JurisWay - Sistema Educacional Online
 
É online e gratuito, não perca tempo!
 
Cursos
Certificados
Concursos
OAB
ENEM
Vídeos
Modelos
Perguntas
Eventos
Artigos
Fale Conosco
Mais...
 
Email
Senha
powered by
Google  
 

DA NÃO OBRIGATORIEDADE DA ACEITAÇÃO DO CHEQUE NO ESTABELECIMENTO EMPRESARIAL


Autoria:

Antonio Rodrigo Candido Freire


Advogado, Mestre em direito(PUC-GO),pós graduado em Dir Empresarial,pós graduado em Dir Administrativo,pós graduado em Direito Penal, Especialista em análise de risco em concessão e recuperação de ativos, Palestrante e escritor.

envie um e-mail para este autor

Texto enviado ao JurisWay em 06/11/2010.

Última edição/atualização em 27/12/2010.



Indique este texto a seus amigos indique esta página a um amigo



Quer disponibilizar seu artigo no JurisWay?

DA NÃO OBRIGATORIEDADE DA ACEITAÇÃO DO CHEQUE NO ESTABELECIMENTO EMPRESARIAL

     

            O presente artigo traz à tona uma prática abusiva comum no comércio no que tange algumas restrições impostas pelas empresas para receber o título de crédito cheque como forma de pagamento. Alguns empresários insistem em não aceitar cheques cuja conta bancária é datada sob um prazo inferior a seis meses.

             Infringe a norma consumeirista, a imposição classificatória de tipo de clientes correntistas e portadores de talão de cheques e que irão usar estes para efetuar o pagamento de suas compras.

             Classificatória, pois tende a preferir uns em detrimento de outros, sendo que o pré requisito para recusar o cheque como forma de pagamento deve ser existência de restrições nos bancos de dados de informações e seus requisitos apresentados na lei do cheque, 7.357/85.

             O Código de Defesa do Consumidor, lei 8.078 em seu artigo 39, externa:

Art. 39. É vedado ao fornecedor de produtos ou serviços, dentre outras práticas abusivas:

V - exigir do consumidor vantagem manifestamente excessiva;

IX - recusar a venda de bens ou a prestação de serviços, diretamente a quem se disponha a adquiri-los mediante pronto pagamento, ressalvados os casos de intermediação regulados em leis especiais;

 

            Como é sabido a Constituição Brasileira manifesta que:

 

Art. 5º Todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza, garantindo-se aos brasileiros e aos estrangeiros residentes no País a inviolabilidade do direito à vida, à liberdade, à igualdade, à segurança e à propriedade, nos termos seguintes:

II - ninguém será obrigado a fazer ou deixar de fazer alguma coisa senão em virtude de lei;

 

            Desta feita, não há na legislação pátria nenhuma imposição da obrigatoriedade do recebimento do cheque em estabelecimento empresarial. Deve-se, portanto ficar atento às práticas consideradas abusivas pelo código de defesa do consumidor.

             Partindo da premissa da necessidade da existência de uma lei para tornar algo obrigatório, o empresário realmente não é obrigado a aceitar o cheque como forma de pagamento, porém se em seu estabelecimento a regra é aceitar, algumas imposições por este estabelecidas podem ter o condão negativo. Deve este empresário tornar claro e cristalino a forma em que o cheque poderá ser aceito, ou as condições devem ser pré estabelecidas e expostas, evitando assim o constrangimento para aqueles que não se enquadram nas condições da empresa.

             Pois bem, pela literalidade da lei, temos que na legislação consumeirista em seu artigo 39,adverte que é pratica abusiva:

“recusar a venda de bens ou a prestação de serviços, diretamente a quem se disponha a adquiri-los mediante pronto pagamento..”

 logo, é cristalino que a constituição no artigo 5º,assegura que:

 “Ninguém será obrigado a fazer ou deixar de fazer alguma coisa senão em virtude de lei.”

            Não existe conflito de norma neste caso, basta proceder a interpretação de forma lógica, onde uma norma não sobrepõe à outra, e tão somente norteia outras situações.

             Estampado está a vedação em recusa de pagamento com cheque pem justo motivo.  É claro que esta aceitação está condicionada a prévia aprovação de um cadastro efetuado por profissionais confiáveis.

 

            Acrescentando, o Código Civil Brasileiro adverte, em seu artigo 315, senão veja-se:

 

Art. 315. As dívidas em dinheiro deverão ser pagas no vencimento, em moeda corrente e pelo valor nominal, salvo o disposto nos artigos subseqüentes.

 

            Então, é cristalino que as dívidas, compras devem ser pagas em moeda corrente, ou seja, em Real, e toda outra forma, cartão de débito ou crédito é mera liberalidade e o comerciante tem a faculdade de aceitar ou não cheques em seu estabelecimento, pois o cheque não é uma forma de pagamento à vista, me sim oma ordem de pagamento a vista. É um meio de pagamento que não se materializa imediatamente mesmo podendo ser depositado no no banco no instante da negociação.

