JurisWay - Sistema Educacional Online
 
É online e gratuito, não perca tempo!
 
Cursos
Certificados
Concursos
OAB
ENEM
Vídeos
Modelos
Perguntas
Eventos
Artigos
Fale Conosco
Mais...
 
Email
Senha
powered by
Google  
 

Juros remuneratórios em contratos de mútuo bancário


Autoria:

Rodrigo Vieira Da Silva


Estudante de Direito

envie um e-mail para este autor

Outros artigos do mesmo autor

O princípio do juiz natural em face ao processo administrativo disciplinar
Direito Administrativo

Resumo:

O presente artigo busca sanar dúvidas a respeito da cobrança e capitalização de juros em contratos de mútuo bancário.

Texto enviado ao JurisWay em 27/09/2015.

Última edição/atualização em 06/10/2015.



Indique este texto a seus amigos indique esta página a um amigo



Quer disponibilizar seu artigo no JurisWay?

Nos dias de hoje, grande parte das ações que tramitam em nossos tribunais dizem respeito ao abuso dos bancos na cobrança de juros. O presente artigo busca sanar possíveis dúvidas sobre os contratos de mútuo bancário e a cobrança de juros nestes casos.

            Em primeiro lugar, devemos salientar que, para o STF, a legislação civil sobre mútuo e juros não se aplica ao bancos, por serem parte do sistema financeiro nacional eles devem ter regras específicas, conforme disposto na súmula 596 do STF:

“As disposições do Decreto nº 22.626/33 não se aplicam às taxas de juros e aos outros encargos cobrados nas operações realizadas por instituições públicas ou privadas, que integram o sistema financeiro nacional”.

Não há um teto definido para os juros remuneratórios cobrados em contratos bancários, mas quando o mutuário é consumidor, não pode haver juros abusivos, respeitando as premissas do Art. 51 do Código de Defesa do Consumidor. 

O STJ, conforme citado no Recurso Especial 973.827-RS, buscou definir o que seria cobrança abusiva da taxa de juros remuneratórios de um contrato de mútuo bancário usando como norte a média do mercado nas operações da espécie, que é atualizada em periodicamente pelo próprio Banco Central do Brasil.

Algumas vezes, há a possibilidade do banco cobrar juros remuneratórios com valores mais altos mesmo quando for uma relação de consumo, quando o consumidor tem um risco de crédito. O risco de crédito seria a possibilidade do não cumprimento do negócio devido à inadimplência, que é inevitável, mas pode ser controlada através dos juros.

 

Na discussão sobre a constitucionalidade da Medida Provisória 2.170-36/2001, o STF disse que também é permitido que haja a capitalização de tais juros, mesmo com periodicidade inferior a um ano, desde que esteja cabalmente expresso no contrato.

Importante:
1 - Conforme lei 9.610/98, que dispõe sobre direitos autorais, a reprodução parcial ou integral desta obra sem autorização prévia e expressa do autor constitui ofensa aos seus direitos autorais (art. 29). Em caso de interesse, use o link localizado na parte superior direita da página para entrar em contato com o autor do texto.
2 - Entretanto, de acordo com a lei 9.610/98, art. 46, não constitui ofensa aos direitos autorais a citação de passagens da obra para fins de estudo, crítica ou polêmica, na medida justificada para o fim a atingir, indicando-se o nome do autor (Rodrigo Vieira Da Silva) e a fonte www.jurisway.org.br.
3 - O JurisWay não interfere nas obras disponibilizadas pelos doutrinadores, razão pela qual refletem exclusivamente as opiniões, ideias e conceitos de seus autores.

Nenhum comentário cadastrado.



Somente usuários cadastrados podem avaliar o conteúdo do JurisWay.

Para comentar este artigo, entre com seu e-mail e senha abaixo ou faço o cadastro no site.

Já sou cadastrado no JurisWay





Esqueceu login/senha?
Lembrete por e-mail

Não sou cadastrado no JurisWay




 
Copyright (c) 2006-2021. JurisWay - Todos os direitos reservados