JurisWay - Sistema Educacional Online
 
Kit com 30 mil modelos de petições
 
Cursos
Certificados
Concursos
OAB
ENEM
Vídeos
Modelos
Perguntas
Eventos
Artigos
Fale Conosco
Mais...
 
Email
Senha
powered by
Google  
 

A filosofia da religião e seus valores atuais


Autoria:

Marcos Antonio Duarte Silva


Doutorando em Ciências Criminais, Doutorando em Teologia e Mestre em Filosofia do Direito e do Estado(PUC/SP), Mestre em Teologia, Especialista em Direito Penal e Processo Penal(Mackenzie), Especialista em Filosofia Contemporânea; Especialista em Psicanálise, formação em Psicanálise Clínica, Psicanálise Integrativa e Psicanálise Análise e Supervisão Licenciado em Filosofia, formado em Direito,Jornalista, Psicanalista Clínico,Professor de Pós Graduação.

envie um e-mail para este autor

Resumo:

A filosofia vem contribuir com a questão da religião em seu aspecto mais decisivo, ou seja, demonstrar que é válida, que é possível e que além disso, não há nenhum problema professar, nos dias atuais, possuir uma religião, muito pelo contrário.

Texto enviado ao JurisWay em 26/03/2024.



Indique este texto a seus amigos indique esta página a um amigo



Quer disponibilizar seu artigo no JurisWay?

 

Marcos Antônio Duarte Silva
Doutorando em Ciência Criminal; Mestre em Filosofia do Direito e do Estado; Especialista em Filosofia Contemporânea; Especialista em Direito Penal e Processo Penal; Licenciado em Filosofia; Bacharel em Direito; Graduado em Teologia; Professor Universitário.

 

Resumo: A filosofia vem contribuir com a questão da religião em seu aspecto mais decisivo, ou seja, demonstrar que é válida, que é possível e que além disso, não há nenhum problema professar, nos dias atuais, possuir uma religião, muito pelo contrário, assim como outras épocas da história universal humana, a religião assume um papel preponderante, e nada secundário e não é diferente nesta época pós pandemia é certo que em um colapso social como este ocorrido, sem explicação inicial, sem cura imediata, sem controle no seu começo; a religião passou a ser a única solução para tentar amenizar os efeitos catastróficos produzidos pela COVID 19; por ser algo que para se poder professar, não exigia muito a não ser fé; e acreditar no impossível, pois, frente aos fatos decorrentes deste momento trágico da humanidade, nada mais restava, assim, se tornou quase comum, ouvir a frase “se Deus quiser”, mesmo daqueles que publicamente, não confessavam, ser de nenhuma religião, e como parte deste momento crucial, a religião se fez presente por vários meios, sem questionamentos antes tão comuns, havia uma clara e plácida aceitação; trazendo a questão novamente do apocalipse, do fim do mundo, e toda orla que a séculos se ensina, como explicação para tal ocorrido, o que fortaleceu, ao menos momentaneamente, as religiões de cunho mais fundamentalistas, e aquelas que não tinham esta mensagem escatológica; assim sendo a filosofia da religião se propõe em sua máxima, aproximar estas e outras questões de um entendimento mínimo aceitável, sem contudo, se dar ao luxo de perpetrar questão mais espinhosas.

Palavras Chaves: Filosofia. Religião. Ensinamentos. Questionamentos. Aceitação.

 

Abstract: Philosophy contributes to the issue of religion in its most decisive aspect, that is, demonstrating that it is valid, that it is possible and that, in addition, there is no problem in professing, nowadays, to possess one, quite the contrary, Just like other times in human universal history, religion assumes a preponderant role, not a secondary one, and in this post-pandemic era it is certain that in a social collapse like this one that occurred, without an initial explanation, without an immediate cure, without control at its beginning; religion became the only solution to try to alleviate the catastrophic effects produced by COVID 19; because it is something that, in order to be able to profess it, does not require much other than faith; and believe in the impossible, because, faced with the facts resulting from this tragic moment of humanity, there was nothing left, so it became almost common to hear the phrase “God willing”, even from those who publicly, did not confess, to be of any religion, and as part of this crucial moment, religion was present through various means, without previously so common questions, there was a clear and placid acceptance; bringing up the issue again of the apocalypse, the end of the world, and all that has been taught for centuries, as an explanation for this, which strengthened, at least momentarily, religions of a more fundamentalist nature, and those that did not have this eschatological message ; Therefore, the philosophy of religion proposes, in its maxim, to bring these and other questions closer to a minimum acceptable understanding, without, however, allowing itself the luxury of perpetrating more thorny issues.

