JurisWay - Sistema Educacional Online
 
JurisWay - Preparatório OAB
 
Cursos
Certificados
Concursos
OAB
Vídeos
Modelos
Perguntas
Notícias
Fale Conosco
Mais...
 
Email
Senha
powered by
Google  
 
 Sala dos Doutrinadores - Peças Jurídicas
Autoria:

Márcio António Alves


Advogado, Professor universitário licenciado, articulista, palestrante, mestre e doutorando em Direito, pos-graduado, Conselheiro da OAB-ILHA.

Outros artigos da mesma área

Principais Diferenças entre o Casamento, a União estável e a União Homoafetiva.

Casar ou morar junto

ADOÇÃO DO PORTADOR DE NECESSIDADES ESPECIAIS: DESAFIO NO CUMPRIMENTO DOS ATOS LEGAIS - UM DESAFIO PARA A SOCIEDADE BRASILEIRA

Sindrome da Alienação Parental e a Legislação Brasileira

Como se calcula a Pensão Alimentícia dos Filhos?

O DIREITO A ALIMENTOS PELA MULHER SEPARADA OU DIVORCIADA

GUARDA COMPARTILHADA

A BOA-FÉ OBJETIVA NO RECONHECIMENTO DA PATERNIDADE SOCIOAFETIVA E A INDISPENSABILIDADE DA AUTONOMIA DA VONTADE

A constitucionalidade do casamento homoafetivo

Famílias Homoafetivas: da completa anomia regrada de preconceitos aos posicionamentos positivos adotados pelos Egrégios Supremo Tribunal Federal e Superior Tribunal de Justiça

Mais artigos da área...

Peças Jurídicas Direito de Família União Estável

Inicial de justificação de união estável

inicial de justificação de união estável

Texto enviado ao JurisWay em 20/11/2007.

indique está página a um amigo Indique aos amigos

Quer disponibilizar seu artigo no JurisWay?
Ex.mo Sr. Dr. Juiz de Direito da Vara de Família/Fazenda Pública da Comarca xxxxxxxxx.
 
 
 
 
 
