JurisWay - Sistema Educacional Online
 
É online e gratuito, não perca tempo!
 
Cursos
Certificados
Concursos
OAB
ENEM
Vídeos
Modelos
Perguntas
Eventos
Artigos
Fale Conosco
Mais...
 
Email
Senha
powered by
Google  
 

A EDUCAÇÃO AMBIENTAL COMO SOLUÇÃO JURÍDICA DE PREVENÇÃO AOS DELITOS ECOLÓGICOS


Autoria:

Tamires Farias Rodrigues


Advogada formada pela Faculdade de Direito da Universidade Presbiteriana Mackenzie.

envie um e-mail para este autor

Outros artigos da mesma área

O PROJETO DE EMENDA CONSTITUCIONAL (PEC) Nº 341/2009 E A PROPOSTA DA DESCONSTITUCIONALIZAÇÃO DO DIREITO AMBIENTAL BRASILEIRO: O CARÁTER VIOLADOR DA PEC FRENTE AOS DIREITOS AMBIENTAIS ADQUIRIDOS.

A RESPONSABILIDADE AMBIENTAL DO GESTOR PÚBLICO SOB O PRISMA DOS PRINCÍPIOS DA PREVENÇÃO E PRECAUÇÃO

A IMPORTÂNCIA DO PAINEL INTERGOVERNAMENTAL SOBRE MUDANÇAS DO CLIMA

A IMPORTÂNCIA DOS PRINCÍPIOS DA PREVENÇÃO E DA PRECAUÇÃO NOS ESTUDOS AMBIENTAIS E A RELAÇÃO DOS ESTUDOS NA IMPLEMENTAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL.

DEFINIÇÕES SOBRE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

COMUNIDADES TRADICIONAIS E AS POLÍTICAS PÚBLICAS (BRASIL)

Histórico do Desmatamento e sua Mensão no Ordenamento Jurídico Brasileiro

O SISTEMA DE PLANTIO DIRETO NA PALHA COMO UMA DAS SOLUÇÕES PARA OS EFEITOS DA REVOLUÇÃO VERDE.

RESPONSABILIDADE PENAL DA PESSOA JURÍDICA ABORDAGEM SOBRE AS CORRENTES DE PENSAMENTO

As possibilidades de manejo da ação popular para a efetivação de um meio ambiente ecologicamente equilibrado

Mais artigos da área...

Resumo:

Sugere-se a implementação da educação ambiental como medida de prevenção às condutas atentatórias ao meio ambiente, em especial à fauna, neste conceito compreendidos os animais nativos, exóticos, silvestres, domésticos e domesticados.

Texto enviado ao JurisWay em 02/11/2013.

Última edição/atualização em 13/11/2013.



Indique este texto a seus amigos indique esta página a um amigo



Quer disponibilizar seu artigo no JurisWay?

A Constituição Federal prevê em seu artigo 225 a responsabilização administrativa, civil e criminal daqueles que atentem contra o meio ambiente, mas não dispensou à matéria tratamento de ordem preventiva, vez que fez inserir no inciso VI de seu §1º a promoção da educação ambiental em todos os níveis de ensino e a conscientização como uma incumbência do Poder Público para garantir a proteção ao meio ambiente.

A tutela penal se mostra necessária para proteção do objeto jurídico, pois exerce na sociedade maior eficácia dissuasória do que sanções de qualquer outra natureza.

Observe-se que a penalização de condutas lesivas ao meio ambiente não caracteriza meio de atuação penal de caráter unicamente repressivo, mas constitui também importante elemento intimidatório, visto que a previsão e aplicação da pena acabam por dissuadir os delinquentes em potencial.

Embora a pena tenha seu viés preventivo, não se pode olvidar que a melhor forma de combate às condutas lesivas ao meio ambiente é aquela que atua antes mesmo que a aplicação da sanção se faça necessária, ou seja, antes que o delito venha a ocorrer.

“de fato, mesmo o Direito Penal, que supostamente é o instrumento mais eficaz à disposição do Estado para controlar o problema criminal, demonstra-se ineficaz na prevenção dos delitos. A intervenção no conflito social é tardia, pois não se dá enquanto o conflito é criado, mas somente quando este manifesta-se. Além de intervir tardiamente, intervém mal, pois não apresenta uma resposta às causas do conflito (etiológica), mas somente uma resposta aos efeitos do delito (sintomatológica). Assim, uma prevenção genuína e eficaz dos crimes deve ser programada a longo prazo e não buscada na sua estreita e negativa função intimidatória.” (SMANIO, Gianpaolo Poggio. FABRETTI, Humberto Barrionuevo. Introdução ao Direito Penal – Criminologia, Princípios e Cidadania. São Paulo: Atlas.2010. pg. 156)

 

É claro que quando da ocorrência da conduta criminosa o Direito Penal deve atuar imediatamente, submetendo o delinquente às suas sanções, mas para que tal intervenção não se faça necessária é indispensável que, como medida preventiva, seja promovida a conscientização populacional quanto à importância de um meio ambiente ecologicamente equilibrado, fazendo parte deste conceito a integridade da fauna e da flora que o compõe.

