JurisWay - Sistema Educacional Online
 
Kit com 30 mil modelos de petições
 
Cursos
Certificados
Concursos
OAB
ENEM
Vídeos
Modelos
Perguntas
Eventos
Artigos
Fale Conosco
Mais...
 
Email
Senha
powered by
Google  
 

AÇÃO DE REINTEGRAÇÃO DE POSSE COM PEDIDO DE LIMINAR


Autoria:

Breno Fontes Ribeiro


Atualmente, sócio de escritório de advocacia. Bacharel em Direito pelo Centro Universitário Doutor Leão Sampaio, com experiência profissional de pouco mais de 3 anos em atuação como estagiário no Fórum Des. Hermes Parahyba.

envie um e-mail para este autor

Outros artigos do mesmo autor

AÇÃO REVISIONAL DE ALIMENTOS
Direito de Família

ABERTURA DE INVENTÁRIO
Direito de Família

Resumo:

Modelo de peça cível AÇÃO DE REINTEGRAÇÃO DE POSSE COM PEDIDO DE LIMINAR

Texto enviado ao JurisWay em 10/05/2019.



Indique este texto a seus amigos indique esta página a um amigo



Quer disponibilizar seu artigo no JurisWay?

EXCELENTÍSSIMO JUÍZO DA  __ VARA CÍVEL DA COMARCA DE JUAZEIRO DO NORTE/CE.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

AÇÃO DE REINTEGRAÇÃO DE POSSE COM PEDIDO DE LIMINAR

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

xxxxx, brasileira, casada, do lar, portadora da cédula de identidade – RG n° xx e CPF n° xx, sem endereço eletrônico, residente de domiciliado na Rua xxx, por intermédio da Defensoria Pública, vem, mui respeitosamente à presença de V. Excelência propor AÇÃO DE REINTEGRAÇÃO DE POSSE COM PEDIDO DE LIMINAR em face xxx, brasileiro, casado, desempregado, não sendo possível informar endereço eletrônico, RG e CPF, residente e domiciliado na Rua xxx, pelos fatos e fundamentos a seguir expostos:

 

I . PRELIMINARMENTE

 

DA GRATUIDADE DA JUSTIÇA

Requer a autora a concessão dos benefícios da gratuidade da justiça, com fulcro no disposto no artigo 98 do Código de Processo Civil (CPC) c/c o artigo 5°, LXXIV, da Constituição Federal, em virtude de ser pessoa pobre na acepção jurídica da palavra e sem condições de arcar com os encargos decorrentes do processo, sem prejuízo do seu próprio sustento e de sua família, conforme declaração em anexo.

 

DAS PRERROGATIVAS DA DEFENSORIA PÚBLICA

Por oportuno, é válido esclarecer que, por se tratar de parte representada judicialmente pela Defensoria Pública Geral do Estado, possui as prerrogativas de prazo em dobro e da intimação pessoal do Defensor Público, consoante inteligência do artigo 5°, caput, da lei complementar estadual n° 06, de 28 de maio de 1994. O parágrafo único do supracitado dispositivo legal, completa o mandado acima esposado ao dispor que a atuação da defensoria dar-se-á em juízo independente de procuração, ressalvados os casos para os quais a lei exija poderes especiais.

 

DA REALIZAÇÃO PRÉVIA DE AUDIÊNCIA DE CONCILIAÇÃO

Com fulcro no artigo 319, VII, do código de processo civil, é requerida a realização prévia de conciliação, com a finalidade de celeridade processual, como também, uma resolução pacífica entre as partes.

PRELIMINAR DE NÃO INDEFERIMENTO

Tratando-se a Autora de indivíduo economicamente hipossuficiente e juridicamente vulnerável, não possui endereço eletrônico, nos termos do art. 319, II do CPC. Não obstante, de acordo com o disposto nos §2º e 3º do art. 319 do CPC, tais informações não podem ensejar a emenda, tampouco o indeferimento da inicial, sob pena de se restar configurado intransponível óbice ao acesso à justiça.

