JurisWay - Sistema Educacional Online
 
É online e gratuito, não perca tempo!
 
Cursos
Certificados
Concursos
OAB
ENEM
Vídeos
Modelos
Perguntas
Eventos
Artigos
Fale Conosco
Mais...
 
Email
Senha
powered by
Google  
 

Evolução do Direito Falimentar no Brasil


Autoria:

Antonio Teixeira


Advogado. Mestre em Direito Constitucional. MBA Direito Tributário. Especializado em Direito Público e em Direito Previdenciário. Professor de Cursos de Graduação e Pós-graduação.

envie um e-mail para este autor

Outros artigos da mesma área

Resumo dos principais aspectos da Recuperação Judicial e da Falência

Possibilidade de transformação do Empresário Individual em Sociedade Empresária

ORIGEM E EVOLUÇÃO HISTÓRICA DAS JOINT VENTURES

AUTO FALÊNCIA-UM SUICÍDIO NECESSÁRIO

A CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL DE 1988 E O DIREITO COMERCIAL

A divisão do capital social em quotas, nas sociedades limitadas.

A Possibilidade do Magistrado integrar uma sociedade empresarial

As restrições à participação estrangeira em empresas jornalísticas e de radiodifusão sonora e de imagens

DESCONSIDERAÇÃO DA PERSONALIDADE JURIDICA NAS RELAÇÕES DE CONSUMO, NA ÓTICA DO DIREITO EMPRESARIAL

Inclusão de bens gravados com garantia de alienação fiduciária na recuperação judicial (AgInt no CC 162066 / CE)

Mais artigos da área...

Resumo:

Desde o Código Comercial de 1850, nosso processo falimentar era aplicável apenas ao comerciante. Somente com a atual lei de falências (Lei 11.101/2005), passamos a ter a falência do empresário.

Texto enviado ao JurisWay em 14/02/2017.



Indique este texto a seus amigos indique esta página a um amigo



Quer disponibilizar seu artigo no JurisWay?

 

1.      1. Origem

Ao longo da história, sempre observarmos pessoas que assumiam obrigações e não conseguiam quitá-las na data acordada. Quando o ser humano passou a viver em sociedade, houve a necessidade do desenvolvimento do sistema de trocas. Como não somos auto suficientes, temos a necessidade de adquirirmos os produtos necessários à sobrevivência.

Durante o Império Romano, o indivíduo respondia pelas obrigações firmadas com a sua própria liberdade pessoal. Em caso de inadimplemento, o devedor era convertido em escravo. Sublinhamos que a palavra falência tem sua origem no vocábulo latim fallere, que significa falta.  

No entanto, o método de responsabilização corporal gerou muitos problemas e o direito romano evoluiu, passando a fixar que a responsabilidade pelas dívidas recairia sobre os bens do inadimplente.

 

2.                 Separação entre falência civil e falência comercial

Outro desenvolvimento importante residiu na estruturação de um direito falimentar com regras próprias e aplicável aos que praticavam o comércio. A nova legislação era destinada apenas ao empresário, não se estendendo ao devedor civil.

A mudança foi consolidada com o Código Comercial Napoleônico de 1808, que regulamentou o instituto da falência com regras aplicáveis somente ao comerciante. A separação entre direito civil e direito empresarial traria, como consequência, uma separação de regras entre o devedor comerciante e o civil.   

Sob a influência da legislação napoleônica, o nosso Código Comercial de 1850, regulamentou a falência aplicável ao praticante do comércio, nos termos de seu artigo 797 e 805:

Art. 797. Todo o comerciante que cessa os seus pagamentos, entende-se quebrado ou falido.  