 

Keywords: Philosophy. Religion. Teachings. Questions. Acceptance.

 

1.    Introdução

 

Ao se defrontar com o tema, percebe-se não ser algo novo, uma vez que a filosofia num todo, procura lidar com as perguntas, dúvidas ou questionamentos resultantes da vivência humana, da natureza, bem como o mundo de uma forma geral.

Em assim sendo, o que vem a ser filosofia da religião em sua essência?

No caminho percorrido pela filosofia hodierna se destaca questões resultantes de profundas reflexões, o que leva fatalmente a entender a importância de sua senda a religião.

A religião em sua convivência social, traz em seu bojo, uma série de questões ainda não totalmente resolvidas, outras ainda não vistas e, para ampliar a questão, dogmas, em quase toda manifestação religiosa, que depende muito mais da chamada “fé”, do que se consegue explicar, definir ou até conceituar, tornando esta questão em especial, o dogma, um manifesto intricado, difícil de aceitar de forma geral.

Desta feita, se propõe começar do mais simples para o mais complicado, para que haja alguma possibilidade de explicação e quiçá entendimento.

A vida e morte. Questão crucial e perseguida em todos os tempos da história humana, desperta a cada pergunta, questionamento, algo de suma importância para o ser humano, pois, realça a questão de como viver e como morrer.

No que diz respeito à vida: O que é? De onde vem? Como explica-la? Qual sua origem?

O mesmo se pode propor, com ligeiras mudanças, sobre a morte: Por que existe? Para onde se vai após a morte? Como encará-la?


2.    Conceitos da Religião

Num conceito geral a vida vem de graça, recebe-se ao nascer, vindo de uma implementação entre o óvulo feminino e o espermatozoide masculino.

Ao se encontrarem no organismo feminino e se juntarem, caminham para o útero que proporciona ambiente possível, da chamada gestação.

Nesta explicação biológica, percebe-se ausência de sua origem. Ou seja, a vida existe por si mesma, assim sendo, latente, ou ela é doada?

Explicações à parte, há duas linhas de pensamento e aceitação; o criacionismo e o evolucionismo.

Estas duas correntes são aceitas por parte de algumas igrejas e outras a rejeitam. Por exemplo, há religiões que aceitam parte do evolucionismo e parte do criacionismo, contudo há outras que marcam posição única e exclusivamente com o criacionismo, não dando sequer margem para o evolucionismo.

A vida em sua existência não é tão alvo de respostas, como a morte. Isso porque, a morte desperta curiosidade obvia por ensejar o que vem após, ou seja, para onde se vai depois da morte?

É importante observar uma liderança da religião tratando deste tema, morte e vida;

Interessante notar que uma vida com sentido, pouco ou nada tem a ver com quantidade de tempo vivido. Antes, porém, é a vontade aplicada no tempo que se vive. O sentido não está em prolongar a vida, mas em saciar-se com o tempo que se tem. Por isso, a premeditação da morte é tão importante, porque meditar previamente sobre a morte é meditar previamente sobre a liberdade. Saber morrer liberta-nos de toda sujeição e imposição. Não se fica escravo do tempo ou dos apegos de glória e riqueza, mas ajuda-nos a aproveitar o que se tem e enquanto se tem, contente com o que Deus e a natureza permitem viver. Desmascarando a realidade das coisas e das pessoas, o que resta é a mesma morte, da qual ninguém escapa e sobre a qual não se tem controle algum. (https://diocesevaladares.com.br/o-sentido-da-vida/).

Estes dois assuntos vida e, principalmente a morte, desperta a milhares de anos dúvidas e questionamentos, os mais diversos, uma vez que não há resposta fácil para esta questão.

