JurisWay - Sistema Educacional Online
 
É online e gratuito, não perca tempo!
 
Cursos
Certificados
Concursos
OAB
ENEM
Vídeos
Modelos
Perguntas
Notícias
Artigos
Fale Conosco
Mais...
 
Email
Senha
powered by
Google  
 

Startups ensinando as empresas #DepartamentoasQuintas


Autoria:

Gustavo Rocha


Advogado Pós-Graduado Gerente jurídico por 4 anos Membro da comissão especial de Processo Eletrônico da OAB/RS Membro da comissão especial de Fiscalização e Ética Profissional da OAB/RS Membro da comissão permanente de Acesso a Justiça do Conselho Federal da OAB Implanta gestão e softwares jurídicos desde 1997 Sócio da Consultoria GustavoRochacom, inscrita no CRA/RS 003799/O Presta exclusivamente consultoria nas áreas de gestão, tecnologia, marketing jurídico e processo eletrônico. 10 anos de consultoria direcionada em escritórios e departamentos jurídicos no Brasil e Portugal Mais de 2000 artigos publicados no portal www.gustavorocha.com Canal no Youtube (gustavorochacom) com aulas, palestras e dicas práticas Palestrante e professor convidado de universidades e cursos de Pós-Graduação pelo país nas áreas de gestão, tecnologia, marketing jurídico e processo eletrônico Contato direto: gustavo@gustavorocha.com

envie um e-mail para este autor

Resumo:

Startups ensinando as empresas #DepartamentoasQuintas

Texto enviado ao JurisWay em 15/03/2018.



Indique este texto a seus amigos indique esta página a um amigo



Quer disponibilizar seu artigo no JurisWay?

Quando falamos em startups ou unicórnios para os íntimos, temos uma visão de grande parte da sociedade de discorrer sobre empresas inovadoras, jovens, com ascensão rápida, entretanto, nem sempre sujeitas ao tempo, quer dizer, muitos tem receio de como manter empresas assim vivas.

Uma interessante reportagem da Exame.com trouxe alguns conceitos que estas empresas adotam que podem amplamente serem adotados por empresas mais antigas, como forma de adaptação no mercado, além de servirem também na área jurídica.

O que as startups têm a ensinar sobre gestão

Elas chegam ao mercado com apetite voraz e necessidade de fazer o negócio dar certo. Para isso, não medem esforços nem economizam estratégias. O que pouca gente sabe é que, nesse caminho, as startups têm muitos ensinamentos para compartilhar.

Marco Túlio Zanini, professor da FGV/RJ, diz que o principal é capacidade de realizar. “Além da inovação, as startups assumem riscos e respondem rapidamente às mudanças do mercado”, “Se há algo que as grandes companhias deveriam copiar é o espírito empreendedor e a autonomia que suas equipes têm para decidir.” A seguir, quatro fundadores de companhias desse tipo revelam os segredos de gestão que os ajudaram a alcançar o sucesso.

 1. Ouça (realmente) o seu cliente

Parece óbvio, mas não é. Gabriel Braga, CEO e cofundador da QuintoAndar, startup especializada na locação de imóveis residenciais que cresceu cinco vezes no último ano, explica que muitas empresas realizam pesquisas de mercado para ouvir os clientes, mas nem sempre fazem isso de forma adequada. A QuintoAndar usa ferramentas como a NPS (Net Promoter Score), métrica que mede a satisfação dos consumidores, e o User Testing, que são testes controlados. Portanto, todos os dias a opinião de quem interage com a empresa por telefone, e-mail e redes sociais – seja crítica ou elogio – é divulgada internamente em tempo real. No caso do User Testing, os clientes são convidados a experimentar protótipos de produtos. “Observamos como interagem e tudo é gravado para ser analisado e corrigido depois”, diz.

2. Decida com autonomia

Na Love Mondays, plataforma que agora faz parte do grupo mundial Glassdoor e na qual os profissionais avaliam as empresas nas quais trabalham, valoriza-se ter atitude de dono. Luciana Caletti, CEO e cofundadora da startup, diz que os outros valores são: transparência e integridade, além de aprendizado constante. “Aqui, as pessoas atuam fora da zona de conforto. Então, precisam ter atitude de dono”. Essa lição foi aprendida na prática por Tallis Gomes, fundador da Easy Táxi e da Singu, aplicativo de serviços de bem-estar. Ele era o tipo de chefe que mandava, mas colocava a mão na massa porque não tinha paciência para esperar. “Executava as tarefas que delegava e, muitas vezes, não era da melhor maneira”, afirma. Como havia liberdade de expressão, coube a um estagiário mostrar isso a ele. “Aprendi a lição”. Nos quatro anos de Easy Táxi levou a dica a sério. “Todos passaram a ter mais autonomia no trabalho e metas. Isso se repete na Singu”.

Na QuintoAndar, o jeito encontrado foi organizar a empresa em squadsmultidisciplinares, que nada mais são do que pequenas equipes com foco na solução de um problema. “Se a liberdade não for combinada com uma boa dose de colaboração, teremos um monte de gente tomando decisões contraditórias. Por isso, os squads atuam como ministartups”.

3. Aposte na diversidade e fale com todo mundo

Em uma equipe, você nem sempre vai chegar ao consenso. E isso é ótimo. A diversidade de opiniões pode ajudar a ver as coisas por um novo ângulo. Por isso, é importante ter pessoas com coragem suficiente para lutar pelo que acreditam, sem receio de contrariar o chefe. E o líder deve estar preparado para deixar as coisas fluírem. E, claro, ninguém faz nada sozinho, como afirma Tallis Gomes. “Construímos uma cultura fantástica na Easy Táxi, pois era a empresa que todos tinham orgulho de trabalhar”, relembra. Lá, ele aprendeu a lidar com investidores, taxistas e todo tipo de profissional. “Lidei diretamente com pessoas de 35 culturas diferentes. Conheci muita gente, que é meu mentor até hoje”.