             A existência de informações restritivas constantes nos bancos de dados (EQUIFAX, SPC e SERASA) é considerada justa causa para não aceitar o cheque como forma de pagamento, informação restritiva esta que é de responsabilidade de quem inseriu a informação nos bancos de dados.

             A prática abusiva de requerer tempo mínimo de conta bancária para aceitar o cheque como forma de pagamento é banida pelos Órgãos de Defesa do Consumidor e punível com multa pecuniária, por se tratar de uma imposição que não encontra amparo legal.

             Mesmo sabendo que as estatísticas apontam que a ocorrência de devolução de cheques sem fundos em contas com menos de seis meses de abertura, é uma condição que coloca todos em um só constrangimento. A verdade é que não há como saber qual o cheque que será devolvido por um motivo ou outro, mesmo para aqueles que não constam restrições.

             Segundo Cesare Vivanti, o cheque é uma forma de pagamento à vista, e encontra norma reguladora estampada na lei 7.357/85 onde prevê que o cheque é sacado contra fundos disponíveis em casa bancária em nome do emitente. Deverá este cheque preencher os requisitos, senão veja-se:

 Art . 1º O cheque contêm:

I - a denominação ‘’cheque’’ inscrita no contexto do título e expressa na língua em que este é redigido;

II - a ordem incondicional de pagar quantia determinada;

III - o nome do banco ou da instituição financeira que deve pagar (sacado);

IV - a indicação do lugar de pagamento;

V - a indicação da data e do lugar de emissão;

VI - a assinatura do emitente (sacador), ou de seu mandatário com poderes especiais.

Parágrafo único - A assinatura do emitente ou a de seu mandatário com poderes especiais pode ser constituída, na forma de legislação específica, por chancela mecânica ou processo equivalente.

 

            Estando os requisitos acima elencados presentes e sendo efetuada a  prévia consulta junto aos bancos de dados, em caso de não havendo restriçãões é cediço que o cheque para ser recusado é obrigatória uma justa causa por parte da empresa.

             A recusa do cheque sem fundamento legal implica em possibilidade de obrigação de reparação por danos morais e materiais possivelmente causados pelo constrangimento, pois a recusa do cheque pelo pressuposto de tempo de existência de conta bancária tem carater suposição de insolvência ou inadimplência do consumidor.

             O artigo 315 do Código Civil exclui a obrigatoriedade de aceitação do cheque porém se o estabelecimento aceita, não poderá este recusar sob o argumento de tempo de existência de conta.

             Concluindo, a legislação não contempla uma obrigatoriedade de aceitação de cheque em estabelecimentos empresariais como forma de pagamento, mesmo que à vista. É facultado a empresa aceitar ou não este título de crédito, devendo esta estampar quais são os critérios previamente. Constitui prática abusiva punível pelo PROCON a recusa de cheque como forma de pagamento tendo como parâmetro o tempo de existência de conta bancária não havendo restrições em banco de dados. Para que seja evitada a responsabilidade do empresário em recusar um cheque em seu estabelecimento, necessário se faz que exista em sua sede e à vista do cliente um aviso de que “cheques somente serão aceitos com prévia aprovação de cadastro”. Com o cadastro, outras informações serão analisadas e em caso de reprovação deste, outros motivos poderão ser elencados não deixando margem para que possíveis indenizações.

 

 

 

 

Importante:
1 - Conforme lei 9.610/98, que dispõe sobre direitos autorais, a reprodução parcial ou integral desta obra sem autorização prévia e expressa do autor constitui ofensa aos seus direitos autorais (art. 29). Em caso de interesse, use o link localizado na parte superior direita da página para entrar em contato com o autor do texto.
2 - Entretanto, de acordo com a lei 9.610/98, art. 46, não constitui ofensa aos direitos autorais a citação de passagens da obra para fins de estudo, crítica ou polêmica, na medida justificada para o fim a atingir, indicando-se o nome do autor (Antonio Rodrigo Candido Freire) e a fonte www.jurisway.org.br.
3 - O JurisWay não interfere nas obras disponibilizadas pelos doutrinadores, razão pela qual refletem exclusivamente as opiniões, ideias e conceitos de seus autores.

Comentários e Opiniões

1) Adonai (07/05/2011 às 12:25:33) IP: 187.40.154.14
Confusa ao extremo, é como podemos definir essa interpretação. Senão vejamos: No Inciso IX do Art. 39 do CDC, o legislador não optou por definir a forma como se daria o "pronto pagamento" assegurando assim, a devida valorização dos títulos de créditos existentes em nossa economia. Por outra, o cheque caracateriza-se como forma de pagamento a vista, independente do tempo necessário para sua compensação. Assim, a recusa ao pagamento com cheque fere o estabelecido no Art. 2, I da Lei 1.521/51.


Somente usuários cadastrados podem avaliar o conteúdo do JurisWay.

Para comentar este artigo, entre com seu e-mail e senha abaixo ou faço o cadastro no site.

Já sou cadastrado no JurisWay





Esqueceu login/senha?
Lembrete por e-mail

Não sou cadastrado no JurisWay




 
Copyright (c) 2006-2020. JurisWay - Todos os direitos reservados