis. Relativamente à produção normativa, ao dispor que o Chefe do Poder Executivo poderia expedir decretos-leis sobre todas as matérias da competência legislativa da União, enquanto não se reunisse o Parlamento Nacional. No que respeita ao controle de constitucionalidade, ao dizer que se declarada a inconstitucionalidade de lei que, a juízo do Presidente da República, fosse necessária ao bem-estar do povo, à promoção ou defesa de interesse nacional de alta monta, poderia ele submetê-la novamente ao exame do Parlamento e, se este a confirmasse por dois terços de votos, em cada uma das Casas, ficaria sem efeito a decisão do Tribunal e, consequentemente, emendada a Constituição...

 

           

            Importante notar que, durante a ditadura Vargas, o presidente da república editou inúmeros decretos-leis, e nenhum desses documentos legislativos poderia ser seriamente submetido a uma impugnação eficaz, visto que, uma vez estando o Congresso Nacional fechado tinha o chefe do governo o poder para legislar e a prerrogativa de acionar em causa própria, o mecanismo anticontrole mencionado.

 

            Conforme comenta Pedro Lenza[25] “Apesar do regime extremamente autoritário, na medida em que o Estado, centralizador, atuava diretamente na economia, não se pode negar o seu importante crescimento na economia.”

 

            O Senado Federal deixou de existir durante o Estado Novo. Havia a Câmara dos Deputados e o Conselho Federal. Formalmente foi mantida a organização dos poderes, mas o forte traço autoritário esvaziou bastante o legislativo e o judiciário.

 

            Conforme era previsto no artigo 187 da Carta de 1937, o texto deveria ser submetido a um plebiscito, o que de fato nunca ocorreu. Francisco Campos[26], em importante crítica, afirma que:

 

a Carta de 1937 não chegou sequer a vigorar; que se tivesse vigorado teria, certamente, constituído uma importante limitação ao exercício do poder; e que, afinal, poderia ter sido oportuna e pacificamente atualizada, sem que se precisasse recorrer aos expedientes, malabarismos e sofismas que tanto enfraqueceram o Governo perante a Nação.

 

 

            Assim, nunca se realizando o plebiscito, a Constituição jamais ganhou vigência, pois na verdade o que prevaleceu nesta época foi o Estado Novo, estado arbitrário despojado de quaisquer controles jurídicos, onde primava a vontade inconteste do ditador Getúlio Vargas[27].

 

            Em matéria de controle de constitucionalidade, a Carta em estudo manteve o sistema de 1934, acrescentando a prerrogativa que tinha o chefe do executivo de submeter à confirmação de inconstitucionalidade ao parlamento, o que representou na verdade um verdadeiro retrocesso, como se verá oportunamente.

 

A CONSTITUIÇÃO DE 1946

 

            Um novo cenário internacional surgia com o fim da 2º Guerra Mundial. Ainda o manto da Carta de 1937, que frisa-se, nunca chegou a viger, Getúlio Vargas procurou através da Lei Constitucional n.o 9 inserir alterações no texto de 1937 visando adequar o nosso direito constitucional ao contexto mundial. Mas isso, para o momento não era suficiente.

 

            Para Bastos[28] “diversos fatos, tais como a previsão de eleições para governos estaduais e para as assembléias legislativas estaduais, fizeram com que, a 29 de outubro de 1945, ocorresse a queda de Getúlio Vargas e a sua substituição pelo Presidente do Supremo Tribunal Federal, José Linhares”. Foi após José Linhares assumir é que se deu o projeto inicial de reforma da Carta de 1937 em um projeto mais grandioso de elaboração de uma nova Constituição.

 

            Foi a Lei Constitucional n.o 13, de 12 de novembro de 1945 que conferiu poderes de natureza constituinte ao Parlamento convocado em 2 de fevereiro do ano seguinte, promulgando a quarta Constituição brasileira. Nesse sentido, para Mendes[29]:

 

a Assembléia Constituinte pós-Estado Novo – diferentemente do que ocorrera na elaboração das Cartas Políticas de 1824, 1891 e 1934 – não partiu de um anteprojeto vindo de fora, preferindo os seus responsáveis formar uma “Grande comissão”, que adotou como texto base a Constituição de 1934, o que lhe permitiu progredir rapidamente e submeter à votação final do plenário um projeto revisto que, aprovado em 18 de setembro desse mesmo ano, veio a ser a nossa quarta constituição republicana.

