JurisWay - Sistema Educacional Online
 
Será o fim do JurisWay?
 
Cursos
Certificados
Concursos
OAB
ENEM
Vídeos
Modelos
Perguntas
Notícias
Artigos
Fale Conosco
Mais...
 
Email
Senha
powered by
Google  
 

A Origem da Família, da Propriedade Privada e do Estado


Autoria:

Osvaldina Karine Santana Borges

Resumo:

Resumo da obra "A Origem da Família, da Propriedade Privada e do Estado" de Friedrich Engels.

Texto enviado ao JurisWay em 29/04/2011.

Última edição/atualização em 03/05/2011.



Indique este texto a seus amigos indique esta página a um amigo



Quer disponibilizar seu artigo no JurisWay?

ENGELS, Friedrich. A Origem da Família, da Propriedade Privada e do Estado. São Paulo: Centauro Editora, 2002. 1ª edição.

 

*Osvaldina Karine Santana Borges

 

 

Trata-se de um texto que procura analisar a história, principalmente a história antiga e a história das sociedades primitivas, de acordo com a concepção materialista, a produção e reprodução da vida imediata. A referência central da obra em apreço, o princípio materialista, se traduz na afirmação que o desenvolvimento humano acompanha o desenvolvimento da produção dos meios de existência, tal fundamentação é compreendida a partir da obra A Cidade Antiga de Morgan, antropólogo norte-americano. Esse, pioneiramente, a partir da concepção do princípio materialista, desenvolveu os estágios pré-históricos da cultura, dividindo-o em Estado Selvagem, Barbárie e Civilização. Essas sendo, as fases descritas no capítulo I da obra analisada. O capítulo II traz que, o matrimônio por grupos era característica do estado selvagem, a família sindiásmica, a qual já admite o matrimônio por pares, embora a poligamia e a infidelidade permanecessem um direito dos homens, era característica da barbárie e a monogamia, com feito somente para as mulheres, característica da civilização, essa, continuando a mostrar uma forma de dominação do sexo masculino sobre o feminino. A expressão ‘família’ foi criada pelos romanos para indicar um novo organismo social, no qual o chefe tinha sob seu poder, inclusive com o direito de vida e de morte, seus filhos, esposa e escravos. Do capítulo III ao VI, Engels explica através das gens, como um grupo que tinha uma descendência comum, como se constituiu o Estado, descrevendo as características encontradas na gens iroquesa, o mesmo processo entre os gregos, romanos, celtas e germanos, ou seja, entre os povos civilizados da antiguidade; o agrupamento dessas gens formava uma tribo, que se separava das demais por vastas zonas territoriais, debilitadas por contínuas guerras. O Estado surge com a característica de assegurar a propriedade privada e para garantir que essa classe explorasse às que não possuíam; a instituição do Estado seguia os interesses baseados na divisão e apropriação de terras, na posse de riquezas e no exercício dos serviços públicos. O autor destaca que a primeira divisão social do trabalho serviu para explicar a cisão de duas classes: exploradores e explorados; a segunda teve como resultado a diferenciação entre proprietários e não proprietários. A civilização mostra-se o estágio que o trabalho é tido como objeto de troca, surgindo o comércio, em que a classe mais desfavorecida trabalha por salários ínfimos para propiciar a manutenção dessa nova sociedade, a mercantil. Os interesses da classe dominante são completamente antagônicos. A civilização tem como determinante a riqueza, que impõe a cada época uma nova forma de exploração baseada na divisão social do trabalho, não se importando com a condição humana de cada indivíduo.

PALAVRAS-CHAVE: Família; Gens; Estado; Propriedade Privada; Trabalho.

 

_________________________________

*Estudante do Curso de Direito da Faculdade de Ciências Humanas e Sociais – AGES. Paripiranga – BA.

Importante:
1 - Conforme lei 9.610/98, que dispõe sobre direitos autorais, a reprodução parcial ou integral desta obra sem autorização prévia e expressa do autor constitui ofensa aos seus direitos autorais (art. 29). Em caso de interesse, use o link localizado na parte superior direita da página para entrar em contato com o autor do texto.
2 - Entretanto, de acordo com a lei 9.610/98, art. 46, não constitui ofensa aos direitos autorais a citação de passagens da obra para fins de estudo, crítica ou polêmica, na medida justificada para o fim a atingir, indicando-se o nome do autor (Osvaldina Karine Santana Borges) e a fonte www.jurisway.org.br.
3 - O JurisWay não interfere nas obras disponibilizadas pelos doutrinadores, razão pela qual refletem exclusivamente as opiniões, ideias e conceitos de seus autores.

Nenhum comentário cadastrado.



Somente usuários cadastrados podem avaliar o conteúdo do JurisWay.

Para comentar este artigo, entre com seu e-mail e senha abaixo ou faço o cadastro no site.

Já sou cadastrado no JurisWay





Esqueceu login/senha?
Lembrete por e-mail

Não sou cadastrado no JurisWay




 
Copyright (c) 2006-2019. JurisWay - Todos os direitos reservados