 
                            xxxxxxxxxxx, xxxxxxxxx, xxxxxxxxx, xxxxxxxxxxxxx, portador da Cart. de Identidade n.º xxxxxxxxxxx e do CPF/MF n.º xxxxxxxxxxxxx, domiciliado na xxxxxxxxxxxxxxxxxx, nesta Cidade, vem, com fundamento nos arts. 861 da Lei de Ritos a art. 226, § 3°. , da CRFB e Lei n°. 9.278, de 10.05.1996 (Estatuto da União Estável), por seus advogados, infra-assinados, ut instrumento mandato incluso, propor a presente JUSTIFICAÇÃO JUDICIAL, em face de  xxxxxxxxxxx, xxxxxxxxx, xxxxxxxxx, xxxxxxxxxxxxx, portador da Cart. de Identidade n.º xxxxxxxxxxx e do CPF/MF n.º xxxxxxxxxxxxx, domiciliado na xxxxxxxxxxxxxxxxxx, tendo em vista os seguintes fatos e fundamentos jurídicos seguintes:
I – DA GRATUIDADE PARCIAL DE TAXA JUDICIÁRIA, CUSTAS PROCESSUAIS E EMOLUMENTOS
         Consoante a Lei, n.º 1.060, de 05/02/50, art. 3.º, incs. I e II c/c art. 9.º, que em suas redações prevêem a assistência judiciária sem prejuízo do sustento dos necessitados, no que tange ao pagamento de taxa judiciária, custas processuais e emolumentos, mesmo a título parcial, em todas fases do processos até a decisão final, em todas as instâncias, como também entende os nossos Tribunais.
II – DOS FATOS
1.                 O Autor convivia em união estável com a Finada xxxxx, acerca de treze anos, quando teve juntamente a fina companheira, a filha do casal, de nome xxxx, brasileira, estudante, menor impúbere, atualmente, com xxxx, conforme faz prova a Certidão de Nascimento em anexo.
2.                 Deve se salientar, por derradeiro, que o Suplicante mantém contas-correntes conjuntas com a falecida, nos Bancos xxxxxx, conforme faz prova a inclusa cópia reprográfica, acusando como endereço de ambos, o apartamento que lhes servia de residência.
3.                 Conforme cópia reprográfica que ora se anexa, o autor juntamente com a fínada companheira, adquiriram em xxxxx, um carro xxxxxx, no valor de xxxxxx.
4.                 Que por diversas vezes o Autor juntamente com a finada companheira estiveram fazendo tratamento no Centro de Infertilidade do Centro Médico Rio-Mar, no período de xxxxxx, conforme faz prova a cópia reprográfica da Declaração Médica prestada pelo Dr. xxxxxxx, Diretor do respectivo Centro, posto que a falecida companheira do Autor, tinha interesse em engravidar junto com esse.
5.                 O Autor, xxxxxx, foi nomeado xxxxx, xxxxxx, conforme cópia reprográfica do documento que ora se anexa.
6.                 Em xxxxx, o Autor recebeu no endereço na antiga residência do casal, carta endereçada em seu nome Cerimonial do Gabinete da Presidência do Tribunal, onde o Exmo. Dr. Juiz de Direito Titular da Vara Cível xxxxxxxx, cumprimentando o Autor, prestou homenagem a Digníssima finada companheira do Autor, como reconhecimento e agradecimento pelo trabalho por ela prestado à comunidade, onde sua Ex.a, aproveitou a oportunidade para apresentar protestos de estima e consideração, sendo a respectiva carta assinada pelo Exmo. Sr. Dr. Desembargador Presidente desta Egrégia Corte, como se vê da cópia reprográfica que ora se anexa.
III – DOS FUNDAMENTOS JURÍDICOS
         Dispõe o art. 861 do CPC que: “Quem pretender justificar a existência de algum fato ou relação jurídica, seja para simples documentos e sem caráter contencioso, seja para servir de prova em processo regular, exporá, em petição circunstanciada, a sua intenção."
         MILTON MENEZES DA COSTA[1] e THEOTÔNIO NEGRÃO[2], exposicionam que a justificação judicial regulada no art. 861, para servir de prova em processo regular, contencioso ou administrativo, tem por objetivo justificar a existência de ato ou relação jurídica, bastando, para que tenha cabimento a justificação, que o interessado queira formar prova para futuro procedimento. Neste sentido: RT, 642/128.
         Sobre ser do assunto, o Desembargador do TJMG HUMBERTO THEODORO JÚNIOR[3] assinala que: “Não há contraditório na Justificação e nela o Juiz nada decide, limitando-se a aferir, extrinsecamente, a observância das formalidades legais, sem pronunciamento algum sobre o conteúdo da prova colhida.”
         Segundo JÔNATAS MILHOMENS e GERALDO MAGELA ALVES[4], ao comentarem sobre a justificação judicial, explanam que a serve para querer "justificar a existência de um fato, ou de uma relação jurídica para, depois, em ação própria, servir-se da justificação como prova", seja para simples documento e sem caráter contenciosos, seja para servir de prova em processo regular
