JurisWay - Sistema Educacional Online
 
É online e gratuito, não perca tempo!
 
Cursos
Certificados
Concursos
OAB
ENEM
Vídeos
Modelos
Perguntas
Notícias
Artigos
Fale Conosco
Mais...
 
Email
Senha
powered by
Google  
 

"EDUCAÇÃO OU MORTE" : NOVA FRIBURGO, Desastre Natural ou Farsa?


Autoria:

Sebastião Fernandes Sardinha


Bacharel em ciências jurídicas pela UGF, pós-graduado em Docência do Ensino Superior pelo IAVM/UCAM, Gestão Estratégica pelo IAVM/UCAM, Sociologia, Política e Cultura pela PUC-Rio - Professor Universitário

envie um e-mail para este autor

Resumo:

A negligência estrutural dos Poderes instalados, fornece bagagem necessária ao funcionamento de uma conjuntura subterrânea secularmente instada nas hostes da administração, sendo fonte de desserviço para a população

Texto enviado ao JurisWay em 12/03/2012.



Indique este texto a seus amigos indique esta página a um amigo



Quer disponibilizar seu artigo no JurisWay?

 

“EDUCAÇÃO OU MORTE”

NOVA FRIBURGO

Desastre Natural ou Farsa?

Ensaios sobre a Sociologia dos Territórios Mentais

Sebastião F. Sardinha

 

            Inicialmente para compormos a coerência conceitual do termo é importante ressaltar que as acomodações da natureza não podem ser encaradas como “DESASTRES”, salvo para justificar a angariação de mais verbas da desgraça alheia.

            Segundo as lições de Evandro Ouriques[1], o fenômeno ocorrido em Nova Friburgo, sob a nominação primeira, trata-se na verdade de mais um DESASTRE CULTURAL como conseqüência dos desmandos político-administrativos das elites locais, bem como da falta da consciência do conceito coletivo da população subalterna.

            Há um total descompasso entre linguagem e ação, o que faz com que agentes criem conceitos obtusos sobre as razões que pouco importam ao pacto civilizatório. As distorções e “cortinas de fumaça” impostas criam as situações terminais que ceifam vidas humanas e condenam gerações ao ostracismo social.

            Nas lições de Ouriques[2],

 “ é necessária uma mudança de rumo, pois é no território mental que se dão concretamente as relações de poder psicossocialmente construídas, nas quais ou o indivíduo, rede, movimento e organização, apropria-se, pela desobediência civil mental, do poder, tornando-se assim, cada um deles, portador de voz própria, .....

 

            A história acontece como tragédia, se repetindo, no entanto como farsa, pelas linhas do 18 de Brumário de Luiz Bonaparte[3], vaticinando Karl Marx  a rotina dos golpes da família Bonaparte. No entanto a mensagem teleológica da obra reside em que

“os homens fazem sua própria história, mas não a fazem como querem; não a fazem sob circunstâncias de sua escolha e sim sob aquelas com que se defrontam diretamente, legadas e transmitidas pelo passado”.

 

A tragédia Cultural de Nova Friburgo, não é fato novo em decorrência da geografia local em face do fenômeno climatológico das chuvas que deu o nome ao Estado e sua Capital, - São Sebastião dos Rios de Janeiro – constatado pelos portugueses que da entrada da baia  de Guanabara contemplavam o tingir da lama vermelha, agora negra que ainda desce das encostas naquela época do ano.

           

É, todavia, uma questão de Educação ou Morte, com distanciamento imponderável da proclamada independência pregada pela democracia.

  

Assim socorrendo-nos de Ouriques[4]

“ Qual é, portanto a responsabilidade democrática que temos sobre nossos estados mentais? Os discursos que identificamos como nosso são nossos mesmo? O quanto a diferença que sustentamos é democrática?

 

            A vitimação ideológica induz a um conceito macrossômico que mina as múltiplas resistências de uma coletivização local sempre ofuscado pelos interesses individuais de uns poucos agentes políticos.

            Devemos reinventar o mecanismo da liberdade aumentando e fortalecendo a vigilância sobre os Poderes Constituídos através da sociedade civil organizada, como garantia do pacto federativo.

            A dominação hegemônica dos grupos políticos de Nova Friburgo precisa se rizomatizada com fins a oxigenação das representações identitárias das associações e grupos locais.

            Não podemos desacreditar que o viés paternalista inculcado na população, nos faz um povo sem memória, com a certeza de se não conhece a sua história, estará condenado a repeti-la.

            O que antes era saga das classes menos favorecidas, a problemática de Nova Friburgo horizontalizou a expansão da tragédia a demonstrar o amadurecimento das acomodações naturais.

            Inexoravelmente não poder-se-á ignorar a existência da ‘FARSA CULTURAL”, erigida dos desmandos dos agentes públicos sendo a reação a melhor medida, sob pena de omissão coletiva da sociedade local.

            Dever-se-á acreditar que a socialização do desastre cultural havido em Nova Friburgo tenha feito as elites locais refletirem e se moverem, sob pena de, em futuro próximo serem agraciados pela revolta da natureza.

            Impor soluções messiânicas certamente não solucionará e muito menos a desenfreada injeção de recursos públicos à fundo perdido.

            Mobilizar a população através dos movimentos organizados parece ser a posição mais acertada, na busca de meios e modos de contornar a tragédia cultural de Nova Friburgo, já que solucionar importaria em convocar esta mesma natureza vilipendiada à mesa de negociações. O que nos parece impossível.

           

                                                                      



[1] Prof. Dr. Evandro Vieira Ouriques Coordenador, NETCCON.ECO.UFRJ.

[2] TERRITÓRIO MENTAL, o nó górdio da democracia – Evandro Vieira Ouriques – Democracia Viva nº 42 maio.2009.

[3] O 18 de Brumário de Luiz Bonaparte- Karl Marx.

[4] Idem página 78.

Importante:
1 - Conforme lei 9.610/98, que dispõe sobre direitos autorais, a reprodução parcial ou integral desta obra sem autorização prévia e expressa do autor constitui ofensa aos seus direitos autorais (art. 29). Em caso de interesse, use o link localizado na parte superior direita da página para entrar em contato com o autor do texto.
2 - Entretanto, de acordo com a lei 9.610/98, art. 46, não constitui ofensa aos direitos autorais a citação de passagens da obra para fins de estudo, crítica ou polêmica, na medida justificada para o fim a atingir, indicando-se o nome do autor (Sebastião Fernandes Sardinha) e a fonte www.jurisway.org.br.
3 - O JurisWay não interfere nas obras disponibilizadas pelos doutrinadores, razão pela qual refletem exclusivamente as opiniões, ideias e conceitos de seus autores.

Nenhum comentário cadastrado.



Somente usuários cadastrados podem avaliar o conteúdo do JurisWay.

Para comentar este artigo, entre com seu e-mail e senha abaixo ou faço o cadastro no site.

Já sou cadastrado no JurisWay





Esqueceu login/senha?
Lembrete por e-mail

Não sou cadastrado no JurisWay




 
Copyright (c) 2006-2019. JurisWay - Todos os direitos reservados