JurisWay - Sistema Educacional Online
 
JurisWay - Preparatório OAB
 
Cursos
Certificados
Concursos
OAB
Vídeos
Modelos
Perguntas
Notícias
Fale Conosco
Mais...
 
Email
Senha
powered by
Google  
 
 Sala dos Doutrinadores - Artigos Jurídicos
Autoria:

Gustavo Rodrigo Picolin


Advogado, graduado pela UNIRP (Centro Universitário de Rio Preto), Pós Graduado em Direito Tributário Pela Unisul - SC

envie um e-mail para este autor

Outros artigos do mesmo autor

INTERVENÇÃO DE TERCEIROS
Direito Processual Civil

Apurações no Inquérito Policial
Direito Penal

SUBSTITUIÇÃO PROCESSUAL
Direito Processual Civil

CHAMAMENTO AO PROCESSO
Direito Processual Civil

INTERVENÇÃO DE TERCEIROS
Direito Processual Civil

Mais artigos...

Artigos Jurídicos Direito Penal Inquérito Policial

Inquérito Policial

Texto enviado ao JurisWay em 26/01/2007.

indique está página a um amigo Indique aos amigos

Quer disponibilizar seu artigo no JurisWay?

CONCEITOS DE INQUÉRITO POLICIAL

A prática de um fato definido em lei como crime ou contravenção faz surgir, para o estado, o jus puniendi, que somente pode ser concretizado por meio do processo. A pretensão punitiva do Estado somente pode ser deduzida em juízo, mediante a ação penal, ao término da qual, sendo o caso, será aplicada a sanção penal adequada.

Para que se proponha a ação penal, entretanto, é necessário que o Estado disponha de um mínimo de elementos probatórios que indiquem a ocorrência de uma infração penal e sua autoria. O meio mais comum, embora não exclusivo, para a colheita desses elementos é o inquérito policial.

Portanto, Inquérito Policial é a documentação das diligências efetuadas pela Polícia Judiciária com vistas a instrução do Processo Criminal. É o instrumento formal de investigação. Relaciona-se com o verbo inquirir, que significa perguntar, indagar, procurar, averiguar os fatos, como ocorreram e quem é o seu autor.

O Inquérito Policial é um conjunto de diligências, um trabalho muitas vezes difícil, sendo varias as investigações feitas, como a ouvida de testemunhas e do próprio ofendido. Procedem-se perícias, realizam-se buscas e apreensões, avaliações, reconhecimento e ouve-se também o pretenso responsável. Procedendo mediante a inquirição, indagação e averiguação do fato delituoso, sua autoria e suas circunstâncias. É inquisitório, pois não existe no mesmo a figura do contraditório, ou seja, é dirigido exclusivamente pela autoridade policial, podendo esta inquirir quantas pessoas forem necessárias à elucidação do fato.

Para MIRABETE (1997):

Tem-se por inquérito policial todo procedimento policial destinado a reunir os elementos necessários à apuração da prática de uma infração penal e de sua autoria. Trata-se de uma instrução provisória, preparatória, informativa, em que se colhem elementos por vezes difíceis de obter na instrução judiciária, como auto de flagrante, exames periciais, etc.

 

O objetivo primordial do Inquérito Policial é reunir provas da materialidade e da autoria de determinado crime, que servirão de fundamento para o oferecimento da denúncia, sendo o mesmo, uma garantia contra apressados e errôneos juízos, formados quando ainda persiste a trepidação moral causada pelo crime, ou antes, para que seja possível uma exata visão do conjunto dos fatos, nas suas circunstâncias objetivas e subjetivas.

O inquérito é necessário para a colheita de elementos indispensáveis à propositura da ação penal, no entanto, não é obrigatório, pois quaisquer outras peças de informação podem servir de base para a formação da “opinio delicti” do “dominus litis” e, conseqüentemente, a propositura da ação penal.

O Decreto nº 4.824, de 22/11/1981, já dizia em seu artigo 42 que “O inquérito policial consiste em todas as diligências necessárias para o descobrimento do fato criminoso, de suas circunstâncias e de seus autores e cúmplices”.