 

           

            O que se buscava no momento era um Estado Democrático. A Alemanha nazista e autoritária perdia a guerra, sendo forçoso convir com um Brasil que apoiou os Aliados contrários aos regimes autoritários, manter-se uma ditadura. Trata-se “de pôr fim ao Estado autoritário que vigia no País sob diversas modalidades desde 1930” [30].

 

            Foi considerada uma das melhores, tanto tecnicamente como ideologicamente, apesar de algumas críticas em sentido contrário. Foi de todo modo, um Texto equilibrado e harmônico, que procura dar aos três poderes o seu devido papel na atuação do Estado[31]. De acordo com Afonso Arinos[32], citado por Gilmar Mendes, comparando-a com os textos constitucionais precedentes, diz que “a Constituição de 1946 assemelhava-se bastante à de 1934, em relação à qual teve vida bem mais longa, favorecida que foi pela inexistência de ambiente internacional que lhe fosse hostil (...)”.

 

            Miguel Reale[33] por sua vez, comentando o texto de 1946, elogia, ao destacar a melhor distribuição das competências ente União, os Estados e os Municípios, a fixação de diretrizes gerais de ordem econômica ou educacional, e o significativo avanço em delinear, além dos direitos políticos, também os direitos sociais. Mas ao mesmo tempo defende na sua visão, quatro graves equívocos do texto:

 

a) o enfraquecimento do Executivo, deixado à mercê do Legislativo; b) o fortalecimento do Legislativo, mas num quadro normativo anacronicamente reduzido às figuras da lei constitucional e da lei ordinária; c) a criação de óbices à intervenção do Estado no domínio econômico, o que era incompatível com a sociedade indústria emergente; e, por fim, d) a adoção do pluralismo partidário, sem limitações nem cautelas, o que levou ao ressurgimento da política estadual e à criação de partidos nacionais de fachada, cujas siglas escondiam meras federações de clientelas ou de facções locais.

 

 

            A Constituição em estudo foi a responsável por recuperar o princípio federativo que havia desaparecido sob a “vigência” da Carta de 1937. A federação foi implantada com garantias às autonomias dos Estados, temperados com institutos que permitiam a intervenção da União para coibir abusos. Foi uma constituição republicana, federativa e democrática.

 

            No que diz respeito aos 3 poderes, é importante lembrar que o Legislativo e o Judiciário foram engrandecidos, tendo sido restaurados sua dignidade, respeito e suas tradicionais prerrogativas. Claro que, o Executivo em virtude do histórico e do trauma ditatorial, perdeu muitos dos seus poderes. Tanto é que, conforme já colacionado, é a crítica de alguns autores como Miguel Reale, acerca desse enfraquecimento do Executivo em face do fortalecimento do Legislativo.

 

            O Executivo agora passou a ser exercido por um presidente eleito de forma direta, com maioria relativa, por período certo de 5 anos, e eleição do vice que acumulava a presidência do Senado.

 

            Era livre a liberdade de criação partidária. Era vedada apenas a criação de partidos políticos em que o programa ou ação contrariasse o regime democrático – baseado na pluralidade dos partidos e na garantia dos direitos fundamentais do homem[34].

 

            O período de agitação é comentado por Kildare Gonçalves[35]. Dentre várias turbulências sociais, o presidente Jânio Quadros renunciou após perder o apoio político em 25 de agosto de 1961. Seu vice na época era João Goulart. Acusado de ter tendências comunistas – tanto é que ele estava na China comunista na época – foi impedido pelas forças militares assumir. Diante de tal fato, o Congresso Nacional para dar constitucionalidade para a situação, aprovou o regime parlamentarista de governo, onde a figura do chefe de estado cabia ao Presidente, e ao 1º Ministro a chefia de Governo (Executivo Dual), retirando assim, o poder das mãos de Jango.

