JurisWay - Sistema Educacional Online
 
JurisWay - Produção de Textos com Certificado
 
Cursos
Certificados
Concursos
OAB
ENEM
Vídeos
Modelos
Perguntas
Notícias
Artigos
Fale Conosco
Mais...
 
Email
Senha
powered by
Google  
 

Estado de Defesa vs. Golpe de Estado


Autoria:

Jenifer Dias Monteiro Rodrigues


Estudante do curso de Ciências Jurídicas e Sociais. Cursando o quarto semestre na Universidade Camilo Castelo Branco.

envie um e-mail para este autor

Resumo:

O Estado de Defesa é uma excepcionalidade normativa em momentos de crise no país. Tem como objetivo preservar a ordem e a paz social, mediante fatos como a instabilidade institucional grave e imediata e calamidades de grandes proporções na natureza.

Texto enviado ao JurisWay em 28/11/2012.

Última edição/atualização em 02/12/2012.



Indique este texto a seus amigos indique esta página a um amigo



Quer disponibilizar seu artigo no JurisWay?

 

Estado de Defesa é o ato político que consiste na incursão da entidade interventora nos negócios da entidade que a suporta, é uma medida excepcional que afasta momentaneamente a atuação autônoma do estado, distrito federal ou município que a tenha sofrido, que só há de ocorrer nos casos taxativamente estabelecidos pela Constituição Federal e indicados como exceção ao Princípio da não intervenção, conforme art. 34 e 35 da CF/88. 

Sem que se verifique a necessidade, o estado de exceção configurará puro golpe de estado, simples arbítrio, sem atenção ao Princípio da Temporariedade, sem que se fixe tempo limitado para vigência da legalidade extraordinária, o estado de exceção não passará de Ditadura.

Quem guardará a ordem constitucional contra os investidores dos próprios detentores do poder?

É dever do Estado representado pelo Presidente da República e o Conselho Nacional proteger a sociedade.

No Brasil, isso aconteceu varias vezes no passado, com decretação de estado de emergência 1937, (art. 186) o Brasil viveu, de 1964 a 1978, foi certamente o instrumento mais arbitrário, mais ditatorial, que o país jamais conheceu. Com base nessa, chamada legalidade extraordinária, formada sem necessidade, voltada apenas para coibir adversários políticos e sustentar os detentores do poder e os interesses das classes dominantes aliadas às oligarquias nacionais, e destinada a viger enquanto esses detentores quisessem e pudessem (portanto, sem atender o princípio da temporariedade), tudo se podia fazer. Fechar Casas Legislativas, cassar mandatos populares, demitir funcionários, suspender direitos políticos, aposentar e punir magistrados, militares, etc. foram atos institucionais e ditadura que perdurou aquele período.

Foi incorporada na Carta Constitucional de 1969, outorgada com base naquela mesma normatividade excepcionalíssima e em novos estados de exceção.

Como o dito por ARAUJO, Luiz Alberto e VIDAL, Serrano Nunes Junior, “as medidas adotáveis tem natureza excepcional. Assim sendo devem ser temporárias, só utilizadas quando realmente necessárias, e, por fim, proporcionais à situação de crise que pretendem superar. O desrespeito a qualquer um desses princípios ensejaria o rompimento das amarras constitucionais que sustentam o regime democrático. Em outras palavras, se medidas de exceção forem aplicadas, em tempos de normalidade democrática, a Constituição estará sendo violada, configurando-se autêntico golpe de estado”.

Por este motivo, para que sejam bem utilizadas tais medidas, faz-se preciso a obediência de três princípios:

         Princípio da Necessidade:

A declaração do estado de defesa fica condicionada ao preenchimento de pressupostos fáticos que justifiquem a decretação. Esse pressuposto pode ser o comprometimento da ordem pública e da paz social por instabilidade institucional ou por calamidade pública de grande proporção;

         Princípio da Temporariedade:

O excepcional não pode ser definitivo. Assim, esse princípio demonstra que é imprescindível o estabelecimento de uma definição temporal no que se refere à duração das medidas, o que pode ser feito com a indicação do prazo de execução das medidas ou com sua estimativa em função da permanência de determinada ameaça.

         Princípio da Proporcionalidade:

Diz que as medidas adotadas, dentre as possíveis, devem ser proporcionais aos fatos que justificaram a adoção do estado de defesa ou emergência, no sentido da manutenção e do restabelecimento da ordem pública.

 

 

Importante:
1 - Conforme lei 9.610/98, que dispõe sobre direitos autorais, a reprodução parcial ou integral desta obra sem autorização prévia e expressa do autor constitui ofensa aos seus direitos autorais (art. 29). Em caso de interesse, use o link localizado na parte superior direita da página para entrar em contato com o autor do texto.
2 - Entretanto, de acordo com a lei 9.610/98, art. 46, não constitui ofensa aos direitos autorais a citação de passagens da obra para fins de estudo, crítica ou polêmica, na medida justificada para o fim a atingir, indicando-se o nome do autor (Jenifer Dias Monteiro Rodrigues) e a fonte www.jurisway.org.br.
3 - O JurisWay não interfere nas obras disponibilizadas pelos doutrinadores, razão pela qual refletem exclusivamente as opiniões, ideias e conceitos de seus autores.

Nenhum comentário cadastrado.



Somente usuários cadastrados podem avaliar o conteúdo do JurisWay.

Para comentar este artigo, entre com seu e-mail e senha abaixo ou faço o cadastro no site.

Já sou cadastrado no JurisWay





Esqueceu login/senha?
Lembrete por e-mail

Não sou cadastrado no JurisWay




 
Copyright (c) 2006-2019. JurisWay - Todos os direitos reservados