JurisWay - Sistema Educacional Online
 
JurisWay - Recursos no Novo CPC com Certificado
 
Cursos
Certificados
Concursos
OAB
ENEM
Vídeos
Modelos
Perguntas
Notícias
Artigos
Fale Conosco
Mais...
 
Email
Senha
powered by
Google  
 

TAXA DE CONTROLE E MANUTENÇÃO DE REGIME ESPECIAL


Autoria:

Marco Aurelio Bicalho De Abreu Chagas


Tributarista.Consultor da ASSOCIAÇÃO COMERCIAL E EMPRESARIAL DE MINAS - ACMINAS desde 1980. Sócio-Fundador do CUNHA PEREIRA & ABREU CHAGAS - Advogados Associados, desde 1976. Articulista, Conferencista, Autor de livros técnicos.Advogado militante.

Endereço: Rua Espírito Santo, 1204 - Conjunto1407
Bairro: Lourdes

Belo Horizonte - MG
30160-031


envie um e-mail para este autor

Outros artigos da mesma área

IRPF TEM SIDO AUMENTADO DE FORMA ILEGAL E INCONSTITUCIONAL

OS BENS INALCANÇAVEIS PELA EXECUÇÃO DO CRÉDITO TRIBUTÁRIO

Receita inicia mega operação para cobrar dívidas fiscais Como enfrentar essa situação?

QUEBRA DE SIGILO BANCÁRIO SEM AUTORIZAÇÃO JUDICIAL EM MATÉRIA PENAL É FRUTO DA ÁRVORE ENVENENADA.

PRESUNÇÃO LEGAL DE OMISSÃO DE RENDIMENTOS: CONSIDERAÇÕES E (IN)CONSTITUCIONALIDADES

Compra e venda de empresas: quais os pontos importantes nesta operação?

Processo Administrativo Fiscal do Município de Aracaju - SE

POR QUE OS BRASILEIROS DEVEM DOIS TRILHÕES DE TRIBUTOS FEDERAIS?

DEFESA ADMINISTRATIVA DEVE IMPUGNAR TODAS AS TESES CONTIDAS NO AI OU NFLD PARA PROVEITOS FUTUROS NO CARF

ARTIGO CIENTÍFICO: INCONSTITUCIONALIDADE DO PROTESTO DE CERTIDÃO DE DÍVIDA ATIVA

Mais artigos da área...

Resumo:

A Taxa de Controle e Manutenção de Regime Especial do Estado de Minas Gerais foi criada pela Lei 6.763/75 e agora o Decreto 47.434/2018 regulamentou dispositivos dessa lei e a Resolução SEF nº 5.148/2018 estabeleceu a forma e o seu prazo de pagamento

Texto enviado ao JurisWay em 10/07/2018.

Última edição/atualização em 18/07/2018.



Indique este texto a seus amigos indique esta página a um amigo



Quer disponibilizar seu artigo no JurisWay?

 

                                      O Regulamento das Taxas Estaduais – RTE do Estado de Minas Gerais (Decreto nº 38.886/97) foi alterado pelo Decreto nº 47.434, de 22/06/2018 e a Resolução SEF nº 5.148, de 22/06/2018 estabeleceu a forma e o prazo de pagamento da Taxa de Controle e Manutenção de Regime Especial.

                                     Essa Resolução da SEF – Secretaria Estadual da Fazenda – determinou que o pagamento da aludida taxa, referente ao exercício de 2018, deverá ser efetuado até o dia 27 de julho deste ano.

                                      O valor da citada taxa é de 607 Unidades Fiscais do Estado de Minas Gerais – UFEMG e para 2018 corresponde ao valor de R$ 1.973,60.

                                      O não pagamento dessa taxa até 90 (noventa) dias da data do vencimento implicará na cassação do regime especial concedido ao contribuinte.

                                      Aquele contribuinte que faça jus à isenção da taxa, segundo disposição dos §§ 1º ao 3º do art. 91 da Lei 6.763/75, deverá requerer o reconhecimento da isenção, dirigindo-se à Administração Fazendária de sua circunscrição.

