JurisWay - Sistema Educacional Online
 
É online e gratuito, não perca tempo!
 
Cursos
Certificados
Concursos
OAB
ENEM
Vídeos
Modelos
Perguntas
Eventos
Artigos
Fale Conosco
Mais...
 
Email
Senha
powered by
Google  
 

QUESTÕES A SEREM ANALISADAS BASEADAS NA CLASSIFICAÇÃO DAS SENTENÇAS DE PROCEDÊNCIA DO MÉRITO


Autoria:

Waléria Demoner Rossoni


Advogada militante no Estado do Espírito Santo com ênfase em Direito Civil, Direito do Trabalho e Direito Previdenciário. Graduada em Direito pelo Centro Universitário do Espírito Santo - UNESC (2013). Discente de Pós-graduação em Direito Penal e Processo Penal pelo Centro Universitário do Espírito Santo - UNESC (iniciada em 2013). Discente de Pós-graduação de Filosofia e Teoria do Direito pela Pontifícia Universidade Católica do Estado de Minas Gerais - PUC Minas (iniciada em 2014). Áreas de atuação: Direito Penal/Processual Penal, Juizados Especiais Federais e Direito de Família.

envie um e-mail para este autor

Outros artigos da mesma área

IMPUGNAÇÃO AO CUMPRIMENTO DE SENTENÇA DE PAGAR QUANTIA CERTA: NECESSIDADE OU NÃO DE PRÉVIA GARANTIA DO JUÍZO.

Proteção da mulher vítima de violência doméstica no NCPC/2015

ARBITRAGEM E O DIREITO PROCESSUAL CIVIL

Resolução de Mérito, pela prescrição, sob o fundamento da impossibilidade jurídica do pedido

SÚMULA IMPEDITIVA DE RECURSOS: análise ante a principiologia constitucional do processo

Juízo de Admissibilidade dos Recursos

O regime dos "Recursos Especiais Repetitivos" e a repercussão geral do Recurso Extraordinário

O SURGIMENTO DOS JUIZADOS ESPECIAIS E OS SEUS PRINCÍPIOS INFORMATIVOS

LIQUIDAÇÃO INDIVIDUAL DE SENTENÇA NA AÇÃO CIVIL PÚBLICA DO IDEC

Mandado de Segurança para impugnação de decisão interlocutória em razão das alterações no CPC

Mais artigos da área...

Resumo:

Classificação das sentenças à luz da doutrina majoritária

Texto enviado ao JurisWay em 20/09/2011.

Última edição/atualização em 21/09/2011.



Indique este texto a seus amigos indique esta página a um amigo



Quer disponibilizar seu artigo no JurisWay?

       

       Se João tomou meu carro emprestado e não devolveu na data aprazada, poderei me utilizar para reavê-lo de uma sentença mandamental ou executiva lato sensu? Se por outro lado, eu comprar um automóvel zero quilômetros e o referido não me for entregue na data combinada, eu também poderei me utilizar das referidas sentenças?

.

Tendo em vista o entendimento doutrinário pertinente à situação, percebe-se que no primeiro caso descrito, a sentença cabível será a mandamental. Isto porque, esta se caracteriza pela existência de uma ordem do juiz dirigida à pessoa para que faça algo, independentemente de condenação do réu. Além deste fator, inexiste o caráter substitutivo da obrigação. São estas as palavras proferidas pelos mestres processualistas Daniel Amorim de Assumpção Neves; Alexandre Freitas Câmara; Luiz Guilherme Marinoni e Sérgio Cruz Arenhart e Fredie Didier Júnior. Para Rodrigo Klipel, a principal diferença entre executiva lato sensu e mandamental, é que a primeira tutelam obrigações fungíveis, ao passo que as segundas são obrigações infungíveis, caracterizadas por mandamentos e destinadas à pessoa determinada. No caso analisado, somente o réu (João) pode adimplir a obrigação de entrega do automóvel, caracterizando esta como infungível e pautada no seu animus.  Por outro lado, segundo caso descrito ressalta que determinada concessionária não entregou o referido bem na data aprazada. Nesta hipótese, o juiz proferirá mérito com base na sentença executiva lato sensu, procedendo-se as medidas cabíveis. Isto porque, a sentença executiva se realiza através dos meios de execução direta adequados à tutela específica do direito e ao caso concreto, que devem ser usados pelo autor e pelo juiz segundo as regras do meio idôneo e da menor restrição possível, ou segundo a lógica de que a modalidade executiva deve ser idônea à tutela do direito sem deixar de ser menos gravosa ao réu. O fundamento da sentença executiva, especialmente do poder de determinar o meio executivo adequado ao caso concreto, está o artigo 461, parágrafo quinto, o qual alude às medidas necessárias, verbia gratia, a busca e a apreensão.

