JurisWay - Sistema Educacional Online
 
É online e gratuito, não perca tempo!
 
Cursos
Certificados
Concursos
OAB
ENEM
Vídeos
Modelos
Perguntas
Notícias
Artigos
Fale Conosco
Mais...
 
Email
Senha
powered by
Google  
 

Perda de prazo na adesão do REFIS: empresas podem requerer benefícios na Justiça


Autoria:

Nagel & Ryzewski Advogados


JULIANO RYZEWSKI Graduado pela Universidade Luterana do Brasil. DANIEL MOREIRA Sócio Fundador da Moreski Advogados, Consultor de Negócios Empresariais e Marketing Jurídico.

envie um e-mail para este autor

Resumo:

Especialista diz que Governo comete mesmos erros do passado ao lançar novo Refis da Crise

Texto enviado ao JurisWay em 12/09/2014.

Última edição/atualização em 24/09/2014.



Indique este texto a seus amigos indique esta página a um amigo



Quer disponibilizar seu artigo no JurisWay?

Após quatro anos de adesão ao programa fiscal intitulado REFIS DA CRISE, como já era previsto, e por diversos motivos, o Governo criou uma espécie de Refis da Crise estendido e o denominou de REFIS DA COPA. A exemplo de Refis anteriores, o tempo foi curto para a adesão, houve erros na consolidação dos débitos e, principalmente, indisponibilidade do pagamento da entrada, que fizeram com que diversas empresas não conseguissem, em tempo hábil, efetivar sua adesão, sentindo-se prejudicadas e tendo que continuar encarando o dilema dos juros e multas abusivas com a consequência das execuções fiscais. 

Nos Refis prévios, importantes decisões determinavam a volta de empresas ao REFIS considerando muito abuso na burocracia, afinal a PGFN (Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional) publicou 11 portarias conjuntas nos últimos dois anos sobre a matéria.

Felizmente, o Judiciário atenuou as normas rígidas do último REFIS (11.941) e, nesse contexto, os magistrados realizaram uma análise de cada caso, observando a boa fé do contribuinte e os motivos da exclusão ou perda de prazo. No atual REFIS da COPA, a falta de confirmação dos débitos no prazo, problemas da consolidação ou, principalmente, a falta de caixa em momento de crise para dar de entrada configuram requisitos para recorrer ao judiciário. Logo, é cabível o pedido de revisão de todos os valores cobrados e parcelamento em juízo das parcelas no mesmo prazo concedido pelo Refis.

Fica cada vez mais evidente, sob o ponto de vista jurídico, que várias regras vêm extrapolando a vontade expressa pelo legislador e ferindo o principio da legalidade, razoabilidade e, principalmente, da isonomia entre contribuintes.

Nesse contexto, em face de tantas distorções, desde a criação da Lei 11.941 que criou o REFIS, passando pela adesão à consolidação e, agora, repetindo diversos equívocos e abusos nas exclusões, além de regras abusivas na criação e a ampliação deste Refis, com evidentes propósitos eleitoreiros, especialmente para arrecadar receita para fechar o ano - sendo totalmente contraditório um Refis que seria para ajudar as empresas a respirar e encarar a crise - acaba por arbitrar uma entrada como condição de adesão.

Será cada vez mais crescente a iniciativa por parte dos empresários em buscar do Judiciário reparações, seja para revisar suas parcelas, seja para se incluir no programa mesmo tardiamente, mas, principalmente, discutindo em juízo e criando uma espécie de Refis Judicial, objetivando, ao menos, a suspensão das execuções em trâmite e segurando com esse procedimento consequências danosas de penhoras e bloqueios em conta. Isso porque, apesar do programa ter visado à regularização fiscal de diversos contribuintes, as dificuldades para aderir pela existência de um prazo curto exigindo uma entrada favoreceu os maiores e acabou por prejudicar e gerar graves injustiças.

Daniel Moreira

Nagel & Ryzewski Advogados

daniel@nageladvocacia.com.br

 

www.nageladvocacia.com.br

Importante:
1 - Conforme lei 9.610/98, que dispõe sobre direitos autorais, a reprodução parcial ou integral desta obra sem autorização prévia e expressa do autor constitui ofensa aos seus direitos autorais (art. 29). Em caso de interesse, use o link localizado na parte superior direita da página para entrar em contato com o autor do texto.
2 - Entretanto, de acordo com a lei 9.610/98, art. 46, não constitui ofensa aos direitos autorais a citação de passagens da obra para fins de estudo, crítica ou polêmica, na medida justificada para o fim a atingir, indicando-se o nome do autor (Nagel & Ryzewski Advogados) e a fonte www.jurisway.org.br.
3 - O JurisWay não interfere nas obras disponibilizadas pelos doutrinadores, razão pela qual refletem exclusivamente as opiniões, ideias e conceitos de seus autores.

Nenhum comentário cadastrado.



Somente usuários cadastrados podem avaliar o conteúdo do JurisWay.

Para comentar este artigo, entre com seu e-mail e senha abaixo ou faço o cadastro no site.

Já sou cadastrado no JurisWay





Esqueceu login/senha?
Lembrete por e-mail

Não sou cadastrado no JurisWay




 
Copyright (c) 2006-2019. JurisWay - Todos os direitos reservados