JurisWay - Sistema Educacional Online
 
Webinário online e gratuito. Inscreva-se!
 
Cursos
Certificados
Concursos
OAB
ENEM
Vídeos
Modelos
Perguntas
Eventos
Artigos
Fale Conosco
Mais...
 
Email
Senha
powered by
Google  
 

Eu não mereço ser cobrado


Autoria:

Jobson Ribeiro

Resumo:

Um meio de transporte público desumano e que fere nossos direitos como cidadãos.

Texto enviado ao JurisWay em 29/07/2014.

Última edição/atualização em 03/08/2014.



Indique este texto a seus amigos indique esta página a um amigo



Quer disponibilizar seu artigo no JurisWay?

Eu não mereço ser cobrado por serviços prestados pelo governo municipal e estadual da Paraiba, quando na verdade não são condizentes com as garantias e direitos que se expressam em nossa Constituição a nosso favor, pois a legislação tributária está aí, fazendo-se valer, já nossos direitos, apenas escritos. Eu não mereço esperar, quarenta a sessenta minutos em um terminal de ônibus para ir ao trabalho, eu não mereço ir neste mesmo veículo em pé e no aperto, eu não mereço ser tratado pelo o motorista como uma mercadoria que descarrega em determinado local, pois a pressa, desrespeito e impaciência do mesmo se fazem cada vez mais presentes. Eu não mereço na espera de um transporte público, aguardar em um local deteriorado, eu não mereço espera-lo em dias de chuva em local inapropriado correndo o risco de chegar encharcado em meu destino, devido aos outros veículos que também trafegam em asfaltos esburacados, formando-se poças de água, eu não mereço ser cobrado por nada disso.


            Em João Pessoa no Estado da Paraiba em épocas de protestos espalhados pelo o Brasil, se fez presente as reivindicações em detrimento do “não aumento de passagens” que fôra ouvidos, passado alguns meses, estava na hora dos servidores dos transportes públicos lutarem por seus direitos, em decorrência de um salário mais digno, também foram ouvidos. Agora, o aumento das passagens foi aprovado e basicamente os então famosos “10” centavos de 2013 foi atualizado para “15”, mostrando a população que o Governo Municipal nos tem como palhaços, onde os reajustes dos salários dos motoristas e cobradores subtende-se que saíra dos nossos bolsos, pois o valor da passagem cobrada também deveria condizer com a estrutura do transporte e sua comodidade, o que não acontece há muito tempo, utilizo do famoso ditado popular, “a Corda sempre tora do lado mais fraco”, neste caso rompendo-se do lado da maioria da população que precisa e sofre com o deslocar para um exercer de seu direito de ir e vir, dificultado, ora dependente do transporte público.


            O aumento das passagens na capital fica claro que além de outros absurdos que poderão estar por trás, também deva ter sido para o reajuste dos salários daqueles que outrora fizeram greve, greve esta legítima, porem, prejudicando o cidadão, por mais uma vez, quem saí perdendo é a população no geral, greve esta que o cidadão não teria como fazer para essa busca incansável de garantias coletivas, cidadania, respeito, humanidade e até justiça, pois vivemos repetindo essas palavras como dilemas, só que barrados por uma política corrupta e pessoas ambiciosas que se distanciam do correto e se afeiçoam em lucros. Só existe um meio para o qual essas indignações sejam cobradas e exercidas, o seu voto, não só daqueles que precisam do transporte público em questão, mas de todo aquele que gostaria de ver sua cidade mais organizada, ou pelo menos com o mínimo possível de qualidade para uma vida mais digna. Não levemos em conta favores do passado e muito menos paixão política partidária, considerem propostas que de fato melhore sua vida e dos demais cidadãos de forma coletiva e definitiva, não apenas egoísta e momentânea, para que adiante sua reivindicação seja ouvida livremente em prol do seu direito, pois nós eleitores não somos mais os mesmos de ontem, nos enganamos se nos deixarmos enganar. Eu não mereço escrever tudo isso e na hora de escolher seu representante, você esqueça.

 

J.RIBEIRO

Importante:
1 - Conforme lei 9.610/98, que dispõe sobre direitos autorais, a reprodução parcial ou integral desta obra sem autorização prévia e expressa do autor constitui ofensa aos seus direitos autorais (art. 29). Em caso de interesse, use o link localizado na parte superior direita da página para entrar em contato com o autor do texto.
2 - Entretanto, de acordo com a lei 9.610/98, art. 46, não constitui ofensa aos direitos autorais a citação de passagens da obra para fins de estudo, crítica ou polêmica, na medida justificada para o fim a atingir, indicando-se o nome do autor (Jobson Ribeiro) e a fonte www.jurisway.org.br.
3 - O JurisWay não interfere nas obras disponibilizadas pelos doutrinadores, razão pela qual refletem exclusivamente as opiniões, ideias e conceitos de seus autores.

Nenhum comentário cadastrado.



Somente usuários cadastrados podem avaliar o conteúdo do JurisWay.

Para comentar este artigo, entre com seu e-mail e senha abaixo ou faço o cadastro no site.

Já sou cadastrado no JurisWay





Esqueceu login/senha?
Lembrete por e-mail

Não sou cadastrado no JurisWay




 
Copyright (c) 2006-2020. JurisWay - Todos os direitos reservados