JurisWay - Sistema Educacional Online
 
JurisWay - Benefícios Previdenciários com Certificado
 
Cursos
Certificados
Concursos
OAB
ENEM
Vídeos
Modelos
Perguntas
Notícias
Artigos
Fale Conosco
Mais...
 
Email
Senha
powered by
Google  
 

MODELO DE AÇÃO DE COBRANÇA DE HONORARIO DE PROFISSIONAL LIBERAL


Autoria:

Aparecida Donizetti De Andrade


iniciei a faculdade de direito aos 50 anos na Universidade de Ribeirão Preto. Trabalho com imoveis comerciais e industriais, agora que conclui meu curso estou fazendo pós em direito imobiliario

envie um e-mail para este autor

Outros artigos do mesmo autor

NOÇÕES GERAIS DE DIREITO DE FAMILIA
Direito de Família

MODELO DE EMBARGOS DE DECLARAÇÃO
Direito Penal

INSTITUTO DA COLAÇÃO
Direito das Sucessões

MODELO DE MEMORIAL DE DEFESA
Direito Penal

TESTAMENTO
Direito das Sucessões

Mais artigos...

Texto enviado ao JurisWay em 10/06/2010.



Indique este texto a seus amigos indique esta página a um amigo



Quer disponibilizar seu artigo no JurisWay?

EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ DE DIREITO DA ____VARA CIVEL  DA COMARCA DE SERTÃOZINHO – ESTADO DE SÃO PAULO

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

                                                 DAGOBERTO MATOS, brasileiro, casado, engenheiro civil, CREA nº 2.365, portador do RG nº 2.355.658 e CPF nº 235.356.785-06, residente e domiciliado na Avenida João Fiúza nº 2568, Jardim Botânico, na cidade de Ribeirão Preto, vem, respeitosamente, à douta presença de Vossa Excelência, através de sua advogada que a presente subscreve propor:

 

 

 

 AÇÃO DE COBRANÇA DE HONORARIO DE PROFISSIONAL LIBERAL pelo procedimento sumário com base no artigo 275, “f” do CPC, em face de:

 

 

 

                                                  WASHINGTON CAMPOS, brasileiro, empresário, casado, portador do RG nº 1.358.974 e do CPF nº 235.987.365-05, residente e domiciliado à Avenida Plínio de Castro Prado, 584 apartamento 12, Bairro Jardim Paulistano, na cidade de Ribeirão Preto.

 

 

                                                  DOS FATOS

 

 

                                                 O autor exerceu sua função de engenheiro civil frente à obra da residência do réu na cidade de Sertãozinho, à Avenida Castro Alves, nº 1245, Bairro Centro, o autor esteve à frente da construção o tempo todo, trabalhou na obras durante nove meses seguidos, ao termino do trabalho, na entrega da construção pronta, o contratante negou-se a paga-lo alegando que estava sem dinheiro.

 

 

                                                 O autor firmou, expressamente, com o réu compromisso verbal, pois o considerava pessoa de sua confiança. Muito embora não sirva como prova escrita para os fins do artigo 1.102-A do CPC, o autor tem um email (doc. 01) com o orçamento dos serviços no valor de R$ 30.000,00(trinta mil reais) que apresentou ao requerido antes do inicio das obras, combinado o serviço, acertado valores, foram iniciadas as obras sob o comando do autor com o devido acompanhamento do requerido.

 

 

                                                 Para provar que seu trabalho foi realmente efetuado o autor possui além das fotos (doc. 02) da construção após o seu término como também o testemunho do empreiteiro e do fornecedor de materiais de construção, ambos podem afirmar com convicção que o engenheiro desempenhou seu trabalho com total profissionalismo seriedade e lisura não se importando com horário, desde que ficasse a contento do proprietário.

 

 

                                                 A má-fé se tornou visível, solarmente, em razão do requerido não ter se prontificado a nenhuma proposta para o pagamento do autor. Diante à inércia do requerido, o autor tentou de todas as maneiras uma negociação amigável, inclusive o parcelamento do débito, como não obteve êxito, o autor lhe enviou uma notificação extrajudicial (doc. 03) para lhe dar conhecimento de que entraria com a ação caso o mesmo não se prontificasse a cumprir com sua obrigação, mesmo assim não obteve êxito.

 

 

                                                 Considerando que o silêncio produz efeitos jurídicos, parece mesmo que o requerido concordou com a cobrança, ao se manter silente diante da notificação que se lhe dirigiu, contestando os termos de sua conduta e da sua manifestação de vontade e, ainda, cobrando-lhe o pagamento integralmente, como efetivamente é devedor. Apesar do seu silencio, no entanto, nada até o presente pagou ao autor, justificando a propositura desta ação voltada à cobrança.

 

 

                                                  DO DIREITO

 

 

                                                  Conforme demonstrado, o autor realmente executou os serviços autorizados pelo réu, pois não há como alegar ao contrario, se olharmos o tempo gasto na obra, o requerido não pode ignorar quanto ao fato, se o trabalho não estivesse de seu agrado teria parado o serviço ou substituído o engenheiro, o que não ocorreu.

 

 

Trata a súmula 363 do STJ:

 

 

“Sobre competência para processar e julgar as ações de cobrança entre profissão liberal e cliente na qual o STJ sumulou entendimento de que tal competência cabe a Justiça Comum.

