JurisWay - Sistema Educacional Online
 
JurisWay - Produção de Textos com Certificado
 
Cursos
Certificados
Concursos
OAB
ENEM
Vídeos
Modelos
Perguntas
Notícias
Artigos
Fale Conosco
Mais...
 
Email
Senha
powered by
Google  
 

Direito de restituição sobre o ICMS "incidente" na conta de luz


Autoria:

Brenda Constanccio


Estudante; Direito na Faculdade de Direito de Conselheiro Lafaiete -FDCL.

envie um e-mail para este autor

Outros artigos da mesma área

Microempreendedor individual: Vantagens e desafios

Contribuições de Intervenção no Domínio Econômico: fundamentos, perfil constitucional e parâmetros jurídicos de validade.

COFINS E PIS E COMO RECUPERAR CRÉDITOS NO REGIME NÃO CUMULATIVO DE COMBUSTÍVEIS DAS EMPRESAS QUE PAGARAM A MAIOR NOS ÚLTIMOS CINCO ANOS

O IMPOSTO SOBRE GRANDES FORTUNAS E A VIABILIDADE DE SUA INSTITUIÇÃO NA REPUBLICA FEDERATIVA DO BRASIL

Manual de Direito Tributário

MAIS UMA DO IMPOSTO DE RENDA

Restituição de valor recolhido de ICMS na forma de Substituição Tributária

TERCEIRO SETOR TEM VÁRIAS OBRIGAÇÕES CONTÁBEIS E TRIBUTÁRIAS A SEREM CUMPRIDAS EM 2013

DESMISTIFICANDO O LUCRO REAL NO IRPJ (II)

A INVIABILIDADE DA EXECUÇÃO FISCAL POR CRITÉRIOS LIMITADORES - PORTARIA Nº 75 DE 2012 DO MINISTÉRIO DA FAZENDA

Mais artigos da área...

Resumo:

O presente artigo objetiva apontar a inconstitucionalidade diante da cobrança do ICMS incidente, ou seja, TUSD e TUST, embutidos na fatura de energia elétrica.

Texto enviado ao JurisWay em 14/04/2017.



Indique este texto a seus amigos indique esta página a um amigo



Quer disponibilizar seu artigo no JurisWay?

De competência dos Estados e Distrito Federalvide art. 155II, da Carta Magna de 88, o ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Prestações de Serviço), é considerado como um dos reguladores de mercado. Incide sobre a circulação de produtos como, eletrodomésticos, alimentos, serviços de comunicação e transporte intermunicipal e interestadual etc.

Destarte, diante do tema abordado, é válido mencionar sua incidência, que por determinação legal, recai em 18% sobre o consumo de energia elétrica. Ademais, visando maior arrecadação do Governo Estadual, foram incluídas na base de cálculo do ICMS, o valor de outras tarifas:

  1. Tarifa de Uso dos Sistemas Elétricos de Distribuição (TUSD);
  2. Tarifa de Uso dos Sistemas Elétricos de Transmissão (TUST).

Com o incremento dessas duas tarifas, o imposto é arrecadado diante do valor final da conta e não apenas do consumo. Essas tarifas são pagas sem o conhecimento dos consumidores, e não deveriam complementar a base de cálculo para a incidência do imposto. Diante do equívoco calculado pelo Governo Estadualo percentual varia-se entre 20% e 35%.

Lei Complementar n.º 87/1996, conhecida por "Lei Kandir" que dispõe sobre a incidência do ICMS, prevê o imposto sobre a energia elétrica, mas não sobre uso de sistema de distribuição e transmissão de energia elétrica.

"Art. 2º, § 1º O imposto incide também:

[...] III - sobre a entrada, no território do Estado destinatário, de petróleo, inclusive lubrificantes e combustíveis líquidos e gasosos dele derivados, e de energia elétrica, quando não destinados à comercialização ou à industrialização, decorrentes de operações interestaduais, cabendo o imposto ao Estado onde estiver localizado o adquirente."

Nas palavras de Rafael Albertoni Faganello:

[...] "Informar aos consumidores e repelir a cobrança do ICMS sobre as tarifas TUSD e TUST e semelhantes, pois deve ser reconhecida a inexistência de obrigação jurídico-tributária que exija o recolhimento do ICMS sobre as parcelas relativas a quaisquer encargos de transmissão/distribuição de energia elétrica, sendo de rigor o término dessas cobranças e a repetição de indébito tributário quanto a essas incidências e/ou restituição do valor cobrado indevidamente, seja que denominação for, observando o prazo prescricional quinquenal."

