JurisWay - Sistema Educacional Online
 
É online e gratuito, não perca tempo!
 
Cursos
Certificados
Concursos
OAB
ENEM
Vídeos
Modelos
Perguntas
Notícias
Artigos
Fale Conosco
Mais...
 
Email
Senha
powered by
Google  
 

VALOR MÍNIMO PARA REPARAÇÃO DOS DANOS CAUSADOS PELA VIOLÊNCIA DOMÉSTICA


Autoria:

Carlos Eduardo Rios Do Amaral


MEMBRO DA DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO

envie um e-mail para este autor

Resumo:

VALOR MÍNIMO PARA REPARAÇÃO DOS DANOS CAUSADOS PELA VIOLÊNCIA DOMÉSTICA

Texto enviado ao JurisWay em 08/06/2012.



Indique este texto a seus amigos indique esta página a um amigo



Quer disponibilizar seu artigo no JurisWay?

valor mínimo para reparação dos danos causados pela violência doméstica

 

Por Carlos Eduardo Rios do Amaral

 

 

Desde o advento da Lei nº 11.719, de 2008, o Magistrado do Juizado de Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher (JVDFM), criado pela Lei Maria da Penha, ao proferir a sentença penal condenatória “fixará” (dever) valor mínimo para reparação dos danos causados pela infração, considerando os prejuízos sofridos pela ofendida (Art. 387, IV, do CPP).

 

Tanto o valor mínimo para os danos materiais, assim como para os danos morais, cumulativamente, deverão ser impostos contra o agressor no veredicto penal condenatório. O restante dos prejuízos materiais e morais, não fixados no título judicial penal, deverão ser apurados em sede de liquidação, para complementação do ressarcimento dos prejuízos causados pela violência doméstica à ofendida.

 

Inexiste para o Magistrado do JVDFM a faculdade de condenar ou não o agressor a um valor mínimo para reparação dos danos causados pela violência ocorrida no âmbito familiar ou doméstico. Trata-se de um dever-legal, que tem raiz na premissa de que é efeito da condenação tornar certa a obrigação de indenizar o dano causado pelo crime.

 

Sempre à luz dos princípios constitucionais da ampla defesa e do contraditório, uma vez condenado, o agressor doméstico deverá, desde logo, restar sabedor que a violência perpetrada dará ensejo à recomposição material e moral em benefício da mulher ofendida.

 

A própria Lei Maria da Penha encampa o ideal da Lei nº 11.719/2008, prevendo a proteção patrimonial dos bens da sociedade conjugal ou daqueles de propriedade particular da mulher, instituindo no elenco de Medidas Protetivas de Urgência a prestação de caução provisória pelo agressor, mediante depósito judicial, por perdas e danos materiais decorrentes da prática de violência doméstica e familiar contra a ofendida. Uma interpretação sistemática com o texto constitucional (Art. 5º, X) e com o CPP (Art. 387, IV) também leva à garantia do ressarcimento do dano moral, também através de caução real ou fidejussória pelo agressor.

 

Os índices da violência contra a mulher atingem níveis alarmantes, revelando que tanto o Poder Público, assim como a sociedade civil, mostram-se impotentes ou despreparados para o combate e erradicação desse mal que tanto aflige as famílias no País, mutilando-as ou as destruindo por completo.

 

A fixação de um valor pecuniário mínimo para reparação dos danos materiais e morais causados pela violência doméstica, na própria sentença penal condenatória, mais do que resgatar os prejuízos e sofrimentos ocasionados pelo delito à ofendida, atende diretamente aos anseios de enfretamento à violência contra a mulher no Brasil, servido de desestímulo à perpetração deste tipo nefasto e cruel de violação aos direitos humanos, quase sempre realizados na presença de crianças inocentes.

 

Deixar de se fixar um valor mínimo para reparação dos danos causados pela infração penal, nestes casos, é premiar o agressor doméstico e, em última análise, fomentar a cultura do machismo que mata.

 

 

__________   

 

Carlos Eduardo Rios do Amaral é Defensor Público do Estado do Espírito Santo

 

 

 

 

Importante:
1 - Conforme lei 9.610/98, que dispõe sobre direitos autorais, a reprodução parcial ou integral desta obra sem autorização prévia e expressa do autor constitui ofensa aos seus direitos autorais (art. 29). Em caso de interesse, use o link localizado na parte superior direita da página para entrar em contato com o autor do texto.
2 - Entretanto, de acordo com a lei 9.610/98, art. 46, não constitui ofensa aos direitos autorais a citação de passagens da obra para fins de estudo, crítica ou polêmica, na medida justificada para o fim a atingir, indicando-se o nome do autor (Carlos Eduardo Rios Do Amaral) e a fonte www.jurisway.org.br.
3 - O JurisWay não interfere nas obras disponibilizadas pelos doutrinadores, razão pela qual refletem exclusivamente as opiniões, ideias e conceitos de seus autores.

Nenhum comentário cadastrado.



Somente usuários cadastrados podem avaliar o conteúdo do JurisWay.

Para comentar este artigo, entre com seu e-mail e senha abaixo ou faço o cadastro no site.

Já sou cadastrado no JurisWay





Esqueceu login/senha?
Lembrete por e-mail

Não sou cadastrado no JurisWay




 
Copyright (c) 2006-2019. JurisWay - Todos os direitos reservados