JurisWay - Sistema Educacional Online
 
Kit com 30 mil modelos de petições
 
Cursos
Certificados
Concursos
OAB
ENEM
Vídeos
Modelos
Perguntas
Eventos
Artigos
Fale Conosco
Mais...
 
Email
Senha
powered by
Google  
 

Os planos de saúde em uma perspectiva atual


Autoria:

Arnaldo Rizzardo Filho


Há muitas diferenças entre ser uma pessoa e ser um cidadão. Talvez a principal delas esteja em fazer valer os direitos adquiridos. Há muitas diferenças entre ser uma pessoa jurídica e ser uma empresa consolidada.

envie um e-mail para este autor

Outros artigos da mesma área

PRINCÍPIO DA LEGALIDADE TRIBUTÁRIA E A ATUALIZAÇÃO DA BASE DE CÁLCULO DO IPTU

Identificando Tributos

A INCONSTITUCIONALIDADE DA COBRANÇA COMPULSÓRIA DO TRIBUTO CONTRIBUIÇÃO SINDICAL AOS TRABALHADORES NÃO SINDICALIZADOS

COMO OS CONTRIBUINTES DO ICMS ECONOMIZAM COM O PAGAMENTO DE DÍVIDAS COM PRECATÓRIOS

IMUNIDADE RELIGIOSA NA CONSTITUIÇÃO FEDERAL: ASPECTOS JURÍDICOS E SOCIAIS EM RELAÇÃO AOS TEMPLOS DE QUALQUER CULTO

Processo Administrativo Tributário: da possibilidade de questionamento judicial das decisões contrárias à Fazenda Pública

Juros de mora e Correção Monetária nas ações de repetição de indébito

DESONERAÇÃO DA FOLHA DE SALÁRIOS DEPENDE DA SEGUNDA INCONFIDÊNCIA MINEIRA

DA INCONSTITUCIONALIDADE DA CPMF

AS VANTAGENS E DESVANTAGENS DA ADOÇÃO DO SUPERSIMPLES PELA ADVOCACIA

Mais artigos da área...

Resumo:

Segundo o especialista, mesmo com proteção legal, muitas seguradoras sistematicamente burlam os direitos dos contratantes de planos de saúde privado

Texto enviado ao JurisWay em 05/10/2013.

Última edição/atualização em 07/10/2013.



Indique este texto a seus amigos indique esta página a um amigo



Quer disponibilizar seu artigo no JurisWay?

Estamos em uma fase de evolução jurídica na qual os contratos privados sofrem vigilância e ingerência estatal, mormente quando se verifica uma possível ofensa à dignidade humana. A chamada estatização do direito privado certamente passa por esse enfoque.

Ninguém ignora que, a partir da edição da Lei nº 9.656/1998, os planos de saúde privados sofreram uma grande transformação, na medida em que novas normas e procedimentos passaram a gerir esses contratos. As incidências do Código de Defesa do Consumidor e do Estatuto do Idoso também trouxeram nova perspectiva sobre a questão. Ainda, a criação, por parte do Poder Executivo, da Agência Nacional de Saúde Suplementar – ANS, com a finalidade promover a defesa do interesse público na assistência suplementar à saúde, mostra-nos a importância do tema.

Mesmo com essa gama de proteção legal, muitas seguradoras sistematicamente burlam os direitos dos contratantes de planos de saúde privado. A prática de reajustar o plano anualmente, de acordo com os índices autorizados pela ANS (o chamado índice de reajuste anual), e, concomitantemente, em face da mudança de faixa etária, mesmo para usuários protegidos pelo Estatuto do Idoso, é exemplo disso. Outra prática que condenável é a antecipação do aumento para a faixa dos 59 anos, no intuito de fugir à aplicação do Estatuto do Idoso. Existem, ainda, inúmeras negativas de coberturas que não foram informadas no contrato, em colisão com o Código de Defesa do Consumidor.

Mas o Poder Judiciário está atento aos fins sociais que a legislação persegue. Recentemente, o Sétimo Juizado Cível de Brasília decidiu que o atendimento médico de emergência dispensa o prazo de carência contratual. O Tribunal Regional do Trabalho da Terceira Região julgou que a Justiça do Trabalho é competente para julgar pedidos relativos a plano de saúde quando o direito decorre da relação de trabalho, o que garante ao usuário uma competência processual que lhe é, evidentemente, favorável.

As condutas ilícitas, portanto, vêm sendo combatidas com sucesso perante o Poder Judiciário, que acaba por desenhar a prática ideal nessa relação existente entre segurado e seguradora.

Como se vê, é harmoniosa a atuação dos nossos três Poderes na questão. O Poder Executivo, através da Agência Nacional de Saúde Suplementar, regula o setor de planos de saúde no Brasil. O Poder Legislativo vem elaborando leis que protegem o usuário dos planos privados sob o enfoque visivelmente humano. O Poder Judiciário, por sua vez, além de seguir essa tendência, muitas vezes se antecipa às inovações legislativas para dar a adequada proteção que os indivíduos necessitam.

 

Arnaldo Rizzardo Filho – Advogado

Carine A. Rizzardo – Advogada

contato@rizzardoadvogados.com.br

http://www.rizzardoadvogados.com.br

 

 

Importante:
1 - Conforme lei 9.610/98, que dispõe sobre direitos autorais, a reprodução parcial ou integral desta obra sem autorização prévia e expressa do autor constitui ofensa aos seus direitos autorais (art. 29). Em caso de interesse, use o link localizado na parte superior direita da página para entrar em contato com o autor do texto.
2 - Entretanto, de acordo com a lei 9.610/98, art. 46, não constitui ofensa aos direitos autorais a citação de passagens da obra para fins de estudo, crítica ou polêmica, na medida justificada para o fim a atingir, indicando-se o nome do autor (Arnaldo Rizzardo Filho) e a fonte www.jurisway.org.br.
3 - O JurisWay não interfere nas obras disponibilizadas pelos doutrinadores, razão pela qual refletem exclusivamente as opiniões, ideias e conceitos de seus autores.

Nenhum comentário cadastrado.



Somente usuários cadastrados podem avaliar o conteúdo do JurisWay.

Para comentar este artigo, entre com seu e-mail e senha abaixo ou faço o cadastro no site.

Já sou cadastrado no JurisWay





Esqueceu login/senha?
Lembrete por e-mail

Não sou cadastrado no JurisWay




 
Copyright (c) 2006-2021. JurisWay - Todos os direitos reservados