Por exemplo, após a morte o ser humano vai para onde? Ou então, o que acontece, com a vida após a morte?

Para balizar este questionamento, no período tomista, surgiu o ensinamento da existência de uma tricotomia, corpo, alma e espírito. Esta ideia inicialmente ganhou muita projeção, uma vez que o esforço de explicar o que acontece após a morte, conseguiria uma explicação, e aceitação de muitos.

Em sua obra Vida feliz, Agostinho se esforça para encontrar a definição de homem. Nesta obra, encontra-se uma discussão bem característica de seu pensamento, ou seja, o método socrático usado por Agostinho. No decorrer do diálogo, o autor indaga: “será evidente a cada um de nós, que somos compostos de alma, espírito e corpo?” (AGOSTINHO, 1998, p. 124). [...] O propósito do pensador, através desta questão, é desenvolver o composto humano e conhecer o homem em sua integridade. A determinação da compreensão do homem em Agostinho comporta outros elementos que compõem a totalidade do seu sistema. Assim é necessário estudar, com atenção, três elementos da concepção agostiniana de homem: o corpo, a alma e o espírito. (https://www.nucleodoconhecimento.com.br/teologia/santo-agostinho).

 

Agostinho em sua máxima, maneja a filosofia grega, para dar azo a sua explicação sobre alma, trazendo com afinco ainda a extensão desta concepção;

São as três partes de que consta o homem: espírito, alma e corpo, que por outro lado se dizem duas, porque com frequência se denomina a alma juntamente como o espírito; pois aquela parte do mesmo racional, de que os brutos carecem, chama-se espírito; o principal de nós é o espírito; em segundo lugar, a vida pela qual estamos unidos ao corpo se chama alma; finalmente, o corpo mesmo por ser visível é o último de nós (AGOSTINHO, 1998, p. 411).

 

Numa tentativa metafísica, Agostinho de soslaio desenvolve uma teoria incita a criação divina no Éden, quando, segundo seu entendimento da Bíblia, houve a criação do homem e da mulher e nesta ocasião a alma então foi transmitida ao ser humano. (Vide Bíblia [qualquer versão], livro de Gênesis Capítulo 2, Da Criação do Homem).

É evidente que para acreditar no argumento de Agostinho há uma imensa necessidade de fé, pois em seus argumentos, não há comprovação, não resiste ao método filosófico/cientifico, ou a pujança da filosofia num todo ao longo dos séculos, mesmo o mais rudimentar conceito filosófico. 

Aqui não há desmerecimento, mas percebe-se nitidamente o esforço resoluto em promover apologética ao invés de promover uma filosofia robusta.

Nesta mesma linha é bom dizer que nem a Bíblia, explica claramente a questão da alma, tanto que há religiões, que não entende a criação, como Santo Agostinho, traçando uma compreensão diferente, e crença tão qual bem diferente quanto a esta ditada pelo teólogo/filosofo.


3.    Filosofia da religião e ou da Apologética cristã?

Na filosofia da religião não há propósito, estender seus conceitos a apologética cristã, por quanto, ser esta doutrinária, efetivamente restrita a religião, e não adepta de uma filosofia.

Apologética significa a defesa ou a promoção de qualquer coisa por meio de argumentação. Hoje em dia, essa palavra é usada principalmente na defesa da fé cristã. (https://www.respostas.com.br/apologetica/).

Para bem tratar deste tema da imortalidade da alma, se faz mister apontar este tema, existir muito antes de que professado pelo filosofo em questão;

O cristianismo adotou a visão do filósofo grego Platão de que consistimos em um corpo mortal e uma alma imortal. A morte é, portanto, a separação da alma do corpo. (https://revistaplaneta.com.br/alma-o-que-dizem-as-cinco-grandes-religioes-sobre-sua-existencia/).

 

O filosofo Platão sem dúvida um dos grandes porta-voz da filosofia grega, com entendimento avançado para sua época, trouxe a baile este ensinamento da alma, de forma a defender suas ideias e princípios.