                                       A Taxa de Controle e Manutenção de Regime Especial foi estabelecida pela Lei 6.763/75 em seus artigos 90 e 92.

                                      Os mencionados Decreto nº 47.434/2018 e Resolução 5.148/2018 normatizaram os procedimentos para a sua cobrança.

                                       A lei que criou a Taxa de Controle e Manutenção de Regime Especial é de 1975 e o recente Decreto nº 47.434 de 22/06/2018 apenas alterou o Regulamento das Taxas Estaduais – RTE, não havendo, a nosso ver, que se falar em respeito ao prazo mínimo de 90 dias entre a sua publicação e o dia em que efetivamente entra em vigor, a chamada “anterioridade qualificada” ou “noventena”.

                                      Ensina o Prof. Roque Antônio Carrazza que “... o princípio da anterioridade é corolário lógico do princípio da segurança jurídica. Visa evitar surpresas para o contribuinte, com a instituição ou majoração de tributos. De fato o princípio da anterioridade veicula a idéia de que deve ser suprimida a tributação surpresa (que afronta a segurança jurídica dos contribuintes). Ele não permite que, da noite para o dia, alguém seja colhido por uma nova exigência fiscal. É ele, ainda, que exige que o contribuinte se depare com regras tributárias claras, estáveis e seguras. E, mais do que isso: que tenha o conhecimento antecipado dos tributos que lhe serão exigidos ao longo do exercício financeiro,justamente para que possa planejar sua vida econômica.

                                      Também o tributarista Hugo de Brito Machado assevera que: “O princípio da anterioridade da lei tributária não se confunde com o princípio da irretroatividade da lei, que é princípio geral de Direito e vigora, portanto, também no Direito Tributário, em cujo âmbito mereceu expressa acolhida (art. 150, inc. III, letra “b”). Anterioridade é a irretroatividade qualificada. Exige lei anterior ao exercício financeiro no qual o tributo é cobrado. Irretroatividade quer dizer que a lei há de ser anterior ao fato gerador do tributo por ela criado, ou majorado.”

                                       Assim a lei tributária que institua tributo, revoga benefício ou majora a tributação – hipóteses inexistentes com o surgimento do Decreto em questão – deve respeitar obrigatoriamente o decurso do prazo do exercício financeiro.

                                      No caso em tela, já era do conhecimento do contribuinte desde 1975, a existência da Taxa de Controle e Manutenção de Regime Especial, descabendo falar aqui, com o surgimento do Decreto 47.434/2018, em princípio da anterioridade da lei tributária, porque a citada norma – que não é lei – não criou (e nem poderia) a aludida taxa, apenas disciplinou procedimentos para sua aplicação.                         

 

Importante:
1 - Conforme lei 9.610/98, que dispõe sobre direitos autorais, a reprodução parcial ou integral desta obra sem autorização prévia e expressa do autor constitui ofensa aos seus direitos autorais (art. 29). Em caso de interesse, use o link localizado na parte superior direita da página para entrar em contato com o autor do texto.
2 - Entretanto, de acordo com a lei 9.610/98, art. 46, não constitui ofensa aos direitos autorais a citação de passagens da obra para fins de estudo, crítica ou polêmica, na medida justificada para o fim a atingir, indicando-se o nome do autor (Marco Aurelio Bicalho De Abreu Chagas) e a fonte www.jurisway.org.br.
3 - O JurisWay não interfere nas obras disponibilizadas pelos doutrinadores, razão pela qual refletem exclusivamente as opiniões, ideias e conceitos de seus autores.

Nenhum comentário cadastrado.



Somente usuários cadastrados podem avaliar o conteúdo do JurisWay.

Para comentar este artigo, entre com seu e-mail e senha abaixo ou faço o cadastro no site.

Já sou cadastrado no JurisWay





Esqueceu login/senha?
Lembrete por e-mail

Não sou cadastrado no JurisWay




 
Copyright (c) 2006-2018. JurisWay - Todos os direitos reservados