JurisWay - Sistema Educacional Online
 
JurisWay - Servidor Público na Lei 8.112 com Certificado
 
Cursos
Certificados
Concursos
OAB
ENEM
Vídeos
Modelos
Perguntas
Notícias
Artigos
Fale Conosco
Mais...
 
Email
Senha
powered by
Google  
 

Porque deve-se averbar o contrato de locação de imóvel


Autoria:

Olinda Caetano Garcia


Advogada com especialização em Direito imobiliário pela FMU, em Formação de Docente pela UNINOVE, Direito de Família e Sucessões, membro efetivo da Com. de Propostas e Parcerias OABSP, coach, positive coach e executive coach.

envie um e-mail para este autor

Outros artigos da mesma área

O CONCEITO DE ONERAÇÃO NO ART. 695 DO CÓDIGO CIVIL PORTUGUÊS E NO CÓDIGO CIVIL BRASILEIRO DE 2002.

PRESSUPOSTOS CONSTITUCIONAIS PARA O ALCANCE DA FUNÇÃO SOCIAL DA PROPRIEDADE RURAL IMOBILIÁRIA

Desnecessidade de caução para a concessão de liminar nas ações de despejo motivadas pela inadimplência

Rotina Processual da Ação de Consignação em Pagamento de Aluguéis

Aspectos relevantes da nova Lei do Inquilinato no Contrato de Locação Residencial

A SEGURA E COMPLEXA TRANSMISSÃO DE BENS IMÓVEIS

Despejo de Imóvel Comercial

LOCAÇÃO DE IMÓVEIS EM ZONAS RURAIS - Locação Urbana ou Arrendamento?

A Inconstitucionalidade na devolução dos valores pagos a título de comissão de corretagem

A FIANÇA NOS CONTRATOS DE LOCAÇÃO COM PRAZO INDETERMINADO

Mais artigos da área...

Resumo:

Por falta de conhecimento e muitas vezes por fatores financeiros deixa-se de averbar o contrato de locação de imóvel sem perceber que deixa de exercer um direito que pode garantir a observância do contrato firmado.

Texto enviado ao JurisWay em 02/02/2018.



Indique este texto a seus amigos indique esta página a um amigo



Quer disponibilizar seu artigo no JurisWay?

Embora não seja uma prática comum, por fatores como desconhecimento e muitas vezes de ordem financeira, a averbação do contrato de locação junto ao Registro de Imóveis é necessário, por tratar-se de uma medida garantidora para o locatário, por exemplo, garante-se o direito de preferência que está previsto no artigo 27 da Lei de Locações, impede que o adquirente do imóvel, em caso de venda, possa pedir o imóvel, fazendo com que o locatário seja obrigado a procurar outro imóvel antes do prazo final do contrato.

Art. 27, Lei nº 8.245/91.

No caso de venda, promessa de venda, cessão ou promessa de cessão de direitos ou dação em pagamento, o locatário tem preferência para adquirir o imóvel locado, em igualdade de condições com terceiros, devendo o locador dar  lhe conhecimento do negócio mediante notificação judicial, extrajudicial ou outro meio de ciência inequívoca. Parágrafo único. A comunicação deverá conter todas as condições do negócio e, em especial, o preço, a forma de pagamento, a existência de ônus reais, bem como o local e horário em que pode ser examinada a documentação pertinente.

Seguem os requisitos necessários e que devem ser observados na contratação para que o contrato possa ser averbado em cartório. Observe as exigências apresentadas a seguir que devem ser preenchidas integralmente, ou seja, são as três exigências concomitantes: a locação deve ser por tempo determinado; o contrato deve ter uma cláusula de vigência para o caso de alienação do imóvel; o contrato esteja averbado junto à matrícula do imóvel.

Entenda-se que na ausência desses requisitos o adquirente do imóvel não está obrigado a respeitar o contrato e assim poderá denunciar o contrato de locação, isto é, desfazer a locação, por assim dizer, no prazo de 90 dias do registro da venda ou do compromisso.

Art. , Lei nº 8.245/91.

Se o imóvel for alienado durante a locação, o adquirente poderá denunciar o contrato, com o prazo de noventa dias para a desocupação, salvo se a locação for por tempo determinado e o contrato contiver cláusula de vigência em caso de alienação e estiver averbado junto à matrícula do imóvel. Parágrafo 1º Idêntico direito terá o promissário comprador e o promissário cessionário, em caráter irrevogável, com imissão na posse do imóvel e título registrado junto à matrícula do mesmo.

Dessa forma, o locatário deve exigir que no contrato de locação a cláusula de vigência e deve também levar o contrato para a averbação junto à matrícula do imóvel no cartório de registro de imóveis.

Como se sabe nem sempre o locatário conseguirá a inserção da cláusula de vigência uma vez que não é obrigatória, tendo em vista que o locador poderá entender ser um ônus suportado que dificultará a alienação do imóvel caso necessite, contudo em tempos de conciliação e mediação como acena os dias atuais, há a possibilidade de que as partes concordem que é uma garantia contratual de prazo e que a sua interrupção poderá se dar por outros meios também conciliatórios.

Por outro lado há que se observar o mercado e a oferta de imóveis, nos tempos atuais a referida cláusula de vigência torna-se uma vantagem para o locador que quer seu imóvel locado pelo tempo contratual dada as dificuldades de mercado.

Olinda Caetano Garcia (advogada e positive coach)

Importante:
1 - Conforme lei 9.610/98, que dispõe sobre direitos autorais, a reprodução parcial ou integral desta obra sem autorização prévia e expressa do autor constitui ofensa aos seus direitos autorais (art. 29). Em caso de interesse, use o link localizado na parte superior direita da página para entrar em contato com o autor do texto.
2 - Entretanto, de acordo com a lei 9.610/98, art. 46, não constitui ofensa aos direitos autorais a citação de passagens da obra para fins de estudo, crítica ou polêmica, na medida justificada para o fim a atingir, indicando-se o nome do autor (Olinda Caetano Garcia) e a fonte www.jurisway.org.br.
3 - O JurisWay não interfere nas obras disponibilizadas pelos doutrinadores, razão pela qual refletem exclusivamente as opiniões, ideias e conceitos de seus autores.

Nenhum comentário cadastrado.



Somente usuários cadastrados podem avaliar o conteúdo do JurisWay.

Para comentar este artigo, entre com seu e-mail e senha abaixo ou faço o cadastro no site.

Já sou cadastrado no JurisWay





Esqueceu login/senha?
Lembrete por e-mail

Não sou cadastrado no JurisWay




 
Copyright (c) 2006-2019. JurisWay - Todos os direitos reservados