 

            Através de um referendo, o povo determinou o retorno imediato ao presidencialismo. Jango reassumindo, foi derrubado pelo movimento militar que eclodiu em 31/03/1964. O país passou a ser governado pelos Atos Institucionais e Complementares. O Congresso Nacional foi fechado, sendo reaberto em 1966 para aprovar a Constituição de 1967, imposta pelos militares.

 

A CONSTITUIÇÃO DE 1967 E A E.C. 01/69.

 

            A Constituição de 1967 foi fruto da Revolução de 1964, sendo aprovada pelo Congresso Nacional convocado em sessão extraordinária de apenas 42 dias, constrangido a deliberar[36]. O presidente da república com o apoio das forças armadas enviou o texto e aguardou sua aprovação. Foi na verdade uma farsa constituinte. Para Paulo Bonavides e Paes de Andrade[37], entre outros, em trecho extraído da obra de Mendes, afirmam que:

 

em 1966/1967 não houve propriamente uma tarefa constituinte, mas uma farsa constituinte; que os parlamentares, além de não estarem investidos de faculdades constituintes, encontravam-se também cerceados pelos atos institucionais; e, finalmente, que a coação ao trabalho dos parlamentares do povo, mesmo sem os poderes constituintes autorizados pelo eleitorado, pudessem fazer uma Carta constitucional relativamente independente. Daí, segundo informam, a existência de dispositivos “não emendáveis”, no texto imposto à aprovação do Congresso nacional, que, amedrontado, submeteu-se a mais essa chantagem, inspirada, certamente, pelo propósito de “constitucionalizar o institucional”.

 

 

            Essa Carta concentrou bruscamente, o poder no âmbito federal, esvaziando os Estados e Municípios e conferindo amplos poderes ao Presidente da República[38]. A forma Federativa foi a implantada, porém é fato que na prática, houve um duro golpe no federalismo, se aproximando mais de um Estado Unitário centralizado.

 

            A divisão dos poderes clássica de Montesquieu também foi mantida, em conformidade logicamente, com o contexto da época. Era marcada por um Executivo fortalecido onde o presidente da república legislava por decretos-leis, e um Legislativo e Judiciário com suas competências bastante diminuídas.

 

            Interessante colacionar o comentário de Cezar Saldanha[39] sobre o tema:

 

apesar da intenção e do sentimento de muitos dos seus fautores, aquele texto não conseguira libertar-se, plenamente, de um sabor autoritário, que brotava, de um lado, da concepção de que o povo brasileiro, ainda não estando preparado para o exercício da democracia, deveria ser governado por um Executivo forte, centralizado, nacionalista e intervencionista; e, de outro, da idéia de que a segurança nacional, tal como concebida por estrategistas franceses e norte-americanos e assimilada pelos nossos chefes militares, deveria constituir-se em objetivo prioritário, a ser preservado no Ocidente, mesmo à custa de eventuais limitações ao método democrático, em face da natureza e dos métodos da nova forma de agressão ideológica – a guerra revolucionária – promovida em escala mundial pelas potências comunistas.

 

           

            A previsão de eleições indiretas para a escolha do Presidente da República, e da possibilidade de aprovação de leis por decurso de prazo inserida no art. 54 da Carta de 1967 (romper com a inércia do Legislativo), eram exemplos de resquícios de autoritarismo.

 

            Em agosto de 1969, o então presidente Costa e Silva ficou impossibilitado de governar por problemas de saúde, momento em que o seu vice foi impedido de assumir, por um golpe de força dos três ministros militares, que usurparam o poder e se auto-investiram na Presidência da República[40].

 

            Essa Junta Militar que assumiu editou a Emenda n.º 1 de 1969 (vigorou no país como se fosse uma nova constituição) até a promulgação da Constituição de 1988. Para Afonso Arinos Franco[41] “tal como a de 1967, foi uma Constituição de tipo instrumental, destinada tão-somente a dar fisionomia jurídica a um regime de poder de fato...”.

