JurisWay - Sistema Educacional Online
 
JurisWay - Preparatório OAB
 
Cursos
Certificados
Concursos
OAB
Vídeos
Modelos
Perguntas
Notícias
Fale Conosco
Mais...
 
Email
Senha
powered by
Google  
 
 Sala dos Doutrinadores - Artigos Jurídicos
Autoria:

Jose Vital Brigido Nunes Junior


Advogado, formado pela Universidade de Fortaleza no curso de Direito, especialista em Processo Civil Individual e Coletivo.

envie um e-mail para este autor

Outros artigos da mesma área

O PRINCÍPIO DO DUPLO GRAU DE JURISDIÇÃO E SUA GARANTIA CONSTITUCIONAL.

TUTELA ANTECIPADA EX OFFICIO: É POSSÍVEL?

A Relativização da Coisa Julgada

DA AÇÃO DE ANULAÇÃO E SUBSTITUIÇÃO DE TÍTULOS AO PORTADOR:

Da competência funcional para julgar pedido declaratório de reconhecimento da existência de relação jurídica de união estável: uma análise do ordenamento jurídico brasileiro concluindo pela competência funcional dos Juízes de Direito.

A POSSIBILIDADE DE PENHORA DOS VENCIMENTOS E SALÁRIOS DO DEVEDOR COMO FORMA DE SATISFAÇÃO DO CRÉDITO DO EXEQUENTE.

Celeridade Processual

O Juiz absolutamente incompetente pode deferir liminar?

Porque a sociedade não sobrevive sem a tutela jurídica?

CONSIDERAÇÕES SOBRE A AÇÃO MONITÓRIA

Mais artigos da área...

Artigos Jurídicos Direito Processual Civil Processo

INAFASTABILIDADE DO CONTROLE JURISDICIONAL (PLNCPC)

A invocação da tutela jurisdicional, preconizada na Constituição Federal, deve efetivar-se pela ação do interessado que, exercendo o direito à jurisdição, cuide de preservar, pelo reconhecimento, direito subjetivo material violado ou ameaçado.

Texto enviado ao JurisWay em 07/10/2011.

indique está página a um amigo Indique aos amigos

Quer disponibilizar seu artigo no JurisWay?

Preliminarmente, é necessário entendermos o que seria Jurisdição e qual seria seu papel no Estado. A concepção jurídica tem sofrido uma série de transformações com o passar dos anos, nitidamente no campo referente à posição de supremacia conferida à lei, que nos dias de hoje, cedeu território à Constituição. Encontrando-se ligada, substancialmente, aos direitos positivados na Carta Magna/88.

A primeira doutrina para caracterizar a jurisdição é a de CARNELUTTI – jurisdição é a justa composição da lide. Uma segunda doutrina, de ALLORIO, diz que, o que caracteriza a jurisdição é a coisa julgada/a definitividade. Uma terceira doutrina – CHIOVENDA – ensina que, o que caracteriza jurisdição é a atuação da vontade da lei e a substutividade. Uma quarta doutrina – CAPPELLETTI – o que caracteriza a jurisdição é a imparcialidade – é o que diferencia a jurisdição das outras funções do Estado (legislativo e executivo).

A jurisdição é a função do Estado de resolver os conflitos de interesses de forma pacífica, através de atos praticados pelo juiz, este com poder estatal, precisamente o de decidir e de impor as suas decisões. Desta feita, entendemos Jurisdição como função, como atividade e como poder.

O Estado tem a obrigação de prestar a proteção jurisdicional prometida pelos direitos – individuais e coletivos. Mais relevante do que isso é atentar para o fato que toda situação jurídica deve ser devidamente sustentada pela tutela jurídica.

Aliás, o Brasil adotou o sistema de jurisdição única. Somente o Poder Judiciário pode, de forma definitiva, declarar o direito, diante de um caso concreto, quando provocado por alguém que se veja diante de uma pretensão resistida.

Jurisdição, por seguinte, tem como desdobramento o devido processo legal, este que, em sentido amplo, é princípio que tutela a vida, a liberdade e a propriedade sem desprezar a essência axiológica de cada tutela; garantia do acesso à justiça; vale dizer: ninguém pode afastar do Judiciário a apreciação de qualquer causa.

Art. 5º, XXXV, da CF.- a lei não excluirá da apreciação do Poder Judiciário lesão ou ameaça a direito.

NELSON NERY JÚNIOR menciona que em que pese o destinatário principal desta norma seja o legislador, o comando constitucional atinge a todos indistintamente, vale dizer, não pode o legislador e ninguém mais impedir que o jurisdicionado vá a juízo deduzir pretensão.

Com a contemplação do princípio da inafastabilidade da jurisdição, a Constituição garante a necessária tutela estatal aos conflitos ocorrentes na vida em sociedade. Enfim, a garantia é ao direito de ação.

O direito de ação é um direito público subjetivo exercitável até mesmo contra o Estado, que não pode recusar-se a prestar a tutela jurisdicional. O Estado-juiz não está obrigado, todavia, a decidir em favor do autor, devendo aplicar o direito a cada caso que lhe foi trazido.

O dever de o magistrado fazer atuar a jurisdição é de tal modo rigoroso que sua omissão configura causas de responsabilidade judicial. Representa uma espécie de contrapartida estatal ao veto à realização pelos indivíduos, de justiça por mãos próprias.

O art. 3º do PLNCPC prevê o direito de ação inovando quanto à possibilidade de apreciação pelo juízo arbitral, estabelecendo que “não se excluirá da apreciação jurisdicional ameaça ou lesão a direito, ressalvados os litígios voluntariamente submetidos à solução arbitral, na forma da lei”.

O Poder Judiciário não deve, sempre que possível, deixar o jurisdicionado sem resposta: nulidades devem ser corrigidas, vícios ligados a pressupostos processuais devem ser sanados, causas de inadmissibilidade de recurso podem ser ignoradas. O CPC projetado exigirá do juiz um comportamento menos formalista, estimulando-o a entregar a prestação jurisdicional completa e de mérito, de forma que o conflito subjacente à demanda nunca mais retorne ao Poder Judiciário.

Em síntese, a invocação da tutela jurisdicional, preconizada na Constituição Federal, deve efetivar-se pela ação do interessado que, exercendo o direito à jurisdição, cuide de preservar, pelo reconhecimento (processo de conhecimento), direito subjetivo material violado ou ameaçado de violação.

Importante:
1 - Conforme lei 9.610/98, que dispõe sobre direitos autorais, a reprodução parcial ou integral desta obra sem autorização prévia e expressa do autor constitui ofensa aos seus direitos autorais (art. 29). Em caso de interesse, use o link localizado na parte superior direita da página para entrar em contato com o autor do texto.
2 - Entretanto, de acordo com a lei 9.610/98, art. 46, não constitui ofensa aos direitos autorais a citação de passagens da obra para fins de estudo, crítica ou polêmica, na medida justificada para o fim a atingir, indicando-se o nome do autor (Jose Vital Brigido Nunes Junior) e a fonte www.jurisway.org.br.
3 - O JurisWay não interfere nas obras disponibilizadas pelos doutrinadores, razão pela qual refletem exclusivamente as opiniões, ideias e conceitos de seus autores.

Nenhum comentário cadastrado.



Somente usuários cadastrados podem avaliar o conteúdo do JurisWay.

Para comentar este artigo, entre com seu e-mail e senha abaixo ou faço o cadastro no site.

Já sou cadastrado no JurisWay





Esqueceu login/senha?
Lembrete por e-mail

Não sou cadastrado no JurisWay




 
Copyright (c) 2006-2014. JurisWay - Todos os direitos reservados