Seus ensinamentos e ideias transformaram e muito a sociedade, pós socrática e influenciou e muito, a muitos governantes, sobretudo aqueles que enxergavam bem além do seu tempo.

Entre suas principais ideias colhe-se;

[...]Platão elaborou uma teoria metafísica dualista, que divide o mundo em duas categorias: o Mundo das Ideias e das Formas e o mundo sensível. O primeiro, que deve ser escrito com letra maiúscula, seria a realidade intelectual, verdadeira e acessada apenas por meio da capacidade racional do ser humano. Nesse Mundo das Ideias, estariam as essências das coisas, os conceitos, as Ideias fixas e imutáveis que descrevem essencialmente cada ser ou objeto existente. Já o mundo sensível seria a realidade com a qual nos defrontamos em nosso cotidiano básico, acessada por meio de nossa experiência sensível. Essa realidade é ilusória, enganosa e inferior, levando o ser humano ao erro, causado pelas aparências das coisas do mundo, que não correspondem às essências. (https://brasilescola.uol.com.br/filosofia/platao.htm)

 

Esta concepção é bem razoável e até aceitável em suas premissas, uma vez que aparentemente, a ideia primal é que o conhecimento precisa se aperfeiçoar se libertando das questões limitadoras, e projetando a mente para uma amplitude maior do que se está gerando novas e melhores ideias.

Neste ponto é sumamente importante acreditar que esta alegoria platônica contribui e muito para a realidade do ser humano.

Contudo, a ideia de alma em Platão é muito mais densa do que a desenvolvida por Agostinho e sua base estava muito antes dos ensinamentos cristãos, propriamente dito, e mesmo assim não tinha apego ao cristianismo defendido por Agostinho;

Platão acreditava na existência de um processo chamado de metempsicose. A ideia é que após a morte do corpo, a alma é libertada e segue em busca de outro corpo para habitar, um processo geralmente chamado de reencarnação.

Platão acreditava que a alma, ao longo de sua jornada, pode habitar diferentes tipos de corpos, tanto humanos quanto animais. Ele também acreditava que o tipo de vida que a alma terá no futuro depende da forma como ela viveu no passado. Se a alma viveu de forma virtuosa e justa, ela terá uma vida melhor no futuro; se ela viveu de forma má e egoísta, ela terá uma vida pior no futuro. Em outras palavras, se nossa parte racional manter o domínio sobre as outras partes e viver de forma virtuosa e justa, teremos uma vida melhor no futuro.

Olhando desse ponto de vista, o corpo é uma espécie de prisão para a qual a alma é mandada a fim de cumprir uma pena [...] (https://filosofianaescola.com/metafisica/dualismo-de-corpo-e-alma-de-platao/)

 

Como é exposto a ideia de alma surge da construção da concepção do pós morte, e não somente, para explicar a criação, na verdade o empréstimo da concepção é uma tentativa apologética, frustrada em sua essência, por carecer de uma argumentação, por parte do tomista, mais fecunda, a qual Platão, se dispõe a fazer. Lembrando que a transmigração da alma torna-se um ensinamento platônico.

Ao observar este enclave, a filosofia da religião a bem do método, do cerne filosófico e, para além de defesa defenestrada, deve se silenciar, afinal, não há uma explicação minimamente válida para sequer aceitar uma questão de fé, o argumento pode ser válido desde que se aceite o elemento crença, que para filosofia está muito distante dos seus ensinamentos.

Cumpre dizer que a filosofia e nenhum outro ramo da ciência tem a pretensão de responder a tudo, no que tange ao teatro da vida.

Há inúmeras coisas que aceitamos por simplesmente existir e de uma forma ou outra se aceita por princípios, valorados, moldados, desenvolvidos e mesmo que construídos, tendo como base o que sustenta a filosofia num todo.

Não se pode em nome da crença, simplesmente aceitar algo com propósito diverso, não tendo base o conhecimento humano pura e simplesmente.


4.    Filosofia e sua sustentação

A filosofia como qualquer outro meio do desenvolvimento humano preza e muito pela demonstração comprovatória de uma forma rígida para demonstrar seus ensinamentos, sem se deixar levar por qualquer ensinamento, ou conceito que não necessite passar pelo crivo de um método filosófico.