Além disso, pode-se dizer que a incidência de tributo sobre o fato gerador não previsto por lei, viola o princípio constitucional previsto no artigo 150, inciso ICF:

"Art. 150. Sem prejuízo de outras garantias asseguradas ao contribuinte, é vedado à União, aos Estados, ao Distrito Federal e aos Municípios:

I - exigir ou aumentar tributo sem lei que o estabeleça."

Sendo assim, o Superior Tribunal de Justiça (STJ), recentemente, se manifestou e entendeu como ilegal a cobrança, conforme julgado:

AGRAVO REGIMENTAL. SUSPENSÃO DE LIMINAR. INDEFERIMENTO. ICMS. INCIDÊNCIA DA TUST E TUSD. DESCABIMENTO. JURISPRUDÊNCIA FIRMADA NO STJ. AGRAVO QUE NÃO INFIRMA A FUNDAMENTAÇÃO DA DECISÃO ATACADA. NEGADO PROVIMENTO.

I – A decisão agravada, ao indeferir o pedido suspensivo, fundou-se no fato de não ter ficado devidamente comprovada a alegada lesão à economia pública estadual, bem como em razão de a jurisprudência desta eg. Corte de Justiça já ter firmado entendimento de que a Taxa de Uso do Sistema de Transmissão de Energia Elétrica – TUST e a Taxa de Uso do Sistema de Distribuição de Energia Elétrica – TUSD não fazem parte da base de cálculo do ICMS (AgRg no REsp n. 1.408.485/SC, relator Ministro Humberto Martins, Segunda Turma, julgado em 12/5/2015, DJe de 19/5/2015; AgRg nos EDcl no REsp n. 1.267.162/MG, relator Ministro Herman Benjamin, Segunda Turma, julgado em 16/8/2012, DJe de 24/8/2012).

II – A alegação do agravante de que a jurisprudência ainda não está pacificada não vem devidamente fundamentada, não tendo ele apresentado sequer uma decisão a favor de sua tese.

III – Fundamentação da decisão agravada não infirmada.

Além do mais, conforme súmula 166 do STJ, "não constitui fato gerador do ICMS o simples deslocamento de mercadoria de um para outro estabelecimento do mesmo contribuinte.", isto é, defeso à tributação diante de valores que não são consequentes da circulação jurídica de mercadorias.

Diante o exposto, o entendimento já pacificado pelo STJ tem influenciado o entendimento de vários Tribunais, no sentido de suprimir da base de cálculo do ICMS, os encargos da conta de energia elétrica.

Quem tem o direito de pleitear a restituição?

Podem pleitear tal direito na Justiça, a revisão do ICMS cobrado, tanto as empresas, quanto os indivíduos que pagarem a fatura de energia elétrica e que observarem o pagamento de ICMS sobre as tarifas TUST e TUSD, além do ressarcimento dos valores pagos nos últimos 5 anos (60 meses), atualizados pela taxa SELIC.

Como pedir a restituição?

Para pedir a restituição, é necessário trazer ao advogado (a), as três últimas contas pagas, cópias do RG e CPF, assinatura de procuração junto ao mesmo (a) e contrato de locação para que dê início ao procedimento judicial.


Fontes

Importante:
1 - Conforme lei 9.610/98, que dispõe sobre direitos autorais, a reprodução parcial ou integral desta obra sem autorização prévia e expressa do autor constitui ofensa aos seus direitos autorais (art. 29). Em caso de interesse, use o link localizado na parte superior direita da página para entrar em contato com o autor do texto.
2 - Entretanto, de acordo com a lei 9.610/98, art. 46, não constitui ofensa aos direitos autorais a citação de passagens da obra para fins de estudo, crítica ou polêmica, na medida justificada para o fim a atingir, indicando-se o nome do autor (Brenda Constanccio) e a fonte www.jurisway.org.br.
3 - O JurisWay não interfere nas obras disponibilizadas pelos doutrinadores, razão pela qual refletem exclusivamente as opiniões, ideias e conceitos de seus autores.

Nenhum comentário cadastrado.



Somente usuários cadastrados podem avaliar o conteúdo do JurisWay.

Para comentar este artigo, entre com seu e-mail e senha abaixo ou faço o cadastro no site.

Já sou cadastrado no JurisWay





Esqueceu login/senha?
Lembrete por e-mail

Não sou cadastrado no JurisWay




 
Copyright (c) 2006-2018. JurisWay - Todos os direitos reservados