JurisWay - Sistema Educacional Online
 
Kit com 30 mil modelos de petições
 
Cursos
Certificados
Concursos
OAB
ENEM
Vídeos
Modelos
Perguntas
Eventos
Artigos
Fale Conosco
Mais...
 
Email
Senha
powered by
Google  
 

Sentença Arbitral Estrangeira: sobre as possibilidades de indeferimento no procedimento homologatório


Autoria:

Rafael Da Silva Glatzl


Graduando em Direito pela Universidade Federal de Juiz de Fora. Monitor da disciplina Direito Penal I para o ano letivo de 2012. Pesquisador voluntário (graduando) junto ao Núcleo de Estudos sobre Violência e Políticas de Controle Social/UFJF.

envie um e-mail para este autor

Outros artigos da mesma área

O pleno exercício dos direitos e deveres de um cidadão no seu território e no estrangeiro

POSIÇÃO DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL NO CONCERNENTE À APLICABILIDADE DAS RELAÇÕES DO DIREITO INTERNACIONAL COM O DIREITO INTERNO

JUIZADOS ESPECIAIS: RESGATE DA CIDADANIA E PERDAS

A Convenção de Ottawa e os princípios fundamentais, sonho ou realidade?

Avaliação política e avaliação de políticas: um quadro de referência teórica

O DIREITO INTERNACIONAL MARÍTIMO

Organização Mundial da Saúde, uma questão de Direito Internacional.

É Possível Comprar um Terreno na Lua?

A EVOLUÇÃO DO TRATAMENTO DESTINADO AOS PORTUGUESES NO BRASIL: DO TRATADO DE AMIZADE E ALIANÇA DE 1825 AO INSTITUTO DA QUASE NACIONALIDADE NA CONSTITUIÇÃO FEDERAL DE 1988

Sentença Arbitral Estrangeira: sobre as possibilidades de indeferimento no procedimento homologatório

Mais artigos da área...

Resumo:

O presente artigo buscará expor brevemente as possibilidades de indeferimento a que está acometida a sentença arbitral estrangeira que busque homologação no Brasil, a fim de que possa produzir seus efeitos jurídicos em território nacional.

Texto enviado ao JurisWay em 16/01/2013.

Última edição/atualização em 22/01/2013.



Indique este texto a seus amigos indique esta página a um amigo



Quer disponibilizar seu artigo no JurisWay?

Para que uma sentença arbitral estrangeira produza efeitos jurídicos efetivamente no Brasil ,necessária será sua homologação perante o judiciário pátrio. A competência de tal homologação cabe ao STJ (anteriormente à EC 45/03, tal competência cabia ao STF) , responsável por conceder o ‘exequatur’, sendo importante aduzir ao fato de que, inicialmente, era necessário o duplo 'exequatur': tanto a aquiescência do STF, que detinha a competência para tal feito em nosso país, quanto que o laudo arbitral tivesse sido declarado pelo país de origem como dotado de força de sentença, a fim de que finalmente se pudesse, validamente, processar seu pedido de homologação no Brasil.

Quanto à definição de quais seriam as sentenças consideradas estrangeiras , temos que a Convenção de Nova Iorque de 1958, ratificada pelo Brasil em 2002 e que é um dos mais importantes marcos na evolução de importância e consolidação do instituto da Arbitragem, trazia as seguintes disposições quanto à nacionalidade da sentença:

Artigo I, 1 :”A presente Convenção aplicar-se-á ao reconhecimento e à execução de sentenças arbitrais estrangeiras proferidas no território de um Estado que não o Estado em que se tencione o reconhecimento e a execução de tais sentenças, oriundas de divergências entre pessoas, sejam elas físicas ou jurídicas. A Convenção aplicar-se-á igualmente a sentenças arbitrais não consideradas como sentenças domésticas no Estado onde se tencione o seu reconhecimento e a sua execução.”

 À luz do sistema jurídico brasileiro e das disposições do artigo 34 da Lei Marco Maciel (Lei da Arbitragem, 9307/96) , será considerada estrangeira a sentença arbitral que tenha sido proferida fora do território nacional, ou seja, a sentença não deve ser brasileira, qualificando-se portanto com base em um quesito simplista de territorialidade (o local em que se profere a sentença define a sua nacionalidade.) Assim, o direito Brasileiro adotou parcialmente a disposição do artigo I, 1, da CNY/58, valendo-se de sua porção final apenas, considerando domésticas, então, apenas as sentenças proferidas no território nacional. Da mesma forma, a Convenção permitiu que a sentenças arbitrais brasileiras passassem a ser reconhecidas e executadas em territórios estrangeiros, proporcionando maior segurança jurídica aos investimentos estrangeiros.

