JurisWay - Sistema Educacional Online
 
Kit com 30 mil modelos de petições
 
Cursos
Certificados
Concursos
OAB
ENEM
Vídeos
Modelos
Perguntas
Eventos
Artigos
Fale Conosco
Mais...
 
Email
Senha
powered by
Google  
 

Poder Legislativo


Autoria:

Aristocléverson Santos


Representante Farmácias , cursando Direito, Graduado em ADM na FACITEC e vasta experiência no ramo farmacêutico.

envie um e-mail para este autor

Outros artigos do mesmo autor

A Importância da GATT para o MERCOSUL
Direito Internacional Público

Resumo: O QUE É ETNOCENTRISMO
Outros

EXECUÇÃO CONTRA A FAZENDA PÚBLICA
Direito Processual Civil

Direito Administrativo Atual
Direito Administrativo

RECURSOS: PARA O STF E PARA O STJ
Direito Processual Civil

Mais artigos...

Resumo:

Este resumo tem por objetivo conceder ao leitor o conceito de Poder Legislativo, explicar o seu rito e explicar os atos legislativos.

Texto enviado ao JurisWay em 03/04/2011.



Indique este texto a seus amigos indique esta página a um amigo



Quer disponibilizar seu artigo no JurisWay?

Processo Legislativo

Introdução  

O processo legislativo é fenômeno específico do Poder Legislativo que envolve um conjunto de regras pelas quais o legislador deve obedecer para a elaboração das leis.

Levando em consideração as formas de organização política, quatro são os tipos processuais:

1.       Autocrático – em que o governo fundamenta em si próprio a competência para dar as leis;

2.       Direito – em que as proposições legislativas são discutidas e votadas pelo próprio povo;

3.       Indireto ou representativo – em que o povo escolhe seus representantes, a quem cabe decidir sobre as proposições legislativas; e

4.       Semidireto – em que a elaboração das leis cabe ao órgão legislativo competente com a concordância do eleitorado, mediante o referendum popular.

Noção de processo legislativo

                O processo legislativo compreende o conjunto de atos (iniciativa, emenda, votação, sanção e veto) realizado pelos órgãos legislativos, visando à formação de emenda à Constituição, leis complementares, leis ordinárias, leis delegadas, medidas provisórias, decretos legislativos e resolução que, com espécies normativas, constituem o seu objeto.

                O processo traz no seu âmago a ideia de atos coordenados que se desenvolvem no tempo e tendem à formação de um ato final, donde decorre a ideia de procedere, ou seja, dirigir-se para uma meta, o processo legislativo constitui esse conjunto de atos, postos em movimento, no exercício da função legislativa.

Atos do processo legislativo

(O primeiro ato do processo legislativo é a iniciativa, por meio dela o titular legislativo competente encaminha projeto de lei, depositando-o junto a Mesa da Casa Legislativa competente que pode ser: Câmara dos Deputados ou Senado Federal), objetivando sua aprovação, para final se converter em lei.

Quando às propostas de emenda à Constituição, inexiste previsão expressa, no texto constitucional, de iniciativa popular.

A iniciativa popular é incabível quando se trata de projetos de lei de inciativa reservada ou exclusiva do:

1.       Presidente da República;

2.       Câmara dos Deputados;

3.       Supremo Tribunal Federal.

Não cabe iniciativa popular para leis delegadas, medidas provisórias, decretos legislativos e resoluções, por se tratar de espécies normativas com titularidade e procedimento específico.

A iniciativa popular constitui eventual elemento de contraste e de oposição para compensar o predomínio dos que tem o controle da iniciativa parlamentar.

Emenda

                A emenda à Constituição deve guardar pertinência temática com o projeto originário de inciativa reservada, a fim de evitar fraude à iniciativa.

                As emendas poder ser:

1.       Aditivas: quando acrescentam algo ao projeto;

2.       Supressivas: quando visam erradicar disposições ou parte do projeto;

3.       Modificativas: quando visam alterar o projeto, sem modifica-lo substancialmente;

4.       Aglutinação: quando resultam da fusão de outras emendas, ou destas com o texto, por transação tendente à aproximação dos respectivos objetos.

O conceito de emenda de redação é a modificação que visa sanar vício de linguagem, incorreção de técnica legislativa ou lapso manifesto.

O Presidente da República como titular extraparlamentar pode mandar emendar, mas cabe somente aos Congressistas ou às Comissões Parlamentares a emenda. Lembrando que quem pode iniciar o projeto pode emenda-lo.

Votação

                A discussão e votação do projeto lei se procedem mediante a manifestação das duas Casas Legislativas.

                As hipóteses que poderão ocorrer nas relações entre Câmara iniciadora e revisora são:

1.       Projeto aprovado pela Casa iniciadora, se aprovado pela Casa revisora, será encaminhado ao Presidente da República para sanção;

2.       Se o projeto aprovado pela Casa iniciadora for rejeitado pela Casa revisora, será arquivado, porque não houve a manifestação do Poder Legislativo;

3.       Aprovado o projeto de lei pela Casa iniciadora, mas emendado pela Casa revisora o projeto retorna a Casa iniciadora para que aprecie a emenda.