 

            O fundamento defendido pela referida Junta Militar, foi o de que o Congresso Nacional estava fechado, e por isso a E.C. nº 1/1969 foi baixada pelos militares. Mesmo assim, importante esclarecer que, de acordo com Lenza[42] “podemos considerar a E.C. nº 1/1969 como a manifestação de um novo Poder Constituinte Originário, outorgando uma nova Carta, que constitucionalizava a utilização dos Atos Institucionais”.

 

            Com o Pacote de Junho de 1979 – revogação total do AI-5, impossibilidade de suspensão do Congresso Nacional – e com a presidência de João Figueiredo, o processo de democratização ganhou força, tendo como missão pôr fim ao governo militar. Este chegou a termo em 1983, com a campanha das “Diretas Já” e a eleição de Tancredo Neves, que prometeu estabelecer a Nova República democrática e social.

 

            Em 1985 foi determinada a convocação da Assembléia Nacional Constituinte, que depois de muitos trabalhos e dificuldades, a Constituição de 1988 foi promulgada em 5 de outubro, redemocratizando o País, sendo chamada por Ulysses Guimarães – presidente da Assembleia Nacional Constituinte – de Constituição Cidadã.

 

            Em matéria de controle de constitucionalidade, de acordo com Kildare Gonçalves[43], foram mantidas as linhas básicas do sistema de controle da Constituição de 1946, com as modificações da E.C nº 16/65. Foi disciplinado pelo texto de 1969, o controle de constitucionalidade estadual para fins de intervenção em Município, e a Emenda 7/77 possibilitou a concessão de medida cautelar nos processos objetivos. Aqui, somente o Procurador Geral da República tinha a legitimidade ativa para a ADIN – chamava-se de “Representação de Inconstitucionalidade”.


 A CONSTITUIÇÃO CIDADÃ DE 1988

 

            A Constituição de 1988 foi fruto de acordo político, sendo elaborada por uma Assembléia Nacional Constituinte convocada pela Emenda Constitucional nº 26 de 1985. Foi eleito presidente da Constituinte o Deputado Ulysses Guimarães. Interessante lembrar que a Constituinte de 1987 não se baseou em anteprojeto do Governo. Conta Kildare Gonçalves[44]:

 

Presidente José Sarney, sucessor do Presidente Tancredo Neves, falecido antes da posse, a Comissão Provisória de Estudos Constitucionais (Comissão de Notáveis) elaborou um texto que não foi encaminhado à Assembleia Constituinte pelo Presidente da República, o qual preferiu remetê-lo ao Ministério da Justiça. Tal fato tem sido explicado por haver o texto da Comissão adotado o sistema parlamentar de governo, contrariando, assim, o Presidente da República, que teria seus poderes reduzidos.

 

            Durante o governo Sarney, o pluripartidarismo foi ampliado, legalizando-se partidos como o PCB e o PC do B, surgindo novos como o PSDB e o PL. Novas matérias foram introduzidas na Constituição como preceitos sobre seguridade social, compreendendo saúde, previdência social, assistência social, ciência e tecnologia, entre outros.

 

            Foi mantida a república constitucional e o sistema presidencialista de governo no plebiscito de 1993, e houve a manifestação do poder constituinte derivado revisor, nos termos do art. 3º do ADCT em que 6 emendas de revisão foram aprovadas.

 

            Em relação aos poderes, foi retomada teoria da tripartição de poderes de Montesquieu, porém, buscou-se agora um maior equilíbrio entre eles, pela técnica dos “freios e contrapesos”, abrandando assim a supremacia do Executivo, que imperava[45].

 

            Em matéria de controle de constitucionalidade, José Afonso da Silva[46] explica inicialmente que o Texto Cidadão “introduziu mais duas novidades: previu a inconstitucionalidade por omissão (art. 103, §2º) e ampliou a legitimação para a propositura de ação direta de inconstitucionalidade, por ação ou omissão (art. 103)”. Trouxe o controle Preventivo realizado pelos poderes legislativo, executivo e judiciário e controle Repressivo, realizado pelo poder judiciário, nos sistemas difuso e concentrado.