II . DOS FATOS

De acordo com a cópia da escritura particular anexa, a autora é adquirente e possuidora indireta do imóvel localizado na Rua xxx nesta Comarca.

A autora possui o imóvel, o qual foi cedido por escritura particular por sua genitora, xxxx, hoje falecida.

Ocorre que o requerido, o qual é filho da requerente, solicitou o imóvel para residir por tempo determinado. Importa salientar que o requerido possuía um outro imóvel em construção no qual futuramente iria residir.

Passado o período para o qual e o requerido havia solicitado permanecer no imóvel, a requerente o solicitou, por volta do dia 05/08/2018, que desocupasse, pois pretendia atender seus interesses e das suas irmãs. Foi aí que a requerente tomou ciência que o requerido havia vendido o imóvel que estava construindo, onde iria residir, e o mesmo informou que daquele imóvel, o qual tomou por comodato, não iria sair mais.

Apesar disso, e não obstante outras insistentes tentativas da autora que, sem sucesso, tentou amigavelmente fazer com que o réu restituísse o imóvel emprestado, a verdade é que este permanece irredutível, negando-se a devolver a posse à autora.

O requerido quedou-se inerte, não desocupando o imóvel. Dessa forma, caracterizando o esbulho da propriedade da autora.

Portanto, a posse do réu passou a ser viciada, precária e não restou alternativa a autora senão ingressar com a presente ação.

III . DA LEGITIMIDADE ATIVA

A autora é proprietária do imóvel em litígio, como consta em escritura particular em anexo, requisito essencial para a propositura do presente feito. As jurisprudências dos nossos tribunais superiores regem:

TRT-2 - AGRAVO DE PETICAO EM EMBARGOS DE TERCEIRO AP 00021990620135020051 SP 00021990620135020051 A28 (TRT-2)

JurisprudênciaData de publicação: 06/02/2015

Ementa: FRAUDE À EXECUÇÃO. ALIENAÇÃO DE IMÓVEL. INSTRUMENTO PARTICULAR. A despeito da possibilidade de reconhecimento de validade de instrumento particular para transmissão de bem imóvel, desde que haja boa-fé dos terceiros adquirentes, é imprescindível que estes tenham praticado atos adequados, com os cuidados de quem realiza negócio jurídico desta espécie. Agravo de petição a qual se dá provimento.

 

IV . DO BEM EM LITÍGIO

Trata-se de UM IMÓVEL localizado na x, nesta urbe. O imóvel compreende uma área de 4,5m de largura x 30m de comprimento.  

V . DO DIREITO

Autora é proprietária do bem imóvel conforme escritura particular de cessão do bem, o qual recebeu de sua genitora. Resta salientar que apesar de ser proprietária, a mesma está impedida de exercer seus direitos inerentes à propriedade.

Rege o artigo 1.228 do Código Civil, que aquele que tem propriedade sobre a coisa é legítimo a usar, gozar e dispor da res, caracterizando os poderes inerentes à propriedade:

Art. 1.228. O proprietário tem a faculdade de usar, gozar e dispor da coisa, e o direito de reavê-la do poder de quem quer que injustamente a possua ou detenha.

Sendo a posse um atributo direto e indiscutível da propriedade, aquele que a detém possui a garantia e direito de exercer. Conforme o artigo 1.210 do CC/02 o possuidor tem direito de restituição da posse quando esbulhado, conforme é o caso:

Art. 1.210. O possuidor tem direito a ser mantido na posse em caso de turbação, restituído no de esbulho, e segurado de violência iminente, se tiver justo receio de ser molestado.

O esbulho caracteriza-se pelo ato no qual o legítimo possuidor é privado da posse do bem, violentamente, clandestinamente ou com abuso de confiança. Nesse sentido, constituiu o esbulho da posse do bem quando o requerido, apesar de, por volta do dia 05/08/2018, ter sido notificado pela autora para que o mesmo desocupasse o imóvel, não o fez, praticando esbulho, vez que sua posse, antes justa, passou a ser injusta pelo vício da precariedade a partir do dia 05/08/2018.

