JurisWay - Sistema Educacional Online
 
É online e gratuito, não perca tempo!
 
Cursos
Certificados
Concursos
OAB
ENEM
Vídeos
Modelos
Perguntas
Notícias
Artigos
Fale Conosco
Mais...
 
Email
Senha
powered by
Google  
 

Usucapião Extrajudicial no CPC/15


Autoria:

Brenda Constanccio


Graduada; Direito na Faculdade de Direito de Conselheiro Lafaiete -FDCL.

envie um e-mail para este autor

Outros artigos do mesmo autor

Reforma da Previdência
Direito Constitucional

Interceptação Telefônica no Processo Penal
Direito Processual Penal

Marketing na Advocacia
Estatuto da OAB/Código de Ética

Advogado é considerado Doutor?
Vocabulário e Expressões

Solução de Controvérsias Internacionais
Direito Internacional Público

Mais artigos...

Resumo:

No presente artigo, é discutido acerca da Usucapião Extrajucial no novo CPC de 2015.

Texto enviado ao JurisWay em 09/11/2017.

Última edição/atualização em 12/11/2017.



Indique este texto a seus amigos indique esta página a um amigo



Quer disponibilizar seu artigo no JurisWay?

A usucapião é uma modalidade de aquisição de um direito real ou propriedade relacionado à posse prolongada da coisa.

Já a usucapião extrajudicial, vide art. 1.071 do Novo Código de Processo Civildeu possibilidade de dar andamento ao ato sem necessidade de processo judicial, deixando claro que é opcional, deixando a parte escolher se quer ou não iniciar o ato processual.

Destarte, se a parte optar pela via extrajudicial, o procedimento será feito perante o Cartório de Registro de Imóveis no local de onde o estiver localizado o imóvel usucapiendo. A parte deve estar representada por um advogado, destacando-se que sua presença é de caráter obrigatório para a realização do ato.

Com fulcro no art. 216-A da Lei n.º 6.015/73 (Registros Públicos), são necessários o cumprimento de requisitos para tal certificação, sendo assim:

Art. 216-A. Sem prejuízo da via jurisdicional, é admitido o pedido de reconhecimento extrajudicial de usucapião, que será processado diretamente perante o cartório do registro de imóveis da comarca em que estiver situado o imóvel usucapiendo, a requerimento do interessado, representado por advogado, instruído com:

I - ata notarial lavrada pelo tabelião, atestando o tempo de posse do requerente e de seus antecessores, conforme o caso e suas circunstâncias, aplicando-se o disposto no art. 384 da Lei no 13.105, de 16 de março de 2015;

II - planta e memorial descritivo assinado por profissional legalmente habilitado, com prova de anotação de responsabilidade técnica no respectivo conselho de fiscalização profissional, e pelos titulares de direitos registrados ou averbados na matrícula do imóvel usucapiendo ou na matrícula dos imóveis confinantes;

III - certidões negativas dos distribuidores da comarca da situação do imóvel e do domicílio do requerente.

 

IV - justo título ou quaisquer outros documentos que demonstrem a origem, a continuidade, a natureza e o tempo da posse, tais como o pagamento dos impostos e das taxas que incidirem sobre o imóvel.

Após, ocorrerá o pré-exame, quando o advogado analisa a certidão do imóvel, e outros documentos juntados pela parte, e assim, se presente a legalidade, o protocolo do pedido de usucapião. Se aceito, deverão ser cumpridos mais alguns requisitos, como por exemplo, o cálculo dos emolumentos devidos, pagamentos dos mesmos, reapresentação do processo, prenotação, procedimento de buscas, exame e registro, emissão da Nota Devolutiva pelo examinador, notificação do Município, Estado ou União pelo cartório, e publicação do edital pela parte, que serão realizados no próprio cartório para a consolidação do registro e matrícula para o imóvel. Podendo assim, a parte solicitar a matrícula do seu imóvel.


Referências

Lei n.º 6.015/73

Código de Processo Civil

Importante:
1 - Conforme lei 9.610/98, que dispõe sobre direitos autorais, a reprodução parcial ou integral desta obra sem autorização prévia e expressa do autor constitui ofensa aos seus direitos autorais (art. 29). Em caso de interesse, use o link localizado na parte superior direita da página para entrar em contato com o autor do texto.
2 - Entretanto, de acordo com a lei 9.610/98, art. 46, não constitui ofensa aos direitos autorais a citação de passagens da obra para fins de estudo, crítica ou polêmica, na medida justificada para o fim a atingir, indicando-se o nome do autor (Brenda Constanccio) e a fonte www.jurisway.org.br.
3 - O JurisWay não interfere nas obras disponibilizadas pelos doutrinadores, razão pela qual refletem exclusivamente as opiniões, ideias e conceitos de seus autores.

Nenhum comentário cadastrado.



Somente usuários cadastrados podem avaliar o conteúdo do JurisWay.

Para comentar este artigo, entre com seu e-mail e senha abaixo ou faço o cadastro no site.

Já sou cadastrado no JurisWay





Esqueceu login/senha?
Lembrete por e-mail

Não sou cadastrado no JurisWay




 
Copyright (c) 2006-2019. JurisWay - Todos os direitos reservados