JurisWay - Sistema Educacional Online
 
Será o fim do JurisWay?
 
Cursos
Certificados
Concursos
OAB
ENEM
Vídeos
Modelos
Perguntas
Notícias
Artigos
Fale Conosco
Mais...
 
Email
Senha
powered by
Google  
 

RÉU CONSIDERADO POBRE NÃO PAGA FIANÇA


Autoria:

Beatricee Karla Lopes


Drª Beatricee Karla Lopes é Advogada Civilista e Criminalista - OAB/ES 15.171; pós-graduada em Civil e Penal; Escritora de Artigos Jurídicos; Membro Imortal da Academia de Letras da Serra-ES; Comendadora Cultural e Membro Imortal da Academia de Letras de São Mateus-ES; Comendadora Cultural da ONG Amigos da Educação e do Clube dos Trovadores Capixabas; Personalidade Cultural de 2017 do 3º Encontro Nacional da Sociedade de Cultura Latina do Brasil; Personalidade Artística e Cultural 2018; Poeta; Escritora Literária; e colunista do Censura Zero Notícias, no Facebook (@censura0). Contato: (27) 9.9504-4747, e-mail: beatriceekarla@hotmail.com, página do Facebook: @DraBeatricee, Grupo no Facebook: @Direitocensurazero e Instagran: @direitocensurazero. Para encontrar: #DraBeatricee.

Endereço: Rua Dr. Arlindo Sodré, 370 - Escritório de Advocacia
Bairro: Fátima, Tel.: 9.9504-4747

São Mateus - ES
29933-540


envie um e-mail para este autor

Texto enviado ao JurisWay em 12/07/2018.

Última edição/atualização em 18/07/2018.



Indique este texto a seus amigos indique esta página a um amigo



Quer disponibilizar seu artigo no JurisWay?

Em todos os casos de crimes que são afiançáveis, o juiz deve se ater, primeiramente, a adequação da medida à gravidade do crime, as circunstâncias do fato e as condições pessoais do Acusado ou Indiciado (art. 282, inc. II, do Código de Processo Penal [CPP]), e, em seguida, respeitar os Princípios da Proporcionalidade, da Razoabilidade, da Ponderação e da Homogeneidade. Daí, em se verificando que o agente não possui condições financeiras para pagar a fiança que o crime exige que se pague, ele poderá ser posto em Liberdade Provisória sem o pagamento da mesma, nos moldes do art. 325, § 1º, inc. I, do CPP. Para tanto, deverá cumprir algumas Medidas Cautelares, segundo o art. 350 do CPP, quais sejam: 1 - comparecer perante a autoridade, todas as vezes em que for intimado, senão a fiança será havida como quebrada; 2 - não poderá, também sob pena de quebramento da fiança, mudar de residência, sem prévia permissão da autoridade processante, ou ausentar-se por mais de 08 (oito) dias de sua residência, sem comunicar àquela autoridade o lugar onde será encontrado; e 3 – ser sujeito a outras Medidas Cautelares que a autoridade entender por bem ao caso concreto, que são aquelas previstas no art. 319 do CPP, como, por exemplo, a monitoração eletrônica. 

Se o Réu infringir, sem motivo justo, qualquer uma das obrigações a ele impostas ou praticar outra infração penal, será revogado o benefício (quebramento de fiança). Nesse caso, o juiz deverá verificar a necessidade de adequação da fiança, seu reforço ou, em último caso, a decretação da Prisão Preventiva, com base no art. 312, parágrafo único, do CPP.

Portanto, o fato é que há Ilegalidade em deixar um Réu pobre preso em razão da impossibilidade do pagamento de sua fiança. Logo, não é imprescindível que haja o pagamento de fiança para que o benefício da Liberdade Provisória seja concedido.

“Entendo que a medida cautelar de fiança não pode subsistir, pois ofende a sistemática constitucional que veda o fato de pessoas pobres ficarem presas preventivamente apenas porque não possuem recursos financeiros para arcar com o valor da fiança arbitrada”, concluiu Laurita Vaz, do Superior Tribunal de Justiça (STJ), na decisão que deferiu a liminar no Habeas Corpus nº 431.238.

No mais, importante dizer que a manutenção da pessoa presa até o pagamento de fiança viola o Princípio da Igualdade e da Dignidade da Pessoa Humana. Isso porque, o preso está impossibilitado de pagar a fiança por conta própria, pois ele dependerá de seus familiares ou amigos que, na maioria das vezes, sequer são intimados acerca do arbitramento da fiança.

Logo, apenas os presos que tenham amparo familiar e/ou amigável poderão ter a oportunidade de pagar a fiança, sendo que, para os demais, a imposição de fiança representa uma medida cautelar faticamente inexequível, pois como alguém que está preso pagará por algo monetariamente sem a ajuda de alguém que está solto?

Portanto, se o custodiado for juridicamente pobre é inexigível a fiança, restando caracterizado o Constrangimento Ilegal da custódia, lastreada na ausência de pagamento da pecúnia fixada.

Importante:
1 - Conforme lei 9.610/98, que dispõe sobre direitos autorais, a reprodução parcial ou integral desta obra sem autorização prévia e expressa do autor constitui ofensa aos seus direitos autorais (art. 29). Em caso de interesse, use o link localizado na parte superior direita da página para entrar em contato com o autor do texto.
2 - Entretanto, de acordo com a lei 9.610/98, art. 46, não constitui ofensa aos direitos autorais a citação de passagens da obra para fins de estudo, crítica ou polêmica, na medida justificada para o fim a atingir, indicando-se o nome do autor (Beatricee Karla Lopes) e a fonte www.jurisway.org.br.
3 - O JurisWay não interfere nas obras disponibilizadas pelos doutrinadores, razão pela qual refletem exclusivamente as opiniões, ideias e conceitos de seus autores.

Nenhum comentário cadastrado.



Somente usuários cadastrados podem avaliar o conteúdo do JurisWay.

Para comentar este artigo, entre com seu e-mail e senha abaixo ou faço o cadastro no site.

Já sou cadastrado no JurisWay





Esqueceu login/senha?
Lembrete por e-mail

Não sou cadastrado no JurisWay




 
Copyright (c) 2006-2019. JurisWay - Todos os direitos reservados