Na apreciação final, a Casa iniciadora tem duas opções quanto à matéria emendar:

1.       Acolher as emendas e proceder à redação final com o texto consolidado para ser aprovado e remetido à sanção do Presidente da República; ou

2.       Rejeitar as emendas e mandar à sanção presidencial o projeto original aprovado pela Casa iniciadora

 

 

Sanção

                A sanção é a concordância, a aquiescência do Presidente da República a projeto de lei aprovado pelo Legislativo. Não são suscetíveis de sanção ou de veto os projetos de emenda à Constituição, os decretos legislativos e as resoluções. A sanção pode ser expressa ou tácita. Aquela é dada por escrito e esta decorre de silêncio do Presidente da República no prazo de 15 dias úteis. Pode ainda a sanção ser total ou parcial esta a incidir sobre o setor não vetado do projeto de lei. Se o Presidente sancionar expressamente apenas parte do projeto de lei, silenciando quando ao restante, estará, na realidade, sancionando-o tacitamente no todo.

                A sanção expressa ou tácita, é essencial à vida da lei. Esta nasce depois de promulgada e publicada oficialmente

                A regra de reserva é imperativa no que tange subordinar a formação da lei à vontade exclusiva do titular da iniciativa.

                Manoel Gonçalves Ferreira Filho sustenta a tese da não-convalidação, que a validade de qualquer ato derivado da Constituição depende de sua concordância com a Constituição. Segundo a doutrina não é válido um ato complexo se não são válidos todos os elementos que devem concorrer à sua formação.

                Segundo Manoel Caetano o direito de iniciativa exclusiva do Presidente da República é irrenunciável. Resulta de superiores razões de interesse público que levam a Constituição a estabelecer uma exceção à regra da faculdade de iniciativa de qualquer membro do Congresso.

Veto

O veto, na expressão Hamilton, revela-se conveniente porque não só serve de defesa ao Executivo como também fornece garantia adicional contra a decretação de leis inconvenientes. Estabelece-se o controle salutar sobre o Poder Legislativo. O veto, em nosso Direito, é relativo e não absoluto. Para rejeitar o veto e assim provar o projeto exige-se o voto da maioria absoluta de Deputados e Senadores em escrutínio secreto.

O veto encerra a idéia de eliminação, exclusão, vedação. Nunca de adição, acréscimo, adjunção, já que a produção do projeto de lei se dá do Legislativo. Sendo possível o veto pode ser total ou parcial.

Promulgação

                Promulgação, que significa publicar, dar a conhecer uma lei, constitui ato complementar do processo legislativo.

                Sobre a natureza da promulgação, mencione-se quatro teorias:

1.       Teoria Declarativa;

2.       Teoria Legislativa;

3.       Teoria da Administração; e.

4.       Teoria do Controle Constitucional.

Publicação

                A publicação informa a existência e o conteúdo da lei aos seus destinatários. Pela publicação, o texto legal torna-se público, é colocado à disposição dos cidadãos, e se reveste de caráter de autenticidade.

                As medidas que devem ser tomadas quanto à publicidade das leis são:

1.       Publicação no órgão oficial que tenha legalmente reconhecida esta função;

2.       Publicação inteligível;

3.       Publicação e difusão imediatas;

4.       Publicação completa;

5.       Publicação exata.

A publicação das leis federais se faz mediante sua inserção no Diário Oficial da União; nos Estados-Membros também no Diário Oficial e nos Municípios, também no Diário oficial, se houver, e, caso não haja, por edital afixado em lugar em que sei afixam os papéis públicos.

A publicação inteligível das leis significa que sua apresentação deve revestir das características formais típicas de uma norma e se reproduza na parte do Diário Oficial destinada à publicação de disposições de caráter geral.

A publicação e difusão imediata da lei, uma vez promulgada, é uma exigência de segurança jurídica e da igualdade de todos os cidadãos. A publicação completa da lei é requisito para sua entrada em vigor, já a publicação exata exige que o texto publicado coincida o texto original.

A competência para publicar recai sobre a autoridade que promulga o texto normativo, lembrando que a Constituição não contem normas acerta da publicação, que é tratada na Lei de Introdução ao Código Civil.

Importante:
1 - Conforme lei 9.610/98, que dispõe sobre direitos autorais, a reprodução parcial ou integral desta obra sem autorização prévia e expressa do autor constitui ofensa aos seus direitos autorais (art. 29). Em caso de interesse, use o link localizado na parte superior direita da página para entrar em contato com o autor do texto.
2 - Entretanto, de acordo com a lei 9.610/98, art. 46, não constitui ofensa aos direitos autorais a citação de passagens da obra para fins de estudo, crítica ou polêmica, na medida justificada para o fim a atingir, indicando-se o nome do autor (Aristocléverson Santos) e a fonte www.jurisway.org.br.
3 - O JurisWay não interfere nas obras disponibilizadas pelos doutrinadores, razão pela qual refletem exclusivamente as opiniões, ideias e conceitos de seus autores.

Nenhum comentário cadastrado.



Somente usuários cadastrados podem avaliar o conteúdo do JurisWay.

Para comentar este artigo, entre com seu e-mail e senha abaixo ou faço o cadastro no site.

Já sou cadastrado no JurisWay





Esqueceu login/senha?
Lembrete por e-mail

Não sou cadastrado no JurisWay




 
Copyright (c) 2006-2021. JurisWay - Todos os direitos reservados