JurisWay - Sistema Educacional Online
 
Será o fim do JurisWay?
 
Cursos
Certificados
Concursos
OAB
ENEM
Vídeos
Modelos
Perguntas
Notícias
Artigos
Fale Conosco
Mais...
 
Email
Senha
powered by
Google  
 

DESPENALIZAÇÃO DO USO DA DROGA FOI UM ERRO


Autoria:

Carlos Eduardo Rios Do Amaral


MEMBRO DA DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO

envie um e-mail para este autor

Outros artigos da mesma área

Extinção da Punibilidade Mediante Certidão de Óbito Falsa

Diferença entre eutanásia, distanásia e ortotanásia

A INFRAÇÃO PENAL DO ART. 1º, §2º DA LEI Nº 9.455 DE 1997 É CONSTITUCIONAL?

STF - Descriminalização ou liberação da posse de drogas para uso pessoal?

LEI MARIA DA PENHA. Novas atribuições da Polícia na defesa dos direitos das mulheres.

A Responsabilidade de Sócios, Diretores e Administradores nos Crimes Contra as Relações de Consumo

Aspectos jurídicos da confissão ou a rainha destronada

O VETO DO § 4º DO ARTIGO 157 DO CÓDIGO DE PROCESSO PENAL E A DESCONTAMINAÇÃO DO JULGADO

A RESPONSABILIDADE PENAL PELA EXPOSIÇÃO SEXUAL OU TRANSMISSÃO SEXUAL DO HIV EM RELAÇÕES SEXUAIS CONSENTIDAS NO BRASIL: LEI, DOUTRINA E JURISPRUDÊNCIA

REALIDADE DO SISTEMA PRISIONAL BRASILEIRO E A RESSOCIALIZAÇÃO DO PRESO PARA SUA REINTEGRAÇÃO NA SOCIEDADE.

Mais artigos da área...

Resumo:

DESPENALIZAÇÃO DO USO DA DROGA FOI UM ERRO

Texto enviado ao JurisWay em 11/02/2014.



Indique este texto a seus amigos indique esta página a um amigo



Quer disponibilizar seu artigo no JurisWay?

DESPENALIZAÇÃO DO USO DA DROGA FOI UM ERRO

 

Por Carlos Eduardo Rios do Amaral

 

Desde Agosto de 2006 a Lei Federal nº 11.343 – a Nova Lei de Tóxicos – abrandou em muito a pena para o crime de uso de drogas. Antes, o usuário de drogas era severamente punido com detenção de seis meses a dois anos. Hoje, ao ser flagrado portando drogas para consumo pessoal o indivíduo recebe uma advertência sobre os efeitos das drogas em geral.

 

Tal alteração legislativa, logo que percebida pelos ávidos pela droga, resultou em verdadeiro desastre para as pessoas de bem e em ruína da sociedade e da família brasileiras. Não existe nada na literatura médica que se sobressaia aos fatos vivenciados por juízes, promotores e defensores públicos no triste dia-a-dia forense das varas criminais.

 

Nas varas da infância e da juventude a situação é caótica, de aterrorizar aos mais esperançosos na possibilidade de ressocialização do ser humano em fase de desenvolvimento. Crianças e adolescentes mergulhados no mundo das drogas e das execuções de membros de bocas-de-fumo rivais desconhecem outro modo de vida, senão o de matar ou morrer em nome da droga.

 

Em tema de violência doméstica aquele pai chefe de família há muito tempo já deixou o cigarro, a cerveja e a cachacinha de lado. O agressor doméstico quer a pedra de crack, a carreira de cocaína, para depois de uma sessão de espancamentos da indefesa mulher, usá-la na frente dos filhos assustados com a agressão à mãe.

 

Agora, a ida a boca-de-fumo é encorajada pela nova legislação federal. Até o principiante usuário se sente confortável em desafiar essa vacilante legislação, que, em verdade, não pune nada. Na periferia ou nas animadas coberturas de bairros nobres a droga vai tomando seu espaço de destaque e sedução. A vaquinha dos “vinte reais” vai se tornando mais frequente nos fins-de-festas. O disk-cerveja vai perdendo a concorrência para o desleal disk-droga, este último muito bem motorizado.

 

Estamos em ano de eleições gerais. Toda a sociedade brasileira clama pelo fim da violência generalizada que assola o País. Não é possível que o Congresso Nacional e o Executivo desatendam ao anseio popular de paz. Assim como o traficante, o usuário de drogas deve ser impedido de fomentar a violência no Brasil. E isso só será possível recaindo a dura espada da Justiça sobre esses criminosos, tanto sob o usuário, como o traficante. Figuras que muitas vezes se confundem num só vilão.

 

______________________

 

 

Carlos Eduardo Rios do Amaral é Defensor Público no Estado do Espírito Santo

Importante:
1 - Conforme lei 9.610/98, que dispõe sobre direitos autorais, a reprodução parcial ou integral desta obra sem autorização prévia e expressa do autor constitui ofensa aos seus direitos autorais (art. 29). Em caso de interesse, use o link localizado na parte superior direita da página para entrar em contato com o autor do texto.
2 - Entretanto, de acordo com a lei 9.610/98, art. 46, não constitui ofensa aos direitos autorais a citação de passagens da obra para fins de estudo, crítica ou polêmica, na medida justificada para o fim a atingir, indicando-se o nome do autor (Carlos Eduardo Rios Do Amaral) e a fonte www.jurisway.org.br.
3 - O JurisWay não interfere nas obras disponibilizadas pelos doutrinadores, razão pela qual refletem exclusivamente as opiniões, ideias e conceitos de seus autores.

Nenhum comentário cadastrado.



Somente usuários cadastrados podem avaliar o conteúdo do JurisWay.

Para comentar este artigo, entre com seu e-mail e senha abaixo ou faço o cadastro no site.

Já sou cadastrado no JurisWay





Esqueceu login/senha?
Lembrete por e-mail

Não sou cadastrado no JurisWay




 
Copyright (c) 2006-2019. JurisWay - Todos os direitos reservados