Conforme a parte final do artigo supracitado, é possível afirmar que o princípio utilizado para a definição de nacionalidade do laudo arbitral (“doméstico”) pode diferir de acordo com o Estado, podendo as leis de arbitragem levarem em conta o local em que a sentença foi proferida ou a localização da sede da arbitragem, por exemplo.

Um laudo arbitral pode inclusive , dada tal possibilidade, de conter nacionalidade pluríma. Se levarmos em conta por exemplo que o Reino Unido adota o critério “seat of arbitration” - a nacionalidade da sentença arbitral é determinada em função da sede da arbitragem - , um juízo arbitral com sede em Manchester e cuja sentença arbitral seja proferida no Brasil, será considerada uma sentença brasileira, pelo critério da territorialidade da sentença adotado aqui, e também britânica, à luz do direito arbitral inglês. Tal fato possibilitaria o reconhecimento e a execução de tal sentença com maior celeridade, na avaliação dos pressupostos do reconhecimento, tanto frente à justiça inglesa quanto à brasileira, de obedecer as disposições legais de cada um dos direitos nacionais.

As sentenças estrangeiras de arbitragem então terão eficácia, nos termos da CNY/58, se devidamente reconhecidas pelo Estado em que se busca sua execução e reconhecimento (necessidade de homologação), consideradas assim as proferidas fora do território (princípio da territorialidade) Estado onde se busca execução e reconhecimento destas, ou não consideradas como domésticas (princípio da nacionalidade) destes.

Tais exposições feitas, podemos então sintetizar a questão afirmando a adoção de forma parcial das disposições constantes do tratado internacional ratificado pelo Brasil em relação à nacionalidade das sentenças, que dispunha serem somente consideradas estrangeiras as sentenças arbitrais não consideradas como domésticas no Estado onde possam ser reconhecidas e executadas.

Quanto à homologação das sentenças não-domésticas, o artigo 36 da Lei 9307/96 determina que se aplicarão aos laudos arbitrais estrangeiros os dispositivos 483 e 484 do Código de Processo Civil. Assim, para que se tenha a homologação da sentença estrangeira (incluindo aí as decisões oriundas de convenção arbitral), necessário seria respeitar as normas do Regimento Interno do STF. Com a Emenda Constitucional 45/03 e com a Resolução 09/2005 do STJ , disciplinou-se a questão , mantendo a aplicação das previsões do Regimento Interno do STF quando este não conflituasse com a disciplina dada pelao STJ à matéria.

Estabeleceu-se que, estando presentes os requisitos da petição inicial (os gerais a todos os processos , dispostos no artigo 282 do CPC), seria determinada a citação do réu para que este contestasse em 15 dias o pedido, de acordo com os critérios legais, sendo possível ainda a réplica ao requerente ou por parte de parecer da PGR. Por fim, os autos vão para julgamento do presidente do STJ, conforme dispõe a resolução 09/2005, cabendo de tal decisão a possibilidade de se impetrar agravo regimental. Homologada a decisão , passaria a ter eficácia de sentença e ser passível de execução pela justiça federal, também disposição da resolução 09/2005 do STJ.

Porém, o procedimento de homologação requer outros pressupostos para que seja constituído validamente o processo, por força da CNY/58 e da resolução 09/2005-STJ. Tais serão: a necessidade do pedido de reconhecimento ser instruído com a decisão e convenção arbitral originais, ou cópias autenticadas destas; e que caso a sentença seja feita em idioma diferente do oficial do país em que é invocada, seria necessária a tradução dos documentos, sendo esta autenticada por agente consular brasileiro. Não preenchidos tais requisitos, permite-se a realização de emenda à petição inicial, no prazo de 10 dias. Assim se concluirá o procedimento de homologação.

Quanto às razões em específico que podem levar ao indeferimento do pedido, temos que a Lei de Arbitragem , em seu artigo 38, e a CNY/58, em seu art. V, estabelecem vários motivos que, caso provados pelo requerido em sede de contestação sobre a autenticidade dos documentos, ensejarão a recusa a se homologar o título.

Inicialmente , indefere-se a homologação se provado que as partes na convenção da arbitragem eram incapazes (art. 38, I). No ordenamento jurídico brasileiro, apesar de não expressa qual seria o direito adequado para regulamentar a capacidade das partes,há a tendência pela adoção do critério de capacidade que é regulamentado pelo lei do domícilio da pessoa, as regras do domícilio das partes.