Art. 805 - Todo o comerciante que tiver cessado os seus pagamentos é obrigado, no preciso termo de três dias, a apresentar na Secretaria do Tribunal do Comércio do seu domicílio uma declaração datada, e assinada por ele ou seu procurador, em que exponha as causas do seu falimento, e o estado da sua casa; ajuntando o balanço exato do seu ativo e passivo (art. 10 nº 4), com os documentos probatórios ou instrutivos que achar a bem. Esta declaração, de cuja apresentação o Secretário do Tribunal deverá certificar o dia e a hora, e da qual se dará contrafé ao apresentante, fará menção nominativa de todos os sócios solidários, com designação do domicílio de cada um, quando a quebra disser respeito a sociedade coletiva (arts. 311, 316 e 811)

Com a proclamação da república, sobrevieram novas legislações sobre a falência, como o Decreto nº 917/1890, a Lei nº 859/1902, Lei nº 2.024/1908 e a Lei nº 5.746/1929. Todas, no entanto, mantinham a falência ligada ao comerciante.  

O Decreto-lei 7.661, de 21 de junho de 1945, trouxe importantes avanços ao direito falimentar, mas ainda restringia a aplicação da falência a quem exercia o comércio, como fixado em seu artigo 1º:

Art. 1º. Considera-se falido o comerciante que, sem relevante razão de direito, não paga no vencimento obrigação líquida, constante de título que legitime a ação executiva.     

O Decreto-lei 7.661, em seu artigo 3º, aumentava o rol de falidos, mas as novas hipóteses também estavam ligadas ao comércio, como evidencia a redação da referida norma:

                        Art. 3º. Pode ser declarada a falência:

                        I – do espólio do devedor comerciante;

II – do menor, com mais de dezoito anos, que mantém estabelecimento comercial, com economia própria;

III – da mulher casada que, sem autorização do marido, exerce o comércio, por mais de seis meses, fora do lar conjugal;

IV – dos que, embora expressamente proibidos, exercem o comércio.  

3.      3. A falência do empresário

Em 09 de fevereiro de 2005, entrou em vigor a Lei 11.101, que regula a recuperação judicial, a extrajudicial e a falência do empresário e da sociedade empresária. Alinhada à teoria de empresa, a nova legislação prevê, em seu artigo 1º, a sua aplicação ao empresário, ao invés do comerciante, nos seguintes termos:

Art. 1º. Esta lei disciplina a recuperação judicial, a recuperação extrajudicial e a falência do empresário e da sociedade empresária, doravante referidos simplesmente como devedor.  

    Agora, todos os agentes econômicos estão submetidos ao direito falimentar, apenas excepcionando-se os elencados no artigo 2º da referida lei:

                        Art. 2º. Esta Lei não se aplica a:

                        I – empresa pública e sociedade de economia mista;

II – instituição financeira pública ou privada, cooperativa de crédito, consórcio, entidade de previdência complementar, sociedade operadora de plano de assistência à saúde, sociedade seguradora, sociedade de capitalização e outras entidades legalmente equiparadas às anteriores.

             

Importante:
1 - Conforme lei 9.610/98, que dispõe sobre direitos autorais, a reprodução parcial ou integral desta obra sem autorização prévia e expressa do autor constitui ofensa aos seus direitos autorais (art. 29). Em caso de interesse, use o link localizado na parte superior direita da página para entrar em contato com o autor do texto.
2 - Entretanto, de acordo com a lei 9.610/98, art. 46, não constitui ofensa aos direitos autorais a citação de passagens da obra para fins de estudo, crítica ou polêmica, na medida justificada para o fim a atingir, indicando-se o nome do autor (Antonio Teixeira) e a fonte www.jurisway.org.br.
3 - O JurisWay não interfere nas obras disponibilizadas pelos doutrinadores, razão pela qual refletem exclusivamente as opiniões, ideias e conceitos de seus autores.

Nenhum comentário cadastrado.



Somente usuários cadastrados podem avaliar o conteúdo do JurisWay.

Para comentar este artigo, entre com seu e-mail e senha abaixo ou faço o cadastro no site.

Já sou cadastrado no JurisWay





Esqueceu login/senha?
Lembrete por e-mail

Não sou cadastrado no JurisWay




 
Copyright (c) 2006-2020. JurisWay - Todos os direitos reservados