JurisWay - Sistema Educacional Online
 
JurisWay - Novo CPC com Certificado
 
Cursos
Certificados
Concursos
OAB
ENEM
Vídeos
Modelos
Perguntas
Notícias
Artigos
Fale Conosco
Mais...
 
Email
Senha
powered by
Google  
 

abandono afetivo


Autoria:

Julia Dullius Porn


Sou estudante do curso de Direito do Centro Universitário Univates da cidade de Lajeado - RS, estou aproximadamente no 8º semestre.

Outros artigos do mesmo autor

o trabalho infantil
Direitos Humanos

Ensaio e Discurso sobre a Interpretação/Aplicação do Direito
Outros

ESPONSAIS
Direito Civil

responsabilidade civil objetiva
Responsabilidade Civil

SISTEMAS PROCESSUAIS
Direito Processual Penal

Mais artigos...

Texto enviado ao JurisWay em 19/03/2013.

Última edição/atualização em 24/03/2013.



Indique este texto a seus amigos indique esta página a um amigo



Quer disponibilizar seu artigo no JurisWay?

 

                São cada vez mais frequentes as indenizações por dano moral, elas são usadas para compensar a vítima e para inibir o ofensor a não mais praticar tais atos. A pouco tempo o Poder Judiciário começou a reconhecer danos morais também nas relações familiares, o abandono emocional do filho de pais separados, filhos estes que acabam ficando com as mães e tendo dos seus pais apenas a contribuição financeira, sem qualquer laço afetivo.

                As mães representando ou assistindo seus filhos passaram a processar os pais, alegando possíveis prejuízos psicológicos por falta de carinho e atenção. Recentemente saiu a condenação para um pai cumprir as datas de visitação sob pena de arcar com R$ 75,00 por dia, assim fica claro que a visitação passa a ser obrigada.

                Muitos defendem a paternidade responsável que entende que sim o pai deve arcar com as responsabilidades, sejam elas financeiras e também emocionais e psicológicas.

                É uma questão muito complexa, mas acredito que nada supre o amor de um pai, muito menos o dinheiro, com essa multa a maioria dos pais acabará visitando seus filhos apenas para não pagar a mesma.

                A qualidade desses encontros será cada vez pior, um pai obrigado certamente não é como um pai que está ali por vontade própria, e o que é pior para um filho? Não conviver com seu pai ou saber que esta do seu lado por obrigação?

                Sabe-se que a presençã paternal é fundamental, mas temos que achar outras soluções para incentivá-los, não será cobrando multas e obrigando-os a visitação que conseguiremos esta aproximação, o amor de pai jamais terá preço.

Importante:
1 - Conforme lei 9.610/98, que dispõe sobre direitos autorais, a reprodução parcial ou integral desta obra sem autorização prévia e expressa do autor constitui ofensa aos seus direitos autorais (art. 29). Em caso de interesse, use o link localizado na parte superior direita da página para entrar em contato com o autor do texto.
2 - Entretanto, de acordo com a lei 9.610/98, art. 46, não constitui ofensa aos direitos autorais a citação de passagens da obra para fins de estudo, crítica ou polêmica, na medida justificada para o fim a atingir, indicando-se o nome do autor (Julia Dullius Porn) e a fonte www.jurisway.org.br.
3 - O JurisWay não interfere nas obras disponibilizadas pelos doutrinadores, razão pela qual refletem exclusivamente as opiniões, ideias e conceitos de seus autores.

Nenhum comentário cadastrado.



Somente usuários cadastrados podem avaliar o conteúdo do JurisWay.

Para comentar este artigo, entre com seu e-mail e senha abaixo ou faço o cadastro no site.

Já sou cadastrado no JurisWay





Esqueceu login/senha?
Lembrete por e-mail

Não sou cadastrado no JurisWay




 
Copyright (c) 2006-2019. JurisWay - Todos os direitos reservados