JurisWay - Sistema Educacional Online
 
É online e gratuito, não perca tempo!
 
Cursos
Certificados
Concursos
OAB
ENEM
Vídeos
Modelos
Perguntas
Notícias
Artigos
Fale Conosco
Mais...
 
Email
Senha
powered by
Google  
 

ESPONSAIS


Autoria:

Julia Dullius Porn


Sou estudante do curso de Direito do Centro Universitário Univates da cidade de Lajeado - RS, estou aproximadamente no 8º semestre.

Outros artigos do mesmo autor

A menina do vale
Outros

Aposentadoria especial
Direito Previdenciário

SISTEMAS PROCESSUAIS
Direito Processual Penal

o trabalho infantil
Direitos Humanos

promessa de recompensa
Direito Civil

Mais artigos...

Texto enviado ao JurisWay em 28/04/2013.

Última edição/atualização em 30/04/2013.



Indique este texto a seus amigos indique esta página a um amigo



Quer disponibilizar seu artigo no JurisWay?

O assunto que é trazido à tona, é uma das grandes controvérsias no Direito de Família, a começar pelo correto modo de nos referirmos, devemos falar em esponsais ou em promessa de casamento, e esse assunto merece ou não ser tratado no Código, e se em caso de rompimento, se há ou não o dever de indenizar.

 Numa tentativa de conceituação, temos aqueles que falam em verdadeiros contratos, outros em contrato promessa, um quase contrato, contrato de natureza especial, fato jurídico ou ainda um ato jurídico complexo.

O que todos sabemos é que é bastante incomum que uniões matrimoniais surjam sem qualquer pedido ou mesmo promessa anterior, para acontecer o casamento é preciso que o noivo se dirija à noiva e ajuste o casamento.

O conflito existe justamente quando essa promessa não atinge seu fim. Alguns falam em “justo motivo” para que exista esse rompimento dos esponsais, ou da promessa de casamento. É uma expectativa de comportamento adequado por parte do outro componente.

No andamento da evolução do Direito Romano, os esponsais sofreram várias transformações. No período primitivo, essas promessas de casamento tinham eficácia jurídica plena, e existia uma ação específica pela qual se obtinha a indenização que era devida pelo rompimento.

O período clássico e marcado por um retorno primitivo, o que rompesse injustamente com a promessa sofreria punições de cunho patrimonial.

O Brasil somente veio a ter uma lei que regulamentasse os esponsais em 6 de outubro de 1784, lei essa que foi outorgada por D. Maria I de Portugal, essa lei conferia ao noivado uma natureza contratual, exigindo a forma de escritura pública e admitia ainda a figura de uma cláusula penal ou ainda indenização em razão da forma injusta como se deu a ruptura da promessa.

Importante:
1 - Conforme lei 9.610/98, que dispõe sobre direitos autorais, a reprodução parcial ou integral desta obra sem autorização prévia e expressa do autor constitui ofensa aos seus direitos autorais (art. 29). Em caso de interesse, use o link localizado na parte superior direita da página para entrar em contato com o autor do texto.
2 - Entretanto, de acordo com a lei 9.610/98, art. 46, não constitui ofensa aos direitos autorais a citação de passagens da obra para fins de estudo, crítica ou polêmica, na medida justificada para o fim a atingir, indicando-se o nome do autor (Julia Dullius Porn) e a fonte www.jurisway.org.br.
3 - O JurisWay não interfere nas obras disponibilizadas pelos doutrinadores, razão pela qual refletem exclusivamente as opiniões, ideias e conceitos de seus autores.

Nenhum comentário cadastrado.



Somente usuários cadastrados podem avaliar o conteúdo do JurisWay.

Para comentar este artigo, entre com seu e-mail e senha abaixo ou faço o cadastro no site.

Já sou cadastrado no JurisWay





Esqueceu login/senha?
Lembrete por e-mail

Não sou cadastrado no JurisWay




 
Copyright (c) 2006-2019. JurisWay - Todos os direitos reservados