 

2) Quais as principais diferenças entre a antecipação dos efeitos da tutela do artigo 273 e a do artigo 461, parágrafo 3º?

.

A tutela inibitória descrita no parágrafo terceiro do artigo 461 é imprescindível o ilícito, compreendido este como ato contrário ao direito. Esta tutela é essencialmente preventiva, pois é sempre voltada para o futuro. Como para haver ilícito deve existir dano, salienta-se que aquele é pressuposto da tutela inibitória descrita no artigo referido. Por sua vez, tal tutela não visa apenas a impedir um fazer, um ilícito comissivo, mas também possui como escopo combater qualquer tipo de ilícito, seja comissivo e omissivo. Assim, funda-se na necessidade de se conferir ao cidadão proteção jurisdicional capaz de impedir a violação do direito e permite ao juiz empregar a pena de multa e medidas necessárias. Pode ser declarada no curso do processo ou por meio de um meio que permita a prevenção do ilícito independentemente da vontade do demandado. Detêm o juiz assim, ampla margem de poder destinado à fixação do meio executivo mais adequado para impedir o ato ou a atividade nociva. Pode ser revogada ou modificada a qualquer tempo.

O artigo 273 do CPC, por sua vez, traz a exigência de que a parte peça expressamente o provimento antecipatório, o que, como visto acima, não consta na redação do § 3º do artigo 461 do CPC. Porém, a doutrina majoritária acrdita que para concessão da tutela antecipada específica também seja necessário o requerimento da parte, de acordo com o princípio da ação ou da demanda, disposto nos artigos 2º e 262 do CPC.  

.

Nas demandas que tenham com objeto uma obrigação de fazer e/ou não fazer o juiz pode conceder a tutela diversa da pedida pelo autor, desde que com isso gere um resultado prático equivalente a do adimplemento da obrigação (art. 461, caput, do CPC e art. 84, do CPC) [grifo nosso] (NEVES, 2010, p. 482).

.

Assim, nem toda decisão proferida sem a observação do princípio da congruência é nula, admitindo-se extrapolação no tocante ao pedido em situações expressamente previstas em lei, existindo exceções. Um delas é a descrita pelo jurista Daniel Amorim Neves, isto é, a do artigo 461 do CPC. Este fator diferencia a tutela do artigo 273 para a do artigo anteriormente relatado, além das diferenciações já trabalhadas.

.

Nos termos do parágrafo 3º do art. 273 (com redação que lhe deu a Lei n.º 10.444/2002 e levada em conta que deveria ter sido feita – mas não foi – pela Lei n.º 11.232/2005, que revogou o art. 588 do CPC), “a efetivação da tutela antecipada observará, no que couber e conforme a natureza, as normas previstas nos arts. 475-O, 461, parágrafo 4º e 5º do artigo 461-A” (FREITAS, 2009, p. 444).

 

REFERÊNCIAS

 

 

ARENHART, Sérgio Cruz; MARINONI, Luiz Guilherme. Processo de Conhecimento. Rio de Janeiro: Revistas dos Tribunais, 2007. 830 p.

 

 

CÂMARA, Alexandre Freitas. Lições Preliminares de Direito Processual Civil.  19. ed. Rio de Janeiro: Lúmen Júris, 2009. 528 p.

 

 

NEVES, Daniel Amorim de Assumpção. Manual de Direito Processual Civil. 2. ed. Rio de Janeiro: Método, 2010. 1404 p.

 

 

 

Importante:
1 - Conforme lei 9.610/98, que dispõe sobre direitos autorais, a reprodução parcial ou integral desta obra sem autorização prévia e expressa do autor constitui ofensa aos seus direitos autorais (art. 29). Em caso de interesse, use o link localizado na parte superior direita da página para entrar em contato com o autor do texto.
2 - Entretanto, de acordo com a lei 9.610/98, art. 46, não constitui ofensa aos direitos autorais a citação de passagens da obra para fins de estudo, crítica ou polêmica, na medida justificada para o fim a atingir, indicando-se o nome do autor (Waléria Demoner Rossoni) e a fonte www.jurisway.org.br.
3 - O JurisWay não interfere nas obras disponibilizadas pelos doutrinadores, razão pela qual refletem exclusivamente as opiniões, ideias e conceitos de seus autores.

Nenhum comentário cadastrado.



Somente usuários cadastrados podem avaliar o conteúdo do JurisWay.

Para comentar este artigo, entre com seu e-mail e senha abaixo ou faço o cadastro no site.

Já sou cadastrado no JurisWay





Esqueceu login/senha?
Lembrete por e-mail

Não sou cadastrado no JurisWay




 
Copyright (c) 2006-2020. JurisWay - Todos os direitos reservados