 

 

Dispõe o artigo 389 do Código Civil:

                       

 

 

 “Não cumprida à obrigação responde o devedor por perdas e danos, mais juros e atualização monetária segundo índices oficiais regularmente estabelecidos, e honorários de advogado.”                                       

 

 

 

 

                                                  Conforme lição de SILVIO RODRIGUES:

 

“A conseqüência do inadimplemento da obrigação é, assim, o dever de reparar o prejuízo. De modo que, se a prestação não foi cumprida, nem puder sê-lo, proveitosamente, para o credor, apura-se qual o dano que este experimentou, impondo-se ao inadimplente o mister de indenizá-lo.”

               

 

 

                                                  A pretensão do autor é tão somente receber o que lhe é devido pelos serviços prestados.

 

 

 

 Assim ensina Humberto Theodoro Júnior:

 É verdade que o Juiz, na execução, não age mecanicamente como um simples cobrador a serviço do credor. Sendo a execução parte integrante da jurisdição, que corresponde ao poder dever de realizar concretamente a vontade da ordem jurídica através do processo para eliminar uma situação litigiosa, é claro que a atividade executiva jurisdicional está subordinada a pressupostos de legalidade e legitimidade. E, por conseguinte, antes de autorizar a agressão patrimonial contra o devedor, terá o Juiz de verificar a satisfação desses requisitos jurídicos, praticando uma cognição e fazendo acertamento sobre eles" (Processo de Execução, 1983, p. 463).”  

                                                                 

 

 

                                                 Ressaltamos que a vitima, no caso em tela o autor, participou da obra desde a execução do projeto, assinado também pelo requerido (doc. 04), passando por todas as etapas, planilhas, cronogramas, fiscalização, INSS, habites, organizou e sistematizou o canteiro de obras, teve todo o cuidado no controle de materiais diretamente com os fornecedores, aprovados antecipadamente pelo réu, coordenou toda a equipe de trabalho do empreiteiro até o mais raso funcionário, buscando obter resultados acima do esperado e com qualidade, portanto carece do recebimento pelos seus serviços feitos sob a determinação do requerido, de forma perfeita e satisfatória.

 

  

                                                  DOS PEDIDOS

 

 

                                                  Presente o exposto, requer o autor:

 

a)     – seja esta recebida, determinando a citação do réu, por meio de oficial de justiça, para que caso queira, apresente contestação, sob pena de reputarem-se verdadeiros, como efetivamente o são, todos os fatos alegados nesta inicial (art. 319 do CPC);

 

b)     – requer, por conseguinte, face às provas acostadas com a presente inicial, em consonância com a pretensão invocada com esta, que seja, ao final, julgada procedente a ação, declarando-se o credito do autor no montante de R$ 30.000,00(quarenta e cinco mil reais) a serem corrigidos;

 

 

c)      – que seja permitida a produção de todos os meios de provas admitidas em direito, juntada de novos documentos quanto necessário, pericia, bem como oitiva de testemunhas, notadamente o depoimento pessoal do réu sob pena de confissão;

 

d)     – requer a condenação do réu nas custas processuais e principalmente nos honorários advocatícios, arbitrados por Vossa Excelência.

 

 

 Atribui-se a causa, o valor de R$ 30.000,00(trinta mil reais). 

 

 

 

 

 

 

                                                             Termos em que,

                                                             P. Deferimento.

                                                             Ribeirão Preto, 28 de agosto de 2009

 

 

 

 

 

 

 

                                                              APPARECIDA D. ANDRADE

                                                              Advogada – OAB/SP nº 784.378

 

 

 

 

 

 

 

 

ROL DE TESTEMUNHAS:

 

- Jose Geraldo Santos, brasileiro, casado, empreiteiro, residente e domiciliado à Rua Conde Afonso Celso nº 345, Sertãozinho, Estado de São Paulo

 

- Carlos Eduardo Guimarães, brasileiro, casado, empresário, residente e domiciliado à Rua Carlos Chagas, 450, Sertãozinho, Estado de São Paulo

Importante:
1 - Conforme lei 9.610/98, que dispõe sobre direitos autorais, a reprodução parcial ou integral desta obra sem autorização prévia e expressa do autor constitui ofensa aos seus direitos autorais (art. 29). Em caso de interesse, use o link localizado na parte superior direita da página para entrar em contato com o autor do texto.
2 - Entretanto, de acordo com a lei 9.610/98, art. 46, não constitui ofensa aos direitos autorais a citação de passagens da obra para fins de estudo, crítica ou polêmica, na medida justificada para o fim a atingir, indicando-se o nome do autor (Aparecida Donizetti De Andrade) e a fonte www.jurisway.org.br.
3 - O JurisWay não interfere nas obras disponibilizadas pelos doutrinadores, razão pela qual refletem exclusivamente as opiniões, ideias e conceitos de seus autores.

Nenhum comentário cadastrado.



Somente usuários cadastrados podem avaliar o conteúdo do JurisWay.

Para comentar este artigo, entre com seu e-mail e senha abaixo ou faço o cadastro no site.

Já sou cadastrado no JurisWay





Esqueceu login/senha?
Lembrete por e-mail

Não sou cadastrado no JurisWay




 
Copyright (c) 2006-2018. JurisWay - Todos os direitos reservados