JurisWay - Sistema Educacional Online
 
Kit com 30 mil modelos de petições
 
Cursos
Certificados
Concursos
OAB
ENEM
Vídeos
Modelos
Perguntas
Eventos
Artigos
Fale Conosco
Mais...
 
Email
Senha
powered by
Google  
 

Aposentadoria. Benefício, Decepção ou Injustiça ?


Autoria:

Sergio Araújo Nunes


Advogado, pós graduado em direito tributário pela Universidade Gama Filho, e em Docência Superior pela Faculdade Redentor, ex-Consultor do IBAM, ex-Procurador Geral de Municípios no Rio de Janeiro, e Consultor do CEASP/RJ.

envie um e-mail para este autor

Resumo:

Neste trabalho apresentamos pretendemos familiarizar os contribuintes da previdencia social sobre as alterações da legislação previdenciária que ao longo dos últimos anos vem acarretando redução nas aposentadorias e decepção aos trabalhadores.

Texto enviado ao JurisWay em 22/08/2010.



Indique este texto a seus amigos indique esta página a um amigo



Quer disponibilizar seu artigo no JurisWay?

         A tão alardiada mudança nas regras das aposentadorias dos trabalhadores que ao longo de suas vidas contribuíram para formar a poupança que, acreditam irá possibilitá-los a gozar de uma vida melhor na terceira idade vem causando certa decepção aos segurados da previdência social.

         Muitos não se deram conta de que o nome do benefício previdenciário mudou. Antes era aposentadoria por tempo de serviço. Agora é aposentadoria por tempo de contribuição. Portanto, quem não contribuiu para a previdência social não terá aposentadoria. Certo ?

 

          Pois bem, um grande contingente de pessoas que ao longo dos últimos 30 ou 35 anos contribuíram para o INSS, e estão prestes a alcançar o chamado benefício da aposentadoria por tempo de contribuição, já devem começar a se preparar psicologicamente para não terem uma grande decepção ao receber a tão esperada carta de concessão de benefícios.

 

          Vamos tentar entender que mudanças são essas e o que isso tem a ver com você que sempre trabalhou e contribuiu para a previdência social, por anos a fio, para ao final da vida poder contar com uma renda que atenda às suas necessidades básicas.

 

          As mudanças preconizadas surgiram com Emendas à Constituição, e com leis federais de constitucionalidade duvidosa, as quais, s.m.j., afrontam a princípios fundamentais que norteiam o Estado Democrático de Direito entre nós implantados com Constituição Cidadã de 1988.

 

          Com uma manobra legislativa, criou-se o chamado fator previdenciário, cuja finalidade foi diminuir o chamado déficit previdenciário que hoje alcança mais de 21,5 bilhões de reais (grande parte desse dinheiro foi desviado dos cofres da previdência mediante fraude). Com isso, reduziu-se em mais de 40% o valor dos benefícios que os segurados teriam o direito de receber.

 

          Antes, os benefícios da aposentadoria por tempo de serviço eram calculados com base na média das 36 últimas contribuições ao INSS devidamente corrigidas. Daí, você comprovava o tempo de serviço (30 ou 35 anos, se mulher ou homem), e o benefício era concedido com base no critério mencionado, ou seja, o valor da aposentadoria correspondia a média dos 36 últimos salários de contribuição.

 

           Com a criação do fator previdenciário, os cálculos passaram a considerar a média de 80% das maiores contribuições, levando-se em conta as contribuições efetuadas a partir de partir de julho de 1994, até a data do requerimento do benefício, e a expectativa de sobrevida do segurado.

 

          Isto significa dizer que antes eram utilizadas 36 contribuições, hoje são utilizados 80% da média aritmética de 180 ou mais, das maiores contribuições, para efeitos do cálculo do valor sobre o qual incidirá o fator previdenciário, para então encontrar o reduzido valor do benefício que o segurado irá receber.

 

          Afora as várias discussões e propostas para se acabar com o fator previdenciário, dentre elas a de considerar como média 70% das maiores contribuições, a de criar-se a fórmula 85/75, acabando com a influência da expectativa de sobrevida sobre os cálculos do benefício previdenciário, dentre outras, o certo é que até agora nada avançou.

 

          O Poder Legislativo chegou a aprovar a extinção do fator previdenciário, mas o Poder Executivo vetou a medida, e retornou o projeto para que o legislativo aprecie o veto.

 

          A esperança daqueles que como nós defendemos a extinção do fator previdenciário é que o Congresso Nacional rejeite (ou derrube) o veto do Presidente da República. Só assim se restabelecerá os critérios anteriormente adotados, melhorando significativamente a situação dos contribuintes da previdência social que se aposentarem por tempo de contribuição.

 

          Há ainda situações de segurados que encontram-se em situações mais delicadas. Refiro-me aqueles que por qualquer motivo foram demitidos ou por vontade própria deixaram de ser empregados e, após deixarem seus empregos de carteira assinada, passaram a exercer atividades autônomas por determinado período, mas esqueceram, não sabiam, ou não tiveram condições de continuar contribuindo para a previdência social na qualidade de autônomo.

 

          Várias são as situações que na prática vem ocorrendo quando esses trabalhadores procuram a previdência social e tomam conhecimento de que, embora tenham trabalhado por mais de 35 anos, não preenche as condições necessárias a obter o benefício, sendo mais comum os casos de não terem o número suficiente de contribuições exigidas para aposentadoria.

 

          No próximo artigo vamos a situação dos segurados que nos últimos 35 anos exerceu atividades simultâneas de empregado e autônomo, e que voltaram a ser empregados, mas não efetuaram o recolhimento das contribuições ao INSS do período que trabalhou como autônomo, e mesmo já tendo o tempo suficiente não conseguem obter a sonhada aposentadoria.

 

          Se você se encontra em uma dessas situações, colabore com este fórum deixando aqui o seu comentário para que possamos analisar e contribuir com outras pessoas. Participe. nunesadv@bol.com.br

Importante:
1 - Conforme lei 9.610/98, que dispõe sobre direitos autorais, a reprodução parcial ou integral desta obra sem autorização prévia e expressa do autor constitui ofensa aos seus direitos autorais (art. 29). Em caso de interesse, use o link localizado na parte superior direita da página para entrar em contato com o autor do texto.
2 - Entretanto, de acordo com a lei 9.610/98, art. 46, não constitui ofensa aos direitos autorais a citação de passagens da obra para fins de estudo, crítica ou polêmica, na medida justificada para o fim a atingir, indicando-se o nome do autor (Sergio Araújo Nunes) e a fonte www.jurisway.org.br.
3 - O JurisWay não interfere nas obras disponibilizadas pelos doutrinadores, razão pela qual refletem exclusivamente as opiniões, ideias e conceitos de seus autores.

Comentários e Opiniões

1) Sergio (13/05/2015 às 21:50:14) IP: 177.223.0.29
Câmara dos Deputados acaba de aprovar (agora às 21:33 horas de 13/05/15) o destaque do Deputado Arnaldo farias de Sá que incluiu na Medida Provisória 664 o fim do Fator Previdenciário por 232 votos a favor a 210 votos contra.


Somente usuários cadastrados podem avaliar o conteúdo do JurisWay.

Para comentar este artigo, entre com seu e-mail e senha abaixo ou faço o cadastro no site.

Já sou cadastrado no JurisWay





Esqueceu login/senha?
Lembrete por e-mail

Não sou cadastrado no JurisWay




 
Copyright (c) 2006-2021. JurisWay - Todos os direitos reservados