A Filosofia é uma forma do pensamento se desdobrar sobre si mesmo. De maneira conceitual e abstrata, a Filosofia preza, muitas vezes, por um rigor metodológico parecido com o rigor científico. Outras vezes, utiliza-se de novas perspectivas próprias de cada pensador e de cada trabalho filosófico desenvolvido.

É fato que a Filosofia mantém acesa a chama que aquece a busca pelo conhecimento sem, na maioria das vezes, fornecer respostas prontas e acabadas. A Filosofia é, portanto, uma atividade que problematiza, ou seja, coloca questões em jogo, respondendo a cada pergunta com uma nova pergunta – o que faz o pensamento manter-se sempre em movimento.

https://mundoeducacao.uol.com.br/filosofia/o-que-filosofia.htm

 

Dentro desta ótica e buscando este rigor a filosofia segue uma métrica possível para que seus ensinamentos, conceitos e variedade, seja um todo, embora divisível, não um amontoado de ideias jogadas no espaço.

Ao estudar a filosofia é perceptível os passos de outros filósofos viveram antes e em outra época e sua participação na linha do conhecimento desenvolvido, não como um caminho sinuoso, apenas, porém, como um caminho que avança alcançando novos e melhores ensinamentos.

Mesmo usando da questão abstrata, não é possível um ensinamento sair tanto do foco, ou do molde, ou dos princípios estabelecidos pela sociedade de todos os tempos, o que oferece para quem lê e busca entender segurança no ensinamento, além de segurança no trajeto escolhido.

O que entendemos por Filosofia é um tipo de pensamento organizado, conceitual, crítico e reflexivo. Enquanto conhecimento crítico, esse ramo do saber não aceita como verdadeira qualquer proposição sem antes analisá-la. Já como conhecimento reflexivo, a Filosofia desdobra-se sobre si mesma a fim de criar novos problemas para um melhor entendimento do mundo. É um tipo de pensamento conceitual, pois ela trabalha por meio da formulação e reformulação de conceitos, criando e revisando os significados que nós damos para o mundo. (https://www.historiadomundo.com.br/curiosidades/o-que-e-a-filosofia.htm).

 

É importante perceber o destaque do chamado “pensamento organizado, conceitual, crítico e reflexivo”; base para se propor, aceitar e reconhecer princípios filosóficos e não tão somente escrever, publicar ou então, instalar.

Para tanto, se faz mister compreender o que vem a ser a questão de fundo, ou seja, o que tenta demonstrar a capitulação do ensinamento.

Platão cria premissas aceitáveis ao propor a questão da ideia da alma, partindo de pressupostos usuais, sem defesa de algo pré-concebido, ao contrário, estabelece, finca posição dá azo e submete aos critérios da filosofia.

Já o filosofo de Hipona, faz desenfreadamente, uma defesa apologética, em ideias pré concebidas, estanques, e mormente, exaltando a Bíblia (e aqui, todo respeito ao livro sagrado, para tantas pessoas), incabível, nos dias atuais, por ser exagerado e não ser resistente ao já citado “pensamento organizado, conceitual, crítico e reflexivo”.

Muito longe de expor intriga ou até prosperar argumento que exsurja contra tal escrito, se está apenas e tão somente, ponderando sobre algo relacionado a filosofia da religião, de forma sistemática, através de argumentos que podem ser considerados válidos, independente, da aceitação da predicação de tal conceito.

Na linha deste pensamento importa compreender que além de propor algo fora da ótica alcançável da filosofia da religião, esquece-se da filosofia e fica só a religião, que não precisa de defesa, pois tem um fator preponderante que é a fé como sua sustentação crucial.

A defesa de Platão ao tema tem muito a ver com os costumes de sua época e também a religiosidade, perceba-se, não religião, mas a prática desta, empreendida pelos habitantes da Grécia é bom que se compreenda, daí seus textos exprimia uma questão essencial a esta situação cotidiana.