Bem evidencia Cristiano Chaves:

“Posse precária: resulta do abuso de confiança do possuidor que indevidamente retém a coisa além do prazo avençado para o término da relação jurídica de direito real ou obrigacional que originou a posse.”

 

O Código de Processo Civil – CPC, em seu artigo 560, ainda legitima a ação proposta ao dispor que:

Art. 560.  O possuidor tem direito a ser mantido na posse em caso de turbação e reintegrado em caso de esbulho.

Ao solicitar do requerido a devolução do bem que fora emprestado, a autora recebeu a negatória de seu pedido, caracterizando desde logo o esbulho quando verificada a perda da posse do imóvel, restando do requerido a posse viciada e precária.

Nas palavras de Maria Helena Diniz (2015, p.104):

 “A ação de reintegração de posse é a movida pelo esbulhado, a fim de recuperar posse perdida em razão da violência, clandestinidade, ou precariedade e ainda pleitear indenização por perdas e danos”.

Em observância ao artigo 561 do CPC, é necessário que haja comprovação da posse do bem. Evidenciado está, Excelência, que o primeiro requisito é comprovado pela Escritura Particular acostada aos autos, para o aforamento da ação de reintegração, de acordo com o inciso I do artigo supracitado.

Art. 561.  Incumbe ao autor provar:

I - a sua posse;

II - a turbação ou o esbulho praticado pelo réu;

III - a data da turbação ou do esbulho;

IV – (...)

 

O esbulho, requisito do inciso II do artigo 561 do CPC, está evidenciado quando do comodato que fora descumprido, apesar das notificações da autora para a desocupação e conseguinte devolução do imóvel.

Faz saber, que por volta do dia 05/08/2018, a requerente procurou o requerido solicitando que o mesmo desocupasse o imóvel, pois pretendia atender, ainda, os interesses das suas irmãs que dizem fazer jus ao imóvel. Porém, o requerido se negou a desocupar o imóvel e ainda informa que “ninguém o tira de lá”. Resta evidenciado, Nobre Julgador, o requisito do inciso III do art. 561 do CPC, caracterizando a data em que configurou o esbulho.

As jurisprudências dos nossos Tribunais Superiores apontam para o seguinte sentido:

TJ-MG - Apelação Cível AC 10069150015209001 MG (TJ-MG)

Data de publicação: 13/04/2018

Ementa: EMENTA: APELAÇÃO CÍVEL - REINTEGRAÇÃO DE POSSE - COMODATO VERBAL - POSSE PRECÁRIA. - É precária a posse originada de ato de mera liberalidade do proprietário do imóvel, que permitiu que os réus criassem animais no terreno objeto da lide, - Demonstrado nos autos por meio que a posse exercida pela recorrida é precária e, mesmo após receber notificação para desocupação do imóvel permaneceu inerte, caracterizando esbulho possessório, deve ser reformada a sentença que julgou improcedente o pedido de reintegração de posse.

 

 

TJ-SP - 10108502820168260005 SP 1010850-28.2016.8.26.0005 (TJ-SP)

Data de publicação: 06/07/2018

Ementa: REINTEGRAÇÃO DE POSSE - COMODATO VERBAL - Descumprimento de notificação extrajudicial para desocupação do imóvel - Além disso, a citação válida configura-se meio hábil a comunicar a ré da vontade do autor em retomar o imóvel - Resistência à pretensão do autor que é suficiente para caracterizar o esbulho - Ausência de animus domini da ré, o que afasta a alegação de prescrição aquisitiva (usucapião) - Mera detenção que não induz posse (art. 1.208 do Código Civil )- Ré que não comprovou suas alegações, nos moldes do inciso II do art. 333 do CPC/1973 (inciso II do art. 373 do CPC/2015 )- Sentença de procedência mantida - RECURSO DESPROVIDO.