Para que o bem jurídico meio ambiente seja tutelado, é essencial que haja maior conscientização quanto aos direitos ambientais. A educação ambiental é fundamental para instituir uma cultura na qual o homem aprenda a conviver harmoniosamente com o meio ambiente e os elementos que o compõe. Prejudicar a natureza é prejudicar a si próprio, visto que esta constitui o habitat humano. Neste diapasão, Luis Paulo Sirvinskas tece as seguintes considerações:

Um outro elemento importante em tal contexto é o educativo, pois na medida em que formos capazes de reconhecer e assegurar direitos da natureza, seremos mais capazes de reconhecer, assegurar e tornar efetivos os direitos dos próprios seres humanos e da humanização em geral.

Acreditamos que será a educação ambiental nos bancos escolares que fará despertas a consciência cívica dos povos. O meio ambiente não tem pátria, ele é de cada um, individualmente,e, ao mesmo tempo, de todos. sua proteção não deve restringir-se a uma ou a varias pessoas de um mesmo país, mas, sim, a todos os países. um crime ambiental poderá repercutir em diversos países do mundo como, por exemplo, um desastre nuclear ou a poluição de um rio que corta alguns países.

por esse motivo é que a tutela penal do meio ambiente passa a ser tão importante, pois o bem jurídico protegido é mais amplo do que o bem protegido em outros delitos penais (SIRVINSKAS, Luís Paulo. Manual de Direito Ambiental, 2º Ed., São Paulo, Saraiva, 2003, pg. 322)

 

Em que pese seja notório que a vida é o bem mais valioso que se possa tutelar, é comum que não se compreenda dentro desse conceito as demais formas de vida além da humana, dispensando a todas as outras a condição de objeto.

Toda forma de vida é única e merece ser respeitada, qualquer que seja a sua utilidade para o homem, e, com a finalidade de reconhecer aos outros organismos vivos este direito, o homem deve se guiar por um código moral de ação (ANTUNES, Paulo de Bessa. Direito Ambiental. 9ºEd., Rio de Janeiro: Editora Lumen Juris, 2006, p.20, apud KISS, Alexandre, 1989)

 

Embora os animais estejam sob o manto de proteção do Direito Penal, os infratores de sua norma, quando tendentes ao cometimento de atos cruéis contra os animais, não parecem inibidos de cometer o crime, nem mesmo pelo caráter dissuasório que a sanção penal se reveste. Isso porque não há nestes infratores uma consciência ecológica.

Os elementos do meio ambiente são comumente valorados pela utilidade que se prestam ao ser humano, e devido ao desvalor que se atribui aos animais, esses são frequentemente submetidos a abusos e maus-tratos, sem que tais condutas sejam energicamente recriminadas.

Desse modo, vem-se acompanhando patente desrespeito aos animais e ao meio ambiente, e esse quadro apenas pode se modificar se adotadas políticas de cunho preventivo, respaldadas por um alicerce moral capaz de orientar os cidadãos da importância da vida, ainda que não humana, e ainda que não revestida de qualquer valor econômico ou utilitário para o homem.

 

“O reconhecimento de direitos que não estejam diretamente vinculados à pessoa humana é um aspecto de grande importância para que se possa medir o real grau de compromisso entre o homem e o mundo que o cerca, do qual ele é parte integrante e, sem o qual, não logrará sobreviver. A atitude de respeito e proteção às demais formas de vida ou a sítios que as abrigam é uma prova de compromisso do ser humano com a própria raça e, portanto, consigo mesmo. O reconhecimento do diferente e dos direitos equânimes que este deve ter é um relevante fator para assegurar uma existência mais digna para todos os seres vivos, especialmente para os humanos.” (ANTUNES, Paulo de Bessa. Direito Ambiental. 9ºEd., Rio de Janeiro: Editora Lumen Juris, 2006, p. 21/22)

Importante:
1 - Conforme lei 9.610/98, que dispõe sobre direitos autorais, a reprodução parcial ou integral desta obra sem autorização prévia e expressa do autor constitui ofensa aos seus direitos autorais (art. 29). Em caso de interesse, use o link localizado na parte superior direita da página para entrar em contato com o autor do texto.
2 - Entretanto, de acordo com a lei 9.610/98, art. 46, não constitui ofensa aos direitos autorais a citação de passagens da obra para fins de estudo, crítica ou polêmica, na medida justificada para o fim a atingir, indicando-se o nome do autor (Tamires Farias Rodrigues) e a fonte www.jurisway.org.br.
3 - O JurisWay não interfere nas obras disponibilizadas pelos doutrinadores, razão pela qual refletem exclusivamente as opiniões, ideias e conceitos de seus autores.

Nenhum comentário cadastrado.



Somente usuários cadastrados podem avaliar o conteúdo do JurisWay.

Para comentar este artigo, entre com seu e-mail e senha abaixo ou faço o cadastro no site.

Já sou cadastrado no JurisWay





Esqueceu login/senha?
Lembrete por e-mail

Não sou cadastrado no JurisWay




 
Copyright (c) 2006-2020. JurisWay - Todos os direitos reservados