         No mesmo diapasão, GALENO LACERDA[5], leciona que: "Por essa razão, no pedido de justificação não se desce ao exame do fumus bonis iuris, ainda mais que o interessado nem sempre necessitará ou desejará propor ação principal e nem sempre se identificará com o autor desta ... Os mesmos motivos dispensam o requerente da comprovação do periculum in mora.", encontrando-se a matéria já pacificada nos Tribunais: RT 122/39; 423/154; 488/197; 504/86; 531/217
         A União estável encontra-se amparada constitucionalmente a partir de 1988, como se depreende do art. 226, § 3°., como bem lembra o Desembargador do TJPR, Ronaldo Accioly[6], que: “O Concubinato, sendo uma união estável entre o homem e a mulher, é hoje reconhecido pela Constituição Federal, como entidade familiar. E, assim sendo, deve ser tratado com os mesmos princípios do Direito de Família.”
         Vale transcrever o entendimento do Desembargador do citado Tribunal, Renato Pedroso[7], que: “Se é certo que o legislador constituinte procurou amparar a união estável entre o homem e a mulher como entidade familiar, no sentido de facilitar a sua conversão em casamento, fê-lo por considerar a família como base da sociedade, da mesma sorte que a Súmula 380 do STF, deu foro de legalidade ao concubinato.” Neste sentido: STJ, REsp n°. 10113/SP, j. 04/06/91, rel. Min. Sálvio de Figueiredo, v. u.
         Para que se reconheça a união estável, se faz necessária a estabilidade, exclusividade, notoriedade, affectio maritalis, comunhão de vida, etc.
         Assim, como se pode verificar, tanto na jurisprudência como na doutrina pátria, vem admitindo a ação de reconhecimento ou declatória da união estável, consagrada pelo verbete n°. 380, das Súmulas do STF, desde que reunidos os elementos necessários para a configuração da união, como frisa o Juiz do TACSP, Silvio Venosa[8].
         Quando o falecido o companheiro, a ação deverá ser movida contra os herdeiros[9] ou Estado, se for funcionário público, à título de habilitação à pensão, como entendem o Juiz de TACSP, Euclides de Oliveira[10] e o Desembargador do TJSP, Roberto Bedran[11].
         A respeito do assunto telado, traz-se à baila o entendimentos sumulados do STF e do extinto TFR:
        Verbete n°. 382 das Súmulas do STF
“A vida em comum sob o mesmo teto, more uxorio, não é indispensável à caraterização do concubinato”.
        Verbete n°. 122 das Súmulas do extinto TFR
“A companheira, atendidos os requisitos, faz jus à pensão do segurado falecido, quer em concorrência com os filhos do casal, quer em sucessão a estes, não constituindo obstáculo do óbito ...”
         Insta invocar ainda a jurisprudência do TJRGS:
“Concubinato. União Estável. O concubinato é entidade familiar, diz com o estado das pessoas. A matéria pertinente à ‘união estável’, constitucionalemtne protegida, é da competência das Varas de Família (5ª. CC, C.Comp. n°. 589078831, rel. Des. Lino Cesar Schimitt, j. 17/04/90)
III – DO PEDIDO
         Ex positis, REQUER o Justificante a V. Ex.a:
A)              A concessão de gratuidade de taxa judiciária e custas processuais;
B)               A intimação dos herdeiros do de cujus, xxxxxxx, essa última, através de seu representante legal, para assistir à presente justificação;
C)              Que sejam inquiridas as testemunhas abaixo arroladas, em dia e hora que forem designados, com o objetivo de produzir as necessárias provas de que por esta Justificação Judicial, fiquem provados os fatos que acima alega e comprova com os documentos anexados;
D)              A oitiva do órgão do Ministério Público Federal, se necessário,
E)               Que seja a presente justificação julgada por sentença, justificando a condição de companheiro, da finada xxxxxxxxxxxxx, já qualificada, por terem convivido sob o mesmo teto, more uxorio, por mais de xxxxxxxx anos, como se casados fossem, perante a sociedade, fazendo, por isto, jus às disposições legais que regem os direitos e deveres inerentes a estas condições, inclusive, para recebimento de pensão, pecúlio e seguros, abertura e/ou habilitação no Inventário da finada, e entregues os autos ao Justificante, independente de traslado, para utilização segundo lhe convier, por ser de direito..
         Indica a produção de em Direito admitidas, notadamente, documental, e as que convier à presente causa, se necessárias; testemunhal, cujo rol, será apresentado no momento oportuno, cujas intimações desde já requer; requisição de informações com expedição de ofícios a órgãos públicos e privados, como de direito.
         Com base no art. 39, I, da Lei de Ritos, o Justificante indica o endereço do escritório de seus patronos, sediados na xxxxxxxxxxx.
 
