JurisWay - Sistema Educacional Online
 
Kit com 30 mil modelos de petições
 
Cursos
Certificados
Concursos
OAB
ENEM
Vídeos
Modelos
Perguntas
Eventos
Artigos
Fale Conosco
Mais...
 
Email
Senha
powered by
Google  
 

RESENHA DOS CAPÍTULOS 1,2 E 3 DO LIVRO TEORIA GERAL DO ESTADO E CIÊNCIA POLÍTICA - CLÁUDIO DE CICCO/ALVARO DE AZEVEDO GONZAGA


Autoria:

Marcos Antonio Duarte Silva


Doutorando em Ciências Criminais,Mestre em Filosofia do Direito e do Estado(PUC/SP), Especialista em Direito Penal e Processo Penal(Mackenzie), Licenciatura em Filosofia (andamento), Especialização em Filosofia Moderna (em andamento); Especialização em Pedagogia e Filasofia (em andamento), formado em Direito, Professor Universitário, Professor de Pós Graduação; Pesquisador da PUC/SP e da CNPq.

envie um e-mail para este autor

Resumo:

O trabalho apresentado é uma resenha do livro Teoria Geral do Estado e Ciência Política, respeitando o pensamento dos autores e conferindo amplitude de algumas ideias.

Texto enviado ao JurisWay em 23/08/2014.



Indique este texto a seus amigos indique esta página a um amigo



Quer disponibilizar seu artigo no JurisWay?

RESENHA DOS CAPÍTULOS 1,2 E 3 DO LIVRO TEORIA GERAL DO  ESTADO E CIÊNCIA POLÍTICA – CLÁUDIO DE CICCO/ALVARO DE AZEVEDO GONZAGA

 

CAP. 1 – DIVISÃO GERAL DO DIREITO E POSIÇÃO DA TEORIA GERAL DO ESTADO

Direito Natural – é o direito que coexiste é nato, surge no interior de cada ser humano, estando enfim, como ponto de equilíbrio, se bem usado, ao direito positivo.

Direito Positivo – A positivação da lei, estabelecendo seus limites, rigor, e fundamento, se destaca por estar escrito e de fácil acesso a todos.

RAMOS DO DIREITO POSITIVO

Direito Privado – É do direito que está contido nas relações entre pessoas da mesma condição, ou seja, entre particulares. O direito privado procura regular a convivência de todas as pessoas de forma a se manter um mínimo equilíbrio, quando a quebra desta condição quem deve procurar o judiciário é o particular.

Direito Público – É o direito do Estado, ou seja, da convivência de todos com a figura do Estado, que cuida de forma particular de alguns entes sociais, um exemplo é a vida, quando alguém pratica um homicídio quem cuida da ação é o Estado que tem o que é a chamada pretensão punitiva, que se manifesta como freio para impedir, a justiça pelas próprias mãos. Desta forma tenta se estabelecer o equilíbrio mínimo necessário para se viver em sociedade.

Direito Público Interno – Aqui se apresenta os titulares de direito: União, Estados, Municípios, Distrito Federal, Empresas Públicas, Autarquias, Sociedades de Economia Mista.  (Empresa Pública: é Pessoa Jurídica de Direito Privado, constituída por capital exclusivamente público; Autarquias: Na administração pública brasileira, uma autarquia é uma entidade auxiliar da administração pública estatal autônoma e descentralizada. É um dos tipos de entidades da administração indireta. Seu patrimônio e receita são próprios, porém, tutelados pelo Estado, Sociedade de Economia Mista: Sociedade criada pela administração pública, junto com pessoas ou entidades de direito privado, para exercer fins de interesse público. São as empresas que aliam o poder público com o privado, ou seja, são as empresas em que o Estado participa (com capital e direito a voto), conjuntamente com o particular.).

(http://lfg.jusbrasil.com.br/noticias/1042265/qual-o-conceito-e-a-finalidade-de-empresa-publica-e-sociedade-de-economia-mista)

(http://www.seuconcurso.com.br/admintiradas/autarquias.htm#ixzz2Ilyeek1i)

(http://entendeudireito.blogspot.com.br/2013/01/autarquia-x-fundacao-publica-x-empresa.html)

Direito Público Externo – Aplica-se tanto a governo estrangeiro como organizações estrangeiras que invistam em funções públicas.

