JurisWay - Sistema Educacional Online
 
Kit com 30 mil modelos de petições
 
Cursos
Certificados
Concursos
OAB
ENEM
Vídeos
Modelos
Perguntas
Eventos
Artigos
Fale Conosco
Mais...
 
Email
Senha
powered by
Google  
 

Educação versus palmada: quem vence o round?


Autoria:

Waléria Demoner Rossoni


Advogada militante no Estado do Espírito Santo com ênfase em Direito Civil, Direito do Trabalho e Direito Previdenciário. Graduada em Direito pelo Centro Universitário do Espírito Santo - UNESC (2013). Discente de Pós-graduação em Direito Penal e Processo Penal pelo Centro Universitário do Espírito Santo - UNESC (iniciada em 2013). Discente de Pós-graduação de Filosofia e Teoria do Direito pela Pontifícia Universidade Católica do Estado de Minas Gerais - PUC Minas (iniciada em 2014). Áreas de atuação: Direito Penal/Processual Penal, Juizados Especiais Federais e Direito de Família.

envie um e-mail para este autor

Resumo:

O Estatuto da Criança e do Adolescente (Lei n.º 8069/90) possui lacunas. Com o intento de incentivar mudanças neste, o Presidente da República sancionou o Projeto de Lei n.° 2.654/03.

Texto enviado ao JurisWay em 07/12/2010.

Última edição/atualização em 08/12/2010.



Indique este texto a seus amigos indique esta página a um amigo



Quer disponibilizar seu artigo no JurisWay?

 

O Estatuto da Criança e do Adolescente (Lei n.º 8069/90) possui lacunas. Com o intento de incentivar mudanças neste, o Presidente da República sancionou o Projeto de Lei n.° 2.654/03, cujo escopo refere-se à proibição do uso de castigos e punições corporais para fins educativos. Iniciativa da deputada Maria do Rosário no ano de 2003, foi a priori rejeitado pelos membros do Legislativo Nacional.

A palmada, artifício reiteradamente marcado na vida de menores de 18 anos e objeto coercitivo para garantir o bom comportamento dos filhos cederá lugar a punições que variam da advertência ao acompanhamento familiar se os pais procederem a ela.

Encaminha-se para a extrema proteção do Estado na unidade familiar. A regulamentação normativa do artigo 18 do referido diploma legal é uma mudança almejada, a qual dará de maneira explícita a definição de castigo: “ação de natureza disciplinar ou punitiva com o uso da força física que resulte em dor ou lesão à criança ou adolescente”.

Augusto Cury em seu livro Filhos Brilhantes, Alunos Fascinantes pondera que a violência estimula o comportamento agressivo das crianças fora do âmbito familiar. Assim, se houver punições com castigos físicos e humilhantes para finalidades pedagógicas, futuramente o filho terá grandes chances de utilizar tais práticas na composição de conflitos e diferenças.

O desenvolvimento de cidadãos e o crescimento enquanto sujeitos de direitos estão diretamente ligados ao direito à integridade física e psicológica da criança, a qual o Projeto de Lei n.º 2.654/03 visa resguardar. Esta pertinente questão ganhou fulgor com os incidentes recentes de castigos excessivos cometidos, como o da procuradora de Justiça aposentada Vera Lúcia Gomes e o da empresária Sílvia Calabresi Lima.

O “Levante a mão contra a palmada”, órgão coordenado por países europeus e com o objetivo de proibir totalmente as agressões, conta com 47 países membros. A Suécia foi a primeira a elaborar um ato normativo para coibir a prática, em 1979.

Educar é semear com sabedoria e colher com paciência. Esta frase aduz ser essencial aos pais o comprometimento de serem menos rigorosos com os filhos e melhor entender o lado emocional destes. Isto porque, sem comunicação e, mormente, criação adequada, as crianças sofrem com problemas diretamente relacionados, como ansiedade, depressão, baixa auto-estima e insegurança.

Sobre a égide do artigo 227 da Constituição da República Federativa do Brasil, os adolescentes e as crianças devem ficar salvo de qualquer forma de crueldade, violência, opressão e exploração. Desta forma, há a necessidade de se caracterizar a crueldade moderada da imoderada, haja vista o bom-senso e o equilíbrio dos pais na educação dos pupilos.

A aprovação do projeto pelo Congresso Nacional permitirá a incorporação do Brasil no seleto grupo de países que criaram a proibição. Contudo, deve-se analisar a tênue necessidade da “palmada” moderada para impor limites. Isto é apenas a solução para garantir que crianças não sejam adultos inaptos ao “não” e autoritários, afinal, “um tapinha não dói”.

Importante:
1 - Conforme lei 9.610/98, que dispõe sobre direitos autorais, a reprodução parcial ou integral desta obra sem autorização prévia e expressa do autor constitui ofensa aos seus direitos autorais (art. 29). Em caso de interesse, use o link localizado na parte superior direita da página para entrar em contato com o autor do texto.
2 - Entretanto, de acordo com a lei 9.610/98, art. 46, não constitui ofensa aos direitos autorais a citação de passagens da obra para fins de estudo, crítica ou polêmica, na medida justificada para o fim a atingir, indicando-se o nome do autor (Waléria Demoner Rossoni) e a fonte www.jurisway.org.br.
3 - O JurisWay não interfere nas obras disponibilizadas pelos doutrinadores, razão pela qual refletem exclusivamente as opiniões, ideias e conceitos de seus autores.

Nenhum comentário cadastrado.



Somente usuários cadastrados podem avaliar o conteúdo do JurisWay.

Para comentar este artigo, entre com seu e-mail e senha abaixo ou faço o cadastro no site.

Já sou cadastrado no JurisWay





Esqueceu login/senha?
Lembrete por e-mail

Não sou cadastrado no JurisWay




 
Copyright (c) 2006-2021. JurisWay - Todos os direitos reservados