JurisWay - Sistema Educacional Online
 
É online e gratuito, não perca tempo!
 
Cursos
Certificados
Concursos
OAB
ENEM
Vídeos
Modelos
Perguntas
Notícias
Artigos
Fale Conosco
Mais...
 
Email
Senha
powered by
Google  
 

Débitos fiscais: a partir de 2009 devem ser parcelados judicialmente


Autoria:

Nagel & Ryzewski Advogados


JULIANO RYZEWSKI Graduado pela Universidade Luterana do Brasil. DANIEL MOREIRA Sócio Fundador da Moreski Advogados, Consultor de Negócios Empresariais e Marketing Jurídico.

envie um e-mail para este autor

Outros artigos da mesma área

OS BENS INALCANÇAVEIS PELA EXECUÇÃO DO CRÉDITO TRIBUTÁRIO

SÚMULA INCONSTITUCIONAL TRIBUTA EMPRESAS DE SERVIÇOS - incongruências dos precedentes da súmula 499 do STJ -

APLICAÇÃO SUBSIDIÁRIA DA LEI 13.105/2015 NAS AÇÕES JUDICIAIS DE EXECUÇÕES FISCAIS

CRÉDITOS TRIBUTÁRIOS E PREVIDENCIÁRIOS RECOLHIDOS INDEVIDAMENTE POR EMPRESAS DE DIVERSOS SETORES PODEM GERAR DEVOLUÇÕES DE VALORES EXPRESSIVOS.

QUAL É A FORMA MAIS JUSTA DE TRIBUTAÇÃO, SOBRE RENDA OU SOBRE CONSUMO?

ENTENDO O eSOCIAL III

A Elaboração e a Entrega da DIRPF 2011 - Declaração do Imposto Sobre a Renda da Pessoa Física ano base 2010

APLICAÇÃO DO PRINCÍPIO DA SELETIVIDADE AO IPTU

LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA É DA ÉPOCA DA DITADURA MILITAR.

A Arrecadação tributária com o uso das ferramentas da tecnologia da informação (T.I.): o papel contributivo do geoprocessamento Aplicado ao IPTU

Mais artigos da área...

Resumo:

Existem decisões pacificadas nos Tribunais Superiores quanto à possibilidade de revisar e discutir dívidas tributárias.

Texto enviado ao JurisWay em 22/08/2012.

Última edição/atualização em 27/08/2012.



Indique este texto a seus amigos indique esta página a um amigo



Quer disponibilizar seu artigo no JurisWay?

O REFIS DA CRISE, por meio da Lei 11.941/09, trouxe às empresas a possibilidade de parcelar suas dividas com descontos nos juros, multas e encargos. Porém, tal benefício atendeu apenas as dividas até novembro de 2008. Além disso, a consolidação dos débitos, por vários motivos, aconteceu somente em 2011. Todavia, a dura realidade é que as empresas não estão conseguindo pagar as parcelas do Refis, ou as que conseguem não estão quitando os impostos correntes desde 2009, acumulando, assim, um  novo passivo.

Aliás, este novo passivo, acrescido de juros, multas e encargos abusivos, é inscrito em dívida ativa e consequente execução fiscal. Dessa forma, resta ao empresário dividir administrativamente esse débito em parcelamento ordinário no máximo em 60 meses, ficando com mais uma parcela impagável e desencadeando inevitáveis penhoras dos bens e conta bancária.

Nesse contexto, é preciso que o empresário seja pró-ativo, estabelecendo estratégias para enfrentar esse dilema, não permitindo que esse círculo vicioso de uma verdadeira tirania fiscal venha afetar e comprometer seu negócio, travando sua produção e enterrando sonhos de sucesso de todo empreendedor.

A única forma de enfrentar essa questão, sobretudo legal, é recorrer ao Judiciário, demonstrando a real capacidade contributiva da empresa, seu papel social, os empregos gerados, sua importância na economia e, principalmente, as ilegalidades e abusos que está submetido no aumento significativo de seus débitos que são corrigidos de forma desproporcional a qualquer investimento.

Existem decisões pacificadas nos Tribunais Superiores quanto à possibilidade de revisar e discutir dívidas tributárias. O empresário deve ser orientado para utilizar de ações especificas e pontuais, pleiteando a redução desses débitos, parcelando em 180 meses ou, ainda, pagando sobre um percentual mínimo de acordo com seu faturamento, objetivando a proteção de seu patrimônio e criando um escudo jurídico em face às execuções fiscais.

Afinal, novamente, estamos diante de uma crise internacional, na qual, apesar de medidas políticas internas, não estão surtindo efeito para alavancar a economia. Todavia, entendemos que, somente com atitudes e processos em massa, se fará pressão para o governo lançar um novo Refis, com descontos, prazos e condições reais de pagamentos de acordo com a capacidade contributiva de cada empresa, a exemplo de um dos primeiros Refis.  

 

Daniel Moreira

Nagel & Ryzewski Advogados

daniel@nageladvocacia.com.br

www.nageladvocacia.com.br

 




Importante:
1 - Conforme lei 9.610/98, que dispõe sobre direitos autorais, a reprodução parcial ou integral desta obra sem autorização prévia e expressa do autor constitui ofensa aos seus direitos autorais (art. 29). Em caso de interesse, use o link localizado na parte superior direita da página para entrar em contato com o autor do texto.
2 - Entretanto, de acordo com a lei 9.610/98, art. 46, não constitui ofensa aos direitos autorais a citação de passagens da obra para fins de estudo, crítica ou polêmica, na medida justificada para o fim a atingir, indicando-se o nome do autor (Nagel & Ryzewski Advogados) e a fonte www.jurisway.org.br.
3 - O JurisWay não interfere nas obras disponibilizadas pelos doutrinadores, razão pela qual refletem exclusivamente as opiniões, ideias e conceitos de seus autores.

Nenhum comentário cadastrado.



Somente usuários cadastrados podem avaliar o conteúdo do JurisWay.

Para comentar este artigo, entre com seu e-mail e senha abaixo ou faço o cadastro no site.

Já sou cadastrado no JurisWay





Esqueceu login/senha?
Lembrete por e-mail

Não sou cadastrado no JurisWay




 
Copyright (c) 2006-2019. JurisWay - Todos os direitos reservados