Também será indeferida nos termos do art. 38 da Lei 9307/96:

II - a convenção de arbitragem não era válida segundo a lei à qual  as  partes  a  submeteram,  ou,  na  falta  de  indicação,  em virtude da lei do país onde a sentença arbitral foi proferida;

III  -  não  foi  notificado  da  designação  do  árbitro  ou  do procedimento de arbitragem, ou tenha sido violado o princípio do contraditório, impossibilitando a ampla defesa; (príncipios processuais constitucionais)

IV  -  a  sentença  arbitral  foi  proferida  fora  dos  limites  da convenção  de  arbitragem,  e  não  foi  possível  separar  a  parte excedente daquela submetida à arbitragem;

V  -  a  instituição  da  arbitragem  não  está  de  acordo  com  o compromisso arbitral ou cláusula compromissória;

VI - a sentença arbitral não se tenha, ainda, tornado obrigatória para as partes, tenha sido anulada, ou, ainda, tenha sido suspensa por órgão judicial do país onde a sentença arbitral for prolatada.

Por fim, o artigo V(2) da CNY/58 ainda prevê o indeferimento nos casos :

 a) segundo a lei daquele país o objeto do conflito não possa ser solucionado pela via arbitral;

b) caso o reconhecimento e a execução da sentença arbitral viole a ordem pública do país no qual se pretende a homologação.

Concluindo, podemos afirmar em análise dos casos supracitados que serão passíveis de serem submetidos à arbitragem, em sede da legislação nacional, somente os conflitos que versem sobre direitos patrimoniais disponíveis (bens indisponíveis nunca serão objeto de juízo arbitral) e cujas partes possam contratar (quesito de capacidade) , nos termos do artigo 1 da lei 9307/96.

Quanto à violação à ordem pública, rejeitou-se no Brasil a idéia de violação à ordem pública em litígios patrimoniais decididos pelo juízo arbitral.

 

Bibliografia:

AZEVEDO, Álvaro Villaça. Arbitragem. São Paulo, Revista dos Tribunais, n. 753, p. 11-23, 1998.

CARMONA, Carlos Alberto. Arbitragem e jurisdição. In: GRINOVER, Ada Pellegrini et alli (org.). Participação e processo. São Paulo: RT, 1988, p. 296-307.

CARMONA, Carlos Alberto. A arbitragem no processo civil brasileiro. São Paulo: Malheiros, 1993.

CARMONA, Carlos Alberto. A arbitragem no Brasil: em busca de uma nova lei. Revista de Processo, n. 72, p. 53, 1993.

CARREIRA ALVIM. Comentários à lei de arbitragem (Lei n.º 9.307, de 23.09.1996). Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2002.

GARCEZ, José Maria Rossani (coord.). A arbitragem na Era da Globalização. Rio de Janeiro: Forense, 1997.

LEE, João Bosco. A Homologação de Sentença Arbitral Estrangeira: a Convenção de Nova Iorque de 1958 e o Direito Brasileiro de Arbitragem. inCARMONA, Carlos Alberto; MARTINS, Pedro Batista; LEMES, Selma Ferreira. Arbitragem. São Paulo: Atlas.2007.

 MAZZUOLI, Valério de Oliveira. Curso de Direito Internacional Público.São Paulo: Revista dos Tribunais. 2010.

PUCCI, Adriana Noemi. Arbitragem comercial internacional. São Paulo: LTr, 1998.

 

Importante:
1 - Conforme lei 9.610/98, que dispõe sobre direitos autorais, a reprodução parcial ou integral desta obra sem autorização prévia e expressa do autor constitui ofensa aos seus direitos autorais (art. 29). Em caso de interesse, use o link localizado na parte superior direita da página para entrar em contato com o autor do texto.
2 - Entretanto, de acordo com a lei 9.610/98, art. 46, não constitui ofensa aos direitos autorais a citação de passagens da obra para fins de estudo, crítica ou polêmica, na medida justificada para o fim a atingir, indicando-se o nome do autor (Rafael Da Silva Glatzl) e a fonte www.jurisway.org.br.
3 - O JurisWay não interfere nas obras disponibilizadas pelos doutrinadores, razão pela qual refletem exclusivamente as opiniões, ideias e conceitos de seus autores.

Nenhum comentário cadastrado.



Somente usuários cadastrados podem avaliar o conteúdo do JurisWay.

Para comentar este artigo, entre com seu e-mail e senha abaixo ou faço o cadastro no site.

Já sou cadastrado no JurisWay





Esqueceu login/senha?
Lembrete por e-mail

Não sou cadastrado no JurisWay




 
Copyright (c) 2006-2021. JurisWay - Todos os direitos reservados