 

DIREITO CIVIL E PROCESSUAL CIVIL. REINTEGRAÇÃO DE POSSE. PRELIMINAR DE NÃO-CONHECIMENTO. REJEIÇÃO. COMODATO VERBAL E GRATUITO. NOTIFICAÇÃO. DESOCUPAÇÃO. INÉRCIA. ESBULHO POSSESSÓRIO. CONFIGURAÇÃO. PLEITO REINTEGRATÓRIO CONCEDIDO. INDENIZAÇÃO POR BENFEITORIAS E RETENÇÃO DO IMÓVEL. PROCEDÊNCIA. APURAÇÃO EM LIQUIDAÇÃO DE SENTENÇA. INDENIZAÇÃO. PAGAMENTO DE ALUGUÉIS. INVIABILIDADE. 1.(...) 2. CONFIGURADA A POSSE, O COMODATO VERBAL E GRATUITO, A NOTIFICAÇÃO PARA DESOCUPAÇÃO E A INÉRCIA QUANTO A TANTO, RESULTA CLARA A CONFIGURAÇÃO DE ESBULHO POSSESSÓRIO, DANDO ENSEJO, POR ISSO, AO DEFERIMENTO DO PLEITO REINTEGRATÓRIO. (...)RECURSO DE APELAÇÃO CONHECIDO E PARCIALMENTE PROVIDO. SENTENÇA REFORMADA EM P ARTE. (TJ-DF - APL: 90950920108070010 DF 0009095-09.2010.807.0010, Relator: MARIO-ZAM BELMIRO, Data de Julgamento: 18/04/2012, 3ª Turma Cível, Data de Publicação: 23/04/2012, DJ-e Pág. 133)

 

Como visto, restou demonstrado os requisitos, estando a presente exordial devidamente instruída.

 

VI . DO PEDIDO LIMINAR

A Requerente faz jus a medida liminar de reintegração de posse, “inaudita altera parte” segundo o artigo 562, caput c/c o artigo 563, ambos do código de processo civil, pois, como é possível verificar, o proprietário vem sofrendo sério dano em relação ao seu patrimônio, haja vista que após notificar o Requerido que este exerce a posse ilegal e clandestina sobre o imóvel.

Neste diapasão, provados o esbulho e sua data, a de ser concedida a medida liminar, independentemente da oitiva preliminar da parte promovida. Não há que se falar, portanto, em ato discricionário quanto à concessão desta medida judicial.

Rege a jurisprudência:

“(...) REINTEGRAÇÃO DE POSSE - PROVA DA POSSE E DO ESBULHO PRESENTES - LIMINAR – POSSIBILIDADE - Existindo a comprovação da posse, do esbulho, da data da sua ocorrência, bem como da perda da posse, nos exatos termos do artigo 927 do CPC, cogente resta a concessão de liminar de reintegração de posse” (TJMG, proc. 1.0433.15.026671-9/001, Rel. Des. Pedro Aleixo, DJ de 18/03/2016).

Dispõe ainda a doutrina:

“(...) O que diferencia as ações de força nova e velha é que somente naquelas o juiz pode conceder liminar (...) A cognição para o deferimento da liminar será ainda superficial, pois o juiz só terá tido oportunidade de examinar os elementos trazidos pelo autor. Portanto, não cabe exigir, aqui, prova cabal e definitiva do preenchimento dos requisitos, bastando a plausibilidade de que os fatos tenham ocorrido tal como descritos na inicial (...) A medida não é providência acautelatória. (...) O que ela faz é atender, ainda que em caráter provisório, a pretensão do autor, satisfazendo e antecipando os efeitos do provimento final. Assim, se o autor requerer a reintegração da posse, a concessão de liminar será bastante para que o autor já recupere, desde logo, a posse perdida (...)” (GONÇALVES, Marcus Vinícius Rios. Procedimentos especiais – 10. Ed. – São Paulo: Saraiva, 2012 – Sinopses jurídicas; v. 13, p. 71)

Requer, portanto, que seja deferida a pedida liminar de reintegração de posse, no imóvel descrito nesta peça, sem a oitiva da prévia da parte contrária, a ser cumprida por pelo senhor oficial de justiça, facultando-lhe a utilização de força policial e ordem de arrombamento.

