JurisWay - Sistema Educacional Online
 
É online e gratuito, não perca tempo!
 
Cursos
Certificados
Concursos
OAB
ENEM
Vídeos
Modelos
Perguntas
Eventos
Artigos
Fale Conosco
Mais...
 
Email
Senha
powered by
Google  
 

SHAKESPEARE, William. O Mercador de Veneza.SãoPaulo: Martin Claret,2007.


Autoria:

Claudia Maelle Santana Dos Santos


Cláudia Maelle Santana dos Santos Brandão, FORMAÇÃO ACADÊMICA Cursando Direito na Universidade Tiradentes. EXPERIÊNCIA PROFISSIONAL Atualmente Estagiária no Escritório Modelo da UNIT

envie um e-mail para este autor

Outros artigos da mesma área

Governança Corporativa: soluções para a sucessão e conflitos nas empresas familiares

A importancia da Franquia

ORIGEM E EVOLUÇÃO HISTÓRICA DAS JOINT VENTURES

Recuperação extrajudicial - Questões Relevantes

Novo Regime Jurídico Empresa Individual de Responsabilidade Limitada

Direitos e Obrigações dos Sócios em Sociedades Simples

Possibilidade de empresa em recuperação judicial celebrar contrato de factoring, segundo o Superior Tribunal de Justiça

Possibilidade de aprovação, pelo Judiciário, de plano de recuperação judicial rejeitado pela Assembleia de Credores, na jurisprudência do STJ (REsp 1337989 / SP)

PANORAMA DO DIREITO À INVENÇÃO NAS CONSTITUIÇÕES BRASILEIRAS

Créditos extraconcursais tem preferência de pagamento na Recuperação Judicial.

Mais artigos da área...

Resumo:

SHAKESPEARE, William. O Mercador de Veneza.SãoPaulo: Martin Claret,2007.

Texto enviado ao JurisWay em 02/05/2012.

Última edição/atualização em 07/05/2012.



Indique este texto a seus amigos indique esta página a um amigo



Quer disponibilizar seu artigo no JurisWay?

 

O Mercador de Veneza procura mostrar a responsabilidade entre o credor e o devedor, através de um contexto histórico que acontece a partir de uma época, portanto dessa forma surge um novo paradigma que faz acontecer várias mudanças para que possa integrar dentro da nossa atualidade, e possa obter grande importância para tentar explicitar o que há de bom e ruim com a sensação da alma do ser humana.

Portanto dentro das quais estarão adentrados os personagens da obra, para que através das criticas, que são ensejadas dentro desse contexto, seja como uma forma de reflexão, na qual naquela época a par disso já existia grandes questões sociais e políticas, em que o pátrio poder visava a não relação entre os personagens do romance, dessa forma faz com que a mente social do leitor analise e consiga buscar e que possa compreender essa ideologia, e diante da leitura que são inseridas a cada personagem no romance através de seus atos, portanto a justiça em que a obra vem tratar-se de um contexto diferente ,pois adota as formas de aplicar e julgar de uma maneira passageira.

Embora o Mercador de Veneza seja uma representação e tem como uma forma de característica como qualquer comparação histórica de uma narração.A partir destes enredo realiza-se uma análise sobre os seguintes principais personagens que são o Shylock e Antônio, onde eles tem a principal finalidade de mostrar no enredo uma forma de situação que tem como a representação o conflito entre a emoção e a razão.

Portanto a aplicação do Direito dentro desse contexto é muito diferente pois diante da situação em que eles se relaciona um com os outros, tal como o Mercador de Veneza o Antônio pega um empréstimo para ajudar o seu amigo Bassânio no mas esse empréstimo tem como característica o contrato, entretanto esse contrato que por sua vez é um acordo de vontades firmado entre as partes, no entanto depois o Mercador Antônio vai ter que cumprir com uma obrigação por causa que se trata de uma relação entre o credor e o devedor portanto deve-se pagar as prestações, daí fica-se sua vida diante das mãos do judeu Shylock, embora esse acordo entre eles, se caso o Antônio não fizesse o pagamento da prestação no dia em que foi marcado era extraído uma libra da sua carne de seu próprio corpo que poderá se levada ate a própria morte.

Assim como o seu amigo que por sua vez perdeu toda a sua riqueza que tinha como herança e que todo esse objetivo era casar-se com a Pórcia a rica e bela herdeira , que ao passar vários pretendentes, dentro quais cada um desses atribuíam-lhe varias qualidades, que pela qual a Porcia se interssa por Bassânio e no entanto teria esse que passar no teste para poder se casar com a Pórcia, na qual diante desses contratos, as leis de Veneza eram feridas por ser exigido por Pórcia, o médico no qual realizaria tal coisa admirável, que ao ser questionada por o judeu dizendo que essa afirmação não esta explicito no contrato referido.

Isso faz com que a condenação diante de um falso testemunho fique parte de sua fortuna ficaria para o Estado e a outra parte era para uma pessoa do ofendido como uma situação de um tipo de indenização.

 

 

 

PALAVRAS CHAVE: Justiça;Contrato;Obrigação;Estado.

Importante:
1 - Conforme lei 9.610/98, que dispõe sobre direitos autorais, a reprodução parcial ou integral desta obra sem autorização prévia e expressa do autor constitui ofensa aos seus direitos autorais (art. 29). Em caso de interesse, use o link localizado na parte superior direita da página para entrar em contato com o autor do texto.
2 - Entretanto, de acordo com a lei 9.610/98, art. 46, não constitui ofensa aos direitos autorais a citação de passagens da obra para fins de estudo, crítica ou polêmica, na medida justificada para o fim a atingir, indicando-se o nome do autor (Claudia Maelle Santana Dos Santos) e a fonte www.jurisway.org.br.
3 - O JurisWay não interfere nas obras disponibilizadas pelos doutrinadores, razão pela qual refletem exclusivamente as opiniões, ideias e conceitos de seus autores.

Nenhum comentário cadastrado.



Somente usuários cadastrados podem avaliar o conteúdo do JurisWay.

Para comentar este artigo, entre com seu e-mail e senha abaixo ou faço o cadastro no site.

Já sou cadastrado no JurisWay





Esqueceu login/senha?
Lembrete por e-mail

Não sou cadastrado no JurisWay




 
Copyright (c) 2006-2020. JurisWay - Todos os direitos reservados