JurisWay - Sistema Educacional Online
 
JurisWay - Novo CPC com Certificado
 
Cursos
Certificados
Concursos
OAB
ENEM
Vídeos
Modelos
Perguntas
Notícias
Artigos
Fale Conosco
Mais...
 
Email
Senha
powered by
Google  
 

Filosofia da violência 2


Autoria:

Marcos Antonio Duarte Silva


Doutorando em Ciências Criminais,Mestre em Filosofia do Direito e do Estado(PUC/SP), Especialista em Direito Penal e Processo Penal(Mackenzie), Teólogo e Bacharel em Direito, Professor de Direito, Pesquisador Grupo GEDAIS/PUC Pesquisador CNPq.

envie um e-mail para este autor

Resumo:

Observar a violência sob um aspecto sociologico, tendo como ponto de partida a filosofia, entrebulando o abstratismo com o realismo. Nesta excursão verficar-se-á a planilha das reações humana ante o fenomêno da violência encontrar equlibrio.

Texto enviado ao JurisWay em 20/10/2009.



Indique este texto a seus amigos indique esta página a um amigo



Quer disponibilizar seu artigo no JurisWay?

1)    A violência é projetada todos os dias

 

     Na apoteótica linguagem do Dr. Márcio Pugliese em memorável aula, encontramos sobre este contexto exposto “modular a consciência possível, não ver o que está a sua frente”. PUC, 17/08/2009.

     Assim sendo a história que nos elege, propicia a mais cruel das violências a punição como retribuição em sua mais alta esfera: a violência não vista.

     Como seres em distante equilíbrio concorremos sobre o teatro de operações como máquinas desaparelhadas para um inusitado território desconhecido, apenas por uma objeção sem sentido chamada de civilidade, ou seja, não vemos nada além daquilo que nomeamos como normal independente do valor aquilatado desta escolha. Evita-se desta forma, perceber as projeções mentais que temos acesso, com a desculpa de simplesmente não enxergarmos.

     Trata-se de uma fuga da realidade, para implementar uma excursão ao nosso consciente, regredindo a forma de percepção natural.Assim fazendo há evidente impossibilidade de “contemplar para descobrir novas coisas”. Dr. Márcio Pugliese, PUC, Teoria do Direito – 24/08/2009.

      Daí mais do que cunhar a expressão compete-nos observá-la sob outros olhos, insistimos no catedrático eloqüente “entre eu e mim há muitos outros”, Dr. Márcio Pugliese, PUC/SP, 17/09/2009.

      Sentir o que passa perceber e atingir o aspecto social não pode ser apenas mero discurso informativo, a de se buscar conciliar uma análise mais robusta do assunto com o ocorrido para que haja senso de comum sem evitar confronto iminente e necessário para o avanço tecnológico e preservativo.

      Nesta esteira de comentários assimétricos importante é citar o filosofo Martin Heidegger, em seu livro, O que é isto - a filosofia? Identidade e Diferença:

      “Mas somente se nos voltarmos pensando para o já pensado, seremos convocados para o que ainda está para ser pensado”. p. 52

 

        Este é sem margem de dúvida um convite a refletirmos sobre nosso papel na questão violência. Uma sociedade onde pessoas fogem com receio de visualizar e pretender participar ativamente dos problemas enfrentados para a condução de uma situação melhor de vida. Não se trata do outro, não se trata do vizinho, aprender é preciso enfaticamente a vivenciar que esta é uma situação maior do que o esforço até agora empreendido, caso contrário, ninguém alcançará o objetivo primeiro que é ser feliz.

      Estar em comunidade precede a ideia do coletivo há uma ideia mais abarcante do que só estar, tem que pertencer sentir-se inserido na esfera magistral das condições humanas possíveis para aceitar o bastião agregador. Não cumpre apenas olhar tem que ver com olhos de quem aspira mais, isto faz toda a diferença.

      Ao estar nesta preponderância pode-se afirmar como o decano “comunidade, manter o sentido”, op.cit., PUC/SP, 24/09/2009. Este sentido tem o som de equilíbrio, aumentando

      “a mútua cooperação, também tendam a tornar-se idênticas... (sic) conservando assim um relacionamento fluido de complexidade elevada, mas equilibrado”. Teoria do Direito, Dr. Márcio Pugliese, p. 43.

      A digressão imaginando o que seria sem haver violência, sem miséria, sem pessoas deitadas nas ruas, andarilhos sem fronteiras, excesso de centralização de riquezas, não precisaria ser um devaneio, poderia se chegar enfim na imaginada sociedade cercada de utilidade para os chamados cidadãos.

      Não seria pedir demais antever esta realização calcada na felicidade, onde se quebraria a barreira do desconhecido. Impossível? Quem sabe, cumpre-nos sonhar. E deixar o anonimato para quem vive apenas o agora.

 

 

 

Importante:
1 - Conforme lei 9.610/98, que dispõe sobre direitos autorais, a reprodução parcial ou integral desta obra sem autorização prévia e expressa do autor constitui ofensa aos seus direitos autorais (art. 29). Em caso de interesse, use o link localizado na parte superior direita da página para entrar em contato com o autor do texto.
2 - Entretanto, de acordo com a lei 9.610/98, art. 46, não constitui ofensa aos direitos autorais a citação de passagens da obra para fins de estudo, crítica ou polêmica, na medida justificada para o fim a atingir, indicando-se o nome do autor (Marcos Antonio Duarte Silva) e a fonte www.jurisway.org.br.
3 - O JurisWay não interfere nas obras disponibilizadas pelos doutrinadores, razão pela qual refletem exclusivamente as opiniões, ideias e conceitos de seus autores.

Comentários e Opiniões

1) Maria (19/05/2011 às 12:38:14) IP: 187.34.122.110
É Professor Marcos.

Estas reflexões são por demais profundas para interessarem a sociedade egocêntrica que se apresenta agora diante de nós. Trazê-las a superfície, fazer emergirem as sombras que estão à espreita de uma oportunidade de mostrar sua existência e encobrir a beleza que falseia a realidade dos que não querem ver além daquilo que lhes aprazem, esta é a maior dificuldade e, quando se consegue geralmente não se consegue ir além desta reflexão, quiçá um dia atinja-se a uma ação.
2) Maria (22/05/2011 às 13:41:29) IP: 189.19.140.149
Estas reflexões são por demais profundas para interessarem a sociedade egocêntrica que se apresenta agora diante de nós. Trazê-las à superfície, fazer emergirem as sombras que estão à espreita de uma oportunidade de mostrar sua existência e encobrir a beleza que falseia a realidade dos que não querem ver além daquilo que lhes aprazem, esta é a maior dificuldade e, quando se consegue, geralmente não se consegue ir além desta reflexão, quiçá um dia atinja-se a uma ação.


Somente usuários cadastrados podem avaliar o conteúdo do JurisWay.

Para comentar este artigo, entre com seu e-mail e senha abaixo ou faço o cadastro no site.

Já sou cadastrado no JurisWay





Esqueceu login/senha?
Lembrete por e-mail

Não sou cadastrado no JurisWay




 
Copyright (c) 2006-2019. JurisWay - Todos os direitos reservados