 4.Tenha metas e objetivos claros

Saber a direção e o que fazer é essencial em qualquer negócio, principalmente e quando algo dá errado. Victor Varandas, cofundador da GoFinder, plataforma criada para facilitar a recolocação no mercado ao fazer a pesquisa de vagas para o candidato, que o diga. “Imaginamos que haveria uma forma automática de realizar a procura por vagas, mas não há. Aproximadamente 90% do nosso trabalho ainda é manual”. Quando começaram a desenhar o projeto, há dois anos, não tinham ideia disso. Algum tempo e vários ajustes depois, a empresa foi lançada. Em um mês, eles atingiram 2 000 clientes, número que eles imaginavam alcançar quatro meses depois.

Mais específico ainda é o aprendizado da QuintoAndar. Braga diz que eles usam o método Objectives and Key Results (OKRs), do Vale do Silício, disseminado pelo Google e seguido pelas startups. Consiste em definir um objetivo ambicioso (shoot to the moon) para engajar as pessoas em torno de metas mensuráveis. Só vai funcionar se a empresa tiver a mentalidade de assumir riscos. “Inovar implica experimentar e envolve errar”, fala. Mas se o emprego estiver em jogo, a tendência é propor objetivos menos ousados e mais fáceis de atingir.

5. Treine suas equipes

Os executivos são unânimes em afirmar que treinamento é fundamental. Como as startups nem sempre dispõem de uma estrutura de RH formal, é comum o próprio funcionário planejar sua trajetória na empresa. É o que ocorre na Love Mondays, por exemplo. Isso dá mais flexibilidade e agilidade para os profissionais conhecerem as lacunas de sua formação e, então, buscar cursos que possam supri-las. Outra iniciativa da empresa é o Market Update. A cada duas semanas, um funcionário escolhe um tema inovador em sua área (pode ser gestão ou uma nova ferramenta) e apresenta à equipe. As mais interessantes são avaliadas e até podem ser implantadas, se tiverem relação com o negócio.

Fonte: https://exame.abril.com.br/negocios/o-que-as-startups-tem-a-ensinar-sobre-gestao/

Alguns destaques importantes na área jurídica no meu sentir:

Ouvir realmente o cliente é sublime, pois faz com que a advocacia desca do pedestal da soberba e revise os conceitos. Quem paga a conta é o cliente. Quem dá o mandato é o cliente. Quem precisa ser informado e ter canais de atendimento é o cliente para o cliente. Este tipo de atitude faz toda diferença.

Delegar é essencial para o crescimento. Vejo muitas vezes advogados dizendo que delegam, mas que ao receberem de volta por não estar a contento, eles precisam fazer e ficam bravos, decepcionados com a equipe. Se você não devolver a tarefa que está insuficiente para que seja refeita até a mesma estar adequada, como espera que o colaborador entenda, faça, pense e aprenda a fazer?

Apostar na diversidade de ideias.  É tentador apenas a sua opinião valer pra tudo, contudo ouvir os demais pode ser extremamente útil e gratificante ao negócio. Ideias boas podem estar em qualquer lugar, com qualquer pessoa. Foque em manter as ideias e ideais na linha mestra do negócio. Deixe a criatividade florir no restante!

Treine a sua equipe. Invista constante em treinar a equipe em gestão, tecnologia, criatividade e principalmente em como usar tudo isto a favor do próprio negócio!

Invista nas pessoas, em especial naquelas que tratam o seu negócio como se dono fosse. Este é um diferencial que vale a pena ser destacado, remunerado e incentivado.

Enfim, o que os jovens estão ensinando e você está disposto a aprender? Não basta ouvir, tem que por em prática, investir tempo, estar atento as mudanças e nuances do mercado e trazer da sua experiencia o diferencial do negócio, mas não a única fonte de ideias, mercado ou ouvida que a empresa tem.

____________________________________________________

Sou Gustavo Rocha

CEO da Consultoria GustavoRocha.com – Gestão, Tecnologia e Marketing Estratégicos

(51) 98163.3333  |  gustavo@gustavorocha.com  | http://www.gustavorocha.com

Importante:
1 - Conforme lei 9.610/98, que dispõe sobre direitos autorais, a reprodução parcial ou integral desta obra sem autorização prévia e expressa do autor constitui ofensa aos seus direitos autorais (art. 29). Em caso de interesse, use o link localizado na parte superior direita da página para entrar em contato com o autor do texto.
2 - Entretanto, de acordo com a lei 9.610/98, art. 46, não constitui ofensa aos direitos autorais a citação de passagens da obra para fins de estudo, crítica ou polêmica, na medida justificada para o fim a atingir, indicando-se o nome do autor (Gustavo Rocha) e a fonte www.jurisway.org.br.
3 - O JurisWay não interfere nas obras disponibilizadas pelos doutrinadores, razão pela qual refletem exclusivamente as opiniões, ideias e conceitos de seus autores.

Nenhum comentário cadastrado.



Somente usuários cadastrados podem avaliar o conteúdo do JurisWay.

Para comentar este artigo, entre com seu e-mail e senha abaixo ou faço o cadastro no site.

Já sou cadastrado no JurisWay





Esqueceu login/senha?
Lembrete por e-mail

Não sou cadastrado no JurisWay




 
Copyright (c) 2006-2019. JurisWay - Todos os direitos reservados