Pode-se, portanto, notar que o Inquérito Policial constitui fase investigatória, operando-se em âmbito administrativo. Uma vez que o inquérito precede ao início da ação penal (fase judicial), a ele não se aplicam (ou pelo menos não são de observância estritamente obrigatória) diversos dos princípios basilares informadores do processo penal, como o princípio do contraditório, etc.

O Inquérito Policial, conforme o caso, pode ser instaurado de ofício por portaria da autoridade policial e pela lavratura de flagrante, mediante representação do ofendido, por requisição do juiz, ou do Ministério Público, e por requerimento da vítima.

O Inquérito Policial apresenta como destinatário imediato o titular da ação a que procede, a saber: nas ações penais públicas o Ministério Público, seu titular  exclusivo; e nas ações privadas o ofendido, o titular de tais ações.

CARACTERÍSTICAS DO INQUÉRITO POLICIAL

Deve-se seguir o princípio da licitude das provas, pois como reza o artigo 5º, inc. LVI  não são admissíveis, no processo, as provas obtidas por meios ilícitos.

O processo é extremamente formal, ou seja, deve seguir todos os ritos previamente estipulados para a sua conclusão.

O inquérito, como próprio nome diz, é inquestionável. O indiciado não tem o direito ao contraditório, pois não se incrimina ninguém com o inquérito. O inquérito á apenas uma peça informativa que vai auxiliar o promotor de justiça quando da denúncia. O indiciado não pode recusar-se a atender, sem justificativa, à convocação da autoridade policial, para que seja qualificado e interrogado; em caso contrário, sua condução coercitiva pode ser determinada pela autoridade policial. O mesmo aplica-se às testemunhas e à própria vítima. Comparecendo espontaneamente, o indiciado poderá ou não responder às perguntas que lhe fizer a autoridade. Seu silêncio, contudo, advertir-lhe-á a autoridade, poderá reverter em prejuízo da própria defesa. Ao defensor do indiciado, nesta fase, cabe apenas vigiar pela legalidade do interrogatório e aferir a consonância do termo deste com das declarações do indiciado.

Bushatsky citado por Antônio Gomes Duarte (1996), diz que:

Para instauração de um processo não são necessárias provas capazes de gerar um juízo de certeza de veracidade da imputação; basta que tornem verossímil a acusação. O que não se concebe é uma acusação carente de elementos de convicção. Na verdade, tais elementos, a grosso modo, são colhidos melhormente pela Polícia. Às vezes, contudo, a acusação encontra-se facilmente.

 

As atribuições concedidas à polícia possuem o caráter ARBITRÁRIO, tendo o poder para fazer ou deixar de fazer dentro dos limites fixados pelo direito, podendo deferir ou não os pedidos de prova feitos pelo indiciado ou ofendido, estando de acordo com o artigo 14 do Código de Processo Penal, a autoridade policial não está sujeita à suspeição (artigo 107, Código de Processo Penal).

O Inquérito Policial é ESCRITO, pois estabelece o artigo 9º do Código de Processo Penal que "todas as peças do inquérito policial serão, num só processado, reduzidas a escrito ou datilografadas e, neste caso, rubricadas pela autoridade", tendo por finalidade prestar informação ao titular da ação penal, não se admite a existência de Inquérito Policial oral.

O inquérito Policial é, também, SIGILOSO instituído no artigo 20 do Código de Processo Penal, “a autoridade assegurará no Inquérito Policial o sigilo necessário à alucidação do fato ou exigido pelo interesse da sociedade”. É um elemento necessário para se descobrir o crime, pois se as atividades da polícia tornarem-se públicas,  poderá fica difícil a colheita de provas, facilitando a acultação ou destruição das provas e até a influência do indiciado no depoimento das testemunhas.

Segundo TOURINHO FILHO (1997):

Se o Inquérito visa a investigação, a elucidação, a descoberta das infrações penais e das respectivas autorias, pouco ou quase nada valeria a ação da Polícia Judiciária se não pudesse ser guardado o necessário sigilo durante a sua realização.