[1] BASTOS, Celso. Curso de Direito Constitucional. Celso Bastos Editor. 2002, p. 104.

[2] Id. p. 104.

[3] A expressão “Carta” se refere, no contexto da classificação das constituições, àquelas que foram outorgadas. Na lição de Pedro Lenza: “Outorgadas são as constituições impostas, de maneira unilateral, pelo agente revolucionário (grupo ou governante), que não recebeu do povo a legitimidade para em nome dele atuar. No Brasil, as constituições outorgadas foram as de 1824 (Império), 1937 (inspirada no modelo fascista, extremamente autoritária – Getúlio Vargas) 1967 (ditadura militar), sendo que alguns chegam inclusive a mencionar como exemplo de outorga a EC n.o 1/1969 (apesar de tecnicamente impreciso). LENZA, Pedro. Direito Constitucional Esquematizado. 11º edição. Ed. Método. 2007, p. 58.

 

[4] LENZA, Pedro. Direito Constitucional Esquematizado. 11º edição. Ed. Método. 2007, p. 71.

[5] FRANCO, Afonso Arinos de Melo. O constitucionalismo de D. Pedro I no Brasil e em Portugal, 2º edição, Arquivo Nacional, 1994, p. 161 Apud MENDES, Gilmar Ferreira et al. Curso de Direito Constitucional, 2º edição. São Paulo. Saraiva, 2008, p. 163.

[6] BUENO, José Antonio Pimenta. Direito público brasileiro e análise da Constituição do Império, Rio de Janeiro: Typographia Imp. E Const. de J. Velleneuve e C., 1857, p. 204-206 Apud MENDES, Gilmar Ferreira et al. Curso de Direito Constitucional, 2º edição. São Paulo. Saraiva, 2008, p. 163.

[7] LENZA, Pedro. Direito Constitucional Esquematizado. 11º edição. Ed. Método. 2007, p. 64.

[8] BASTOS, Celso. op.cit. p. 111.

[9] VIANA, Oliveira. O occaso doImpério. 2º edição. São Paulo: Melhoramentos, 1926, p. 103-104 Apud MENDES, Gilmar Ferreira et al. Curso de Direito Constitucional, 2º edição. São Paulo. Saraiva, 2008, p. 164.

[10] FRANCO, Afonso Arinos de Melo. Direito Constitucional: teoria da Constituição; as Constituições do Brasil. Rio de Janeiro: Forense, 1976, p.149 Apud MENDES, Gilmar Ferreira et al. Curso de Direito Constitucional, 2º edição. São Paulo. Saraiva, 2008, p. 164.

[11] RAMOS, Guerreiro. A redução sociológica. Ministério da Educação e Cultura, Instituto Superior de Estudos Brasileiros, 1958, p. 44-47 Apud MENDES, Gilmar Ferreira et al. Curso de Direito Constitucional, 2º edição. São Paulo. Saraiva, 2008, p. 164.

[12] PACHECO, Cláudio. As Constituições do Brasil. Instituto Tancredo Neves, 1987, p. 32 Apud BASTOS, Celso. Curso de Direito Constitucional. 2002, p. 114.

[13] LENZA, Pedro. Direito Constitucional Esquematizado. 11º edição. Ed. Método. 2007, p. 77.

[14] VIANNA, Oliveira. O idealismo da Constituição. 2º edição. São Paulo: Melhoramentos, 1939. Prefácio p. XIV. Apud MENDES,Gilmar Ferreira. et al, op. cit. p. 165.

[15] História constitucional do Brasil.  2006, p. 270 Apud MENDES, et al, op. cit. p. 167.

[16] BONAVIDES e outro. História Constitucional do Brasil. cit. p. 270, Apud MENDES,Gilmar Ferreira. et al, op. cit. p. 167.

[17] LENZA, Pedro. op.cit. p. 81.

[18] BASTOS, Celso. op.cit. p. 117.

[19] ALVES, Francisco de Assis. As Constituições do Brasil. Revista, p. 34 Apud BASTOS, Celso. op.cit. p.120.

[20] BASTOS, Celso. op. cit. p. 123.