         Atribui-se à presente causa, o valor de R$ xxxxxxxxx.
Nestes termos, por ser da mais lídima Justiça e de Direito,
                                                                  pede e espera deferimento.
Data.
 
Xxxxxxxxxxx
OAB xxxxxxxxxx


[1] Manual Forense de Formulários Práticos, 7.ª ed., Forense, RJ, 1997, p. 90
[2] Código de Processo Civil e legislação processual em vigor, 28.ª ed., Saraiva, p. 592
[3] 1994:507
[4] Manual Prático do Advogado, 14.ª ed., Forense, RJ, p. 265
[5] Comentário ao CPC, v. III, tomo II, n°. 100
[6] 4ª. CC, AI n. 10809-6, v. u.
[7] 3ª. CC, Ap. 1521/80, v. u.
[8] Direito Civil, Direito de Família, v. 5, Sp: Atlas, 2001, p. 370
[9] RJTJESP 41/52
[10] 2ª. CC, Ap. 495.630, j.13/08/97, v. u.
[11] Ai n°. 97439-4, j. 09/02/99, v. u.
Importante:
1 - Conforme lei 9.610/98, que dispõe sobre direitos autorais, a reprodução parcial ou integral desta obra sem autorização prévia e expressa do autor constitui ofensa aos seus direitos autorais (art. 29). Em caso de interesse, use o link localizado na parte superior direita da página para entrar em contato com o autor do texto.
2 - Entretanto, de acordo com a lei 9.610/98, art. 46, não constitui ofensa aos direitos autorais a citação de passagens da obra para fins de estudo, crítica ou polêmica, na medida justificada para o fim a atingir, indicando-se o nome do autor (Márcio António Alves) e a fonte www.jurisway.org.br.
3 - O JurisWay não interfere nas obras disponibilizadas pelos doutrinadores, razão pela qual refletem exclusivamente as opiniões, ideias e conceitos de seus autores.

Comentários e Opiniões

1) Andréa (22/06/2009 às 16:21:03) IP: 189.106.104.91
Parabéns pela bela orientação e disponibilidade em compartilhar sua experiência. Que bom encontrar colegas com essa generosidade. Obrigada.
Abraços,
Andréa Costa
Advogada . Rio de Janeiro-RJ
2) Alencar (21/08/2009 às 16:52:50) IP: 187.14.9.195
Quero agradecer-lhe pela brilhante elaboração da petição de justificação judicial; como também dizer, que os grandes sábios nunca se omitiram em transmitir conhecimentos, tornando-se dessa forma mais sábios.Obrigado!
3) Carlos Freire(advogado/rj) (28/08/2009 às 11:04:09) IP: 201.5.43.147
Parabens pela bela explanação sobre o assunto,

Freirelemos@uol.com.br
4) Aurelio (29/09/2009 às 21:01:35) IP: 187.13.178.198
grato por sua estimada informação, gostaria de saber qual é tramite legal após a justificação?
5) Sonia (10/10/2009 às 22:23:59) IP: 187.34.46.104
Era o que eu precisava.obrigada por compartilhar esse belo trabalho.
6) Jorge Venancio (15/10/2009 às 03:10:02) IP: 187.15.73.22
Gostei muito do seu comentario me esclareceu muito como elaborar uma petição deste formato muito obrigado por compartilhar que Deus continue lhe abençoando mais e mais muito obrigado dvrf@oi.com.br
7) Solange Mundim (28/03/2010 às 09:35:39) IP: 187.89.129.43
Excelente petição com esboço dos fatos e fundamentação precisa, portanto, gostaria, se possível, de um modelo de petição de Justificação de casal (alemão e brasileira) consensual para conseguir visto permanente para residir no Brasil.
Desde já, agradeço.
8) Jose (25/11/2010 às 19:15:16) IP: 189.105.221.14
Otima peça juridica.


Somente usuários cadastrados podem avaliar o conteúdo do JurisWay.

Para comentar este artigo, entre com seu e-mail e senha abaixo ou faço o cadastro no site.

Já sou cadastrado no JurisWay





Esqueceu login/senha?
Lembrete por e-mail

Não sou cadastrado no JurisWay




 
Copyright (c) 2006-2014. JurisWay - Todos os direitos reservados