JurisWay - Sistema Educacional Online
 
Kit com 30 mil modelos de petições
 
Cursos
Certificados
Concursos
OAB
ENEM
Vídeos
Modelos
Perguntas
Eventos
Artigos
Fale Conosco
Mais...
 
Email
Senha
powered by
Google  
 

Trocamos uma violência por outra


Autoria:

João Clair Silveira


Advogado em Direito de Trabalho e Direito de Família, com especialidade em Assédio Moral no Trabalho

envie um e-mail para este autor

Resumo:

Segundo o autor, houve uma substituição da força física, que passou a ser monopólio do Estado, pelo argumento, pela fala, pela voz. O ser humano, individual ou coletivamente, passou a usar a negociação, a composição; portanto, o argumento.

Texto enviado ao JurisWay em 06/08/2013.



Indique este texto a seus amigos indique esta página a um amigo



Quer disponibilizar seu artigo no JurisWay?

Conforme Lewis Henry Morgan, a raça humana viveu, progressivamente, um período de selvageria que precedeu a barbárie, e esta precedeu a civilização. Com a civilização surgiu o Estado. Alguns datam a gênese do Estado há cerca de 10 mil anos, na Mesopotâmia.

Assim, conforme os contratualistas, a civilização criou o Estado e concentrou a força física (poder da violência física) em suas mãos, o monopólio da “força pública”. O uso dessa força foi desenvolvido desde a prática tirânica, arbitrária e absoluta do despotismo, até dos chamados regimes democráticos da modernidade. Com a modernidade tem-se o Estado, o Direito e as Instituições sociais e políticas.

Com isso, operou-se uma substituição da força física, que passou a ser monopólio do Estado, pelo argumento, pela fala, pela voz. O ser humano, individual ou coletivamente, passou a usar a negociação, a composição; portanto, o argumento no lugar da violência, da força física. Ocorre que, também na modernidade, os espaços públicos da fala, do debate, do argumento e da ação coletiva (fora do Estado) passaram a ser monopolizados pelos meios de comunicação. Desde a antiguidade selvagem até os dias atuais, ocorreu um processo de “domesticação” do ser humano, com a retirada da possibilidade da força física (o que efetivamente tornou possível uma convivência civilizada, pois, sem ela, a própria espécie humana já teria sido extinta), em substituição pela razão argumentativa, que, porém, tornou-se monopólio dos meios de comunicação de massa.

Assim, o Estado usa a força apenas para evitar seu uso por parte do indivíduo, ou seja, a força contra o uso da força. E o uso da razão, que é manifesta primordialmente pela palavra, pelo argumento, foi usurpada pelos grandes meios de comunicação que passaram a ter o monopólio da voz, da palavra. Dessa forma, a civilização proibiu o uso da força e monopolizou (em favor de um pequeno grupo) o uso da palavra, ou seja, da manifestação da razão, manipulando a razão dos demais, e assim, o ser humano foi domesticados pela sua própria espécie.

A moderação e a estabilização de interesses e de expectativas são produzidas por meio do convencimento racional, com o uso do argumento, da fala. Para que a fala tenha a força de produzir essa estabilidade é necessário que ela seja compreendida e assimilada como sendo verdadeira, portanto, deve ter força de verdade. Nos meios de comunicação de massa, a verdade do argumento está relacionada à autoridade de seu emissor. Se determinada pessoa ou meio de comunicação disse determinada coisa, ela carrega uma força de verdade, pois quem a disse tem autoridade de fazer com que o seu “dito”, seja o efetivo “feito”.

Nos casos dos meios de comunicação, principalmente no Brasil, onde o que é dito é “produzido” por um pequeno número de empresas, a autoridade de quem diz e, portanto, a verdade do que é dito, se manifesta no poder de dizê-la: assim, a verdade é produzida e dita por quem tem o poder de dizê-la.  

O ser humano, portanto, trocou um poder dominante por outro: o poder de domínio da força pelo poder do domínio da comunicação e, portanto, da fala, do argumento e, em última análise, da própria manipulação. Civilização é inteligência (razão); barbárie é instinto (paixão); assim, a civilização proíbe o instinto e manipula a inteligência. O Estado possui o monopólio da força física e poucos meios de comunicação possuem o monopólio da força da argumentação.

Logo, se na antiguidade o ser humano vivia sob o jugo de quem (indivíduos ou grupos) possuía a força física, exercida através da violência corporal (que hoje é monopolizada pelo Estado); atualmente, vive sob outro jugo, o da violência da razão, do convencimento, exercida e imposta por quem possui a força e o monopólio da fala, da comunicação. 

Edson Luís Kossmann

Dallagnol Advogados Associados

edsonlk@hotmail.com

www.advogadosdallagnol.com.br

 

 

 

 

Importante:
1 - Conforme lei 9.610/98, que dispõe sobre direitos autorais, a reprodução parcial ou integral desta obra sem autorização prévia e expressa do autor constitui ofensa aos seus direitos autorais (art. 29). Em caso de interesse, use o link localizado na parte superior direita da página para entrar em contato com o autor do texto.
2 - Entretanto, de acordo com a lei 9.610/98, art. 46, não constitui ofensa aos direitos autorais a citação de passagens da obra para fins de estudo, crítica ou polêmica, na medida justificada para o fim a atingir, indicando-se o nome do autor (João Clair Silveira) e a fonte www.jurisway.org.br.
3 - O JurisWay não interfere nas obras disponibilizadas pelos doutrinadores, razão pela qual refletem exclusivamente as opiniões, ideias e conceitos de seus autores.

Nenhum comentário cadastrado.



Somente usuários cadastrados podem avaliar o conteúdo do JurisWay.

Para comentar este artigo, entre com seu e-mail e senha abaixo ou faço o cadastro no site.

Já sou cadastrado no JurisWay





Esqueceu login/senha?
Lembrete por e-mail

Não sou cadastrado no JurisWay




 
Copyright (c) 2006-2021. JurisWay - Todos os direitos reservados