[21] Material de aula do Curso Máster. Luis Flávio Gomes. Professor Pedro Taques. 2008.

[22] LENZA, Pedro. op. cit. p. 85.

[23] BASTOS, Celso. op.cit. p. 124.

[24]MENDES, Gilmar Ferreira. et al. op. cit. p. 169.

[25] LENZA, Pedro. op.cit. p. 85

[26] Entrevista publicada no jornal Correio da Manhã, de 3-3-1945, e republicada na RF, v. 103, p. 171-177. Apud MENDES, Gilmar Ferreira. et al. op. cit. p. 171.

[27] BASTOS, Celso. op.cit. p. 127.

[28] BASTOS,Celso. op.cit. p. 131.

[29] MENDES, Gilmar Ferreira. et al. op. cit. p. 172-173.

[30] BASTOS, Celso. op. cit. p. 132.

[31] Idem  p. 132.

[32] FRANCO, Afonso Arinos de Melo. Direito Constitucional. p.172. Apud MENDES, Gilmar Ferreira et al. Curso de Direito Constitucional, 2º edição. São Paulo. Saraiva, 2008, p. 173.

[33] REALE, Miguel. Momentos decisivos da história constitucional brasileira, in Direito natural/Direito positivo, p. 91. Apud MENDES, Gilmar Ferreira et al. op. cit. p. 173.

[34] BASTOS, Celso. op. cit. p. 135.

[35] CARVALHO, Kildare Gonçalves. Direito Constitucional. 10º edição. Editora Del Rey, 2004. p. 310-311.

[36] MENDES, Gilmar Ferreira. et. al. op.cit. p. 175.

[37] BONAVIDES e outro. História Constitucional do Brasil. cit. p. 436-437 Apud MENDES, Gilmar et. al. op.cit. p. 176.

[38] LENZA, Pedro. op. cit. p. 93.

[39] SALDANHA, Cezar Souza Junior, Constituições do Brasil. Porto Alegre: Sagra Luzzatto, 2002, p. 67 Apud. MENDES, Gilmar et.al. op.cit. p. 176-177.

[40]MENDES, Gilmar Ferreira et al. Curso de Direito Constitucional, 2º edição. São Paulo. Saraiva, 2008, p.178.

[41] FRANCO, Afonso Arinos de Melo. Direito Constitucional. p.179, Apud,  MENDES, Gilmar, et.al.op. cit. p. 179.

[42] LENZA, Pedro. op. cit. p.97.

[43]CARVALHO, Kildare Gonçalves. Direito Constitucional. 10º edição. Editora Del Rey, 2004. p. 264.

[44] Id. p. 313.

[45] LENZA, Pedro. op.cit. p. 103.

[46] SILVA, José Afonso. Curso de Direito Constitucional Positivo. 30º edição. Método. 2007. p. 51.

 

Importante:
1 - Conforme lei 9.610/98, que dispõe sobre direitos autorais, a reprodução parcial ou integral desta obra sem autorização prévia e expressa do autor constitui ofensa aos seus direitos autorais (art. 29). Em caso de interesse, use o link localizado na parte superior direita da página para entrar em contato com o autor do texto.
2 - Entretanto, de acordo com a lei 9.610/98, art. 46, não constitui ofensa aos direitos autorais a citação de passagens da obra para fins de estudo, crítica ou polêmica, na medida justificada para o fim a atingir, indicando-se o nome do autor (Gustavo Rodrigo Picolin) e a fonte www.jurisway.org.br.
3 - O JurisWay não interfere nas obras disponibilizadas pelos doutrinadores, razão pela qual refletem exclusivamente as opiniões, ideias e conceitos de seus autores.

Nenhum comentário cadastrado.



Somente usuários cadastrados podem avaliar o conteúdo do JurisWay.

Para comentar este artigo, entre com seu e-mail e senha abaixo ou faço o cadastro no site.

Já sou cadastrado no JurisWay





Esqueceu login/senha?
Lembrete por e-mail

Não sou cadastrado no JurisWay




 
Copyright (c) 2006-2020. JurisWay - Todos os direitos reservados