Cap. 2 – Teorias sobre a origem da sociedade humana

Conceito: A base central para se considerar uma sociedade humana, não são agrupamentos de indivíduos, mas sim as relações humanas e como estas se devem construir.

Aristóteles – “A sociedade como produto da necessidade humana. Na concepção aristotélica o estado surge a partir de uma necessidade imanente (natural) do homem em criar instituições que garantam a felicidade de seus cidadãos. Partindo deste pressuposto o filosofo tenta defender com seus argumentos que o homem é por natureza um animal político. Fundamentando a sua ideia ele afirma que: "... aquele que não pode viver em sociedade, ou que de nada precisa por bastar-se a si próprio, não faz parte do estado; é um bruto ou um deus..." a formação da cidade ou estado político é produto de uma necessidade natural do homem de se associarem em vista de superar as adversidades (pag.16)”. (http://www.webartigos.com/artigos/a-visao-politica-de aristoteles/59542/#ixzz3BEZDhzwG).

Thomas Hobbes - Hobbes (1588-1679) Thomas Hobbes afirmava que embora o homem vivesse em sociedade, não possuia o instinto natural de sociabilidade. Cada homem sempre encara seu semelhante como um concorrente que precisa ser dominado. A conseqüência óbvia dessa disputa infindável dos homens entre si teria gerado um permanente estado de guerra e de matança nas comunidades primitivas. Nas palavras de Hobbes: o homem era o lobo do próprio homem.

(http://idademoderna.weebly.com/thomas-hobbes.html).

Rousseau - A questão que se colocava era a seguinte: como preservar a liberdade natural do homem e ao mesmo tempo garantir a segurança e o bem-estar da vida em sociedade? Segundo Rousseau, isso seria possível através de um contrato social, por meio do qual prevaleceria a soberania da sociedade, a soberania política da vontade coletiva. Rousseau percebeu que a busca pelo bem-estar seria o único móvel das ações humanas e, da mesma, em determinados momentos o interesse comum poderia fazer o indivíduo contar com a assistência de seus semelhantes. Por outro lado, em outros momentos, a concorrência faria com que todos desconfiassem de todos. Dessa forma, nesse contrato social seria preciso definir a questão da igualdade entre todos, do comprometimento entre todos. Se por um lado a vontade individual diria respeito à vontade particular, a vontade do cidadão (daquele que vive em sociedade e tem consciência disso) deveria ser coletiva, deveria haver um interesse no bem comum.

(http://www.brasilescola.com/sociologia/rousseau-contrato-social.htm)

John Locke - Há, contudo, um aspecto a que sempre se manteve fiel na sua filosofia: a exigência de uma autonomia radical dos indivíduos. Estes são livres de pensar, julgar e agir por si mesmos. A autonomia do individuo é a sua liberdade e esta nunca deve ser alienada em circunstância alguma, sob pena de se negar aquilo que de mais essencial existe nos seres humanos. A sociedade foi constituída para garantir a garantir. Trata-se de um direito natural inalienável. (http://afilosofia.no.sapo.pt/12lockeFil.htm)

Teorias sobre os fundamentos da sociedade:

1. Teoria Organicista – Em síntese compreende a sociedade como um corpo humano. Cumpre salientar que esta Teoria se sustenta sobre a máxima platônica de que se uma pessoa na sociedade não tiver sua função, ela deve “sair” da sociedade pois, deixa de ser útil.

Platão - Em Atenas, 400 anos a.C. Platão pregava no terceiro livro de sua "República" o sacrifício de velhos, fracos e inválidos, sob o argumento de interesse do fortalecimento do bem-estar e da economia coletiva. Anteriormente Licurgo fazia matar as crianças aleijadas ou débeis que, impiedosamente, eram imoladas em nome de um programa de salvação pública de uma sociedade sem comércio, sem letras e sem artes e trabalhada apenas pelo desígnio único de produzir homens robustos e aptos para a guerra (Silva, 2000). (http://www.conjur.com.br/2009-dez-21/eutanasia-direito-vida-tutela-penal-luz-constituicao).

Crítica – Pode fatalmente levar ao exagero, ao desrespeito mínimo aos valores essenciais para uma sociedade organizada, e culmina em posições antidemocráticas e autoritárias.

2. Teoria Mecanicista – Propõe que a interpretação mecanicista da sociedade é uma junção de indivíduos podendo agir com autonomia e liberdade, ou seja, a sociedade seria resultado da atitude arbitrária de cada individuo.