 

É o Inquérito Policial INQUISITÓRIO, não se admitindo o contraditório e a ampla defesa, porque durante o inquérito o indiciado não passa de simples objeto de investigação. Não há, no Inquérito, acusação nem defesa, cabendo à autoridade Policial proceder as pesquisas necessárias à propositura da ação penal. Não se admite o contraditório, a Autoridade o dirige secretamente, vai conduzir ao esclarecimento do fato e à respectiva autoria, sem observar uma seqüência traçada em lei. O que faz com que a investigação se torne inquisitória é o não-permitir o contraditório, a imposição do sigilo e a não-intromissão de pessoas estranhas durante a feitura dos atos persecutórios.

O fato da Autoridade Policial não poder arquivar o Inquérito Policial, o torna INDISPONÍVEL, seja na apuração de crime mediante ação penal pública ou privada, de acordo com o artigo 17 do Código de Processo Penal.

O Inquérito Policial é também OBRIGATÓRIO, depois de chegar ao conhecimento da Autoridade Policial a prática de um delito ("notitia criminis"), mediante ação penal pública, deverá instaurar o Inquérito de Ofício.

Finalizando, o Inquérito Policial é AUTO-EXECUTÁVEL, pois sua instauração independe de autorização do Poder Judiciário para sua concretização jurídico-material.

NATUREZA DO INQUÉRITO POLICIAL

Segundo o artigo 9º do Código Penal, "Todas as peças do Inquérito Policial serão, num só processado, reduzidas a escrito ou datilografadas e, neste caso, rubricadas pela autoridade”.

O Inquérito Policial é uma peça de natureza administrativa, guiada por alguns princípios e regras vigentes no processo penal, que outra coisa não representam senão postulados fundamentais da política processual penal de um Estado.

Tais princípios visam:

a-     Legalidade: providências práticas a serem tomadas pelos órgãos oficiais, no sentido de apurar em defesa da sociedade, não podendo ser instaurados inquéritos ou processo segundo conveniências.

b-     Oficialidade: com a prática delituosa surge para o Estado o "jus puniendi", cuja pretensão será deduzida a órgãos oficiais. No Brasil, a apuração é entregue a Polícia Judiciária, destinado-se a apuração das infrações penais.

c-     Impulso Oficial: cumprimento do movimento do Inquérito até o seu termo, pelo delegado, sem depender de interferência das partes para tal.

d-     Indisponibilidade: uma vez instaurado o Inquérito, não pode este ser paralisado indefinidamente ou arquivado. É defeso à autoridade policial determinar o arquivamento do Inquérito. Sendo que a lei prevê prazo para a conclusão do mesmo.

e-     Verdade Real: deve a autoridade policial procurar o verdadeiro autor da infração penal e delimitar sua culpa numa investigação que não encontre limites na forma ou na iniciativa das partes.

Na hipótese de prisão em flagrante homologada pelo juiz, as normas que regem o Inquérito Policial adquirem natureza processual penal.

FINALIDADES DO INQUÉRITO POLICIAL

A finalidade principal do Inquérito Policial é servir de base para a ação penal a ser promovida pelo Ministério Público, fornecendo elementos probatórios que possibilitem ao Juiz determinar a pena a ser aplicada a cada caso.

Segundo o dizer de Tourinho Filho (1997):

O Inquérito Policial tem por finalidade fornecer ao titular da ação penal, seja o Ministério Público, nos crimes de ação pública, seja o particular, nos delitos de alçada privada, elementos idôneos que o autorizem a ingressar em juízo com a denúncia ou queixa, iniciando-se desse modo o processo.

 

A finalidade do Inquérito está disposta nos artigos 4º, 12 e 41 do Código de Processo Penal, que dizem respeito ao inquérito, conclui-se que ele visa a apuração da existência de infração penal e a respectiva autoria, a fim de que o titular da ação penal disponha de elementos que o autorizem a promovê-la. Quanto a apurar a autoria, a Autoridade Policial irá desenvolver intensa atividade para conhecer o verdadeiro autor do fato infringente porque, sem saber quem o cometeu, não poderá ser promovida a ação penal.