VII .DOS PEDIDOS

Ante o exposto, requer:

a) O deferimento da gratuidade judiciária, por ser pobre na forma da lei, conforme declaração de hipossuficiência em anexo, com fulcro no artigo 98 e 99 do CPC/2015, consoante com o artigo 5º, LXXIV, da Constituição Federal/88;

b) A concessão da Tutela de Urgência em caráter liminar, nos termos do art. 300,560/562 do CPC, com a determinação da reintegração da posse em favor da autora;

c) subsidiariamente, caso Vossa Excelência entenda necessária a audiência de justificação nos termos da segunda parte do artigo 562 do Novo Código de Processo Civil, requer o autor digne-se Vossa Excelência de considerar suficiente (art. 563 do Novo CPC), com a consequente expedição de mandado de reintegração de posse;

d) Que seja condenado o réu, em sentença, à reintegração definitiva do imóvel a parte autora;

e) decidir pela condenação do réu ao pagamento dos ônus da sucumbência, isto é, honorários advocatícios, estes na base de 20% (vinte por cento) sobre o valor da condenação, os quais deverão ser revertidos à DEFENSORIA PÚBLICA GERAL DO ESTADO xx - Caixa Econômica Federal Nome: Faadep Arrecadação Honorário e Sucumbências, Conta Corrente: xxxxxx, CNPJ: xxxxx, em conformidade com a Lei 1.146/87;

f) que, ao final, seja julgada totalmente procedente a demanda, para que acolha em definitivo o pleiteado na tutela de urgência;

g) requer-se a citação do réu para, querendo, contestar a ação no prazo conforme artigo 564 do Novo CPC, oferecendo a defesa que tiver sob pena de confissão e efeitos da revelia (art. 344 do Novo CPC), bem como comparecer à audiência de justificação, nos termos do artigo 562, segunda parte, do Novo Código de Processo Civil.

VIII . DAS PROVAS

Protesta por todos os meios de direito admitidos para comprovar os fatos alegados, especialmente prova testemunhal conforme arrolados, depoimento pessoal da parte e inspeção judicial.

IX . DA AUDIÊNCIA PRÉVIA DE CONCILIAÇÃO

Pretende a autora participar da audiência de conciliação/mediação a ser designada por V. Exa.

Valor da Causa R$ xxxx (xxxx)

Termos em que espera deferimento.

xxxxx, 20 de agosto de 2018.

 

 

 

 

 

 

Rol de testemunhas:

 

 

1-      xxxx, brasileiro, casado, aposentado, residente e domiciliado na Rua xxx.

2-      x, brasileiro, solteiro, autônomo, residente e domiciliado na Rua xxxx.

3-      xxxxx, , brasileiro, estão civil não informado, profissão não informada, residente e domiciliado na Rua xxxxxx

Importante:
1 - Conforme lei 9.610/98, que dispõe sobre direitos autorais, a reprodução parcial ou integral desta obra sem autorização prévia e expressa do autor constitui ofensa aos seus direitos autorais (art. 29). Em caso de interesse, use o link localizado na parte superior direita da página para entrar em contato com o autor do texto.
2 - Entretanto, de acordo com a lei 9.610/98, art. 46, não constitui ofensa aos direitos autorais a citação de passagens da obra para fins de estudo, crítica ou polêmica, na medida justificada para o fim a atingir, indicando-se o nome do autor (Breno Fontes Ribeiro) e a fonte www.jurisway.org.br.
3 - O JurisWay não interfere nas obras disponibilizadas pelos doutrinadores, razão pela qual refletem exclusivamente as opiniões, ideias e conceitos de seus autores.

Nenhum comentário cadastrado.



Somente usuários cadastrados podem avaliar o conteúdo do JurisWay.

Para comentar este artigo, entre com seu e-mail e senha abaixo ou faço o cadastro no site.

Já sou cadastrado no JurisWay





Esqueceu login/senha?
Lembrete por e-mail

Não sou cadastrado no JurisWay




 
Copyright (c) 2006-2020. JurisWay - Todos os direitos reservados