JurisWay - Sistema Educacional Online
 
É online e gratuito, não perca tempo!
 
Cursos
Certificados
Concursos
OAB
ENEM
Vídeos
Modelos
Perguntas
Eventos
Artigos
Fale Conosco
Mais...
 
Email
Senha
powered by
Google  
 

DROGAS, CRIAÇÃO E CRIMINALIDADE


Autoria:

Carlos Eduardo Rios Do Amaral


MEMBRO DA DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO

envie um e-mail para este autor

Outros artigos da mesma área

A endemia no aborto voluntário e suas consequências jurídicas no âmbito brasileiro

A INEFICÁCIA DA APLICAÇÃO DA MEDIDA SÓCIO EDUCATIVA OBRIGAÇÃO DE REPARAR O DANO

Breve análise doutrinária acerca dos crimes contra o sentimento religioso e repeito aos mortos

Reincidência Criminal

A GEOPOLITICA DAS DROGAS NA AMERICA LATINA

Inviabilidade de subtração de coisa alheia móvel por conta de estar previamente vigiada.

DESCRIMINALIZAÇÃO E LEGALIZAÇÃO DA MACONHA.

O POLICIAL E O DISPARO DE ARMA DE FOGO EM VIA PÚBLICA: ASPECTOS LEGAIS, DOUTRINÁRIOS E JURISPRUDENCIAIS

EMBRIAGUEZ AO VOLANTE: o problema da punição aos condutores embriagados e algumas alterações legislativas necessárias

A Atuação da Polícia Civil na Prevenção dos Delitos

Mais artigos da área...

Resumo:

DROGAS, CRIAÇÃO E CRIMINALIDADE

Texto enviado ao JurisWay em 19/03/2014.



Indique este texto a seus amigos indique esta página a um amigo



Quer disponibilizar seu artigo no JurisWay?

DROGAS, CRIAÇÃO E CRIMINALIDADE

 

Por Carlos Eduardo Rios do Amaral

 

Quase todos os dias assistimos em nossos telejornais a prática de crimes brutais cometidos por jovens, na maioria das vezes contra as suas namoradas, companheiras ou familiares. Uma vez apresentado pela polícia à imprensa o jovem criminoso mais parece um artista de cinema concedendo entrevista a um making-of. Causando perplexidade a todos os telespectadores pela sua frieza e indiferença à morte de sua vítima.

 

A culpa desse comportamento anormal, insensível e arrogante, é sem sombra de dúvidas das drogas e de uma criação sem limites imposta pelos pais ou responsáveis aos filhos. O filho é um produto das próprias experiências vivenciadas no seu dia-a-dia e principalmente das regras e exemplos ministrados pela família dentro de casa.

 

A droga talvez seja o maior mal do nosso século. Através dela todo o potencial intelectual e físico de nossos jovens caminha para o abismo. Arritmia, demência, depressão, distúrbios generalizados de ansiedade, doença hepática, doença pulmonar, cirrose, estresse, ansiedade, insuficiência renal, hipertensão, pancreatite, psicose, reações alérgicas, transtorno de déficit de atenção com hiperatividade, transtorno bipolar, transtorno-obsessivo-compulsivo, transtorno de personalidade, transtornos do sono, entre outros efeitos vêm afligindo a vida de nossos jovens por conta da maldita droga.

 

Roubando a alma de seu usuário, a droga retira do jovem toda e qualquer capacidade de se comover ou de se sensibilizar com a dor e o sofrimento alheio. E pior, a partir da droga nasce o desejo de ser o próprio instrumento provocador das sensações físicas e emocionais dolorosas das pessoas de seu convívio. Tornando-se, em pouco tempo, um ritmo de vida alucinante e em sequência, ditado pela droga. Quando o jovem olha para trás, percebe sem nenhum arrependimento ou remorso que destruiu a vida de muita gente, inclusive de quem o amava.

 

Com efeito tão devastador como as drogas, é aquele filho mimado, criado sem limites e regras pelos pais. Aquele jovem a quem se ensina que o mundo é dele e de mais ninguém, e que por isso todo e qualquer dano causado por ele ao universo pode ser simplesmente colocado debaixo do tapete, é outro grande tormento que destrói nossa sociedade. Engomadinho ou sem-camisa trajando sua bermuda de cueca de fora, o filho mimado tem levado muita gente para o cemitério.

 

Jamais aceitando ser contrariado, o jovem mimado quando descobre que o mundo não é seu, que seus pais o iludiram completamente, sente-se enganado por todos, uma “vítima” da sociedade, que deverá eternamente compreender que seus excessos e tirania nada mais são do que uma compensação por ter sido ludibriado. Afinal, quando pequeno, o mundo realmente parecia ser seu.

 

No mundo de hoje, é preciso muito cuidado em verificar com quem nos relacionamos. O drogado e o mimado podem a qualquer momento bater à porta de sua casa ou já estar dentro dela. Seja um bom observador, para não acontecer o pior com você e sua família.  

 

_______________  

 

Carlos Eduardo Rios do Amaral é Defensor Público no Estado do Espírito Santo

 

 

 

 

 

Importante:
1 - Conforme lei 9.610/98, que dispõe sobre direitos autorais, a reprodução parcial ou integral desta obra sem autorização prévia e expressa do autor constitui ofensa aos seus direitos autorais (art. 29). Em caso de interesse, use o link localizado na parte superior direita da página para entrar em contato com o autor do texto.
2 - Entretanto, de acordo com a lei 9.610/98, art. 46, não constitui ofensa aos direitos autorais a citação de passagens da obra para fins de estudo, crítica ou polêmica, na medida justificada para o fim a atingir, indicando-se o nome do autor (Carlos Eduardo Rios Do Amaral) e a fonte www.jurisway.org.br.
3 - O JurisWay não interfere nas obras disponibilizadas pelos doutrinadores, razão pela qual refletem exclusivamente as opiniões, ideias e conceitos de seus autores.

Nenhum comentário cadastrado.



Somente usuários cadastrados podem avaliar o conteúdo do JurisWay.

Para comentar este artigo, entre com seu e-mail e senha abaixo ou faço o cadastro no site.

Já sou cadastrado no JurisWay





Esqueceu login/senha?
Lembrete por e-mail

Não sou cadastrado no JurisWay




 
Copyright (c) 2006-2020. JurisWay - Todos os direitos reservados