5.    Um retrato da ideia da alma em Platão e seu tempo

Ao buscar um conhecimento breve do tempo de Platão e os ensinamentos passado aos filhos, numa tradição oral, transmitido de pai para filho os ensinamentos e pensamentos mais importantes da época, se encontra este retrato inicial;

[...] quando não recebem a atenção de seus familiares diretos, através dos ritos fúnebres e sacrifícios, curtem a infelicidade vinda da privação de gêneros e honra, caindo, assim, no esquecimento, e por conseguinte, sendo “engolidos” por lethe, condenados a penar as amarguras desse abandono. (PROVETTI, 2000. p. 13.).

 

No texto em comento, Hades era o assunto principal, que tenciona este texto, então se é importante experenciar quem ou o que significa esta palavra, que normalmente aparece na mesma frase da palavra alma.

Não é o significado de alma, mas é certo que tal façanha em estar perto de Hades a palavra alma, pode transmitir a ideia geral do porquê desta combinação tão visada que salta os olhos, poder vê-las juntas, significando algo importante a ser observado.

Daí se compreende o contexto histórico que se determina entender o que vem a ser alma e Hades, e o que pode acontecer se não seguir certo padrão de compreensão;

Hades é o deus grego do submundo, do reino dos mortos, e na mitologia romana, ele é chamado de Plutão.

Também é chamado de deus da riqueza porque possui todos os metais preciosos do planeta.

Reside e governa o lugar mais sombrio da Terra, para onde vão as almas dos mortos.

(https://www.todamateria.com.br/deus-hades/#:~:text=Hades%20%C3%A9%20o%20deus%20grego,v%C3%A3o%20as%20almas%20dos%20mortos.)

 

Veja que ao verter a ideia que coexistia à época; Hades como deus do submundo, do reino dos mortos; era de entender a necessidade da alma, como ela estando viva, necessitando como um ser animado de atenção, além de apresentar o onde coexistia com o corpo, e depois para onde iria, Hades.

Desta forma fica claro o que Platão escreveu sobre alma, sendo uma extensão do corpo humano. Além desta conclusão para lá de obvia a partir dos seus escritos a ideia bem alinhada sobre o tema.

Platão, num dos seus diálogos, põe na boca de Sócrates a afirmação que me fez insistir em utilizar o termo alma (psukhé): "o ser humano é a sua alma" (Alcebíades primeiro, 130c). A alma, tal qual entendemos hoje em dia como a interioridade do homem, é um conceito que devemos a Sócrates. Nossa compreensão de alma supõe aquela parte do homem que não conhece destruição, supõe o interior que identifica cada ser humano, a partir do qual o ser humano pode afirmar "Eu sou”. (CARDOSO, 2006. p. 25.).

 

A filosofia pura, produz o texto na figura de Sócrates, através do seu discípulo Platão a ideia que Agostinho, transmitiu da alma. Ou seja, não foi o filosofo de Hipona que trouxe à luz a ideia de alma, mas a Grécia, com seus filósofos.

No platonismo, a alma desce ao submundo Hades, terra dos mortos, para encontrar outra habitação, que possa transferir a culpa de erros vividos na terra.

Este ensinamento não encontra eco em Agostinho, que na verdade subverte a palavra alma e parte bem diminuta deste ensinamento sobre alma. O que o torna o empréstimo deformado, pois a ideia deve ir no todo, para fazer sentido e lógica.

Evidentemente há uma diferença gritante, como já apresentada, pois Platão não tenta provar, ele apenas expõem seu conceito de alma, demonstrando, respeitando o método científico, além de todo rigor filosófico, sem uma defesa de fé e sim, uma explicação para a vida cotidiana grega, que se molda a sua explicação.

Assim se pode dizer, que já existia a vivência, o ensinamento sobre alma e se molda a esta vivência, e não o contrário.

Neste bastião de conhecimentos, se exaspera a ideia de que a defesa apologética não é cabível, pois para aceita-la, deveria, sem pestanejar, aceitar a Bíblia como livro principal, o que Agostinho aceitava, Platão não.