Crítica – Como uma sociedade com pessoas diferentes e distintas, podem ter como sua concepção a arbitrariedade de cada individuo? Seria quase como a lei da selva, o mais forte vence!

IMPORTANTE: Muito embora esta teoria contasse com apoio de Aristóteles e Tomás de Aquino, ela foi diluída a partir do século XVII pelas doutrinas contratualista onde o Estado se firma da união mecânica entre os homens.

3. Teoria Eclética – Faz uma junção das duas Teorias, buscando o melhor em cada uma delas. Como forma de convivência mínima e satisfatória entre todos que ocupam a sociedade.

Crítica – É a mais adequada por não privilegiar apenas um seguimento, mas contemplar tanto o individual como o coletivo.

IMPORTANTE: A sociedade política chamada Estado tem por finalidade última, buscar o bem comum, condições básicas, segurança social e a paz entre todos.  

Cap. 3 – Estado e Direito

As relações entre Estado e Direito podem ser vista da seguinte forma:

Realidade única – O Estado é o detentor do Direito, sempre necessidade de consulta popular e sem prestação de justificativa. O direito é usado pelo Estado ao seu bel prazer.

Realidade distinta - O Estado e Direito são distintos, cada qual sendo independente um do outro. Assim se verifica uma independência perigosa entre os dois lados.

1. Teoria Monística – O Estado pode tudo sobre o Direito, ele detém a primazia de fazer leis sem necessidade de participação de ninguém. O Estado é todo-poderoso e pode se servir do Direito como lhe aprouver.

2. Teoria Dualística – Nesta teoria o Estado e Direito não se confundem, estão na sociedade de forma distinta e cada qual agindo de forma independente do outro.

3. Teoria do Paralelismo – Têm como função buscar o ponto de equilíbrio entre as duas Teorias Monística e Dualística. Reconhece a interdependência do Direito e do Estado. Para tanto se aceita o Estado como principal centro de irradiação do Direito Positivo, mas reconhece que há direito não estatal necessário para o equilíbrio social.

Referência Bibliográfica:

DE CICCO, Cláudio e Álvaro de Azevedo Gonzaga. Teoria Geral do Estado e Ciência Política. 3ª ed. Ver. e atual. São Paulo: Editora RT, 2011.

Sites utilizados:

http://afilosofia.no.sapo.pt/12lockeFil.htm

http://www.brasilescola.com/sociologia/rousseau-contrato-social.htm

http://www.conjur.com.br/2009-dez-21/eutanasia-direito-vida-tutela-penal-luz-constituicao

http://entendeudireito.blogspot.com.br/2013/01/autarquia-x-fundacao-publica-x-empresa.html

http://idademoderna.weebly.com/thomas-hobbes.html

http://lfg.jusbrasil.com.br/noticias/1042265/qual-o-conceito-e-a-finalidade-de-empresa-publica-e-sociedade-de-economia-mista

http://www.seuconcurso.com.br/admintiradas/autarquias.htm#ixzz2Ilyeek1i

 

 

 

  

Importante:
1 - Conforme lei 9.610/98, que dispõe sobre direitos autorais, a reprodução parcial ou integral desta obra sem autorização prévia e expressa do autor constitui ofensa aos seus direitos autorais (art. 29). Em caso de interesse, use o link localizado na parte superior direita da página para entrar em contato com o autor do texto.
2 - Entretanto, de acordo com a lei 9.610/98, art. 46, não constitui ofensa aos direitos autorais a citação de passagens da obra para fins de estudo, crítica ou polêmica, na medida justificada para o fim a atingir, indicando-se o nome do autor (Marcos Antonio Duarte Silva) e a fonte www.jurisway.org.br.
3 - O JurisWay não interfere nas obras disponibilizadas pelos doutrinadores, razão pela qual refletem exclusivamente as opiniões, ideias e conceitos de seus autores.

Nenhum comentário cadastrado.



Somente usuários cadastrados podem avaliar o conteúdo do JurisWay.

Para comentar este artigo, entre com seu e-mail e senha abaixo ou faço o cadastro no site.

Já sou cadastrado no JurisWay





Esqueceu login/senha?
Lembrete por e-mail

Não sou cadastrado no JurisWay




 
Copyright (c) 2006-2021. JurisWay - Todos os direitos reservados