JurisWay - Sistema Educacional Online
 
JurisWay - Servidor Público na Lei 8.112 com Certificado
 
Cursos
Certificados
Concursos
OAB
ENEM
Vídeos
Modelos
Perguntas
Notícias
Artigos
Fale Conosco
Mais...
 
Email
Senha
powered by
Google  
 

A Inconstitucionalidade na devolução dos valores pagos a título de comissão de corretagem


Autoria:

Júlia Helena Bastos Rezende Silva


Advogada formada pela faculdade Fortium e atuante na área cível.

envie um e-mail para este autor

Outros artigos da mesma área

Direito de Superfície e o Novo Código Civil

DOS LUCROS CESSANTES PRESUMIDOS NOS CASOS DE ATRASO NA ENTREGA DE IMÓVEIS - UMA CRÍTICA AO ATUAL POSICIONAMENTO DA JURISPRUDÊNCIA DO SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA

Regularização Fundiária na Amazônia Legal: Uma análise da Lei Nº 13.465 de 11 de julho de 2017

Outorga Conjugal: é preciso autorização do cônjuge para alienar imóveis?

A VALIDADE DA TAXA DE CORRETAGEM E A INTERPRETAÇÃO RECENTE DO STJ

Rotina Processual da Ação de Consignação em Pagamento de Aluguéis

Aspectos relevantes da nova Lei do Inquilinato no Contrato de Locação Residencial

A CONVENÇÃO CONDOMINIAL QUE RESTRINGE OU PROÍBE ANIMAIS DE ESTIMAÇÃO É VÁLIDA?

Indenização por lucros cessantes e o INCC: cobrança na entrega de imóvel com atraso.

Precauções a serem tomadas antes de comprar um imóvel usado

Mais artigos da área...

Resumo:

Trata-se de artigo abordando a inconstitucionalidade na determinação de restituição dos valores pagos a título de comissão de corretagem.

Texto enviado ao JurisWay em 17/04/2013.

Última edição/atualização em 30/04/2013.



Indique este texto a seus amigos indique esta página a um amigo



Quer disponibilizar seu artigo no JurisWay?

O corretor de imóveis exerce uma atividade lícita e devidamente regulada pela Lei n.º 6.530/78, sendo o único profissional legalmente habilitado para intermediar as diversas transações imobiliárias.

Sua remuneração, inserida pelo artigo 724 do Código Civil no ramo da autonomia privada, é feita mediante pagamento de comissão estabelecida sempre dentro dos limites estipulados pelo CRECI.

Hoje, tem se tornado cada vez mais comum as ações de restituição dos valores pagos a título de comissão de corretagem nas vendas de imóveis novos, embasadas no texto do parágrafo unido do artigo 41 do Código de Defesa do Consumidor, e, infelizmente, muitos julgadores têm se esquecido da natureza alimentar das comissões e determinam a sua devolução em dobro.     

Ora se for analisado a fundo o que as leis brasileiras versam sobre o assunto, percebe-se que tal determinação é totalmente inconstitucional, ferindo os princípios basilares do Estado brasileiro. Além disso, consoante com o artigo 725 do Código Civil, “a remuneração é devida ao corretor uma vez que tenha conseguido o resultado previsto no contrato de mediação”, isto é, a assinatura do contrato de compra e venda. Tanto que após a assinatura do referido instrumento, cessam todas as obrigações dos agentes de corretagem.

Além disso, os valores das comissões, em geral, constam nos documentos apresentados aos consumidores antes da compra, não podendo estes alegar desconhecimento da sua responsabilidade no pagamento da comissão de corretagem, nem que esse valor excede ao acordado, pois a jurisprudência majoritária entende que o valor do imóvel comporta não só os lucros, mas também os custos e despesas das incorporadoras.

 Não podem os julgadores embasar-se em um artigo isolado do código de defesa do consumidor para determinar que um cidadão consiga em dobro os valores pagos conscientemente.

Todo trabalhador faz jus ao pagamento pelos seus serviços, inclusive o corretor de imóveis ,sendo certo que a determinação da restituição em dobro dos valores pagos configura-se ato inconstitucional.

Importante:
1 - Conforme lei 9.610/98, que dispõe sobre direitos autorais, a reprodução parcial ou integral desta obra sem autorização prévia e expressa do autor constitui ofensa aos seus direitos autorais (art. 29). Em caso de interesse, use o link localizado na parte superior direita da página para entrar em contato com o autor do texto.
2 - Entretanto, de acordo com a lei 9.610/98, art. 46, não constitui ofensa aos direitos autorais a citação de passagens da obra para fins de estudo, crítica ou polêmica, na medida justificada para o fim a atingir, indicando-se o nome do autor (Júlia Helena Bastos Rezende Silva) e a fonte www.jurisway.org.br.
3 - O JurisWay não interfere nas obras disponibilizadas pelos doutrinadores, razão pela qual refletem exclusivamente as opiniões, ideias e conceitos de seus autores.

Nenhum comentário cadastrado.



Somente usuários cadastrados podem avaliar o conteúdo do JurisWay.

Para comentar este artigo, entre com seu e-mail e senha abaixo ou faço o cadastro no site.

Já sou cadastrado no JurisWay





Esqueceu login/senha?
Lembrete por e-mail

Não sou cadastrado no JurisWay




 
Copyright (c) 2006-2018. JurisWay - Todos os direitos reservados