Sustenta-se, ainda, a existência de duas finalidades acessórias. A primeira delas, embasar o julgador na decisão sobre a concessão de eventuais medidas cautelares, ainda na fase pré-processual: prisões (temporária e preventiva), busca e apreensão, interceptação telefônica  e seqüestro de bens. Quanto à segunda das finalidades acessórias, fala-se naquela de embasar o juízo de admissibilidade da ação penal, demonstrando o que se convencionou chamar de justa causa para a propositura da ação penal, ou seja, a existência de prova da materialidade do fato e de indícios razoáveis de autoria pesando sobre o acusado ou, procurando demonstrar que o exercício da ação não se revestiu de arbitrariedade, não havendo reparo a ser feito.

Importante:
1 - Conforme lei 9.610/98, que dispõe sobre direitos autorais, a reprodução parcial ou integral desta obra sem autorização prévia e expressa do autor constitui ofensa aos seus direitos autorais (art. 29). Em caso de interesse, use o link localizado na parte superior direita da página para entrar em contato com o autor do texto.
2 - Entretanto, de acordo com a lei 9.610/98, art. 46, não constitui ofensa aos direitos autorais a citação de passagens da obra para fins de estudo, crítica ou polêmica, na medida justificada para o fim a atingir, indicando-se o nome do autor (Gustavo Rodrigo Picolin) e a fonte www.jurisway.org.br.
3 - O JurisWay não interfere nas obras disponibilizadas pelos doutrinadores, razão pela qual refletem exclusivamente as opiniões, ideias e conceitos de seus autores.

Comentários e Opiniões

1) Arlene Pessoa (03/10/2009 às 16:57:26) IP: 189.31.39.168
Parabens Dr. Gustavo pelo excelente artigo, o qual fora escrito de forma clara e objetiva. Com certeza este trabalho trará grande contribuição para o conhecimento acerca do tema.
arlenepc@hotmail.com
2) Shardenha (25/10/2009 às 10:57:09) IP: 187.42.179.175
Parabens pelo excelente artigo, foi de grande ajuda as informaçoes nel contidas.Contudo gostaria de saber se quando o inquerito termina e é remetido com o relatorio ao juizo competente, o Juiz é obrigado a homologar o inquerito?
shardenhamaria@hotmail.com.
desde ja agradeço a atenção.

3) Risolando Benedito Dias (09/03/2010 às 15:53:13) IP: 201.59.14.107
Prezado professor, muito bom seu artigo.
Gostaria de fazer uma observação/retificação quanto a data do Decreto 4.824 que é do império e regula a execução da lei 2.033. Ambos diplomas legais são do ano de 1871, sendo o decreto referido de 22/11/1871. Um abraço.
4) Márcio (23/03/2010 às 15:01:09) IP: 200.140.179.144
ótimo artigo. Simples,mas muito objetivo...
5) Pedro (16/09/2010 às 14:07:43) IP: 187.6.52.16
muito bom mesmo..muito objetivo!
6) Ramon (27/09/2010 às 11:17:34) IP: 187.40.65.165
otimo principalmente a parte das caracteristicas
7) Digno (13/10/2010 às 09:57:21) IP: 200.214.7.141
informação de boa qualidade.
8) Tadeu (03/04/2011 às 12:07:42) IP: 189.107.145.132
Dr. Gustavo Rodrigo Picolin, excelente artigo, muito bem explicado. Obs. Gostaria que tivesse modelo e exemplo de IP.
9) Paulo (25/09/2011 às 20:39:01) IP: 186.222.156.50
Prezado Dr Gustavo Picilin, sobre o conteúdo do seu texto, não tenho nada a falar. Todavia, quanto à forma, gostaria de aconselhar a necessidade de uma melhor revisão gramatical, a fim de sanar alguns defeitos quanto ao uso da crase, quanto à regência nominal e verbal e quanto à pontuação. Aliando o bom conteúdo à forma bem ajustada, podemos ter um texto confiável.


Somente usuários cadastrados podem avaliar o conteúdo do JurisWay.

Para comentar este artigo, entre com seu e-mail e senha abaixo ou faço o cadastro no site.

Já sou cadastrado no JurisWay





Esqueceu login/senha?
Lembrete por e-mail

Não sou cadastrado no JurisWay




 
Copyright (c) 2006-2014. JurisWay - Todos os direitos reservados