Esta dualidade de pensamento, demonstra o ponto aqui suscitado, uma vez que aceitar o pensamento de Platão não sugere a aceitação de nenhum livro, já o segundo caso, além de aceitar o livro, deve se ter fé nele, o que para filosofia não é totalmente cabível.

A filosofia depende apenas de seus ensinos, bem como seus filósofos para construir a sua defesa, se é que pode se dizer isso. Já a apologética, depende dos pensadores, da Bíblia, e uma defesa compartida da fé.

E é neste ponto que as ideias se subvertem, uma mantendo o rigor filosófico e a outra, pretendendo, dentro de seu conceito mor, apresentar uma defesa do cristianismo, se respaldando na fé.


Considerações Finais

Mormente a filosofia sobrevive na base de seus pensadores, ímpares e desconexo da vivência ocidental, ressaltando aqueles que cotizaram a filosofia grega.

Não há a pretensão de confrontar filosofia e cristianismo, pois estes vivem em mundos diferentes, com ideias próprias e seguidores alheios a outra.

Contudo, se faz mister ao transfigurar a filosofia da religião fazer um a parte profundo entre a filosofia pura e esta ramificação; filosofia da religião; que pretende em sua cerviz, não questionar a base filosófica, mas outrossim, desenvolver conceitos da religião sem preterir da filosofia pura.

Há espaço para as duas, sem divergir, e em alguns momentos convergir.

A base de todos os conflitos é o ser humano e sua mania de impor suas ideias sem levar em consideração, o que pensa o outro, ou como este vai lidar com esta ou aquela informação.

Faz bem em cada um ser respeitado e respeitar as ideias e concepções das outras pessoas, sem cometer a tentação de provar, ou vindicar ideia passada.

O proselitismo tem seu lugar e hora.

Talvez esta seja a marca da filosofia em geral, não obrigar, nem defenestrar o pensamento alheio, mas sim, respeitar e até estuda-lo, sem contudo, ataca-lo.

Neste diapasão se pode seguir aceitando e aprendendo o que é salutar.

  

Referências Bibliográficas

AGOSTINHO, Santo. A Vida Feliz, Tradução: Nair de Assis Oliveira. 2.ed. São Paulo: Paulus,1998.

https://brasilescola.uol.com.br/filosofia/platao.htm

CARDOSO, Delmar. A Alma como centro do filosofar de Platão. São Paulo: Loyola, 2006.

https://diocesevaladares.com.br/o-sentido-da-vida/

PROVETTI, José Jr. A alma na Grécia: A origem do indivíduo no ocidente. Universidade Estadual do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2000.

https://www.historiadomundo.com.br/curiosidades/o-que-e-a-filosofia.htm

https://mundoeducacao.uol.com.br/filosofia/o-que-filosofia.htm

https://www.respostas.com.br/apologetica/

https://revistaplaneta.com.br/alma-o-que-dizem-as-cinco-grandes-religioes-sobre-sua-existencia/

 

 

  

Importante:
1 - Conforme lei 9.610/98, que dispõe sobre direitos autorais, a reprodução parcial ou integral desta obra sem autorização prévia e expressa do autor constitui ofensa aos seus direitos autorais (art. 29). Em caso de interesse, use o link localizado na parte superior direita da página para entrar em contato com o autor do texto.
2 - Entretanto, de acordo com a lei 9.610/98, art. 46, não constitui ofensa aos direitos autorais a citação de passagens da obra para fins de estudo, crítica ou polêmica, na medida justificada para o fim a atingir, indicando-se o nome do autor (Marcos Antonio Duarte Silva) e a fonte www.jurisway.org.br.
3 - O JurisWay não interfere nas obras disponibilizadas pelos doutrinadores, razão pela qual refletem exclusivamente as opiniões, ideias e conceitos de seus autores.

Nenhum comentário cadastrado.



Somente usuários cadastrados podem avaliar o conteúdo do JurisWay.

Para comentar este artigo, entre com seu e-mail e senha abaixo ou faço o cadastro no site.

Já sou cadastrado no JurisWay





Esqueceu login/senha?
Lembrete por e-mail

Não sou cadastrado no JurisWay




 
Copyright (c) 2006-2024. JurisWay - Todos os direitos reservados